Notícias

07/02/2013 - 16:24

Declarações de Silas Malafaia

25 mil pessoas curtiram nota de repúdio publicada no site do CFP

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) manifesta publicamente seu repúdio às declarações do pastor Silas Malafaia feitas no último domingo (3/2), durante um programa de entrevistas exibido pelo SBT. Em sua participação, o pastor evangélico agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação – objetos da atuação da Psicologia, que se pauta na defesa da subjetividade das identidades.

As declarações de Malafaia, que é graduado em Psicologia, afrontam a construção das lutas da categoria ao longo dos anos pela defesa da diversidade. É lamentável que exista um profissional que defenda uma posição de retrocesso que chega a ser quase inquisitório, colocando como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito na leitura dos Direitos Humanos.

Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia, especialmente no que tange a Resolução CFP nº 001/99, estabelece normas de conduta profissional para o psicólogo na abordagem da orientação sexual, visando garantir um posicionamento de acordo com os preceitos éticos da profissão e a fiel observância à promoção dos direitos humanos. Considera que a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana.

O dispositivo busca contribuir para o desaparecimento das discriminações em torno de práticas homoeróticas e proíbe as psicólogas (os) de proporem qualquer tratamento ou ação a favor de uma ‘cura’, ou seja, práticas de patologização da homossexualidade. Infelizmente, nada disso soa em consonância com o discurso de Silas Malafaia.

A Resolução declara, ainda, que é um princípio da (o) psicóloga (o) o respeito à livre orientação sexual dos indivíduos e o apoio à elaboração de formas de enfrentamento no lidar com as realidades sociais de maneira integrada.  É dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual.

Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos de parcela significativa da população. Vale lembrar que esses tipos de casos resultaram, no ano de 2011, em 278 assassinatos motivados por orientação sexual, de acordo com o Disque Direitos Humanos (Disque 100).

Dessa forma, podemos entender que a construção sócio-histórica da figura do homossexual como anormal que precisa ser corrigido e, por vezes, exterminado para a manutenção dos valores e do bem estar social, ainda se faz presente em nossa sociedade. Entretanto, a violência destinada a sujeitos que têm suas sexualidades consideradas como ‘desviantes’ não se resume a agressões e assassinatos. De fato, tais manifestações só se tornam possíveis a partir de uma rede de discursos que os colocam como inferiores, vítimas de sua própria existência. Esses discursos e práticas são, então, ações de extermínios de subjetividades indesejadas.

Com base nessa realidade, é também uma tarefa da Psicologia contribuir para o enfrentamento da homofobia e suas repercussões sociais.  A importância dessa ação é tanta, que em novembro de 2012 o CFP assinou um termo de cooperação com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) para tratar do tema por meio de Comitês de Enfrentamento à Homofobia e da Campanha Faça do Brasil um Território Livre da Homofobia.

A atitude desrespeitosa de Malafaia com homossexuais ressalta um tipo de comportamento preconceituoso que não se insere, em hipótese alguma, no tipo de sociedade que a Psicologia vem trabalhando para construir com outros atores sociais igualmente sensíveis e defensores dos Direitos Humanos. O Brasil só será um país democrático, de fato, se incorporar valores e práticas para uma cidadania plena, sem nenhum tipo de discriminação. Exatamente o oposto do que prega o referido pastor.

Comentários

791 comentários
Martin Montag - 07/02/2013 16:38

Mto bla bla bla e pouca ação. Pq o registro de psicólogo dele ainda não foi cassado? Vcs estão sendo coniventes.

Thamires Palomino - 07/02/2013 16:55

OK. Agora só falta cassarem o CRP dele, não?

Pablo Mendonça - 07/02/2013 16:59

Acredito que o resgistro de Psicólogo do pastor deve ser cassado, pois o mesmo se mostra inapto e belicoso para tal profissão.

Prezados (as),

Sobre possibilidade de cassação do registro de psicólogo do pastor Silas Malafaia, esclarecemos que as sanções passíveis de serem aplicadas aos psicólogos devido à conduta profissional antiética só podem se dar mediante processo ético com julgamento que respeite as garantias constitucionais (como direito ao contraditório e ampla defesa). Além disso, no que diz respeito a processos éticos o CFP é instância de recurso, por isso não pode realizar nenhuma ação que não esteja prevista em normativa e dentro do rito processual adequado. A manifestação feita pelo CFP neste contexto se deu como uma resposta pública a um posicionamento público feito pelo sr. Malafaia ao programa de entrevista veiculado no SBT.

Esse dito “pastor” exerce a profissão de Psicólogo?
Existe alguma sanção que o CFP poderia aplicar a ele por conta dos disparates ditos em rede nacional? Pois ao se apresentar como psicólogo e pregar tantos preconceitos, ultraja a profissão que tanto lutamos para bem representar.

Benedita de Lourdes Carvalho Rodrigues - 07/02/2013 17:10

Bom posicionamento do CFP

O Pastor é Psicólogo e Pastor evangélico. Ele usa a psicologia até onde a bíblia permite e quando existe um confronto ele opta pela bíblia ……acho que o CFP deveria informar que evangélicos não deveriam ser psicólogos ….., pois para nós a bíblia sempre vai ser nossa referência frente a uma ciência humana : )

Bruno Beltran - 07/02/2013 17:15

Como vão senhores?
Não entendo o por quê, por muito menos, licensas foram caçadas e a deste déspota ainda não foi.
O que precisa acontecer?

Leila L. K. de Souza - 07/02/2013 17:18

Acho que poucas vezes li um artigo tão lúcido, tão claro. Esse senhor vem influenciando milhares de pessoas com o seu discurso inflamado, e preconceituoso, à respeito do homossexualismo, sem considerar as consequencias que tal atitude pose trazer. Parabéns, CFP, por trazer a público tais esclarecimentos.

É sem a mínima intenção de ser desrespeitoso que digo: “Chega a ser irritante, a forma como se distorcem as coisas”! A posição do Silas, que também é de todo cristão bem esclarecido, é de que homossexualidade não é doença! Mas insistem em que nós queremos impor uma “cura”. Cura é pra gente doente! Mas nós acreditamos, até que nos provem “irrefutavelmente” que estamos errados, que homossexualidade é comportamental. E assim, se é comportamento, pode ser reorientado! Mesmo assim, não lutamos para que se imponha uma “terapia de reorientação”; queremos apenas que aqueles que desejam ser reorientados possam ser ajudados por um especialista, se este for o desejo dele! Homossexualidade é pecado aos olhos da doutrina cristã; pecado é um comportamento “não louvável”. Mas homossexualidade não é crime. Por isso, quem quiser ser homossexual, tem todo direito de ser e não sofrer agressões por isso. Mas e quanto ao direito de não ser? Se não quiser mais ser e quiser buscar ajuda, o profissional vai dizer: “Só posso te ajudar a ‘se aceitar’, mas ajudar a se ‘reorientar’ não”?! E quanto ao direito de dizer que “sob a visão cristã, homossexualidade é ‘um comportamento não louvável’, onde fica”? Neste país, podemos criticar todo tipo de comportamento e até zuar… Mas, o “comportamento homossexual”, querem blindar. Que sejam gays se quiserem; mas respeitem o direito de pessoas que não acham esta uma escolha louvável de expressar sua opinião, assim como o direito de outros que querem ser ou virão a desejar ser reorientados, de buscar ajuda e serem ajudados.

Olá!! meu filho por causa das manifestaçoes desse imundo, quase tentou se matar!!! ele que faz tratamento com psicologos, quase se matou!!! até quando esse lixo vai ofender pessoas.. esse lixo tem que saber que nós somos maes, e amamos nossos filhos seja ele gay ou nao… e ainda uma praga dessa se diz homem de deus..

Só mais uma coisa: Esta pressão que fazem em cima das pessoas pra não falarem “homossexualismo”, mas sim “homossexualidade”, é uma bobagem! Explico: Tudo bem psicólogos trocarem estas palavras, já que o “ismo” está associado a doenças; mas na filosofia, teologia e outras, o “ismo” não tem nada a ver com doença, mas sim com ideologia e comportamento. Exemplo: AteISMO, cristianISMO, islamISMO… Entende?

Cassem o diploma desse ladrão!

Opa! Esqueci-me de dizer: “Sou um ex-homossexual”! Era homossexual ativo. Hoje um reorientado.

Juliane Cristina Cunico Bach B - 07/02/2013 17:39

E porque ninguém toma uma providência para retirar o CRP desde cidadão??

Aender Borba - 07/02/2013 17:48

Esta não é a primeira vez que comento um artigo que julgo tendencioso, postado pelo CFP. Primeiro, deixo claro que não faço apologia à defesa de quem quer que seja, muito menos do tal pastor e “psicólogo”. Minha opinião é que não houve nenhum tipo de violência naquela entrevista. O pastor expôs seu pensamento e foi refutado pela repórter, como em qualquer diálogo humano, que dotado de um mínimo de decência pode e deve acontecer. Sem mais delongas, acho que o CFP mostra quais os “direitos” “humanos” quer defender. CFP, defenda sua classe, defenda todos os humanos indistintamente e não apenas certas classes. Deixe que esse debate continue como deve ser, na esfera pública, e abandone essa tentativa iluminista de segregar a religião à esfera privada. Gays, cristãos, judeus, árabes, ateus, políticos, psicólogos, etc são todos humanos e têm o direito de se expressar. Sem violência, é claro, mas se posicionando a partir de sua visão de mundo. Isso é humano!

Rafael Bosco - 07/02/2013 17:57

Me envergonha viver em uma sociedade onde e permitido esse tipo de abuso por pastores e padres, o povo ignorante continua dando poder a esses canalhas enquanto isso ficam cada vez mais e mais ricos.
Comprando as mídias desse pais, transformando todo território navio em pasto de ovelhas.

Nivea Melo - 07/02/2013 18:10

Pessoas como ele conspurcam a profissão. Deveria haver punição para quem faz algo assim. Absurdo se dizer Psicólogo e fazer isso!

“Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos de parcela significativa da população. Vale lembrar que esses tipos de casos resultaram, no ano de 2011, em 278 assassinatos motivados por orientação sexual, de acordo com o Disque Direitos Humanos (Disque 100).”
Como é? O fato de alguém opor-se ao comportamento homossexual agora é caso de violência contra os mesmos? De onde o “todo-poderoso” CFP retirou essa conclusão ilógica? Quer dizer que quem não concorda com o comportamento gay é um assassino em potencial? Até que ponto chegamos, meus amigos, mancomunados como estamos com os interesses de uma minoria que quer impôr-se à força e, para isso, usa a arma do saber psicológico como escudo e como espada…
Outra questão: o CFP apurou as denúncias de crimes de “homofobia” conforme informação dada acima, para saber as motivações de todos so crimes? Seria bom que olhassem o relatório abaixo. Ouvir uma voz discordante de vez em quando faz bem
http://homofobianaoexiste.wordpress.com/relatorio-2011/

De nada adianta repudiar se a todo o momento o tal pastor se anuncia como tb psicólogo e nada é feito pelo Conselho. Está mais do que na hora do Conselho tomar algum tipo de punição, cassação. Só falar nao adianta nada.

christy Mottun - 07/02/2013 18:25

A atitude desrespeitosa do Conselho Federal com os cristãos ressalta um tipo de comportamento preconceituoso que não se insere, em hipótese alguma, no tipo de sociedade que a Igreja Cristã vem trabalhando para construir com outros atores sociais igualmente sensíveis e defensores dos Direitos Humanos. O Brasil só será um país democrático, de fato, se incorporar valores e práticas para uma cidadania plena, sem nenhum tipo de discriminação. Exatamente o oposto do que prega o referido conselho discriminando a forma de agir e de viver dos cristãos. É um direito. nós amamos o homem mas reprovamos sua prática, assim como vcs estão fazendo conosco.

Fico muito feliz com essa posicionamento!

Para Júnior - 07/02/2013 18:36

Uma coisa é não gostar, outra coisa é se opor. Todos possuem o direito de exercer sua sexualidade, no momento em que você se opõe a esse direito você vai estar ferindo os direitos daquelas pessoas, Silas Malafaia não apenas discorda e convive com isso, ele se opõe e luta contra isso. É ai que se encontra o problema. Creio que faltou discernimento em sua leitura.

Junior, o que significa “não concordar” como a homossexualidade? Não é possível discordar de coisas ou de fatos. Por exemplo, não se pode discordar do Sol.
A homossexualidade teria que ser uma idéia para que alguém pudesse discordar dela. Você não concorda com quê? não concorda que ela existe? se for isso, te informo que existe sim, é uma realidade para muitas pessoas.
Não concorda que ela DEVERIA existir? nesse caso, é uma pena, mas o que você propõe entao? exterminar essas pessoas? deixá-las à margem da sociedade?
Perceba que na vastidão do Brasil, é possível que em algum lugar exista alguém não concorde com fundamentalismo, com a ultra direita e com o neonazismo. Isso não daria a essa pessoa o direito de obstruir os seus direitos civis, a sua cidadania ou o seu direito de caminhar pela rua sem ser agredido – por exemplo.
Ou será não é nada disso e na verdade você não concorda que a homossexualida seja natural? Se for esse o caso, repare uma coisa: quem define o que é NATURal não sou eu e nem você, é a própria NATUReza. Vamos ver o que ela tem a dizer:

1500 é o numero de especies animais nas quais a homossexualidade ja foi documentada – isso inclui a espécie humana.

No caso da espécie humana, dezenas de estudos comprovam a existencia de uma base genética para ua homossexualidade. A história também comprova sua existencia desde os primordios da civilização, demonstrando que nao é culpa da rede globo, nem da Lady Gaga e nem do lobby “gayzista”.

Fica difícil engolir a idéia que é antinatural um fenômeno que ocorre espontaneamente na natureza porque assim nos diz um livro da Idade do Ferro ou a Igreja, sendo que esses dois últimos, por sua vez, não existem na própria natureza.

Enfim, só estou tentando entender o que você quer dizer quando afirma que “não concorda” com a homossexualidade. Porque isso é uma afirmação vaga.

Se alguém diz, por exemplo “eu não concordo com os bem-te-vis”, “eu não concordo com o asfalto da rua”, o que isso quer dizer de verdade?

Primeiro, que o Silas Malafaia participou do programa na condição de PASTOR, não de PSICÓLOGO.
Segundo, que o objetivo da militância gay é claro: Acabar com a família tradicional, transformar nossos filho (a)s em homossexuais, já na escola.
E terceiro, que esta mordaça gayzista em cima do povo, é o que está gerando a dita “homofobia”.
Interessante que vocês, como uma instituição pública, deveriam ser menos parciais, pois a constituinte defende o direito ao culto e proibe a discriminação religiosa.
E a livre expressão, fica onde? Só a favor dos gays?

João Gabriel - 07/02/2013 18:44

Bem, para não variar, o CFP não argumenta nada. Limita-se a afirmações peremptórias, como se o que estivesse dizendo fosse de uma obviedade acachapante. “Em sua participação, o pastor evangélico agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz…” Por que agrediu? “As declarações de Malafaia, que é graduado em Psicologia, afrontam a construção das lutas da categoria ao longo dos anos pela defesa da diversidade.” Por que afrontam? O CFP, parece-me, não é muito afeito aos que discordam de suas “lutas”. “Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia” Ora, e por que é “bandeira” da Psicologia não há possibilidade de discordância? A Resolução citada está em análise no PDC 234, como bem sabe o CFP. “Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos…” Manifestação de homofobia? O que constitui a “manifestação de homofobia”, caro CFP? Discordar é ser homofóbico? A respeito dos assassinatos, como bem disse o Júnior, em seu comentário acima, eles foram investigados? Está provado que foram cometidos por motivos “homofóbicos”? E os outros 40 mil e tantos homicídios no Brasil? O que o CFP tem a declarar sobre eles?

Motivar um crime é explicitar o que deu causa aquele incidente! Se você não consegue entender que pessoas estão sendo assassinadas por conta de sua orientação sexual, como entender o posicionamento do CFP? Vc pode discordar ao ponto de não querer pra si, mas discordar ao ponto de proibir o proximo de ser como é? Isso é demais!

Prezado Junior,
Lamentável corroborar com a opinião do sr. pastor. Espero, sinceramente, que você não seja um profissional a serviço da psicologia.

waltener - 07/02/2013 18:54

O Conselho Federal de Psicologia deveria, em sua seriedade, punir com severidade o pastor Malafaia que, em minha opinião, sofre de um tipo bem comum de repressão.

Alexandra - 07/02/2013 18:54

Acho que ainda é difícil para muitos entenderem que ninguém é obrigado a achar a homossexualidade a coisa mais linda do mundo, ou concordar com essa orientação. A questão é: não se referir a gays como doentes, seres desviantes, menos cristãos ou pessoas criminosas. São cidadãos comuns, a orientação sexual não os tornam inferiores. É na perspectiva do respeito e direito de cidadão que se defende a questão. A igreja tem todo o direito de não concordar com a diversidade sexual, mas cá pra nós, quem conhece realmente a palavra de Deus sabe, que o único capaz de julgar é Deus e não “comedor de arroz de feijão” como o Silas Malafaia. Então na minha visão a igreja deveria acolher o homossexual normalmente na igreja,sem discriminação, visto que aos olhos de Deus todos somos iguais, e muitas vezes alguém que frequenta a igreja tem muito menos caráter do que um gay…orientação sexual não define CARÁTER!!!!

Creio que a contibuição dos psicologos é muito maior na construção social e humanitária.Nosso papel é de ajudar neste enfrentamento levando ao bem- estar,no viver melhor.
Estes posicionamentos de homofobia na nossa sociedade é a violação dos direitos humanos.Embora todos nos sabemos que o preconceito bate em várias casas.Creio qure não há mais lugar em nossa sociedade para tal sentimento.A intolerância em relação a orientação sexual, religiosa ou qualquer forma vejo como crime.

Michelle - 07/02/2013 18:59

Minoria que quer impor-se à força? Vai cuidar da tua vida, Junior! Deixa quem é homossexual ter direitos iguais a héteros imbecis como você.

Tem que rir com um artigo desses! Nunca li tanta abobrinha na minha vida

A nenhum momento achei q o Pastor se referiu contra os homossexuais, ela apenas deixou a claro a opnião dele sobre a lei q querem q seja aceita, onde o ser humano não passará ser tratado por igual, mas mostra q alguém qdo se dirigir há um homossexual tem q saber muito bem como e o que falar, pq senão o bicho vai pegar!!Todos nos precisamos ser respeitados independentes da nossa opção sexual!!Homicidios existe por outros motivos,porque a prostituição rola solta!!Agora o povo tem q aprender a respeitar a opnião de cada um, independente de qualquer q seja sua profissão!!Direito de ser RESPEITADOS É PARA TODOS E NÃO SÓ PARA OS HOMOSSEXUAIS,REPUDIO esse privilégioooo!!

