Notícias

07/01/2016 - 17:32

Posse de novo coordenador gera novas manifestações no anexo do Ministério da Saúde

Cartazes, faixas, caixa de som e palavras de ordem reforçaram o pedido da exoneração de Valencius Wurch Duarte Filho

DSC_0313

O novo coordenador nacional de Saúde Mental, Valencius Wurch Duarte Filho, tomou posse nesta quinta-feira (7) no Ministério da Saúde. O fato gerou novas manifestações no saguão da Torre I, do anexo do ministério, por parte de representantes de entidades e movimentos sociais da Luta Antimanicomial, que ocupam as salas da Coordenação de Saúde Mental há 23 dias.

O vice-presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Rogério Oliveira, reforçou que o modelo, a partir da escolha do ministro, traz um retrocesso para a área da saúde mental. “As falas públicas do Sr. Valencius – em todas as ocasiões em que ele se pronunciou – são claramente na direção de que o hospital psiquiátrico volte a ser o centro da rede de atenção psicossocial. Ou seja, esse modelo retrocede para um modelo em que se vislumbra a possibilidade da humanização de um grande hospital psiquiátrico. É um modelo de segregação. Isso nos assusta. Por isso, estamos unidos contra essa nomeação”, ressaltou.

Cartazes, faixas, caixa de som e palavras de ordem pedindo a exoneração de Valencius Filho marcaram as manifestações, bem como paródias de músicas e marchinhas de carnaval pela manutenção da política de Saúde Mental aplicada pelo Governo Federal, destacando o retrocesso dessa indicação para as políticas públicas nesse setor. “Nós conseguimos no dia 29 de dezembro de 2015 uma agenda com a Casa Civil, interceptada pelo Ministério da Saúde, que deslocou todas as entidades para se reunir com o ministro da Saúde. Imaginávamos que escutaríamos novidades, mas, no entanto, o discurso foi o mesmo, pedindo um voto de confiança de três meses para o Valencius. Sabemos que em três meses muita coisa pode ser feita, inclusive partindo de alguém que foi diretor do maior e pior hospital psiquiátrico da América Latina e não participou do processo de transformação nacional da política de saúde mental e não é reconhecido pelas entidades, movimentos e todos aqueles que lutaram por 30 anos para garantir uma política séria com garantia dos direitos e cidadania da população com transtornos mentais”, destacou a secretária-executiva da Rede Nacional Internúcleos da Luta Antimanicomial (Renila), Alyne Alvarez.

Essa manifestação é mais uma forma de conclamar os mais diversos coletivos brasileiros, trabalhadores do SUS e demais políticas públicas, seus usuários, familiares, estudantes, acadêmicos e todos os apoiadores para ocupar Brasília de 11 a 15 de janeiro. “Onde há poder, há resistência. O CFP, nesse momento, estará na posição de resistir a essa decisão política, que nomeamos como autocrática e sem diálogo. Os próximos passos serão adotados, coletivamente, com as demais entidades nacionais que estão à frente desse movimento. E a próxima semana será o ápice das manifestações de rua com pessoas vindas do Brasil inteiro”, apontou Oliveira.

Mais de 650 entidades de classe, universidades, parlamentares, movimentos sociais da luta antimanicomial, familiares de usuários e profissionais do sistema público de saúde mental, no Brasil e no exterior, estão envolvidas ou apoiam a ocupação e as manifestações.

 

Programação:

A partir do dia 11 de janeiro: acampamento em frente à sede do Ministério da Saúde;

Dia 14 de janeiro, às 10h: Assembleia Geral, em frente ao Ministério da Saúde, com todas as entidades, universidades e movimentos sociais presentes;

Dia 14, às 14h30: manifesto do (L)oucupaBrasília! em frente ao Ministério da Saúde.

 

Sobre a ocupação: www.facebook.com/foravalencius

Confirme presença no evento (L)oucupaBrasília: https://www.facebook.com/events/1536900029955782/

 

Comentários

9 comentários
David Abdo Benetti - 08/01/2016 10:51

Oque a sociedade necessita e exige de um coordenador nacional da Saúde Mental é humanidade, bom senso e moral.

#ForaValencius. #NaoAoRetrocesso. #NaoAosManicomios

Raquel da Silva Barros - 09/01/2016 14:52

Muitos ambientes públicos precisam com urgencia ex: escolas públicas

M. Estela Freire da P. Linder - 12/01/2016 22:27

O manifesto deveria ter o mome Desocupa Brasilia!!

[...] uma assembleia geral no acampamento e, às 14h30, uma grande manifestação. O Conselho Federal de Psicologia, declara em sua página, na internet, que a posse do novo coordenador é um retrocesso. “As [...]

[...] Posse de novo coordenador gera novas manifestações no anexo do Ministério da Saúde [...]

Roberto E. Schmidlin - 14/01/2016 11:09

Vale lembrar que o modelo anterior, baseado na hospitalização, além de ferir todos os direitos humanos dos pacientes, consumia 50% das verbas de saúde ainda na década de oitenta.Era caríssimo, absolutamente ineficaz, desumano e só servia para esconder os doentes mentais. Manicômio nunca mais!

Adicionar Comentário





4 − = 0