Notícias

16/07/2018 - 14:24

Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas: causa indígena e quilombola

A etapa Centro-Oeste, realizada pelo CFP e conselhos regionais do DF, GO, MS, MT, foi organizada pelo Centro de Referências Técnicas em Psicologia e Políticas Públicas

Mais da metade dos 318 mil profissionais da Psicologia que existem hoje no Brasil trabalham com políticas públicas. “Por isso, nosso trabalho na área é o dado mais materializável de nosso compromisso social. Nós gestamos as políticas públicas e estamos no monitoramento e no controle social dessas políticas”. Com essas palavras, o diretor-secretário do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Pedro Paulo Bicalho, abriu a quarta etapa regional do “IX Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas: a construção do trabalho junto com os povos indígenas e quilombolas no Centro-Oeste”.

O evento reuniu, em Campo Grande (MS), dia 13, mais de 140 participantes, em sua maioria profissionais e estudantes da Psicologia, além de parceiros na luta pelo fortalecimento de políticas públicas no país. Assim como nas etapas anteriores, a atividade foi transmitida ao vivo pelo site do Conselho Federal de Psicologia (CFP): www.cfp.org.br.

A diretora-tesoureira, Norma Cosmo, falou sobre a necessidade de pensarmos juntos as populações indígenas e quilombolas. Para ela, o país vive momento de fragilidade, de asfixia das políticas e o caminho e a trajetória mostram que estamos vendo a destruição dessas políticas, “sobretudo na formação de profissionais da área. Precisamos nos preocupar com a incidência da Psicologia nas políticas públicas, seja na produção do conhecimento, seja na presença prática cotidiana dessas políticas”. Cosmo também reafirmou a importância do Sistema Conselhos de Psicologia, criado para regular, disciplinar e orientar a profissão e que tem pensado e realizado a dimensão ético-política para o exercício profissional da Psicologia.

Mesas-redondas e palestras sobre a conjuntura regional do Centro-Oeste e os impactos no exercício profissional da Psicologia junto aos povos indígenas e quilombolas na região Centro-Oeste foram temas de debates entre os participantes do encontro.

Avaliação – Para Irma Macário, presidenta do CRP/MS (CRP 14ª Região), a importância do seminário deve-se à abordagem dos temas. “Estamos socializando quais são os trabalhos e qual a Psicologia que está sendo feita na região”.

Para a coordenadora do Centro de Referências Técnicas em Psicologia e Políticas Públicas (Crepop) do CFP, conselheira Marisa Helena Alves, é necessário perceber o impacto da mobilização regional. “Fica a importância da resistência do Crepop contra o desmonte de políticas públicas. Por meio de encontros como esses é que podemos construir essas estratégias de resistência”.

 IX Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas

A etapa Centro-Oeste do “IX Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas: a construção do trabalho junto com os povos indígenas e quilombolas no Centro Oeste” foi uma realização conjunta entre o CFP e os Conselhos Regionais de Psicologia do DF (CRP-1), GO (CRP-9), MS (CRP-14) e MT (CRP-18), organizada pelo Centro de Referências Técnicas em Psicologia e Políticas Públicas (Crepop).

A próxima etapa do seminário será no Nordeste, no dia 9 de agosto, em Teresina (PI). Para mais informações, acesse o site politicaspublicas.cfp.org.br.