Alexandra - 07/02/2013 19:17

Concordo com a Carla!!!

A grande pergunta é por que ele não tem seu CRP cassado ao falar como psicólogo essas besteiras que são contrárias as resoluções da classe.

Walter silva - 07/02/2013 19:32

Os nazievagélicos querem a todo custo impor a ditadura gospel nesse país.
Parabéns ao Conselho Federal de Psicologia que se manifesta publicamente a favor dos direitos humanos ao invés de apoiar os ativistas de ódio da malévola seita dos cristãos.
Essas pessoas representem um grande perigo para toda a sociedade civilizada.São os nazievagélicos americanos que estão financiando a lei que institui pena de morte para homossexuais,tudo em nome do seu falso deus.
O propósito dessas pessoas não é outro senão voltar ao tempo da Inquisição e da caça às bruxas.Quantos aos crimes homofóbicos mencionados pelo CPF,todos eles são crimes homofóbicos.A vida de um homossexual está permeada pela homofobia do nascimento à morte;a homofobia está nas pessoas,nas instituições e na cultura.Mas é claro que é do interesse dos nazievagélicos negar a existência da homofobia;as ações de ódio dos criminosos é alimentada pelo discurso de ódio dos adeptos da seita dos cristãos.É um simples caso de cumplicidade com o crime.Discordar é ”homofobia” sim quando se discorda dos direitos humanos de homossexuais.DO mesmo modo que quem discorda dos direitos humanos de judeus é anti semita,e quem discorda dos direitos humanos de negros é racista.Mas o que esperar dos adeptos da seita dos cristãos? essa gente praticou crime de genocídio,se aliou ao nazismo na Alemanha,se aliou aos Franquistas na Espanha,se aliou à Mussolini na Itália.

Se você visse uma pessoa pegando uma barata, levando-a até a boca e a mastigando, o que sentiria? Repulsa, nojo? Será que isso seria porque você tem fobia a baratas? Obviamente que não! Porque, então, quando um homem ver outros dois homens se beijando na boca e sinte a mesma repulsa e nojo, isso é considerado homofobia? Aceitar que os homossexuais se beijem, tudo bem, mas querer impor “homofobia” às repulsas naturais de quem não é gay, aí é querer demais! Me envergonha a parcialidade do CFP, parece que todo texto em defesa da diversidade sexual é escrito por um homossexual! O CFP deveria se lembrar que nem todo psicólogo é gay e os que não são acabam sofrendo tbm preconceitos pelas declarações parciais como estas. Parece até que ninguém tem mais direito de ser hetero por risco de estar sendo julgado de homofóbico! Sejam mais imparciais e técnicos, representantes do CFP, para assim respeitar os heteros e não apenas os homos, ok!

Marcos Sena - 07/02/2013 19:34

pro companheiro que divulgou esse blog infame, tenho outro muito mais interessante http://homofobiamata.wordpress.com/

Luiz Carlos Ferreira - 07/02/2013 19:40

Não possuo graduação em psicologia por isso não vou entrar no mérito das bandeiras defendidas por este Conselho. No que se refere a Direitos humanos, no entanto, arrisco-me a emitir minha opinião, confiando nos meus seis anos dedicados ao estudo das leis. Os direitos humanos visa a defesa dos direitos dos humanos, prevenindo e punindo o atentado contra esta condição. Dentre os primeiros artigos consignados nas cartas elaboradas nos diversos tratados, está a garantia do direito de expressão. É justamente este direito que está sendo bravamente defendido pelo Pr. Silas, que, aliás, deveria estar sendo apoiado por vocês, não combatido, demonstrando uma total falta de ética e coleguismo.
Na luta do referido pastor pela preservação do direito de opiniâo e expressão, por acaso encontram-se no outro lado da trincheira os ativistas homossexuais. Como poderia ser qualquer outro grupo. Quem acompanha toda esta polêmica sabe que a motivação desta é o mal fadado PL 122. Projeto que, segundo o combativo pastor, é atentatório contra o fundamental direito humano de expressão.

Parabéns ao CFP pela inciativa humanitária de expor em carta aberta o repudio por esse diplomado. Devemos lembrar que se houver ainda que um caso de morte por homofobia já deve ser olhado de forma especial. O colega acima disse de 40mil homicídios no Brasil, então quer dizer que só porque no Brasil tiveram 40mil homicídios então devemos ignorar aqueles que são causados por machismo, homofobia, pedofilia, preconceito? Então deveriamos tratar todos os assassinatos apenas como assassinatos?
É… Ainda bem que existem pessoas (como a jurista que respondeu ao pastor, como o geneticista que respondeu ao pastor) que realmente querem uma evolução e uma sociedade justa e igualitária, que lutam pelos direitos humanos.

Pastor Josué - 07/02/2013 19:43

Não é homofobia querer matar todos os gays, é algo divino e está na biblia. O CFP vem, por meio de ações demoniacas e ajudadas pelo tinhoso, contra todos os preceitos de humanidade e direitos humanos divinos, que são maiores que os ditados pelo homem. Os srs. João Gabriel (que tem nome de anjo e atitudes também pelo visto!) e Junior, estão corretor em argumentar contra essas resoluções impensadas dessas instituições do homem, que estão infectadas pelo virus da homossexualidade. É fato notório que a maioria dos homens psicólogos são gays, e as mulheres tem experiências homossexuais encorajadas por essa ‘bandeira’ do cramulhão. Somos contra porquê somos a maioria e apoiados pelos céus. É até anti-democrático não apoiar que se extirpe esse mal de nossa sociedade, e quem não está a nosso favor está contra e infectado pelo vírus demoníaco do mais impuro! Pensem, usem a logica e verão, é cientifico e contra os fatos citados por mim e os colegas acima citados, não há argumentos.

Luiz Carlos Ferreira - 07/02/2013 19:44

Correção gramatical: “Os direitos humanos visam a defesa dos direitos dos humanos”.

Jamerson - 07/02/2013 19:48

Parabéns CFP pelo posicionamento.
Alguem tem que dar um basta nesse tipo de preconceito tão mesquinho que o “Pastor” está pregando diante a sociedade.
É inadmissível que uma pessoa que é formado em psicologia, vá numa TV aberta, despejar palavras e frases ofensivas, argumentos fajutos e sem conhecimento nenhum sobre o tema, utilizando do espaço publico para reforçar o preconceito e a homofobia neste país DESIGUAL.

Vivemos em uma sociedade que se perde a cada dia, o governo está procurando abrir mais clínicas para drogados pois o descontrole é grande. Quero saber o que os Direitos Humanos tem feito a respeito? É fácil jogar pedra em alguém que falou o que pensa, agora vá lá e diga o que realmente o CFP tem feito. Ele não aceita a homossexualidade, assim como muitas pessoas não aceita um ladrão, drogado ou assassino. Tanta coisa precisa ser feita. Essa manifestação vai servir pra quê realmente?

Bruna Karine - 07/02/2013 19:58

Em resposta ao comentário de Junior:
Em nenhum momento do texto o CFP afirmou que o posicionamento de Malafaia é um caso de violência contra homossexuais, mas sim que influência a maior ocorrência de casos.

Emerson Swell - 07/02/2013 20:06

acredito que o CFP não sabe o seu lugar dentro da sociedade é ridículo “bandeira” em um contesto geral sempre soa em “ideologia”, cega ou não, distorce o que é fundamental na sociedade: a liberdade de expressão e de pensamento.
Na verdade a CFP possui um dilema, pois o declarado Silas Malafaia é um Pastor e ao mesmo tempo um Profissional da área com uma proposta diferente daqueles que mandam ou querem mandar.

Emerson Swell - 07/02/2013 20:11

e digo mais.
Esse ato da CFP é um complexo mal curado de sentimento monárquico. Nós brasileiros não conseguimos entender bem o conceito de republica e democracia basta olhar em volta por toda a sociedade. Que não está pela “bandeira” agente chuta o traseiro ou vai para câmara de gás.

Rosangela - 07/02/2013 20:30

O CFP vai fazer o que a respeito…… cassem o diploma dele, processem por não seguir as normas éticas da profissão….. imagina um paciente homosexual na mão deste criminoso?

Flávia Câmara - 07/02/2013 20:35

É revoltante ver esse cidadão que diz falar em nome de Deus, desrespeitar a escolha afetiva de outros seres humanos e o mais lamentável é ver alguns ditos profissionais da área cegos pelo véu da religião não perceberam a ignorância nas suas palavras, como por exemplo, para justificar a fala desse tal pastor usar parâmetros de possíveis outras intolerâncias, então para justificar uma guerra adota-se outra? Esse não é o papel da psicologia, e fico, muito feliz em ler essa nota de repúdio do CFP, pois, apesar de alguns ditos profissionais, sei que escolhi a profissão certa e isso não é a opinião da categoria, no mais de uma parcela que infelizmente, prefere se esconder atrás de interpretações próprias sobre a Bíblia, porque eu, enquanto cristã e fiel a Deus, não uso o seu nome para esconder nenhum preconceito que seja MEU, nem para apontar gêneses e condutas heteronormativas e binárias que não condizem com os ensinamentos cristãos, talvez a própria psicologia possa ajudá-los, pois atrás de toda intolerância desconfio que hajam traços patológicos!

Parabéns ao CFP pela posição. Concordo absolutamente.

Acho que João Gabriel e Junior devem ter sérios problemas de interpretação de texto e grandes dificuldades de leitura sociológica/antropológica/psicológica/política da realidade. Ou então são cínicos mesmo.
Uma pena.

Luana T. Diniz - 07/02/2013 20:44

viva o CFP! Só falta agora eles criarem coragem e cassarem o registro da psiCRISTÓloga Marisa Lobo.

Gostei da matéria. Opor-se as práticas homossexuais é também visto como um direito de quem assim desejar – nao enquanto ética profissional – a questao fundamental que nos compete, enquanto psicólogos, alude a atitude negativa de Malafaia enquanto profissional de psicologia. As demais questoes, basta-nos a livre pesquisa.

diabólico - 07/02/2013 20:47

Se a sociedade tiver que aceitar o homossexualismo como normal, como uma opção natural de sexo, não poderemos condenar as outras opções, seguindo o raciocínio dos senhores da CFP , a pedofilia, necrofilia serão apenas uma diversidade sexual não é ?
Seguindo a linha de pensamento se chegar uma pessoa que sente prazer em violar uma criança ou um cadáver vocês vão dizer a ele ” não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana.” palavras da CFP

BOA NOITE

O Repúdio do conselho federal de psicologia não fara diferença alguma para a vida tanto profissional e muito menos espiritual do nosso respeitado pastor Sílas Malafaia, e muito menos em relação ao respeito que nós evangélicos temos em relação a pessoa dele.Temos consciência que ele (Silas) pela graça de Deus com sua sabedoria coloca todos os representantes desse conselho no bolso. NÓS POVO DE DEUS ESTAMOS COM O SILAS MALAFAIA!!!

Uendel de Oliveira - 07/02/2013 20:59

Parabenizo ao CFP pela pronta manifestação de repúdio. E aponto para o discurso de quem quer “discordar” da homossexualidade. Orientação sexual diz respeito a cada sujeito e não é para ser alvo de concordância ou discordância: simplesmente deve ser aceita. Ninguém “discorda” da heterossexualidade. Por que discordar da homossexualidade seria um direito? Seria ridículo, se nao fosse trágico, afinal, quem mata são os que discordam! Discordar da homossexualidade é tão absurdo quanto discordar que um sujeito seja negro, mulher, alto, etc. Estamos em franco avanço rumo a uma sociedade mais justa para homossexuais, mas precisamos avançar mais rápido e vencer sujeitos preconceituosos como Malafaia!

É importante que as pessoas aprendam a diferenciar RESPEITO de ACEITAÇÃO. Você psicólogo ou não, assim como todos os de mais seres humanos pode até não ACEITAR a opção ou orientação sexual daquele, que por vontade de ser feliz, assume-se, mas deve a ele RESPEITO. Indico a todos o livro Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Cordiolli) no qual o mesmo expõe o conceito de Normal e Patológico,amplamente discutido a tantos anos.
“Aceitar as diferenças é um indício de evolução mental meus caros, pois o que se difere de mim não necessariamente evoca o patológico”

edson santos - 07/02/2013 21:17

A CONSTITUIÇÃO FEDERAL É CLARA:
IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
O Conselho Federal de Psicologia, esta privando os evangélicos de manifestarem seu pensamento, nos os Brasileiros somos livres para manifestar nossos pensamentos ele (Pr Silas Malafaia) apenas fez uso da constituição Federal no que tange a manifestação do pensamento. Ou o CFP tem uma Lei superior a carta magna que é a constituição?
TENHO DIREITO DE ACREDITAR NA BÍBLIA….
‘’A BÍBLIA APONTA PARA UM DEUS QUE AMA O HOMOSSEXUAL PORÉM ABOMINA A PRÁTICA DO HOMOSEXUALISMO’’…..ev.edson@r7.com

Jeniffer Harth - 07/02/2013 21:18

Júnior e João Gabriel, me parece que vocês não são psicólogos e por isso não sabem contra o quê estão argumentado. O CFP se coloca contra o que o pastor falou porque ele levantou a idéia de contrariedade ao comportamento e existência homossexual. E vocês se perguntam porque isso não é crime? Em que planeta vocs vivem? Em primeiro lugar, se falamos tanto de homossexualidade e homoafetividade, é sinal que ela existe. E alguém dizer que é contrário a essa orientação, está negando a existência da mesma, que em nada é diferente de todos os seres humanos no mundo em que vivemos. Ninguém, leiam bem, NINGUÉM, é melhor que os outros por ser ou não gay. Mas a partir do momento que vocês se dizem contrários a essa opção, vocês estão ferindo os direitos dessas pessoas de viverem em uma sociedade de igualdade. E é isso que a psicologia, CFP e CRP se colocam pasmos! Defendemos os Direitos Humanos, o bem estar! Jamais podemos permitir que as pessoas façam discriminação de qualquer tipo, porque todo ser humano, que é dotado de uma psique, tem direito de se manifestar e certamente sofre com seus pensamentos e atitudes em diferentes situações. Ai vocês imaginam os homossexuais, que precisam lutar diariamente contra mentes fechadas como a de vocês. O pastor referido nesse documento, pode pregar o que quiser, pra quem quiser ouvir e seguir, mas jamais poderá fazer distinção entre as pessoas por causa de suas escolhas de vida. Isso é inadmissível e vergonhoso para nossa categoria. Vocês sim, precisam ler e se informarem primeiro.

Sarah Freire - 07/02/2013 21:24

Pastor Silas faz um misto de seus conhecimentos religiosos e misturam a um pensamento não somente da psicologia, mas de diversos grupo que se preocupam com o bem estar. Como Pastor e como psicólogo, sua função é orientar sem pré julgamentos.

Assim como o discurso que considerou do CFP mal argumentado, nada difere do Silas Malafaia. Se bem conhece, nós psicólogos juramos em nossa conclusão de curso, adotar uma conduta voltada para o outro e não contra.

Marcelo Santana Ferreira - 07/02/2013 21:25

Legítima a manifestação do CFP. A construção de uma profissão atenta a lutas sociais históricas não é arrogante e nem peremptória. A triste e nociva entrevista de Malafaia não deve nos acovardar,nem mesmo as manifestações de apoio ao raciocínio irracional de quem levanta bandeiras contra direitos legítimos e a expressão livre e cidadã de sexualidades. Preocupa-me a pública defesa da evidente arrogância midiática em torno de gays e afins. Enquanto se resumir tudo a uma questão de direitos, vamos acabar por impor ao mundo uma visão distorcida e bovina da vida social: não me parece que seja um direito uma pessoa conseguir ocupar lugares na mídia para defender seus preconceitos contra gays e afins. Não é uma questão de direito vomitar preconceitos. Gays, Lésbicas, Transexuais, Transgêneros e Travestis têm direito à cidadania, a expressão de seus afetos,a não serem vitimizados e vitimados por discursos e práticas autoritárias. A grande mídia deveria ouvir outros pastores, outros líderes, profissionais e representantes de movimentos sociais. As vezes não é uma faca que mata uma pessoa, palavras servem como instrumentos que afiam as facas. O Estado é laico. Ciência e estudos subsidiados eticamente não são brinquedos a serviço do horror e da iniquidade. Freud jamais esteve envolvido em processos de reorientação sexual, isso é por demais equivocado. Viva a diversidade sexual.

edson santos - 07/02/2013 21:31

A CONSTITUIÇÃO FEDERAL É CLARA:
IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
O Conselho Federal de Psicologia, esta privando os evangélicos de manifestarem seu pensamento, nos os Brasileiros somos livres para manifestar nossos pensamentos ele (Pr Silas Malafaia) apenas fez uso da constituição Federal no que tange a manifestação do pensamento. Ou o CFP tem uma Lei superior a carta magna que é a constituição?
TENHO DIREITO DE ACREDITAR NA BÍBLIA….
‘’A BÍBLIA APONTA PARA UM DEUS QUE AMA O HOMOSSEXUAL PORÉM ABOMINA A PRÁTICA DO HOMOSEXUALISMO’’……..
A CONSTITUIÇÃO FEDERAL É CLARA:
IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
O Conselho Federal de Psicologia, esta privando os evangélicos de manifestarem seu pensamento, nos os Brasileiros somos livres para manifestar nossos pensamentos ele (Pr Silas Malafaia) apenas fez uso da constituição Federal no que tange a manifestação do pensamento. Ou o CFP tem uma Lei superior a carta magna que é a constituição?
TENHO DIREITO DE ACREDITAR NA BÍBLIA….
‘’A BÍBLIA APONTA PARA UM DEUS QUE AMA O HOMOSSEXUAL PORÉM ABOMINA A PRÁTICA DO HOMOSEXUALISMO’’…..ev.edson@r7.com

https://www.facebook.com/mobileprotection?source=mobile_mirror_nux#!/evedson.santossilva

“Queridos”, Júnior e João Gabriel (as aspas atestam minha sanidade e me distancia do homem a quem defendem – que diz amar aqueles cuja existência quer dizimar).
Talvez o CFP tenha se furtado a pormenores sobre o quão grotesca é a posição desse pastor por acreditar que os motivos que nos levam a erguer a bandeira da igualdade de direitos já esteja bem avançada no senso comum – visto que os movimentos minoritários começaram nos anos 50,atingindo seu apogeu nos anos 70/80. Talvez o CFP não tenha batido novamente nessas teclas por entender que elas já sejam velhas conhecidas da sociedade… Talvez isso seja mesmo um erro. Alguns psicólogos acreditam que uma palavra deve produzir sentido, assim uma mesma palavra não pode/deve ser simplesmente repetida. Mas esse Silas vem repetindo a velha ladainha a anos e parece que algumas pessoas (muitas, infelizmente)não se cansam de dar-lhe ouvidos – o que o dinheiro/desespero não faz, não é mesmo?

