Revistas Diálogo

Revista Diálogos – nº10

Autor: Conselho Federal de Psicologia
Edição: ANO 15 | Nº11

Este número da revista DIÁLOGOS é um convite à reflexão sobre a importância da  educação em suas múltiplas funções – processo social, política pública, contexto de exercício profissional da psicóloga. Para a construção de um panorama da área da  educação e suas inter-relações com a Psicologia, contamos com as vozes de profissionais de todas as regiões do país que compartilharam suas opiniões e conhecimentos.

Abrimos a revista com um breve registro da história da psicologia escolar/educacional
no Brasil, apresentada em termos de caracterização da área, percurso histórico, desafios
e perspectivas futuras. Apresentamos um dos espaços de articulação das profissionais,
pesquisadoras e estudantes que é Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE). A consolidação da área da psicologia escolar/educacional pode ser constatada também na realização frequente de congressos científicos, no número de dissertações e teses, na existência de grupos de pesquisa na Associação Nacional de  Pesquisae Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP) e na consistente produção de conhecimento divulgada em artigos e livros.

Compreendendo que a atuação no âmbito educacional e escolar ocorre em um contexto
sociocultural específico, é importante refletirmos sobre os impactos da conjuntura social e política da atualidade, uma vez que no período recente a educação tem sofrido uma série de ataques através de cortes de recursos públicos destinados à educação básica e ao ensino superior, da perseguição a profissionais da educação, do cerceamento ao livre exercício de cátedra.

Questiona-se, por que a educação tem sido alvo desses ataques? O que a educação representa? A busca por respostas passa pela problematização da relação entre desigualdade e educação, dos impactos da militarização das escolas públicas, do homeschooling e suas consequências para o processo de desenvolvimento de crianças e adolescentes, das violências e preconceitos na escola e dos processos de medicalização da educação e da sociedade.

Essas reflexões nos apontam que a potência da educação como processo que promove
desenvolvimentos e aprendizagens é o que a faz alvo preferencial desses ataques. E é exatamente por essa potência que as estratégias de resistência e luta contra as opressões passam pela educação, contexto importante de construção de consciência crítica.

Para demonstrarmos a importância da Educação para a Psicologia, situamos a escola
como contexto privilegiado de desenvolvimento humano. No entanto, para que as escolas
possam incluir a todas/os, é importante compreendermos sua complexidade. Para refletirmos sobre essa questão, são apresentadas experiências de profissionais que atuam no contexto escolar e não escolar em diversas regiões do país e que podem contribuir para a construção de uma escola-mundo onde caibam todos os mundos. Destacamos a importância das políticas afirmativas e de ações de promoção do acesso e permanência de estudantes LGBT, de negros, de pessoas com deficiências como estratégia de promoção do direito à educação de todas/os.