Notícias

19/04/2017 - 13:48

Educação inclusiva avança, mas ainda falta acessibilidade

A professora Sônia Shima reflete sobre tema do debate do CFP marcado para 25 de abril

#CFPAcessível #PraCegoVer: Descrição da imagem: Imagem dividida em quatro quadros. Três na cores: amarelo, azul e salmão. O outro com uma foto da entrevistada Sônia Shima, em formato de desenho. No parte debaixo, mais para a esquerda, no quadro salmão, mostra a seguinte inscrição: “Confira entrevista com Sônia Shima – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional”. No canto direito, entre os quadros azul e amarelo, vários lápis de cor, de diferentes tamanhos, cores, larguras, e formas.

Qual o cenário da educação inclusiva no Brasil? Quais são as contribuições da Psicologia para o tema? Para responder essas perguntas, o Conselho Federal de (CFP) publica, a partir desta semana, entrevistas com especialistas no tema do debate online marcado para 25 de abril. As discussões serão transmitidas da sede da autarquia, a partir das 18h30, em tempo real pelo site e pelas mídias digitais do CFP. Representantes de entidades das áreas de educação, pesquisa e ensino da Psicologia vão falar sobre as “as contribuições da Psicologia para Educação Inclusiva?”

A primeira entrevistada é com a professora da Universidade Estadual do Maringá e integrante da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (Abrapee), Sônia Mari Shima Barroco. O CFP e a Abrapee são entidades que integram o Fórum das Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira (FENPB).

Dia 25 de abril às 18h30 AO VIVO aqui

Sônia Mari Shima Barroco é graduada em Psicologia pela UEM. Tem pós-doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano da Universidade de São Paulo (USP). É professora associada do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UEM, no qual é coordenadora adjunta. Tem experiência nas áreas de Psicologia e Educação, com ênfase em Psicologia Escolar.

 

Qual o cenário da educação inclusiva no Brasil?

Há dois marcos da educação inclusiva no Brasil: a Declaração de Salamanca, elaborada pela Unesco em 1994, e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96). Em ambos, temos o direito ao atendimento educacional adequado às pessoas com deficiências e necessidades educacionais especiais (AEE) reconhecido. Desde aquela década, a implementação de propostas pela União, Estados e municípios tem sido ampliada.

O reconhecimento da educabilidade da pessoa com deficiência, da sua capacidade de aprender e de se desenvolver, desde que lhe sejam dadas mediações e recursos instrumentais condizentes à sua condição, tem sido alvo da luta travada pelas escolas, pelas famílias e pela sociedade. Pesquisas e práticas mostram como bom ensino promove a aprendizagem e movimenta o desenvolvimento, mas nem por isso contamos com concepção hegemônica a respeito da importância da boa escola para todos os alunos, com e sem deficiência. A boa escola permite a promoção da compensação cultural para problemas biológicos, anatômicos ou funcionais, e psíquicos.

Dos anos 1990 até a segunda década do Século XXI, pesquisas e maior visibilidade permitiu maior divulgação das diferentes possibilidades do existir humano. Isso se deve também ao acesso à informação e à divulgação das redes sociais. Contudo, ainda é preciso lutar pelas acessibilidades à matrícula, à permanência com dignidade na escola, às adequações arquitetônicas, ao conhecimento (com com profissionais habilitados e bem formados), à permanência nos estudos sem sofrimento de violência e bullying e à terminalidade dos estudos.

 

Quais são as contribuições da Psicologia para a educação inclusiva?

No texto “Contribuições da Psicologia Histórico-Cultural para a formação e atuação do psicólogo em contexto de Educação Inclusiva” abordamos essa questão. Podemos destacar que a teorização sobre o desenvolvimento humano é uma contribuição da Psicologia. Ao explicar como se dá a constituição do psiquismo humano e dos fatores que impactam sobre o ser, instrumentalizamos os profissionais e a família para o trabalho educacional inclusivo. Demonstrar que o psiquismo da pessoa (com ou sem deficiência) não se apresenta pronto quando do nascimento dá oportunidade à intervenção, à mediação cotidiana, comum e especializada, de modo a desenvolver o que está íntegro e a compensar, por vias alternativas ou colaterais, o que está complicado pela deficiência. Esse entendimento pautado em L. S. Vygotski permite vislumbrar o alcance de níveis mais avançados de desenvolvimento para pessoas surdas, cegas ou com limitações neuromotoras.

A Psicologia permite que a sociedade tenha uma compreensão mais complexa e integrada da aprendizagem e do desenvolvimento regulares e diferenciados por condições como essas. Contudo, também há que tornar evidente que as barreiras que limitam não são somente biológicas, podem ser atitudinais ou sociais.

Nas relações sociais estabelecidas é que são criados e empregados os limites à formação humana, como se poderia pleitear para todos os homens.

 

Como a Abrapee atua para ampliar a Educação inclusiva?

Além de participar ativamente da proposição, implementação e avaliação de políticas educacionais que impactam a formação e atuação de psicólogos, a Abrapee estimula e divulga pesquisas nas áreas de Psicologia Escolar e Educacional, promovendo e apoiando eventos estaduais, nacionais e internacionais.

No âmbito estadual, a associação promove encontros estaduais e, no nacional, realiza o Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional (Conpe). Ao criar condições para disseminar pesquisas e atividades profissionais, a associação permite a interlocução entre os profissionais e entre sujeitos de áreas diferentes, envolvendo estudantes e profissionais. Estimula, com isto, o debate, a avaliação, a crítica e a elaboração de novas proposições.

A Abrapee também apoia eventos propostos por outras associações, entidades e universidades que abordem temas relacionados à educação especial e/ou inclusiva e publica a Revista Psicologia Escolar e Educacional.