João Gabriel, interessante esse seu argumento à la Danilo Gentili (se x mortes são causadas por orientação sexual, o nº total de mortes menos x é causada pelo quê?). Acredito que você o esteja propagando por falta de conhecimento. Recomendo esse texto do Matheus Pichonelli para tirar suas dúvidas sobre “matemática”: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-cruzada-de-almeidinha-pelo-direito-hetero/.

Júnior, de onde o CFP tirou que essas falas nazistas são responsáveis pelas mortes das minorias? Neste livro (http://books.google.com.br/books/about/A_cidade_dos_s%C3%A1bios.html?hl=pt-BR&id=fBLbtdVCoegC) de Luiz Antônio Baptista leia o texto “A Atriz, o Padre e a Psicanalista- Os amoladores de faca”. Vai te ajudar a entender um pouco isso.

Se a paixão pela repetição de discursos é algo que os motiva, vale a pena conhecer o Profeta Gentileza que viveu sua vida repetindo frases de sabedora como “Gentileza gera gentileza” e uma outra, bem propícia a essa discussão: “O Pastor está pastando”. Profeta Gentileza é fácil achar, só jogar no Google.

Espero ter ajudado.
Abraços fraternos (rápidos, pois podem ser perigosos)
Cleber

Fabiano de G. Maciel - 07/02/2013 21:37

De coração… Muito obrigado CFP!

O Conselho de Psicologia quer só um pezinho para atacar Pr. Silas Malafaia, pois o seu representante foi envergonhado em audiência pública, quando questionado sobre a atitude deliberada de erroneamente cassar o Registro de um profissional que deu sua opinião como Pastor e não como Psicólogo. Vergonha!!!!!!

O Conselho Federal de Psicologia não tem que levantar bandeira nenhuma. Os psicólogos devem se ater ao conhecimento que tem, ao tratar seu paciente, sem utilizar suas ideologias. Infelizmente o CFP faz parte do Ativismo Gay. Direitos humanos para quem deseja ser reorientado sexualmente, mas, qual nada, para o CFP todos têm que viver sob sua tirania. O que Silas Malafaia disse não é segredo para ninguém, pq certamente até um leigo, sabe que este comportamento não é normal. O Estatuto do CFP não está acima da Lei, é um absurdo a intromissão do CFP concernente à liberdade do profissional ao tratar seu paciente. Abaixo o ativismo gay. Psicologia não se deve misturar com ideologia.

Esse sujeito já foi advertido pelo Conselho? Na condição de Psicóloga, de fato me envergonho dos discursos deste senhor apoiando-se na Psicologia.

JENIFFER HARTH. Creio que falta a colega um pouco de leitura da Constituição Federal, lei maior do nosso país que sua resolução DEVE obedecer. Primeiro: o Pastor Silas Malafaia, como Pastor, explicou ser contra o comportamento, e foi EXTREMAMENTE CLARO ao dizer que não é contra a pessoa ser homossexual. Se ela quiser, é a vida dela. a CF informa que é livre a manifestação do pensamento, assim como ninguém sera PRIVADO de direitos por motivos de crença religiosa. De acordo com o cristianismo, a bíblia informa que homossexualismo é pecado e deve ser condenado. O pastor Silas, como Pastor, informou que é contra o homossexualismo. Desde quando a CFP e a CRP estão em posição de ser contrários a isso? Eles estão debaixo da CF. Conseguinte informo que a posição da CFP é uma vergonha, além de dizer que homossexualismo não é um desvio? Desde quando isso? A medicina prova que é um desvio, mas de que tipo, essa é a luta deles. Então a CFP quer entrar na área de medicina? É bom rasgar os estudos do já falecido ENÉAS CARNEIRO, profissional da área, só pode.

Leonardo Miranda - 07/02/2013 22:04

Jennifer Harth, teu raciocinio foi perfeito: sintético e contundente!

júnior, não somos minoria, a preferência sexual não torna ninguém menor a seu semelhante, e aqui ninguém esta impondo, e sim expondo a situação que se encontra no Brasil e no mundo!

Comportamento anti-ético é o mínimo a dizer, quem faz Psicologia sabe muito bem que temos um código de ética que é um avanço frente aos Direitos Humanos, o pastor Silas M. devia respeitar o código de ética ou não ficar se dizendo psicólogo, a Psicologia é uma ciência e não uma religião, não há Psicologia do Candomblé, Cristã e toda essa palhaçada. Deixem as pessoas serem felizes do jeito que são, não adianta julgar os homossexuais como aberrações, a vida é deles e ninguém é mal por ser homossexual, as declarações dele gera sim repúdio de seus seguidores pelos homossexuais e nós estamos cansados de saber que as pessoas não são muito pacíficas, ele não devia levantar uma bandeira a respeito disso. Espero que ele não passe o preconceito que essas pessoas e suas famílias enfrentam… eles tem o direito de serem felizes e respeitados.

O sistema de ideias que defende a “cura gay” é o mesmo que se posiciona contrário a adoção de crianças por casais homossexuais, de acordo com o que o citado pastor muito bem declarou na referida entrevista. Observem que alguns argumentos que ele utiliza valendo-se do título de psicólogo estão em total desacordo com a posição ética oficial da nossa categoria e os demais argumentos que ele cita são de teor exclusivamente teológico, bíblico. Ou seja, em momento nenhum da argumentação do pastor pode-se considerar que ele fala em nome da psicologia – o pastor fala apenas em nome de seus valores e crenças pessoais e isso pode ser totalmente legítimo para ele e para quem quiser segui-lo como mentor, além de ser defendido (até certo ponto) pela Constituição de nosso país, MAS a argumentação do pastor associada à psicologia, mais do que um erro, pode constituir uma (acidental?) estratégia política muito poderosa: ora fala aos ouvidos dos cristãos fervorosos, com suas várias citações à Bíblia, ora fala aos ouvidos dos que dão algum crédito à ciência, daí sua insistente citação do diploma e de dados não-fundamentados e posteriormente desmentidos por especialistas, a que se soma o texto acima. Como declarou uma colega evangélica “ainda bem que temos liberdade de expressão, poderá chegar o dia que não a teremos mais”, pois bem, assim como somos livres para nos expressar, também devemos assumir as consequências de nossos atos e ser honestos quanto a nossas posições ideológicas. Se o discurso do pastor se restringisse a valer-se de seu templo, a sua religião, sua Bíblia e seus dogmas como fundamento, tudo bem, mas se quiser falar em nome de seu diploma terá que ser coerente com o que demonstram as pesquisas, as diferentes abordagens teóricas, enfim, tudo que aprendemos ao longo de 5 anos ou mais de vida acadêmica, e em observância às determinações éticas de nosso Conselho, sob o risco de, caso não o faça, prejudicar toda a nossa categoria. Enfim, “à Psyché o que é de Psyché, a Deus o que é de Deus e à Malafaia o que é de Malafaia”! Isso poderia ajudar bastante a evitar maiores confusões…

Franklin de Paiva - 07/02/2013 22:25

Mais uma vez cito as palavras do saudoso Alziro Zarur, proclamador da Religião de Deus e fundador da Legião da Boa Vontade (LBV): “contra fatos não há argumentos.” E este jovem, Eli Vieira, biólogo, mestre em genética que reside e faz doutorado em geneticista na Universidade de Cambridge, Reino Unido, nos traz fatos! Inclusive finaliza seu argumento de maneira perfeita: “eu vou encerrar o vídeo aqui, eu não tenho nenhuma lição de moral, porque ao contrario de você, ‘pastor’ Silas malafaia, eu não misturo os meus fatos como biólogo geneticista com a minha moral ou ética… os fatos eu simplesmente aceito.”.
Portanto, este senhor, que não ouso chamá-lo de Pastor, pois, estarei certamente ofendendo os Pastores sérios de uma Fé professada por milhões de pessoas do Bem, a não ser que seja como um “pastor” para um “rebanho de ovelhas ovoides”, Esse Sr. pseudopastor Silas, que como “homem de fé”, ele é um excelente prostituidor da Fé alheia e disseminador do maior crime do mundo que é pregar o ódio em nome de Deus (Alziro Zarur).
E graças a Deus que, se tenho algum “amigo ovelha ovoide”, desconheço! Pois, caso contrario, é bom que ele (a), comece a me desconhecer desde já.
Não compactuo, não quero compreender e nem tolero cumplicidade no ódio, preconceito, perseguição, julgamento e assassinato!
E para concluir não sou psicólogo, porém, creio que alguém que tenha uma mínima noção de ética e civilidade sabe que liberdade de expressão não é, entendam, não é perseguição, humilhação, ofensas e ferir o sagrado direito da vida e do livre arbítrio, pois, a má palavra dissemina os maus pensamentos, más ações, podendo naturalmente terminar na perseguição, no crime e na morte (e para os ditos “religiosos” que de Religião nada entendem: vocês estão questionando um dos Sagrados Mandamentos de Deus que foi dar aos seus filhos o livre arbítrio? Portanto vocês estão questionando o próprio Deus.).

Kenneth Camargo - 07/02/2013 22:26

Parabéns ao CFP pela iniciativa.

Parabéns João Gabriel! Você foi sensato e prudente o que me parece não o foi o CFP. Mas com todo o respeito a vc e ao CFP esse Silas malafaia é um mala de ir pra frente da televisão e misturar psiscologia com crença. Por que ele não defende a bandeira de acabar com a corrupção e desmandos instalados no pais? Tá na hora de desalinearmos nosso povo!!

Senhores, o que se busca tratar neste texto é a questão da intolerância e o quanto um comentário de um líder, como o referido pastor, que usa o título de psicólogo pode vir a associar psicologia e discriminação, o que é inadmissível. Claro que os senhores João Gabriel e Junior, que parecem ser extremamente bem articulados e informados, entenderam isto. Intolerância é algo que por si só destrói. Não deixa nada de positivo em seu caminho. Um conselho de quem conhece pessoas de todas as religiões, culturas, orientações sexuais e suas opiniões diferencidas sobre o mundo: exercitem a tolerância. Isto é, se os senhores forem realmente duas pessoas diferentes, pois seus textos parecem complementares demais… Por pensar muito parecido com o referido pastor citado no texto, alguns milhões morreram em campos de concentração. Por pensar assim, a escravidão “oficial” dos negros durou tanto tempo para ser abolida o mundo e outros tantos são assassinados ou discriminados até hoje. Lembro que historicamente, tal pensamento do pastir foi de fato levantado por estudiosos do comportamento. Mas, graças ao bom Deus, o ser humano evolui e a psicologia também. O que o CFP diz em seu texto é que ele não compartilha e repudia tal pensamento. Ou seja, não use seu título de psicólogo para este discurso, pois a Psicologia não pratica e condena tal tratamento. É isso. No mais, especulação barata senhores, de gente que sabe pouco e não quer saber ou que pretende manipular pessoas de boa fé mas sem conhecimento acadêmico. Um verdadeiro religioso, senhores, sabe que o Senhor não discrimina seus filhos, Ele os ama. Um verdadeiro psicólgo, senhores, sabe que pensamentos como este ajudaram a criar movimentos muito perigosos na história do homem. Sugiro que exercitem sua religiosidade de maneira sincera perguntando a Deus se algum de seus filhos é menos importante que o outro. E exercitem seu dever de cidadão praticando a tolerância, pois discriminação é crime.

Tony Goes - 07/02/2013 22:32

“Opor-se ao comportamento homossexual”, “não concordar” com ele… são os novos eufemismos para a homofobia e o preconceito.

É tão ridículo como alguém “opor-se” ao fato de alguém ser louro ou narigudo.

O que essas pessoas querem é que simplesmente os homossexuais reprimam suas verdadeiras orientações e vivam no armário. Este tempo já passou.

cristiane - 07/02/2013 22:32

Acho que tem mt preocupação em torno de qual bandeira defende o discurso correto,penso sinceramente que ,náo sómente o psicólogo,mas todos devemos ver no outro um ser igual,sem levar em consideração sua religião,raça ou orientação sexual,para tanto devemos respeitar os limites de cada um,pois a base de um bom relacionamento é o respeito.Dito isto afirmo que respeito a doutrina religiosa e sua posição a respeito de suas crenças e valores..para tanto aquele que não tiver intereses nesse conjunto de doutrinas,procure outra religião para seguir.Bem como entendo que uma pessoa como psicologo(a),um profissional)deve se portar livre de crenças e valores diante daquele que busca seus serviços,deve atender visando o promover o bem estar e utilizando como guia o principio dos direitos humanos.Nem por deixo de expor aqui a mnha opinião em relação a leis e estatutos difrenciados seja para qual calsse for,somos cidadãos e temos direito iguais pelo código civil e seja lá qual for o outro orgão sim a inclusão..não a exclusão.

Viviane Terenna - 07/02/2013 22:36

Jennifer Harth, ARRASOU!
Eu ia responder pra esses dois, mas você fez com maestria!

sabe o que eu acho engraçado, é que as pessoas adoram vir com esse papo igual ao que vc usou acima de que devemos respeitar a orientação sexual das pessoas. mas se formos verdadeiramente fiéis a isso devemo também aceitar a pedofilia ( que em culturas e tempos passados ja foi aceita com a maior naturalidade), assim como a zoofilia, pois orientação sexual é algo que não é na verdade uma escolha certo, mas sim algo que cada uma tem a sua e não pode ser mudada.
Ja ouvi até o papo por algumas pessoas dizendo que é natural pois ate o animais tem praticas homossexuais, mas se for por ai eles tb tem relações com animais de outras raças. então não devemos achar errado se alguem tiver ter relações sexuais com cachorros certo?
e depois tem a tal da “HOMOFOBIA”.
eu completamente a favor que não se agrida ou discriminem pessoas por serem homossexuais, mas há um grande abismo entre não agredir, e não poder achar que é errado. e o pior de tudo é ter que se criar uma lei que atua somente para isso. a lei ja existe, e ela funciona pra qualquer agressão ao ser humano, o problema não esta na lei mas sim que ela não é respeitada e não tem resultado nenhum.
agora se a solução é criar leis , deveriamos também criar a lei contra ladrão fobia, pois os ladrões são linchados nas ruas quado são pegos pela população não são? ou sera que eles não tem direitos civis. deveriam ser presos sim. vamos criar uma lei para prender quem agride um ladrão…. ah sim, ela ja existe, só não é respeitada como a da homofobia né? deveriamos criar uma contra a discriminação contra expresidiarios.
O que eu quero mostrar com isso é que tem se criado uma luta quase armada em defesa dos homossexuais que daqui a pouco os heteros é que vão ter que tomar cuidado e ter uma lei contra a heterofobia.
eu acho mesmo que devemos lutar contra a agressão e violencia contra os homossexuais, assim como a qualquer grupo que se encontre nessa situação. mas as leis para protege-los e prender os seus agressores ja existem, só não funcionam, a solução não é criar mais leis e sim resolver o problema que impede que a lei que defende todos os seres humanos funcione.
porque o que querem na verdade é que eu perca o direito de achar que o homossexualismo é algo errado, e isso eu não aceito. assim como eu acho que o sexo antes do casamento é errado, como o sexo entre adolescentes é errado e contra tantas outras coisas que a nossa sociedade assimilou como certo e padrão.
eu acho que eu ainda estou num pais livre para que eu possa achar o que eu quiser e falar o que eu quiser, mesmo que você concorde ou não.
Vc acha que o homossexualismo tem que ser aceito, eu discordo. até aí tudo bem, o problema é quando você (e quando digo você, falo de todos que se movimentam a favor disso) tenta criar uma lei que me impede de continuar falando o que penso e de tentar convencer os outros do que penso.

O que eu percebo é que talvez o pastor não esteja usando as palavras mais adequadas. Sempre entendi que o que ele afirma não é que ele não quer que os homossexuais sejam respeitados, o mesmo afirma: “Amo os homossexuais”, ele não concorda que hajam leis que os favoreçam entre os outros, pois negros e mulheres sofrem muita violencia e discriminação entre outros grupos, as leis numa Repúplica devem ser iguais a todos os cidadãos, todos são iguais perante a lei.
A discordância dele com a prática homossexual é filosófica e teológica DELE. Não acredito que ele queira convencer que os homossexuais são inferiores ou coisa do tipo.
Concordo também que isso deveria ficar mais claro em seu discurso para realmente não influenciar pessoas a essa prática a partir de uma interpretação errada.

Não tem o que argumentar, esse assunto já é batido e muito bem explicado na área tanto da biologia quando da psicologia.
O Malafaia age de má fé, ignorando tudo o que se sabe atualmente, ignorando todo o conhecimento científico sobre o assunto pra manter seu pasto de fiéis homofóbicos que buscam desesperadamente uma justificativa pra suas práticas de ódio, que segundo eles, não passa de crítica.
Criticar alguem por gay ou praticar livremente sua sexualidade é como criticar um negro por ser negro e ter um identidade racial. É irracional e deve ser combatido.

Derli Filho - 07/02/2013 22:40

Antes que alguém venha aqui defender o argumento sem fundamento do Pastor Silas Malafaia, anexo link com video de um Biólogo doutorando em Genética, que sobriamente e fundamentado em pesquisas científicas explica as bases genéticas da orientação sexual; enquanto o pastor apresentou argumentos sem citar estudos, fontes ou algo mais que fosse consistente. A única referência do pastor, foi sua intolerância e falta de respeito para com seres humanos.

http://www.youtube.com/watch?v=3wx3fdnOEos

O pastor não estava criticando os homossexuais, ele estava apenas mostrando o que está na bíblia, que é homossexualismo é pecado. Sendo assim, as pessoas que temem a Deus, deveriam lutar contra isso. Sei que não é escolha dos homossexuais serem assim, mas eles podem evitar que essas atrações homossexuais cresçam. Realmente, quase ninguém concorda com isso e acha que o pastor falou besteiras, mas só entende mesmo quem tem o Espírito Santo de Deus. Quem não tem, nunca vai conseguir entender e concordar totalmente com a palavra de Deus.

Derli Filho - 07/02/2013 22:42

Tenho uma dúvida: O que é necessário para o registro profissional deste cidadão ser cassado? Que ele diga mais barbaridades?

