Notícias

09/08/2018 - 16:27

CFP e Fenapsi articulam retirada de nomes da frente sobre Saúde Mental

Entidades estão dialogando com parlamentes para explicar que essa política representa uma volta à lógica manicomial

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) e a Federação Nacional dos Psicólogos (Fenapsi) estão mobilizados pela retirada de nomes da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Nova Política Nacional de Saúde Mental e da Assistência Hospitalar Psiquiátrica. Nesta quinta-feira (9), representantes das duas entidades foram ao Congresso Nacional conversar com parlamentares para explicar o verdadeiro caráter a Nova Política de Saúde Mental, aprovada em dezembro de 2017, que afronta as diretrizes da política de desinstitucionalização psiquiátrica e representa uma volta à lógica manicomial.

Vice-presidenta da Fenapsi, Fernanda Magano esteve no Congresso e conta que o movimento antimanicomial foi surpreendido com a divulgação da criação dessa frente, feita pelo coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro. “Essa política não tem nada de nova. É um retrocesso, pois ela defende dinheiro para comunidades terapêuticas, defende a instituição dos hospitais psiquiátricos, que significa a volta dos manicômios, algo que a reforma psiquiátrica é totalmente contra”.

Como as assinaturas foram colhidas no plenário da Câmara, muitos deputados e deputadas assinaram sem total compreensão do verdadeiro caráter dessa nova política. Por isso, CFP e Fenapsi foram ao Congresso para explicar o que as novas diretrizes representam, e destacar que vários partidos já haviam se posicionado de forma contrária. As entidades iniciaram a conversa com o líder da bancada do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), mas também farão diálogos com parlamentares de outros partidos para retirada da assinatura.

Magano salienta que, mesmo que a retirada do apoio dos parlamentares não signifique a extinção da frente, a conversa com os deputados “é uma oportunidade para mostrar que a gente mantém uma posição contrária a essa nova política, que a gente segue defendendo o princípio da luta manicomial, e que já existe uma Frente Parlamentar criada há dois anos que de fato atua na defesa dos princípios da luta antimanicomial”.

Leia mais

CFP repudia aprovação de mudanças na política de saúde mental

Retomada da Frente Nacional Drogas e Direitos Humanos em andamento