Stallone - 07/02/2013 22:42

Alguém que fala sobre as formas de se expressar com um tom político. Fico por aqui, e faça das minhas as palavras dele:

Mas hoje a liberdade de expressão deixou de ser selo de qualidade para se tornar sinal de desesperança. A maior parte dos que defenderam Rafael Bastos e outros humoristas que avançaram o sinal, pelo menos, do bom gosto alega que qualquer limite à liberdade de expressão pode levar ao controle dos adultos por um governo que imporá cada vez mais controles e censuras. Eu concordo, contra a censura. Contudo, não é um triste sinal dos tempos que hoje, quando se elogia a liberdade de expressão, seja para tolerar o discurso vulgar, preconceituoso, que rebaixa o nível do convívio social – e não mais para criticar o que existe de errado, apresentar utopias, fazer a razão sonhar?
(Renato Janine Ribeiro – Professor da PUC-SP)

Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.

Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.

E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.

Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;

Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.

Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.

E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;

Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;

Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;

Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem
Romanos 1:21-32 (TRECHO DO NOVO TESTAMENTO DA BIBLIA SAGRADA )

Danilo Silva Santos - 07/02/2013 22:47

Não sou evangélico, mas tenho que admitir que algumas colocações do Silas Malafaia não foram disparates. Acredito que não exista como comprovar a existência de gen homosexual. Se a atração sexual está ligada também ao campo subjetivo, é provável que isso estaja relacionado a algum fator provavelmente inconsciente ao indivíduo homosexual que o induza a tal prática. Imagino que não exista um fator único que gere a tendência homoafetiva, mas trata-se de uma realidade multifatorial e, portanto, impossível de enquadrar num único conceito. Isso não significa dizer que quem desenvolve esta tendência deva ser rechaçada o desprezada por este motivo. Por outro lado, este modismo da cultura gay é extremamente petulante e inaceitável.

Por qual razão o Malafaia não é cassado?
Confesso que não entendo. De que adiantam notas de repúdio se ele continua a dizer que é psicólogo quando convém e pastor quando convém.
Não está no código de ética?

Muito bom, Jeniffer Harth!
Impressionante como ainda existam pessoas, como o senhor Silas Malafaia, ou pessoas como os comentados acima, que se acham no direito de não concordar com a opção sexual do outro ser humano! E agredi-las!

Rorschach - 07/02/2013 23:04

“…no ano de 2011, em 278 assassinatos motivados por orientação sexual…” é comovente, mas esses crimes foram cometidos somente por heterossexuais contra homossexuais? Acho que devemos levar em conta a motivação desses crimes. Longe de mim fazer apologia a crimes como esses, mas a reconstrução de um cenário plausível do que realmente aconteceu iria ser bem esclarecedor e acabaria de uma vez por todas com a idéia de um resultado tendencioso que, com certeza, a maioria da população possa ter.

DERLI FILHO, antes que alguém venha aqui a postar pesquisas que apenas “apontam” o homossexualismo e nada de fatos ou comprovação, deixo aqui o livro do Dr. John S. H. Tay, NASCI GAY? O cara é formado na área, 2 doutorados, enfim, sabe mais que eu e vcs, apontando também incongruências nas próprias pesquisas apontadas pelo “suposto” doutor do vídeo. PRa vc ver que até entre eles, há debate se homossexual nasce homossexual.

Priscila Cardoso - 07/02/2013 23:06

Derli Filho concordo com você em cada palavra!!!
Que bom seria o mundo se tivesse mais pessoas que pensassem como você, pois de pessoas ignorantes e sem embasamento científico tem muitos!!

Jose - Recife - 07/02/2013 23:09

Parabéns ao CFP em se posicionar. Critico apenas o fato dele ainda ter a Identidade de Psicólogo, mesmo depois de reinterada vezes ferir o Código de Ética dos senhores (não sou psicólogo) nos artigos: letra c) Art. 15; letra e) Art. 31 e letra c) Art. 38.
http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/resolucao1987_2.pdf

Paulo Roberto - 07/02/2013 23:11

Como estudante de Psicologia da UFSC, pelo jeito o todo-poderoso CFP vê homofobia numa pessoa que defende que uma minoria não deve ter mais direito que a maioria. E tem muita gente dentro da psicologia que defende que homossexualidade é questão de comportamento. Respeitar a diversidade não significa concordar com tudo que estas diversidades fazem, e muito menos super proteger uma minoria que grita e que parece ser a maioria. E se o CFP apoia tanto que as pessoas devem viver a vida que querem, permitam que quem é homossexual torne-se hétero se quiser. Que tragédia este seu posicionamento,CFP. (obs: não preciso ser cristão e nem evangelico pra concordar nestes pontos com o pastor)

Acho muito interessante quando alguns parecem negar que há assassinatos motivados por homofobia. Lembro muito de um tal Ahmadinejad negando o holocausto, mas só de leve(utilize neste local um sinal de pontuação que significa sarcasmo)

Fernando henrique - 07/02/2013 23:26

Caros psicólogos do CFP, quando vejo essa descrição de homofobia por parte do Pr. Silas Malafaia(homem e lider religioso), me pergunto o por quê de vocês não analisarem a questão pelo prisma religioso também ou será que a fé e religião não são fundamentais para uma boa formação humana e psicológica? O Pr. Silas defendeu uma bandeira Cristã e em momento algum ele usou de contrariedade a existência gay, o que ele afirma com base nos ensinamentos e fundamentos cristãos a sua opinião como homem e lider religioso. Posso não concordar com tudo o que ele diz e faz, mas eu tenho esse direito de discordar assim como ele o tem de ter suas opiniões! No que concerne a psicologia quando ele fala sobre a homossexualidade, é tocado no ponto sobre o âmbito do inatismo genético, ou seja, nascer ou não gay e que de nenhum dos lados(sim e não) existe certeza de afirmaçãos. Porém até agora os estudos descaracterizam o inatismo e apontam a tendência de aceitação sobre o “meio” como maior influênciador sobre orientação sexual! FONTE http://genepi.qimr.edu.au/contents/p/staff/NGMHandbookBehGen_Chapter19.pdf

Nós cristãos, não odiamos gays, mas por questão de crença, acreditamos que é uma prática contra os princípios cristãos e de escolha própria imposta ou influenciada fisicamente e espiritualmente. Gostaríamos que vocês analisassem também o lado espiritual/religioso e todo o bem que uma familia criada no âmbito espiritual pode fazer a sociedade e por favor, não se apressem a julgar, pois vocês também não perfeitos e não respondem por todos.

Valmir Nery - 07/02/2013 23:30

Em tudo de acordo com o dito acima por Jeniffer Harth, acrescente-se que além Direitos Humanos, a Constituição Federal Brasileira, além de outras Leis esparças, são unânimes em defenderem direitos iguais a todo cidadão, portanto, além da discriminação de gênero, a homofobia no território brasileiro é CRIME, passivo de cominação legal. Malafaia escorregou na maionese…

Kaline Cunha - 07/02/2013 23:32

Jeniffer, sou psicóloga então acredito que levando em conta seus critérios para argumentação eu sei do que estou falando. Posso estar enganada, mas ninguém está negando a existência de homossexualidade, ser contrário a essa “orientação” (como você chamou) é apenas um posicionamento diferente frente à situação, este que pode ser justificado por vários motivos, da mesma forma que o seu posicionamento, a favor creio eu, também pode com toda certeza ser justificado. Ninguém que se diz contrário a alguma coisa fere os direitos de outra pessoa, há uma grande diferença entre dano e ofensa, não percebê-la é um grande equívoco. Bom, a psicologia não se limita a não fazer distinções, felizmente e contrariando boa parte de suas afirmações. Um psicólogo digno de estima deve saber que a realidade é objetiva, uma ciência deve estudar os fatos, a realidade, portanto, mesmo que haja subjetividade em seu objeto de estudo, ela deve se manter objetiva e se, para isso, tiver que contrariar o pensamento social vigente, que assim seja. Assim como aconselhou os caros acima a lerem e se informarem, estou lhe aconselhando a fazer o mesmo, infelizmente a psicologia se distanciou muito de sua parte objetiva e racional dando lugar ao subjetivismo e relativismo contemporâneos. Eu como psicóloga sinto muito por isso, e me deparar com essa situação vinda de quem deveria zelar por uma psicologia mais racional e menos polemizada me dói. A filosofia chora ao ver sua filha assumindo esse papel. Então faça isso, leia mais, estude mais, que tal ir até a filosofia para ter uma idéia do real papel da psicologia, bom creio eu que esse não deveria ser um conselho, olha a que ponto chegamos, ter que aconselhar um psicólogo a estudar filosofia. Eu sinto muito, de verdade, por tudo isso.

Caroline - 07/02/2013 23:33

Não vejo as declarações do pastor como homofóbicas. Mesmo sendo psicólogo, ele é PASTOR. Se ele segue a Bíblia e nela está escrito que os homossexuais não herdarão o Reino dos Céus, o CFP esperava mesmo que ele apoiasse a homossexualidade? E eu concordo com a afirmativa de Malafaia que diz que homossexualidade é comportamento, principalmente se tomarmos como base o fato de que a condição é favorecida pelo ambiente em que a pessoa vive em mais de 60% dos casos.

Já vi muito pastor preconceituoso. Se ele fosse um deles, diria que homossexualidade é demônio, não comportamento.

E por último: COMO A PSICOLOGIA PODE EVOLUIR SE NÃO FOR DEBATIDA OU CONTESTADA?

Parem de perturbar o homem, há uns cinco anos ainda tinha cientista tentando descobrir se homossexualidade era distúrbio mental (ainda tem os que achem isso!) e ninguém falava nada…

tirado do site A TRIBUNA, pela usuária MARTA:” Então, Silas Malafaia afrontou a construção das lutas da categoria pela defesa da diversidade??? Então, Silas Malafaia agrediu a perspectiva dos direitos humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação?? Pois bem, o CFP não tem interesse, que as pessoas se beneficiem dos conhecimentos da psicologia, está apenas interessado em ideologias, coisas que não lhe cabem. Real direitos humanos é dar ao paciente o direito de escolher em que sentido quer ser ajudado, quanto à sua orientação sexual. O profissional tem o dever de usar o seu conhecimento para atender aos desejos de seus pacientes, na medida em que for possível, à luz da psicologia e nunca misturar sua ideologia política ou religiosa durante uma terapia. O compromisso do CFP deveria ser com a psicologia e não com órgãos políticos ou qualquer outra organização. Também, não é direito do CFP difundir cultura alguma e sim ser fiel aos estudos(ciência) da psicologia. A preocupação com a paz no âmbito nacional é dever das instituições governamentais que regem o País. Percebo que o CFP persegue qualquer psicólogo que fale em reorientação sexual e embora seja católica não praticante, percebo que normamente a perseguição se dá aos psicólogos evangélicos. Vivemos num País laico, mas com liberdade religiosa e o povo brasileiro é religioso, poucos são os ateus, os quais, também têm que ter seus direitos respeitados. Por esta razão acho absurda a resolução do Estatuto do CFP ao interferir no trabalho do profissional. Parabéns, a Silas Malafaia que defendeu a reorientação sexual mencionando a genética, Freud, o pai da psicanálise que o CFP insiste em enterrá-lo. Show de bola, senhor Malafaia, e que outros psicólogos não se acovardem diante da tirania do CFP, que quer a todo custo impor a tirania gay.”

Daniel Barbo - 07/02/2013 23:41

Os discursos de Silas Malafaia não ferem apenas as diretrizes do CFP. O pastor incita o ódio a uma comunidade, GLBT, o que fere os direitos humanos. Sendo assim, ele pode ser indiretamente co-responsabilizado pelos assassinatos e agressões de caráter homofóbico. Seus discursos, como ele mesmo concordou em entrevista com Marília Gabriela, alimentam ódios que perpetram tais crimes.

João Gabriel, ninguém precisa supor sua ignorância enquanto ela já está provada em seu comentário. Mas já que é assim, então vejamos…supondo que você seja psicólogo ou acadêmico, o que seus professores estão te ensinando na disciplina de ética?
E supondo que não seja: nunca precisei de bacharelado nenhum pra perceber que ninguém é diferente de ninguém apenas por sua opção sexual e que nenhum outro pode se achar superior por representar uma maioria absoluta.
Quanto a notícia…garanto que se fosse um psicólogo nada famoso ele já teriam o CRP suspenso.

Marcelo Facchinetti - 07/02/2013 23:45

Como se fala em defesa de direitos, mas não se dá, ao outro, o igual direito de discordar? Houve, até, um idiota aí em cima, que pretende que o Sr. Malafaia seja cassado(!), não se dando (nem ao menos) conta de que o Sr. Malafaia foi entrevistado na qualidade de Pastor Evangélico, e, não, como psicólogo!
Por outro lado, Conselhos de Psicologia podem, e devem, regular a prestação de serviço do psicólogo, mas NÃO PODEM regular a forma de pensar de qualquer cidadão, seja ele psicólogo, ou não. O CFP, ou qualquer um dos CRP, não tem autoridade, nem legitimidade, para agirem como uma polícia de comportamento do cidadão Malafaia, ou de qualquer outro cidadão.
De qualquer forma, quem assistiu ao debate (ao vivo, ou pelo Youtube), pode ouvir claramente o Sr. Malafaia dizer, repetidas vezes, que não tem nada contra os homossexuais, chegando a dizer, também repetidas vezes, que ama aos homossexuais, como ama a qualquer ser humano. Ele disse ser contra, isso sim, à prática homossexual, ao homossexualismo. Com isso, entendo que o Sr. Malafaia faz a exata separação entre a pessoa e sua prática; coisa esta que, me parece, deveria ser feita pelos Conselhos de Psicologia, mas que não o é.
Quanto ao video do “doutorando” em Biogenética, o jovem pisou feio na bola, quando, ao tentar corrigir ao Sr. Malafaia. Quando este afirmou que, geneticamente, gêmeos idênticos teriam que ter a mesma conduta homossexual, caso um deles o fosse, mas que a clínica não comprovava isto, pois há muitos casos em que um dos dois é homossexual, mas o outro idêntico não o é, o jovem cientista se “enrola”, e acaba referendando o que afirmara o Sr. Malafaia, ao dizer que, geneticamente, se um dos gêmeos idênticos é homossexual, o outro também teria que ser. Quis menosprezar e desautorizar ao Sr. Malafaia, mas, ao final, ratificou tudo o que ele disse!
Francamente, este “policiamento homossexual” já adquiriu tons de comédia pastelão. Afinal: se somos todos iguais, independente de escolha sexual, por que tanto furdunço? O que parece, é que os homossexuais estão querendo convencer a si mesmos, de que a homossexualidade é uma coisa “normal”! Já está na hora de acabar com isso, e viver a vida de forma tranquila, sem querer causar polêmicas, que somente servem para projetar politicamente algumas pessoas, que estão se dando muito bem, obrigado, às custas do sofrimento e exposição de muitos. Mas parece que, isto, os Conselhos de Psicologia não veem; ou não querem ver!

Caro João Gabriel. Vamos aos fatos e a refutação de seus argumentos.
“Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos de parcela significativa da população. Vale lembrar que esses tipos de casos resultaram, no ano de 2011, em 278 assassinatos motivados por orientação sexual, de acordo com o Disque Direitos Humanos (Disque 100).”
Como é? O fato de alguém opor-se ao comportamento homossexual agora é caso de violência contra os mesmos? De onde o “todo-poderoso” CFP retirou essa conclusão ilógica? ? Quer dizer que quem não concorda com o comportamento gay é um assassino em potencial?
Acredito que você não entendeu o que está escrito e até mesmo o que se é argumentado perante a estatística criminal. Quando se diz que 278 pessoas foram assassinadas por causa da homofobia, não quer dizer que os assassinos são simples opositores ao comportamento homoafetivo, mas que são intolerantes à tais práticas, ao ponto de tirar a vida de uma pessoa por causa disso. Essas 278 pessoas foram assassinadas por causa de sua orientação sexual. Isso não quer dizer que um opositor a homossexualidade seja um assassino em potencial, e nem que esteja cometendo crime, desde que ele argumente contra as ideias e não contra as pessoas. O que essa estatística mostra é que 278 pessoas morreram, comprovadamente, por motivo de homofobia. O restante dos assassinatos não importam para essa estatística, porque dentro de todos os outros assassinatos, motivados por outras razões, terão todos os tipos de pessoas, incluindo gays. A resultante aqui é que existem casos de morte motivadas por orientação sexual, muitos casos.
Até que ponto chegamos, meus amigos, mancomunados como estamos com os interesses de uma minoria que quer impôr-se à força e, para isso, usa a arma do saber psicológico como escudo e como espada…
Em primeiro lugar, não vejo os homossexuais tentando imporem-se à força. Vejo o contrário, homofóbicos tentando inibir a homossexualidade à força. O que os homossexuais buscam, são direitos iguais, algo que já deveria ser tendo em vista que nossa constituição não permite a discriminação de qualquer espécie que seja. Você não concordar com uma ideia, é um direito seu, você argumentar sobre as ideias, é um direito seu. Você agredir ou incentivar a agressão, seja ela, física ou emocional, não é um direito seu. É discriminação e, segundo nossas leis, é crime. Enquanto os homossexuais fizerem uso do saber psicológico ou qualquer outra forma de conhecimento, como a genética, ou seja qualquer outra forma de pensamento, para respaldarem suas afirmações e lutarem pelos seus direitos, acredito que estão muito certos. Se, ao invés disso, eles fizessem uso da força física, para forçar suas ideias, estariam errados. O conhecimento, seja ele em qualquer área, deve ser usado, sempre, para trazer o bem estar e assegurar os direitos das pessoas dentro de uma comunidade.
Outra questão: o CFP apurou as denúncias de crimes de “homofobia” conforme informação dada acima, para saber as motivações de todos so crimes? Seria bom que olhassem o relatório abaixo. Ouvir uma voz discordante de vez em quando faz bem
Já argumentado acima.
Para constar, sou heterossexual, muito bem resolvido. Mas sei o tipo de preconceito que os homossexuais sofrem por duas razões, tenho amigos e amigas homossexuais. E eu sou ateu, um grupo de pessoas que, por não partilharem da crença da maioria, é muito discriminado em nosso país, que se diz laico, e uma discriminação ainda maior do que a que os homossexuais sofrem.
Abraços.
Felipe

Alzira Perez - 07/02/2013 23:52

cada vez mais a sociedade brasileira está sendo amordaçada!)O dignissimo conselho se ofende com questões polêmicas e parte para o retrocesso.A discussão parte de que existem o terceiro sexo! Como provar que existe o terceiro sexo? A psicologia pode informar? Nem a genética ainda respondeu com precisão,não seria então precipitada a decisão do conselho? Como conselho deveriam ter “ética” o posicionamento do paciênte importa dentro do consultório, ai sim deve haver regras, mas em debate sobre o assunto deveria ter esclarecimento e não mordaça, acorda! Como vamos fazer com as pesquisas se ñ houver debate?

Henrique Sampaio - 07/02/2013 23:56

Se eu não me engano esse senhor nem registrado é.Ainda bem.Ele se aproveita do conhecimento aprendido na graduação e da fragilidade Psicológica de tanta gente pra incitar o ódio e intolerância.Ele tem todo direito de se mostrar contra mas faltar com respeito e provocar o ódio e a intolerância nas pessoas,não!Fascismo da contemporaneidade…Enfim esse repudio é o minimo que o CFP pode fazer!de qualquer forma, parabéns!!!

Danielle - 08/02/2013 0:02

Pelos comentários dos defendem o pastor, percebe-se que além do poder de persuasão de controlar a mente de seus seguidores ele também tem a capacidade de fazer com que seus fieis sejam incapazes de conseguir interpretar corretamente uma linha de um texto.

João Gabriel: Qualquer pessoa que tenha o mínimo conhecimento dos princípios fundamentais da profissão do psicologo sabe as respostas dos seus questionamentos e “falta de argumentação”. Se tratando, obviamente, necessário um maior conhecimento das leis que regem a Psicologia e claramente também dos direitos humanos para poder argumentar contra quaisquer duvidas que tenha ao que o texto explicita. Este é um texto que retrata uma carta de repúdio, não se trata de um livro didático, quaisquer pessoas que necessitem maiores informações em relação as LEIS que regem uma profissão não podem exigir que o próprio conselho se explique toda vez que se manifestar quanto aos seus próprios princípios.

Bons estudos.

Ederson - 08/02/2013 0:15

Junior:
vamos assumir que só existam 74 bilionários no brasil. Após um levantamento sobre homicídios, notou-se que 20 bilionários foram assassinados em 2012. Segundo seu raciocínio não há razões para os outros se preocuparem, pois só o RJ faz com que seja mais de 5x maior a chance de morrer de dengue do que um bilionário ser assassinado. Mas eis o engano: existiam apenas 74 bilionários, logo mais bilionários foram assassinados do que pessoas morreram de dengue (acho que o brasil tem mais de 100000 pessoas).

João Gabriel:
-> “Por que agrediu?” – Primeiro parágrafo: ‘(…) e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação (…)’ (você esqueceu de ler a continuação);
-> “Por que afrontam?” – Pelo simples fato da luta ser em defesa da diversidade;
-> “A Resolução citada está em análise no PDC 234, como bem sabe o CFP.” – E tenho fortes convicções que a bancada evangélica é grande responsável por isso;
-> Sobre os homicidios: veja se a parte que cabe ao Junior (acima) faz você compreender o cerne da questão.
Nota: não sou psicólogo! Sou apenas um homem consciente que sentiu um asco enorme ao ver o cidadão em questão colocando lado a lado homossexuais, assassinos e pedófilos.

Interessante notar que os súditos do referido senhor mencionado na nota logo se empenham em seguir segamente as orientações de tal e vir aqui ecoar as mesmas bravatas e falácias vazias e tendenciosas, na esperança de quem sabe repetindo-as e repetindo-as elas acabam se parecendo com a verdade. Tentativa não falta. Bom, primeiro, o disque 100 faz parte do governo e da frente de recursos humanos. Se os pastorinhos de plantão Juninho e Joãozinho puderem acalmar os ânimos um pouquinho, verão que o CFP não tem poder de polícia e não cabe a ele aprofundar investigações de quem quer que seja. Se ambos pastorinhos pretendem fazê-lo, acredito que podem procurar o ministério que cuida do serviço. Segundo, já ta cansativa essa desculpa esfarrapada de que homofobia e direito de discordar sejam coisas conflitantes. Muitos ainda hoje devem discordar bastante da lei de criminalização do racismo, mas a lei está aí e quem cometer o crime, que arque com a responsabilidade por seus atos. “Ah, mas existem centenas de milhares de outros assassinatos(…)O CFP vai ver isso também?” Outra verborragia de má fé… Então é preciso que haja problema zero no país para que os outros possam ser tratados? Mais uma vez, que KIKO tem o CFP com toda a taxa de crime do país?? Parte da estatística do governo foi divulgada apenas para ilustrar o argumento e até porque a nota em questão está falando do pastor Falácias. Nada mais! O objetivo da lei não é favorecer, não é obrigar ninguém a aceitar nada. O objetivo da lei é pura e simplesmente tipificar um crime e garantir direitos. A grande maioria da população não ta nem aí pra essa lei porque a verdade é que o vizinho passando a ter seus direitos garantidos de nada afeta os direitos que já existem dos demais. Juninho e Joãozinho, entenderam? Quem for Hetero, continua sendo, ok? Só afeta os que conjecturam em inverdades com base na má fé, os criminosos. Esses sim, tremei. Hoje estes estão tão incomodados como a Ku Klux Klan deve ter ficado há não muitas décadas atrás quando outros movimentos também eram taxados de “dar privilégios a um grupinho”.

joao w nery - 08/02/2013 0:17

Caça o diploma dele e eu que luto pelo Direitos Humanos, estou aguardando a mudança do meu diploma no Instituto de Psicologia da UFRJ. Exigem documentos onde não há, já que quero apenas mudar para o nome social. Agradeceria se o CFP pudesse interferir a favor dos transgêros, incluindo os transexuais e travestis.

Ismárly - 08/02/2013 0:18

Tenho uma dúvida: O que é necessário para o registro profissional deste cidadão ser cassado? Que ele diga mais barbaridades? Concordo!

“Discordar é ser homofóbico?”.
Exato, João Gabriel.

Uma vez que a existência de alguém (o fato de ser homossexual) é negada por outro, caracteriza-se uma situação de homofobia, uma vez que o ser não é passível de escolha consciente e arbitrária simplesmente. Desse modo, cabe aos outros aceitar quem são.

Já um comportamento preconceituoso não é vital, apenas demonstra o caráter.

Não se pode ser homofóbico, assim como não se pode ser racista, xenófobo, misógino. Entende?
Suponhamos que você seja canhoto. Isso faz parte de quem você é, e que foi moldado por uma relação de sua formação genética com o mundo. E que a sociedade retrógrada em que vivemos fosse intolerante a isso. E o que fazer? Ser outra pessoa pra agradar e não ser perseguido?

É isso que as pessoas querem? O direito de discriminar e perseguir?

Você tem problemas com sua sexualidade? Talvez devesse resolvê-la e não atacar quem está de bem com a sua.

Ser gay não é opção, homofóbico sim.

Ana Clara - 08/02/2013 0:25

Assim como o Derli Filho, eu gostaria de saber o que mais é necessário acontecer para que o registro do conselho do Malafaia seja cassado? E não só dele, mas como da Marisa Lobo e tantos outros “psicólogos” que atendem em seus consultórios e garantem a tal “cura gay.”

marcos carvalho - 08/02/2013 0:26

Eu, simplesmente acho um tremendo absurdo uma pessoa que se diz seguir a Deus e ensinar sobre Seu amor, incitar tamanho ódio e desprezo para com os homossexuais. Pior ainda é acreditar que existem pessoas que se deixam alienar por um ser como esse, que se diz dotado de fé e preocupado com o próximo, mas que está a todo tempo ‘alfinetando’ o ser humano. Gente, está na hora de acordar e perceber que o que esse homem está fazendo, nada mais é do que uma lavagem cerebral naqueles que o seguem, colocando a sua interpretação errônea nas questões da homossexualidade!!

A opinião pessoal (filosófica/religiosa) de Silas não pode ser apresentada como opinião profissional (psicólogo licenciado) dele, isso viola códigos de ética (se é que ele está sujeito à eles). Ele também não pode diagnosticar e tratar baseando-se em opinião pessoal (filosófica), não importando que (homossexuais) lhe peçam ajuda, ele deve encaminhar a um [outro] profissional imparcial. (se ele atua como psicólogo na sua igreja)

Fabiana Lima - 08/02/2013 0:31

É importante lembrar que ainda que o Pastor silas malafaia não fosse psicólogo seu posicionamento é homofóbico, o que é crime. Entretanto, as declarações feitas por ele tornam-se ainda mais graves pelo simples fato de que ele faz parte de uma categoria profissional que tem um compromisso com um código de ética, e que a sua licença para ser profissional da Psicologia depende sim que ele posicione-se de acordo com o referido código de ética. Por isso, compreendo que o pastor afronta não apenas os direitos humanos mas também o código de ética da Psicologia. Uma vergonha para a categoria e para o Brasil!

Caroline - 08/02/2013 0:35

Concordo! O registro profissional dele deveria ser cassado, as declarações dele são claramente incoerentes com os princípios da profissão! E isso é ruim para a imagem da Psicologia, pois chega um profissional desse falando nas televisões e programas esse tipo de coisa, é claro que as massas vão acabar interpretando esse posicionamento dele não como um posicionamento apenas dele, mas de toda a categoria, o que não corresponde a verdade!

Alvaro de Olveira Junior - 08/02/2013 0:35

Gostei da piada, mas eu gostaria mesmo é de saber desde quanto o CFP adquiriu o direito de interferir na opinião pessoal das pessoas. Por conseguinte, gostaria de saber também se na sede do cFP não existe um dicionário para que pesquisassem o signficada do termo “homofobia”. Ou será que discordar com argumentos agora virou agressão? Eles falam de liberdade no que diz respeito à pratica homossexual, entretanto, se esquecem qua a constituição federal garante a todos os brasileiros a liberdade de expressão.
Q piada!

Pedro Conrado - 08/02/2013 0:46

Ótimo comentário Jennifer, mas eu não me preocuparia em argumentar com pessoas como estaS (Júnior e João) porque pelos comentários que fizeram percebe-se a ignorância. Não me daria ao trabalho mesmo. Parabéns pelo cometário! Tenho certeza que o CFP precisou medir bem as palavras justamente por causa de pessoas como estas, mas ainda assim…

burzynski - 08/02/2013 0:47

Longe de supor ignorancia, seu argumento e prova cabal desta. Antes de sustentar logica para suas alegacoes, veja qual a funcao social delas. Nao e outra senao discriminar, logo voce vomitando seu delirio so e um agentr para tanto. Tal posicao nao so e digna de vergonha como e eticamente reprovavel.

Alexandre França - 08/02/2013 0:51

Car@s gostaria de colocar que me sinto contemplado, como cidadão, nas palavras de repúdio do CFP. O digníssimo sistema conselho, não poderia se abster de uma situação tão vergonhosa da fala de um pastor, que se baseando nas escrituras religiosas, se coloca ao mesmo tempo como profissional registrado no sistema conselho de psicologia. Nós profissionais da psicologia que trabalha promovendo melhor qualidade de vida para as pessoas, não poderíamos deixar de estar indignado nas colocações de um suposto profissional que promove o contrário. Car@s senhores que não sabem o que diz, a psicologia é uma ciência que trabalha com fatos, fatos esses que são respaldados em pesquisas científicas, para que não saiamos do discurso ético para um discurso moral, onde o cidadão possa ser evidenciado como um ser passível de ações estigmáticas que o fere em sua cidadania tais como: preconceito e discriminação. Sabemos que a homofobia é um fenômeno cultural construído por uma sociedade preconceituosa, assim como o machismo, racismo etc. O crime homofóbico não foi inventado como foi colocado pelo pastor. É uma ação perpetrada com atos de crueldade, estas singulares, que o difere de outros crimes. Tais fatos foram evidenciados e publicados em periódicos, pesquisas e artigos científicos pelas maiores universidades do mundo (inclusive do Brasil); está ai para quem não quer se enganar. Assim como o crime contra a mulher, a criança, o negro, há também o crime contra a população LGBTT. Acredito que o CFP neste repudio veio demostrar solidariedade e responsabilidade como um órgão que se coloca contra qualquer tipo de ação vexatória, violenta, preconceituosa contra qualquer cidadão brasileiro, independente de sua cor, religião, classe social, gênero, identidade de gênero e orientação sexual. A homofobia é um fato e este fato deve ser considerado, não só pelo CFP, mas por todos que respeitam o outro em sua singularidade humana.

Então João Gabriel, hávido por uma refutação? Vamos lá, por partes.

“Bem, para não variar, o CFP não argumenta nada. Limita-se a afirmações peremptórias, como se o que estivesse dizendo fosse de uma obviedade acachapante”. Vejo que o objetivo deste artigo foi informar a discordância do Conselho e das diretrizes do Conselho com os argumentos apresentados por Silas Malafaia no programa da Marília Gabriela. Não vejo como pretensão desse artigo discutir a questão da homossexualidade a fundo. Mas seria uma boa sugestão de pauta, tendo em vista a circunstância dos fatos. Sugira, seja pro-ativo.

“Em sua participação, o pastor evangélico agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz…” Por que agrediu?
Vou tentar simplificar, senão isso aqui virará um tratado: um dos direitos humanos é a “dignidade da pessoa humana”. E o que contempla isso? Contempla toda uma subjetividade de aceitação pessoal e social, de respeito às suas diferenças, de ser tratado como um igual, se se sentir tão humano como os demais. Então, quando alguém que não segue a heteronormatividade e pertence a uma outra variedade qualquer não é visto como igual, mas como alguém que precisa ser curado, como se tivesse algo patológico, sim, isso é ferir a dignidade da pessoa humana, isso é ver o diferente como inferior e a verdade de uma religião como a verdade universal. Exemplo bem simples: nunca vi um mulçumano abrir a boca pra dizer que todas as mulheres, que não pertencem à sua religião e, portanto, não usam véu, são coisas do Diabo. E estou dando um exemplo de uma das religiões mais radicais do mundo. Mas a mídia de Silas Malafaia e outros pastores de rebanhos similares teimam em querer que a fé deles se sobreponha a toda uma sociedade, a outras fés, ao Estado, e ao direito do outro de ser aceito, amado, querido, capaz de formar uma família, capaz de dar e receber amor, capaz de ser pai, mãe e de educar seus filhos para serem pessoas do bem. E isso, a meu ver é muito grave.

“As declarações de Malafaia, que é graduado em Psicologia, afrontam a construção das lutas da categoria ao longo dos anos pela defesa da diversidade.” Por que afrontam?
Não vou repetir tudo que já disse no item anterior. Só um adendo, a pregação de Malafaia pode ser comparada a outros discursos históricos sobre a escravidão, por exemplo. Porque o discurso sobre a escravidão mudou, mas contra os homossexuais não? Essa é uma boa pergunta. Porque hoje ninguém acha mais normal dizer que negro tem parte com o demônio, que não é gente, que deve ser escravo; mas é capaz de dizer coisas similares e piores de um homossexual e quer defender o direito de dizer tais coisas como o senhor da casa grande queria garantir o direito de continuar com seus escravos? É um processo difícil pra muita gente aceitar o diferente e amá-lo justamente pelo que ele é, valorizá-lo pelo que ele é. E lembremos: toda liberdade tem limites, senão destruiria a sociedade. Se eu fosse livre para fazer e dizer tudo que quisesse sem qualquer punição do Estado o convívio social seria insuportável. Desta forma, a garantia de liberdade religiosa dada pela Constituição não exclui do dever de zelar pelos Direitos Humanos e resguardar as diferenças, propiciando direitos iguais a todos os cidadãos, bem como seu acolhimento em todas as suas diferenças.

O CFP, parece-me, não é muito afeito aos que discordam de suas “lutas”. “Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia” Ora, e por que é “bandeira” da Psicologia não há possibilidade de discordância?
Sempre haverá possibilidades de discordância, mas sejamos coerentes, se alguém quer discordar de um conhecimento científico que apresente um estudo científico para tal, não um discurso religioso. O problema creio, reside no fato de Silas Malafaia procurar argumentar de pontos de vista que não possui domínio, usar sua formação em Psicologia como instrumento de poder para defender pontos de vista que são meramente de cunho religioso. Além do mais, quem cumpre “obrigação” no Candomblé é quem é do Candomblé, ninguém que não seja do Candomblé se torna uma “abominação” ou tem parte com o “Diabo” por isso.

A Resolução citada está em análise no PDC 234, como bem sabe o CFP. “Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos…” Manifestação de homofobia? O que constitui a “manifestação de homofobia”, caro CFP? Discordar é ser homofóbico? A respeito dos assassinatos, como bem disse o Júnior, em seu comentário acima, eles foram investigados? Está provado que foram cometidos por motivos “homofóbicos”? E os outros 40 mil e tantos homicídios no Brasil? O que o CFP tem a declarar sobre eles? Essa questão dos crimes homofóbicos é bem complexa. Primeiro que como crime de racismo as testemunhas são fundamentais para averiguar, mas outros fatores como a falta de outro motivo, não haver tentativa de furto, lesão corporal grave ou morte, algumas tatuagens que identificam grupos neonazistas…enfim, são muitos os critérios usados nas investigações para determinar se o crime foi homofóbico ou não. O fato é que num percentual equivalente à solução de outros tipos de crime são comprovadamente por homofobia. Qualquer dúvida procure a Delegacia Especial da sua cidade no combate aos crimes discriminatórios e requisite os dados oficiais dos casos concluídos, qualquer cidadão pode fazer isso.

Michelle Bernanos - 08/02/2013 0:56

Joao Gabriel, problemas como a exploraçao (infantil, de mao de obra, etc) no Brasil se dão pelo número e pela região em que a maioria desses cidadaos se encontram e, assim sendo, ganham mais ganhando menos.
Essa é a historia que se observa dos homossexuais ao longo da história. Viveram e ainda vivem (muitos) calados, subjulgados, na maioria das vezes numa realidade que não lhes diz nada.
Me parece muito fácil fazer julgamentos a respeito do assunto, no entanto é um assunto que requer tanto, tanto estudo! Assim como vemos acontecer com o desastre em Santa Maria: Quantos, quantos julgamentos infelizes e precipitados por todos os lados?
Existem sim, muitos e muitos questionamentos. Entendo até a ira que alguns assuntos, como a homossexualidade, possam causar a quem passou a vida se instruindo religiosamente. E só de existirem hoje esses questionamentos, já se comemora muito.
Mas, assim como a ciência, deveriamos nos ater as observações e valoriza-las não como verdades ou como afrontas as nossas convicçoes, mas como ferramentas para podermos – quem sabe – alcançarmos alguma verdade um dia.
Tudo, inclusive nós, somos apenas peças de uma natureza perfeita. Tentamos completar um imenso e infinito quebra-cabeça e a verdade, o final desse quebra-cabeça, está longe de nos pertencer. O mais sábio diante dos mistérios da vida é silenciar.
Se conseguissemos observar e só observar, livre dos nossos tantos “filtros”, veriamos um pouco do quão é inutil lutarmos por qualquer coisa que não seja um “bem comum”, uma harmonia, que realmente agregue e não, nunca separe ou faça tantas distinções.

Vanuza Cavalcanti - 08/02/2013 1:01

Malafaia e todos nós ainda temos muito q aprender, muitos preconceitos e crenças incutidos há tanto tempo q nem nos damos conta q ao acusar quem quer q seja, estamos apenas fortalecendo o q queremos repelir.
Melhor seria ampliar nossos horizontes e construir um novo pensar, uma nova consciência, inclusiva e saudável para benefício de todos os seres vivos.
A insanidade da sociedade é uma calamidade que afeta a todos.

Cristiano Bernardo - 08/02/2013 1:01

Não acham que seja vantagem demais para um só grupo de pessoas, vamos ilustrar um fato que pode muito bem acontecer com você:
Você está na rua e derepente vem um(a) homosexual e desfere contra você uma série de tapas, socos e pontapés, você vai a delegacia e o indicio é de Agressão fisica Leve a Moderada, Pena: Fiança, Serviços comunitarios e uma medida protetiva de aproximação…
Agora você fala (Somente Fala) algo que não foi de bom agrado aos ouvidos do(a) Homosexual, o indicio é de Homofobia, Pena: 2 a 5 anos.
Sou cristão e uma coisa é certa, não odiamos o homosexual, tenho AMIGOS (AMIGOS MESMO) mas ai são eles com Deus, não eu, nem você, Jesus nos ensinou a amar o nosso proximo e não julgar, mas eu acho que, na minha humilde opnião, há uma grande diferença na legalidade das coisas ai envolvidas, e um querer em ser melhor que o outro !
Shalom

Thalita Medeiros - 08/02/2013 1:11

“Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia, especialmente no que tange a Resolução CFP nº 001/99”. Desculpe CFP, mas eu li a resolução. E afirmar que a homossexualidade é um comportamento não vai contra essa resolução. Tentar curar ou tratar a homossexualidade vai contra a resolução, mas afirmar que ela é um comportamento não. Será possível que o CFP não conheça suas próprias resoluções?

O artigo 4 do documento supracitado proibi aos psicólogos de se pronunciarem, nos meios de comunicação de massa, reforçando os preconceitos contra os homossexuais. Mas o pastor Silas Malafaia não se pronunciou como um psicólogo. Inclusive, por qual motivo o Conselho resolveu se meter no assunto? Como o pastor não se colocou no lugar de Psicólogo e nem falou sobre Psicologia, o CFP tem tanta relação com o assunto quanto o Conselho de Contabilidade ou o Conselho de Odontologia teriam.

É direito de todo brasileiro pensar com sua própria cabeça e discordar publicamente de idéias, conceitos e argumentos. Discordar de algo não significa combater ou discriminar pessoas. Ninguém deveria ser “julgado e condenado” por ter opiniões diferentes, por não concordar com certos pontos de vista ou por não ter uma determinada bandeira de luta.

Entretanto, um homem pode ter direito de pronunciar suas idéias, mas todo discurso filosófico e religioso tem consequências sociais. A entrevista do pastor pode gerar um aumento no preconceito, na discriminação, na violência contra homossexuais e na rejeição social e familiar que essa população pode viver. Pode também gerar culpa em gays e lésbicas que se sentirão “errados” por serem homossexuais, podendo afetar a auto-estima, a auto-imagem e o auto-conceito de milhares de brasileiros. Nesse sentido, o discurso do Silas Malafaia é uma verdadeira violência psicológica, na medida em que muitas pessoas podem se sentir estimuladas a mudarem seu desejo sexual, o que não é algo possível de ser realizado segundo a Psicologia.

Bom, criamos um impasse! Um homem teria direito de pensar e tornar públicas as suas idéias e opiniões, mesmo quando essas idéias podem gerar violência e sofrimento em larga escala, para milhares de criaturas? Parece que a sociedade discordou disso, ao tornar o racismo um crime na legislação brasileira. Estamos diante de um conflito de valores, envolvendo a liberdade de expressão e o respeito com o diferente. O respeito aqui é caracterizado pelo pronunciamento de discursos que não gerem consequências sociais negativas à uma minoria. Nesse sentido, o problema se amplia, pois não existe consenso sobre qual é o tênue limite entre discordar de algo e emitir uma opinião passível de gerar consequências sociais ruins para um determinado grupo.

Gostaria de lembrar aqui o período de escravidão. Houve um tempo em que a Igreja tinha escravos e defendia a escravidão como uma “ordem natural criada por Deus”. Se o pastor Silas Malafaia tivesse afirmado que os negros são inferiores aos brancos, estaria cometendo um crime por ser racista. Mas como a homofobia ainda não é crime no Brasil, Malafaia estava apenas exercendo o seu direito de liberdade de expressão, garantido pela Constituição da República. Apesar disso, seu discurso foi anti-ético, pois suas idéias podem produzir discriminação e violência no meio social, além de afetar a auto-estima de milhares de brasileiros. Nesse sentido, o CFP está corretíssimo em se pronunciar com uma nota de repúdio pública. O dia em que a homofobia for crime no Brasil, entrevistas como a do referido pastor irão gerar processos judiciais.

O CPF assumiu publicamente suas bandeiras de lutas relacionadas com os direitos humanos. É vivível a influência da Psicologia sócio-histórica neste movimento realizado pelo Conselho. Efetivamente, um conselho não deveria se preocupar apenas com a sua classe profissional, mas com todo o desenvolvimento social do país. Nesse sentido, a nota de repúdio do CFP é necessária e útil, devendo também ser reproduzida pelos outros conselhos federativas ligados à outras profissões, como o Conselho de Contabilidade ou o de Odontologia. Trata-se de uma luta humana e não uma luta de classe. Antes de sermos profissionais, somos cidadãos, e nossa ciência precisa ser útil ao progresso e bem-estar social.

Adriana Bispo - 08/02/2013 1:13

O que o Pastor Silas Malafaia falou foi o que esta escrito na Biblia, ele não foi para a entrevista como Psicologo Silas e sim Pastor. E nas escrituras sagradas não agrada a Deus ser homossexual assim tambem como desrespeitar o proximo. Deus deu a todos o livre arbitreo para fazer suas escolhas, as consequencias é individual. Precisamos entender que devemos respeitar o proximo seja ele o que for mas devemos respeitar tambem as religiões de cada um.

NÃO CONCORDO COM ESSA MANIFESTAÇÃO DO CFP. Assisti a entrevista e o pastor apenas expôs o que a biblia informa. Que se queimem as bíblias e ignorem o Cristianismo.

Essa manifestação me parece que o CFP também deseja pegar carona na audiência do referido pastor. Já que trata-se de um conselho de menor expressão na sociedade que os demais da área da saúde.

Acho que os comentários acima dos Srs. João Gabriel e Junior podem ser desconsiderados. Pelo menos, um ser que posta fonte de um blog intitulado “Homofobia não existe” não merece se quer o mínimo de atenção. Outro que diz “E os outros 40 mil e tantos homicídios no Brasil? O que o CFP tem a declarar sobre eles?” também não merece ter atenção, visto que a ignorância toma conta deste ser. Caro João Gabriel, os outros 40 mil homicídios, acredito, que não foram motivados pela orientação sexual destas pessoas. Os 278 assassinatos foram motivados APENAS pelo fato de um ser humano sentir-se atraído por alguém do mesmo sexo. Ora, sr. João Gabriel, já viu algum hétero ser assinado por ser hétero? Agora, já viu algum gay ser assinado por ser gay? O que se leva em discussão não são os números de homicídios no Brasil e sim a CAUSA deles. O mundo não precisa de mais ignorantes e intolerantes como vocês. A pergunta que ninguém sabe responder é: Porque homossexuais atrapalham tanto a vida de vocês?

Com muito respeito e carinhosamente penso: Ora, se o pastor foi convidado para a entrevista, supõe-se que suas respostas seriam conforme seus princípios, crença e valores. A imprensa sim deveria ser neutra e não tendenciosa. Imparcialidade espera-se da imprensa e não do convidado, que já possui valores e está ali para expor. A jornalista deveria respeitar suas opiniões com neutralidade, assim como opiniões contrárias se houvessem outros entrevistados. O povo então saberia escolher e tirar suas conclusões. Foram citados vários temas religião, enriquecimento, família. Mas quando o assunto homossexualismo e a opinião e contraria vira logo homofobia. Nada contra os homossexuais terem melhor convívio em sociedade. Mas deverão aprender a respeitar o pensamento diferente. Sou cristã respeito a todos, porque aprendi que Deus ama a todos, mas nossas convicções bíblicas não irão mudar pelos simples fato de uma jornalista usar de forma tendenciosa sua entrevista.

concordo com o nublado só falta o cfp incluir pedofilia e zoofilia como orientação msm,pq existe e se existe não pode refutar#palhaçada.
Com tanta coisa mais importante acontecendo essepovo se preocupa c a opinião dos outros?dá licença mas homofobia e preconceito p mim é outra coisa e n falar o q pensa,se for assim quero uma lei só p mim pq so gordinha e o povo diz q o padrão de beleza é ser magra,isso é preconceito.rsrs.(faça-me o favor)

João Gabriel, a Jeniffer não afirmou que você é um ignorante na area de psicologia; ela fez tal deducao com base nas suas afirmacoes e refutou seu comentário com elegancia. Voce eh que parece ter se exaltado facilmente.

Catherine Plata - 08/02/2013 1:49

Observei na postura de Malafaia não só sua repudia ao homossexualismo, mas uma maneira distorcida de citar a Psicanálise. Quando ele cita que os escritos de Freud defendem uma família pautada em mãe, pai e filho, ele distorceu completamente todo o aparato psicanalitico, tendo em vista que a maioria das pessoas que estavam assistindo à entrevista, não são psicólogos, e como leigos, não tem a menor obrigação de entender o que é SIMBÓLICO. Quando ele interpreta ao pé da letra a obra de Freud, ele faz o mesmo movimento que usa em sua utilização bíblica. Ou seja, não só apresentou uma declarada homofobia, bem como se posicionou como psicólogo, usando a Psicanálise como exemplo e citando uma teoria distorcida ao seu favor. Acredito que as sociedades de Psicanálise junto ao CFP deveriam se posicionar de maneira mais severa ao mesmo, pois não se trata apenas de uma entrevista de um sujeito moralista e de carater duvidoso, mas muito além disso, trata-se do exercício da Psicologia de forma errônea, a serviço de seus próprios interesses, e com isso promovendo uma distorção que denigre uma profissão que merece tanto respeito. Como psicóloga, acho que deveria-se estudar a questão do registro do mesmo. A pergunta é? Deve um psicólogo se posicionar dessa maneira? Isso faz parte da conduta profissional de Psicologia? Para mim aquilo era tudo, qualquer coisa, menos um psicólogo falando.

Catherine Plata - 08/02/2013 2:01

E tem mais… Quando ele se posiciona falando em CURA ou REORIENTAÇÃO para a homossexualidade, para além da questão ética e moral, para além dos Direitos Humanos, ainda concentrando na PSICOLOGIA, eu indago, onde foi que esse sujeito conseguiu seu diploma? Porque ele se apresenta como um leigo falando desta maneira. Demonstra um estudo raso, e fala besteiras com muita propriedade. Acho injusto que se permita a este cidadão um registro como psicólogo, quando ele declara em canal aberto, em rede nacional, sua extrema ignorância psicológica dos fenômenos de comportamento e sentimento.
Concordo com as leis e lutas dos Direitos Humanos e todos os movimentos sociopolíticos que buscam o respeito ao próximo. Mas acredito que se concentrar nesse foco é até facilitador para ele, pois se concentra na esfera dos valores de cada um, e não saimos do lugar. A questão é, como PSICÓLOGO, esse sujeito demontrou não possuir qualquer conhecimento básico sobre sexualidade, comportamento e sujeito. É a isto que devemos fixar mais o nosso olhar, para levantar a questão: pode este sujeito carregar um registro como psicólogo?? Pois não foi oferecido QUALQUER profissionalismo da parte dele m seu discurso. Falou como um religioso que leu alguma coisa de Psicologia, e não JAMAIS, como psicólogo. Pois “estudar” psicologia é uma coisa, atuar profissionalmente, adotar uma postura realmente profissional, mergulhar na esfera psi é outra completamente diferente. Por isso eu torno a dizer, aquilo ali era qualquer coisa, menos um PSICÓLOGO falando… Ele se vale do registro para se apresentar como uma coisa que ele não é… Bem como quem se aproveita para ganhar muito dinheiro dizendo ser homens de Deus….

Daniela - 08/02/2013 2:04

Por favor trate de aceitar meu comentário.. vcs estao defendendo esse monstro?? é??? até quando esse homem insulta tudo e a todos e fica por isso mesmo?

Lucas Wagner - 08/02/2013 2:20

Nunca pensei que fosse ler alguns comentários bizarros que surgiram aqui. Péssimo para a visão de algumas pessoas sobre a psicologia, sobre o que é ser psicólogo. Por que se até o Silas Malafaia é psicólogo? … Parece haver alguma defasagem na formação de alguns profissionais. E essa defasagem é mais perceptível em “profissionais” (não creio que sejam tão profissionais os que cometem os comentários tristes (interessante que esses comentários geralmente surgem na internet, onde o sujeito não é visível, talvez não podendo ser reconhecido, na internet parece haver uma abertura para as “perversões”) parece haver uma visão atrofiada de mundo) da psicologia. Há uma necessidade vigente de mais registros profissionais cassados. E ainda ver um comentário triste com uma subliminar de comparação entre a homossexualidade, a pedofilia e a zoofilia. É triste. Outro vem com palavras difíceis e argumentações retrógradas para validar um discurso frustrado por si. Comparar mortes por motivo de homofobia com mortes por outros motivos, péssimo isso. Parece que tais “profissionais” são embotados, talvez vivam sem perceber a cultura. Não estou tentando desqualificar alguém profissionalmente, desculpa se fiz isso, mas as argumentações apresentadas já desqualifica esse alguém. Se realmente vocês são profissionais e exercem a profissão (o ser psicólogo), eu não queria ser cliente de vocês ou paciente. O fato de opor-se ao “comportamento homossexual” (se é que há esse “comportamento homossexual”, acho estranho esse termo, já desqualifica quem o usa) pode muito bem influenciar outras pessoas para (visto que a psicologia é vista como olho quase detentor do saber por grande parte da população: “tudo que a psicologia fala está correto”), e ao perceber que o psicólogo pastor (problema: você não pode ser psicólogo pastor ou psicóloga cristã, você pode ser psicólogo E pastor ou psicóloga E cristã; cada gaveta no seu devido lugar); e no momento que o profissional não “enxerga com bons olhos” o “comportamento homossexual”, eis que pode gerar problemas (imagina só para o paciente ou para o cliente que tem sua sexualidade reprimida pelo próprio psicólogo, além já do contexto sexual, ou uma pessoa graduada em psicologia que fala tais barbaridades como o pastor Malafaia; é complicado). Parece-me que esses “profissionais” (e pasmem, encontramos até professores na área da psicologia utilizando a palavra homossexualismo ao invés de homossexualidade, evidenciando talvez uma ausência de leitura sobre um assunto que é vigente (a educação realmente apresenta problemas até mesmo na graduação, no mestrado, no doutorado, de cursos de universidades federais do nosso país)) não leram algo de psicologia social, não leram algo sobre psicologia das massas, psicologia cultural, psicologia histórico-cultural, direitos humanos (fundamental para a formação de qualquer profissional que se preze); ou se leram tais coisas, leram de uma maneira enviesada de tal modo que resultou em profundos equívocos interpretativos. É problemático, há profissionais que na graduação parecem fingir estudar o conteúdo ou que inventam uma pessoa quando estão na área prática. Pois para falar tais bizarrices não devem ter lido algo a respeito, nem visto algo na prática. Uma maneira de tentar resolver esse problema na formação é a convivência; convivência com diferentes pessoas (redundância). Há o respeito através do convívio. E após algum tempo desse respeito no e com o convívio, e de leituras (na psicologia se lê muito como sabemos; saibamos direcionar as leituras não para um discurso de si, mas para um discurso para com todos, ou seja, de uma melhoria na vida de todos), eis que geralmente brota a possível aceitação. Se não brotar, aí é preciso pensar essa formação.

Lucas Wagner - 08/02/2013 2:24

contexto sexual (errado)
*contexto cultural (certo)

Aderbal Jr. - 08/02/2013 2:55

Meus colegas, minha análise é que a posição do CFP foi irracional quando insinuou que o pastor propõe ‘cura’ quando na verdade o termo utilizado foi ‘libertação’, que só funciona quando o indivíduo quer ser tratado. O retrocesso foi chamar o discurso de homofóbico e usar o sentimentalismo a favor dos gays.
O CFP também diz que o discurso pode provocar motivação para assassinato. Imaginem então quando descobrirem que as novelas, os games, a mídia ou qualquer meio de comunicação podem influenciar o indivíduo a assassinar homossexuais.
Acredito que os motivos que apresentei já são suficientes para mostrar que o conselho perdeu a oportunidade de ficar com sua fala cerceada diante de suas declarações acintosas.

Infelizmente vemos que as sombras da Idade Média e de todo o obscurantismo motivado pelo que há de pior da religião e pelo falso-moralismo epidêmico na sociedade atual não serão dissipadas da mente da sociedade tão cedo. Alarmistas baseados em argumentações rasteiras de “formadores de opinião”, baseados em revistas de editoriais duvidosos, videos transmitidos pelas mídias de internet baseados em, tão somente, falastrões histriônicos ameaçados em sua existência de ignorância e ranço contra o outro.
Eis mais uma motivação para o incentivo maciço a educação e a divulgação da cultura, dito de forma geral, desde a cultura erudita e popular até a da divulgação dos direitos humanos e dos direitos da sociedade. O conselho também deveria ser mais severo com casos de exercício ilegal da profissão quando os mesmos falastrões histriônicos resolvem impor o conceito de moral e bem-viver como sendo monopólio tão somente deles e de quem coadune com suas sandices.

Robson Silva - 08/02/2013 4:33

Todo discurso que segrega, discrimina, demoniza, abomina, diminui o outro em sua inerente dignidade humana; que não aceita que o seu semelhante humano detenha direitos iguais, sob qualquer desculpa, e, em especial, por argumentos fanático-ideológico-religiosos; não é em absoluto “liberdade de expressão”, é, isso sim, apenas a mera prática oportunista, abjeta e odiosa de uma afoita e pretensa “liberdade de oprimir”, se arvorando a um “direito” de vilipendiar de modo covarde, cínico e cruel, via discurso religioso falacioso, apedeuta e hipócrita; o direito do outro ser diferente e viver de modo livre. Fanatismo religioso não combina com liberdade, nem com democracia, é apenas nazifascismo tosca e porcamente maquiado de fé cega e credulidade burra.

Alessandra - 08/02/2013 5:42

Prezados, e este indivíduo AINDA tem CRP? Por que não cancelam sua credencial?

Rute vilaça - 08/02/2013 6:12

Muito bem dito o promunciamento do conselho federal de psicologia,este pastor se assim podemos dizer,um hemofobico,ainda se diz psicólogo,é revoltante o que ele diz,faz,deixo aqui meu apoio,e repudio total a este ser tão insignificante.O que pode ser feito para que este tal pastor malafaia ache o lugar dele.

Nublado, deixa de falar abobrinha por favor. Pedofilia e zoofilia são coisas completamente diferentes de homossexualidade: são práticas que se consumam através de violência e abuso. Você quer comparar isso com a relação estabelecida entre duas pessoas que DESEJAM se relacionar uma com a outra? Para de falar bobagem, por favor.

Matheus - 08/02/2013 7:06

Desculpem….. não concordar….. mais acolher

Vanessa - 08/02/2013 7:46

O que parece claro, em toda entrevista, é que o entrevistado se posiciona e/ou defende seu pensamento dentro do crê: a bíblia, bem como cada um de nós em nossas próprias crenças e embasamento teóricos. Não vi/ouvi em nenhum momento ele agredindo homossexuais(apenas disse ser comportamental)… Uma dúvida minha: que tipo de “direitos humanos” é esse que não respeita o direito do outro em defender suas crenças ? Até onde eu sei, a própria psicologia valoriza a diversidade, individualidade de cada pessoa… como valorizar a diversidade se temos que pensar/ aceitar o que os outros pensam ??? A todos, um bom dia.

“Resposta ao doutorando em Genética, que me parece estar defendendo a sua causa na questão da homossexualidade:
Toda a argumentação que ele apresenta é apenas suposição científica, sem prova real, e tremendamente questionada pela própria Genética. É igual à Teoria da Evolução, uma argumentação científica que não pode ser provada.

Não existe ordem cromossômica homossexual, só de macho e fêmea. Então, pseudodoutor, não existe uma prova científica de que alguém nasce homossexual, apenas conjecturas.

Dados de pesquisas americanas: 86% dos homens homossexuais já se apaixonaram ou tiveram relação com mulheres; 66% das mulheres homossexuais já se apaixonaram ou tiveram relações com homens. Como alguém nasce homossexual se já teve relação heterossexual? Isso é uma piada!

46% dos homens homossexuais já sofreram abuso por homens. A pesquisa é mais estarrecedora ao mostrar que 68% dos homens homossexuais só se identificaram com o homossexualismo após o abuso.

Se o rapaz metido a doutor em Genética quiser saber mais, leia o livro Nascido gay?, do Dr. John S. H. Tay, que tem mestrado em Pediatria e dois doutorados: um em Genética e outro em Filosofia, e analisou 20 anos de pesquisas sobre o assunto.

Mais uma para o pseudodoutor sobre os gêmeos monozigóticos, que são idênticos geneticamente: 35% desse tipo de gêmeo que é homossexual, o seu irmão gêmeo é heterossexual. Logo, conclui-se que geneticamente não se nasce homossexual, e o fator externo, do ambiente, é fundamental para determinar isso. Preferência aprendida ou imposta. Ou todos teriam de ser homossexuais ou todos teriam de ser heterossexuais no caso de gêmeos monozigóticos.

[Algumas fontes de pesquisas do livro citado: TOMEO, M. E.; TEMPER, D. I.; ANDERSON, S. Kotler D. Archives of Sexual Behavior [Registros sobre comportamento sexual], outubro de 2011; 30(5):535-41 ; STODDAR, J. P.; DIBBLE, S. L.; FINEMAN, N. “Sexual and physical abuse: a comparison between lesbians and their heterosexual sisters”, in: Journal Of Homosexuality, 56(4):407-20, 2009.]

A verdade é esta: ninguém nasce gay. Não existe prova científica, apenas teorias científicas.”

(Disponível em: http://www.verdadegospel.com/video-confira-a-entrevista-do-pr-silas-malafaia-no-de-frente-com-gabi/?area=1. Acesso em 07/02/2013)

Parabéns CFP. Eu, como estudante de Psicologia, me envergonho e me entristeço com os comentários absurdos que vejo alguns manifestando (inclusive Psicólogos). É muito triste ver como essas pessoas conseguem lambuzar nossa profissão em religião e não tem maturidade para lidar com suas crenças e os direitos dos outros ao mesmo tempo; com fé e respeito; com crença e ciência; com a conversão religiosa de todos que sua religião o obriga e o cuidado com a saúde psicológica do outro. Fico abismado porque isso é uma coisa tão básica em nossa profissão! Eu, estudante, espero que esses profissionais cresçam psicologicamente.

Giselle - 08/02/2013 7:59

Percebo que a oposição do referido pastor é sobre a PL122, que agride a possibilidade de liberdade de expressão. A PL122 foca em um nicho, destampando outros.
Homossexuais morrem? Negros são excluídos. Mulheres ganham menos e apanham. Pobres são marginalizados, e muitos outros…

E os negros??
E as mulheres??
E os nordestinos??
E os pobres??

Se criarmos uma lei focada em uma “minoria” vitimizada pela exclusão, deixamos de lado tantas outras…

Preconceito é crime, indiferente de qual forma e qual o objeto.

Devemos combater o PRECONCEITO contra o ser humano. Devemos por em prática a constituição, a liberdade de ser. E (na bíblia) o livre arbítrio.

Fora preconceito!
Fora favoritismos!

“O dispositivo busca contribuir para o desaparecimento das discriminações em torno de práticas homoeróticas e proíbe as psicólogas (os) de proporem qualquer tratamento ou ação a favor de uma ‘cura’, ou seja, práticas de patologização da homossexualidade.”

Mas que barbaridade! Mas que barbaridade!

Quer dizer que o homossexual que queira tentar (ao menos tentar, que seja) uma mudança está proibido de o fazer porque o CFP proibe profissionais de proporem qualquer tratamento!

Mas que barbaridade!

E eu que passei a vida toda crendo que Psicologia era uma Ciência!

Imagina se algum dia conselhos de Física proibirem astrônomos de explorarem coisas do Universo ou se conselhos de Química proibirem químicos de explorar aspectos da matéria?!

Mas que barbaridade! Tomara que essa moda jamais seja adotada pelos ramos realmente científicos ou estamos perdidos de tudo neste mundo!

Quando terminasse Engenharia de Computação, minha intenção era cursar Psicologia. Desse jeito nem quero mais! Não se pode explorar algo mais a fundo simplesmente porque se proibe?! Onde isso existiu na Ciência?! Mas que coisa! Daqui uns dias vão querer mandar prender e queimar na fogueira quem cotrariar o Supremo Trono Pontifício Psicológico e suas verdades perenes, perpétuas, irrefutáveis e infalíveis!

Que coisa…

Francisco - 08/02/2013 8:08

Com relação ao discurso do pastor Silas que viola preceitos legais da profissão, direitos humanos, além da moral e da ética, fica a pergunta: Que medidas administrativas o Conselho adotará a respeito ( )

juliano - 08/02/2013 8:22

Esta reportagem é tendenciosa e incita os espectadores contra os cristãos e principalmente contra os assembleianos, uma vez que muitas pessoas pensam que o Silas fala por nós, vale lembrar que no meio cristão ensinamos nossas crianças a não matar, não mentir, não roubar e servir ao próximo com amor desde muito pequenos, então estas mortes não devem ser atribuidas aos cristãos isso é uma acusação sem precedentes, para não dizer sem vergonha de alguem que não tem o que fazer.
é fato que os crimes de assassinato cometidos por cristãos evangélicos são irrisórios comparados as demais, o que sabemos é que a própria psicologia prega que as leis são tabus e que podem ser quebrados por que são só bloqueios mentais.
portanto nesta linha de pensamento, é muito mais facil um psicologo quebrar uma lei matando do que um cristão que é ensinado desde pequeno que as regras não devem ser quebradas jamais.

Anderson - 08/02/2013 8:36

Bom dia! Eu confesso ter ficado, ao ler esse posicionamento, estarrecido. Sou um membro da Igreja Vitória em Cristo há mais de 1 ano e o que está dito acima não condiz em nada com as declarações e conduta do Pastor Silas Malafaia.Cheguei a pensar que esse site fora criado por um hacker, me perdoem! Quando é declarado acima que o referido pastor em suas declarações afronta a busca da categoria pela defesa da diversidade (grifo meu) gostaria que me apontassem aonde o mesmo faz!? Pelo contrário, o pastor Silas tem lutado incessantemente por ideais de respeito a diversidade.Infelizmente, no Brasil o art. 5 da CF não parece ser respeitado nem por um conselho tão respeitado como vocês. Quem redigiu essa “aberração” deve sim ser sancionada (o). Muito cuidado na redação em assuntos tão polêmicos… E antes que me pergunte em que Planeta eu vivo, te respondo que o mesmo em que declarações infelizes podem gerar processos e pessoas que gostam de aparecer custe o que custar vivem. Muito triste ler essa sua declaração sabia? Bem, poderia passar o dia inteiro contra argumentando o que redigiste.. pararei por aqui por hoje

josue dias - 08/02/2013 8:44

CFP,espero mais que uma manifestação contraria as declarações desse pastor e de outros evangélicos como a pseudo psicóloga Marisa lobo franco Ferreira Alves e outros, se esses profissionais estão sempre respeitando a ética, confrontando o cfp, com as seus discursos e textos, o que impede de vcs cassarem esses elementos ? Isso esta virando uma palhaçada ou libera de vez e a profissão vira um oba, oba , cada um por si ou comecem a agir e dar limites a esses profissionais, o que não da mais para aguentar e essa omissão. A Marisa lobo Franco Ferreira Alves, de Curitiba, pr, tem anunciado em seu facebook e as vezes também no seu twitter que desde o dia 5/01/2013, esta realizando atendimento online por Skype, so que o seu site ainda se encontra em analise pelo cfp, como que isso esta acontecendo e vcs não tomam nenhuma providencia ?

Gustavo - 08/02/2013 8:51

Pedofilia constitui crime contra infantes e zoofilia contra animais, portanto crimes e são COMPORTAMENTOS sexuais e não orientação sexual. Não fale besteira.

Reitero o texto e a opinião de Jeniffer Harth e me espanto com a opinião de alguns senhores nessa publicação. Defender esse pastor é dar as mãos para a ignorância medieval.

JORGE BATISTA DE SOUZA - 08/02/2013 8:53

Malafaia, mal intencionado, não mencionou um conceito fundamental da Psicologia: é evidente que ninguém nasce GAY, nem nasce LÉSBICA. Mas também ninguém nasce HETEROSSEXUAL. O ser humano ao nascer, ainda não tem sexualidade. Os bebês nascem ou do SEXO BIOLÓGICO/GENÉTICO MASCULINO ou do SEXO BIOLÓGICO/GENÉTICO FEMININO. As pessoas do sexo biológico masculino tornam-se HOMENS HETEROSSEXUAIS ou HOMENS HOMOSSEXUAIS. As pessoas do sexo biológico feminino tornam-se MULHERES HETEROSSEXUAIS ou MULHERES HOMOSSEXUAIS. Isso é o sexo PSICOLÓGICO, o qual vai se desenvolver na infância e desabrochar na adolescência e é fruto do tipo de criação e experiências pelas quais passa a criança. É um erro achar que a pessoa “escolheu” ser gay. Da mesma forma que não escolhemos nosso sexo BIOLÓGICO, também não escolhemos nosso sexo PSICOLÓGICO. Nenhum ser humano escolhe a própria orientação sexual.

Cássio - 08/02/2013 8:56

Como pode um tema despertar tantas paixões? A questão que se coloca é que o direito de TODOS, digo: de TODOS deve ser respeitado! Os homessexuais sempre foram desrespeitados, mas as religiões também o foram! Os homossexuais agridem os evangélicos e o CFP não se posiciona! Qual o motivo? A liberdade deve ser uma garantia dada a todos pelo Estado Democrático e de Direito! Cabe ao Estado garantir o Direito às mulheres de realizarem o aborto assistido; se as igrejas (ou qualquer outra organização) discordam disso, cabe a elas, sim, emitirem posicionamento sobre isso. Qual o problema das igrejas dizerem que são contra o aborto? Trata-se de posicionamento ético diferente. O que não pode acontecer é o Estado curvar-se diante da Igreja. Cabe ao Estado proteger o direito das pessoas se “casarem”; trata-se de uma garantina fundamental que são os direitos civis. Ao Estado, cabe a ele garantir isso; se as igrejas ou qualquer órganismo social acham que não se deve ter lei da união estável, “casamento gay” ou qualquer outra coisa assim, deverão se posicionar, instruir e cada qual deverá examinar a questão e decidir! A minha preocupação é que tudo hoje é homofobia! Virou uma questão meio paranóica dos movimentos sociais! O CFP precisa ler “Psicologia das Massas e análise do eu”, de S. Freud. Ora, é preciso diluir um pouco esse discurso da homofobia.
Por uma sociedade justa, igualitária e fraterna é o que devemos lutar. No entanto, as pessoas devem e podem se manifestar contra o que quiser. Silas Malafaia é um mais um representante do fundamentalismo religioso desse país continental. Só espero que o CFP não seja o outro lado da mesma moeda dos “Malafaias” espalhados por aí, ou seja, que o CFP não seja mais um fundamentalista paranóico! E que tenhamos cuidado com o “retorno do recalcado” das teorias eugenistas que tentam a tudo justificar! Não sejamos fundamentalistas, nem da religião, para os que nela creem, nem da ciencia, para os que creem nela. Saudações a quem tem coragem e menos IBOPE para Malafaia, SBT e mídia conservadora.

adriana - 08/02/2013 8:58

Minha posição é, existe sexo feminino e masculino, todo o resto é degradação moral e espiritual, é nojento e uma porta aberta para doenças sexo-contagiosas, ñ preciso descrever-las certo? estamos em um país democrático, deixe o Sr, Silas se expressar, e por falar nisso, não deixa nadaaa a desejar kkkkk

Paulo Gonzalez - 08/02/2013 8:59

O erro das pessoas é atribuir a ORIENTAÇÃO SEXUAL ao SEXO BIOLÓGICO, quando, em realidade, é o SEXO PSICOLÓGICO que determina a ORIENTAÇÃO SEXUAL. O fato do bebê nascer MACHO (como disse Malafaia) não indica que ele será, no futuro, HETERO. Indica apenas que é do SEXO MASCULINO.

Pedro Baal - 08/02/2013 9:02

Há muito que intervir dentro do Conselho de Psicologia. Malafaia não é caso único, veja-se, por ex., o que a “psicóloga cristã”, Marisa Lobo escreveu ontem em seu perfil no Twitter que “nada é mais lógico do que a perseguição. A tolerância religiosa é uma espécie de falta de fé”. Daqui a pouco teremos “Medicina Cristã”, “Farmácia Cristã”, e o Conselho só emitindo notinha?

Vamos com calma, lembremos que práticas homoafetivas pedem o consentimento das duas partes, pedofilia inclui uma violação , uma das partes não consentiu!!( e pode incluir zoofilia nisso tb) Não use isso como argumento.

Apenas uma palavra combinada com uma atitude seria bastante para que o mundo fosse melhor, não seria necessario nenhum tipo de argumento para convencer ninguem que vc ou sua ideia são as corretas… RESPEITO é a palavra, vc nao precisa concordar com a opção sexual, religiosa, politica, futebolistica de ninguem, desde que haja o RESPEITO a convivencia em paz é possivel, não precisamos entender de psicologia, ou religiosidade, pq não á palavra de Deus que eu vejo sendo pregada aqui ou ali, mas sim as imposições das IGREJAS e os pensamentos de seus LIDERES REGLIGIOSOS, para convencer a sociedade “LESADA” de isso ou aquilo é correto, repito vc pode ter a opção sexual, religiosa, politica, que quise, desde que vc respeite o ser humano, apenas como ser humano filho de DEUS que é jamais vai haver violência, desgraça, corrupção, crime… lembre o que o proprio JESUS disse quem nao tiver pecado atire a primeira pedra… e se eles forem a raça da salvação ou da perdição quem sabe, só tenho certeza de uma unica coisa JESUS jamais abandonou, matou, torturou, excluiu, nenhum dos pecadores, apenas os acolheu e os amou, dando lhes motivos e não IMPOSIÇÕES para segui-lo e ganhar a salvação.

Pra variar, os defensore do Malafeia, que não sabem absolutamente NADA de psicologia, assim como o pastor deles, não entenderam NADA do posicionamento do CFP. Sim, se vc é homofóbico, se vc considera homossexualidade um comportamento a ser evitado, vc é um assassino em potencial. Simples assim. O biólogo Eli Vieira tem um vídeo contestando TODAS AS AFIRMAÇÕES PSEUDOCIENTÍFICAS do pastorzinho. Aliás, na entrevista, ele cita um artigo do Freud que, pelo visto, ele não acabou de ler. Malafaia usa sim de má-fé, assim como os ignorante que o seguem usam da mesma má fé ao escolherem (isso sim, é escolha), permanecer na ignorância

Geneticista - 08/02/2013 9:17

Esse cara do video citado na acima, não é mestre nem aqui… nem no lugar que ele diz estar, olha a linguagem do mestre? não teoriza nada, não fala coisa com coisa…. Isso é uma inversão de valores que os senhores GLS tenta fazer. Desorientação sexual, sexo desrregrado, traumas de infancia, tem que ser tratados e não achar que esses doentes da psique ache que os regulares é que são doentes.

Melissa - 08/02/2013 9:17

Caro NUBLADO, achei seu nick muito oportuno, principalmente ao ler seu comentário. Pedofilia e Zoofilia não são orientações sexuais. E não estão relacionadas à homoafetividade. Você, como o Pastor Silas, sugere que existe implicação entre homossexualidade, pedofilia, zoofilia e outras “coisas erradas”. Ele compara ser gay a ser assassino. E você faz coisa parecida no infeliz comentário. Está muito enganado.

Em nenhum momento durante um curso de psicologia é imposto que um futuro profissional tenha que passar a concordar com qualquer comportamento que seja, portanto o Pr. Silas tem todo o direito de discordar de todo e qualquer comportamento que bem queira e isso não pode lhe ser imputado por conduta anti ética. Além do mais quem tem o direito de dizer o que é normal e o que é patológico? quem tem o direito a isso é o próprio paciente/cliente e quando se referir a ele mesmo, logo, se um homossexual vem ao meu consultório querendo ser curado de um comportamento sexual que o próprio considera patológico o meu dever é ajuda-lo. Quanto ao CFP procure defender o que quiser só não seja parcial ao tentar empurrar pelas nossas guelas o que meia duzia de gatos pingados querem, esse ainda é um país livre onde temos direito a expressão, então proponho uma bandeira bem grande pra vocês levantarem: Não a criminalização do direito a expressão! que acham?

Paulo R. - 08/02/2013 9:25

A infantilidade dos argumentos aqui colocados por pessoas de visão estreita é notória. O Sr. Nublado, por exemplo, chega a recorrer ao argumento dos “8 ou 80″, carnavalizando uma séria questão, que tem tantos detalhes e implicações a serem considerados para que sejam compreendidos, mesmo numa mínima medida. Mas não, mais fácil ficar com um postura fixa, simplificada, e até maniqueísta. E quando algum argumento coloca de forma clara a questão humana envolvida( e, por extensão, a questão natural, já que o fato não é privativo da raça humana!), quando são propostas visões científicas diferentes de suas posições ou crenças, se utilizam de sofismas, ou partem para a “desvalorização” dos interlocutores. É a tática infantil de “quebrar o brinquedo” ou “acabar com a brincadeira” quando se está perdendo…É, meus Srs, esse é o nível da maioria dos brasileiros, consequência direta de anos de descaso e incúria do sistema educacional, pilar da formação do cidadão democrático, dialógico e tolerante e cortês.

Gostaria de parabenizar o CFP, eu poderia sitar uma vasta listas de organizações ligadas a saúde que consideram a homossexualidade como saudável.
Gostaria de ater o discurso do Silas com os do Hitler, ele vai muito além de dizer que a Bíblia condena que dois homens se deitem, ele usa a ´´ Ciência “ de forma ridiculamente deturpada para validar seu ponto de vista, do mesmo modo que Hitler usou a Teoria da Evolução que colocava todos os seres vivos como primos, sem melhores ou piores para validar a superioridade ariana.
Silas é capaz de fazer as relações forçadas para validar o seu ponto de vista. Quando o estudo aponta que 65% dos gêmeos idênticos quando um é gay o outro também é demonstrado uma obvia relação com a genética. Ele conclui que 35% dos irmãos Gêmeos não são gays logo não existe relação, logo não existe gene gay. De fato existe gene ou genes gay do mesmo modo que existe gene canhoto, mas o gene não é o único fator embora ele possa aumentar as chances de ser gay ou mesmo canhoto.

Eu fico pasma ao ler os comentários de alguns e saber que existem pessoas tão ignorantes quanto o Silas. Esse país é triste e carente de pessoas conscientes e respeitosas. Como já disseram, a opção sexual não faz ninguém pior ou menos importante, não faz da pessoa incapaz, não é porque fulano é hetero que ele vai poder desempenhar suas funções melhor do que um homossexual. Brasileiro tem que entender que somos todos iguais, a única diferença é que alguns têm, têm não, optam, por serem ignorantes.

Giselle Sabia que a PLL 122 inclui os gays nesta sua lista de minorias e que as suas minorias sitadas já apresentam seus nomes inclusos. Seria ótimo se os juristas compreendessem algo vago como discriminação de qualquer especie, mas as minorias são obrigadas a escrever seus nomes nestas listas para que fique incontestável que elas estão protegidas pela lei.

Pensar diferente - 08/02/2013 9:40

Qualquer pessoa religiosa traz consigo um conjunto de valores. A sociedade é assim também. No Brasil, é crime vender maconha em qualquer lugar. Na Holanda há lugares que ela é vendida sem problemas. No Brasil já não é crime cometer adultério. Em alguns países islâmicos ainda é. Se o que é crime varia conforme a sociedade, quanto mais o que é pecado ou não, varia conforme as religiões. Há comportamentos que são considerados pecados por praticamente todas as religiões como matar e roubar. Para os cristãos, se embriagar e se prostituir são pecados embora sejam comportamentos legais. Encher a cara é até incentivado em determinadas ocasiões mas continua sendo pecado para os cristãos. Como líder religioso, ele tem o direito de dizer que ser homossexual é pecado, ainda que seja algo legal e comum na sociedade. E se para católicos e protestantes tradicionais algo é pecado, significa que pode-se deixar de cometer, embora cada um saiba a dificuldade que é parar com seu próprio pecado. Agora, se alguém não tem religião, ou tem uma religião que pensa diferente, obviamente vai ter outra maneira de ver isso. Achei a entrevista muito boa porque mostrou “frente a frente” duas pessoas que pensam diferente e que obviamente não iriam convencer uma a outra a mudar de ideia. Chamar aquelas declarações de homofóbicas foi muito triste. O Conselho (que é formado por pessoas) tem todo direito de discordar, mas dizer que o pastor incita violência é ridículo. O mesmo cristão conservador que diz que a homossexualidade é pecado, diz que matar é. Concordo plenamente com o pastor que é possível amar uma pessoa sem concordar com tudo o que ela faça ou pense. Discordância não é fobia.

Acredito que a entrevista do Silas Malafaia foi um posicionamento contrario a pratica homossexual o que não quer dizer homofobia. E a liberdade religiosa ? onde fica ? É muito estranho essas “lutas” da psicologia. A homofobia sim deve ser combatida mas o direito de falar não !

Parece que a moderação está com medo de liberar meu comentário… ou estou enganado??? favor liberar pois não usei termos chulos ou coisas do tipo, ou há um medo incorporado de publicá-lo?

Parabéns pela manifestação de repúdio a fala do Malafaia no programa da Marília Gabriela. Assim, todos do bem manifestando suas ideias e sobreidade que venceremos os discursos e práticas homofóbicas e assassinas.
E nós não somos minoria como parece, ao olharmos o monte de comentários preconceituosos acima. O que ocorre que os preconceituosos, além disso, são também fanáticos. Vivem na Internet disseminando seu ódio. Nós, pessoas do bem, embora sejamos maioria, temos nossos trabalhos, obrigações e tarefas para fazer.
Mas o bem vencerá o mal, e não será no futuro e em outro mundo. Será neste, e já começou. A marcha da evolução já começou e não vai parar.

Sinceramente?
O Pastor Silas Malafaia foi convidado ao programa para expôr sua opinião, e em momento algum ele ofendeu os homossexuais.
Falem o que quiserem, discordar de algo é um direito de todos, e ALGUNS dos homossexuais querem que os evangélicos e todo o povo engula dois homens se atracando em ônibus, em metrôs como JÁ VI MUITO, provocando pessoas nas ruas, assim a maioria que apanha é porque simplesmente mexeu com um cara que não aceita (e não aceitar também não quer dizer que ele seja evangélico), pois um EVANGÉLICO de verdade é ensinado a amar, e MATAR, BATER EM QUALQUER PESSOA é CONDENÁVEL TAMBÉM AOS OLHOS DE DEUS.. Agora, respeito é uma coisa que não existe mais entre os humanos. Nem mesmo os homossexuais se respeitam. Conheço mulheres homossexuais que tem nojo de outras que se vestem com roupas masculinas. Conheço homens homossexuais que abominam outros que se vestem com roupas femininas. Então se eles mesmo não tem um acordo, como querem exigir que os engulam?
Eu sinceramente acho que cada um tem que se dar o respeito para poder ser respeitado.
Tais atos são abomináveis para Deus, e isso não são homens que falam, e sim a Bíblia; Quem não concorda com a Bíblia também não concordará com seus seguidores.(Óbvio)
Existem homossexuais que respeitam as pessoas, que só querem o direito que todos tem, querem ter uma familia e tudo mais. Isso é aceitável sim.
Existem HETEROSSEXUAIS que se atracam em ônibus, nas ruas, metrôs, e em um monte de lugares.
Não é normal pra ser humano ALGUM que as pessoas tenham que engolir cenas quentes e de sexo em locais públicos e isso serve tanto para homo quanto hetero
Uma coisa é RESPEITAR, outra BEM diferente é ENGOLIR.
Estamos num século em que os homens regridem cada vez mais. Tanto que se atacam entre si e nunca entram em um acordo.

Maria Inês - 08/02/2013 10:29

Após ferir a Resolução publicamente e manchar a classe, o CRP dele não será cassado?
Ele não pode ficar se apoiando na psicologia para dar os seus relatos homofóbicos.

Vcs nao ama a Deus mesmo né?! relutam contra o que a biblia diz… desculpem… falar bem da homossexualidade pode, ser contra nao! sonha!

Lamentável ver comentários com tão pouco conteúdo e esclarecimento (vamos estudar mais galera, vamos conhecer a nossa realidade de forma mais densa, vamos parar de usar a religião para promover intolerância) e mais lamentável ainda colocar o nome de Deus para promover uma espécie de intolerância e perseguição sem fundamento, sem noção, sem sentido, o que mais uma vez prova que muitos cristãos esquecem os 10 mandamentos ou sei lá ignoram. Eu acredito em Deus, eu acredito que Deus nos ama e nos aceita e ele vai perdoar cada um de vocês que pregam coisas tão absurdas e falam de coisas que não sabem, a ignorância nesse caso não é uma benção, mas sim falta de discernimento e falta de vontade de conviver em comunidade. Amem as pessoas, cuidem das pessoas, vamos cultivar o amor pela humanidade aceitando e respeitando o próximo.

Cecília - 08/02/2013 10:44

Tem um comentário ali em cima sobre “os que desejam se reorientar”. Eu não conheço nenhum heterossexual que deseja mudar e gostar do mesmo sexo, nem nenhum homossexual que deseja mudar e virar hetero. Assim, isso não existe. Nossa sexualidade é inata, desencadeada por fatores genéticos e inexplicáveis. O meio social influencia, obviamente, mas não a ponto de mudar completamente. Não se trata de OPÇÃO sexual, as pessoas são porque apenas são. Essa idéia de que é possível doutrinar e mudar o que as pessoas sentem/gostam (e que não influenciam NINGUÉM) é extremamente perigosa.

Da mesma forma que ninguém é obrigado a ver dois homens se agarrando, NINGUÉM É OBRIGADO A VER UM CASAL HETERO SE AGARRANDO. Essa idéia de que a homossexualidade é algo sujo e doentio é ridículo. Talita, vejo heterossexuais provocando pessoas nas ruas O TEMPO TODO e a última coisa que penso é “nossa, vamos banir a heterossexualidade, todos não prestam”.

O Silas Malafaia é preconceituoso SIM, possui uma postura autoritária, extremamente conservadora e isso não tem nada a ver com sua religião. Ele só a usa como estepe pra soltar suas opiniões desagradáveis e ter um apoio (porque Deus quis).

Você não pode RESPEITAR alguém se não “ENGOLIR”. Engolir = aceitar. Para existir respeito, precisa ter aceitação. Um homossexual pode não gostar de outro que seja efeminado, mas não está lá julgando o fato dele ser gay. Ele ACEITA sua condição e a RESPEITA. Mas sei que esse raciocínio parece complexo demais.

Derli Filho - 08/02/2013 10:44

Não estou aqui para mudar o pensamento dos evangélicos à respeito da homossexualidade. Afinal, não irão mudar mesmo. Mas eu exijo respeito. Nunca vi um cristão perseguir outros seres humanos e ainda continuar a se denominar como cristão. Reforçando outro ponto: Psicologia é Ciência. Religião é religião. Interessa-me o que a psicologia enquanto ciência, juntamente com outras áreas coerentes com uma prática científica, têm a dizer sobre a homossexualidade. Para quem não aceita a homossexualidade: deixe-os em paz. Deixe-os lutarem por seus direitos. Antes de hetero/bi/homossexuais, somos todos seres humanos e temos o direito ao respeito.

Fabíola - 08/02/2013 10:44

Conselho de Psicologia, por favor senhores, usem o que conhecimento que vc tem, se é que possuem um.
Direito de expressão é direito de expressão, falar o que pensa é errado? por favor gente… parem de falar besteria e ficar repetindo hinos a bandeiras que vcs nem conhecem a realidade.
Pensem um pouco, não sou obrigada a concordar com o homossexualismo, e também não acho que os homossexuais devam ter mais direitos, que outros serem humanos não tem, ou, pertencemos a classes diferentes de humanos?

Roseli M R Oliveira - 08/02/2013 10:48

Acho que além do repúdio caberia a instauração de um procedimento disciplinar. Eu assisti a entrevista e, ele, além de responder à Gabi que era formado em psicologia, tb usou os “conhecimentos” que adquiriu nos 5 anos de estudo para defender suas teses.

Ronaldo Braga - 08/02/2013 11:00

Não sei pq essa oposição as palavras de Malafaia. Ele se pauta na Bíblia. O Homosexualismo é uma manifestação do pecado. Deus criou Homem e mulher…Vejam que o apóstolo Paulo em Romanos 1: 26-27 é bem mais enfático. Condenana o homosexualismo como prática e modo de vida. A Bíblia conhece a causa e sabe a cura: Cristo. O pecador, seja homosexal ou não, que é orgulhoso demais e nao quer se arrepender de seu pecados. Nao sei pq essa defesa dos homossexuais…eles sao calasse privilegiada…parece que é so homossexual que morre… Eu continuarei tendo um pré-conceito bíblico sobre essa questão. Homosexualismo é pecado.

Não sei pq tanto alarde. Sabemos que evangélicos são excludentes e a sociedade inteira, sem tirar nem pôr, somos todos preconceituosos. Somos e pronto. O ser humano é impertinente por natureza. Claro, q sejam o que quiserem ser. Mas se um filho for gay, óbvio que vamos querer q ele não fosse. Óbvio! Não sejam hipócritas!!!! O pastor foi um infeliz em julgar, só isso! Como todo bom e velho evangélico, julgam tudo e todos, separam os evangélicos e as pessoas do mundo. Tenho muitos amigos gays, adoro eles, são divertidos, alegres, tranquilos, mas não quero um filho gay, pq vivemos numa sociedade narcisista. Vai ser muito difícil pra ele. Mas como diz a bíblia… _Que assim seja.

valdecir - 08/02/2013 11:21

Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;

Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.

Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.

E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;

Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;

Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;

Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
Romanos 1:24-32

em genises esta ecrito ( Deus fez o homem ea mulher) ponto final, nao existe a segunda opçao, sim eu respeito a apçao de cada um mais o que Deus fez é perfeito Deus criou para gerar vidas para aumentar a naçao…entrevista do pastor Silas Malafaia no programa da Marília Grabriela, amplamente divulgada nas redes sociais, reflete a crise que ameaça a família em suas próprias bases. Não está em jogo somente determinada forma social, mas o próprio homem: está em questão o que é o homem e o que é preciso fazer para ser justamente homem.
O ataque à autêntica da família (constituída por pai, mãe e filho), – verdadeiro atentado –, atinge uma dimensão mais profunda: a visão do próprio ser, do que significa realmente ser homem.
A afirmação de Simone de Beauvoir, “não se nasce mulher; fazem-na mulher”, tornou-se o fundamento daquilo que é apresentado como nova filosofia da sexualidade: onde o sexo já não é um dado originário da natureza que o homem deve aceitar e preencher pessoalmente de significado, mas uma função social que cada qual decide autonomamente, sendo que até agora era uma decisão da sociedade. É evidente o absurdo e a falsidade desta teoria e da revolução antropológica que está implícita.
O homem contestando o fato de possuir uma identidade pré-constituída por sua realidade corporal, que caracteriza o ser humano, nega a sua própria natureza, decidindo que esta não lhe é dada, mas é ele próprio quem a cria.
Pertence à essência da criatura humana ter sido criada por Deus como homem ou como mulher. Esta dualidade é essencial para o ser humano, como Deus o fez. É precisamente esta dualidade como ponto de partida que é contestada. Deixou de ser válido aquilo que se lê na narração da criação: “Ele os criou homem e mulher” – Gn 1,27.
Afirma-se, falsamente, que não foi Deus quem nos criou homem e mulher, o que antes a sociedade determinava, agora somos nós mesmos a decidir sobre isto. Homem e mulher como realidade da criação, como natureza da pessoa humana, já não existem. O homem contestando sua natureza torna-se só espírito e vontade. A manipulação da natureza, deplorada em relação ao meio ambiente, se torna a escolha básica do homem a respeito de si mesmo.
Agora existe apenas o homem em abstrato, que escolhe para si, autonomamente, qualquer coisa como sua natureza. Homem e mulher não são exigências ditadas pela criação, como formas da pessoa humana que se completam mutuamente. Não existindo a dualidade de homem e mulher como um dado da criação, deixa de existir também a família como realidade pré-estabelecida pela criação. Também os filhos perderam o lugar e dignidade que até agora lhes era próprio. “O filho sujeito, passa ser objeto, ao qual se tem direito e que, como objeto, se pode adquirir”. – Gilles Bernheim.
“Onde a liberdade do fazer se torna liberdade de fazer-se por si mesmo, chega-se necessariamente a negar o próprio Criador; e, consequentemente, o próprio homem como criatura de Deus, como imagem de Deus, é degradado na essência do seu ser. Na luta pela família, está em jogo o próprio homem. E torna-se evidente que, onde Deus é negado, dissolve-se também a dignidade do homem. Quem defende Deus, defende o homem” – Bento XVI.

valdecir - 08/02/2013 11:27

essa morte do qual a biblia fala em romanos 1:32 é morte espiritual pra mim.

Concordo com a cassação do registro do pastor. Ele claramente usa o “título” de psicólogo como um endosso a seu discurso violento, como uma arma contra a sociedade.

Alvaro Henrique - 08/02/2013 11:49

Ok, gostei da posição, mas e a ação??? Ou vocês estão contra ou não…
Ele vai ser cassado? Vcs estão sendo coniventes (2).

Alvaro Henrique - 08/02/2013 11:51

Vale lembrar, que no curso de psicologia, já surgiu o rumor de que ele tem muitos amigos ai dentro, por isso ele não sofre nada… SE ISSO FOR VERDADE, é muito nojento da parte desse conselho!

Lisieux Marc Araujo Silva - 08/02/2013 11:58

Concordo com todos que disseram que um cidadão formado que usa seu título de Psicólogo publicamente e desrespeita abertamente uma resolução do CFP deveria ter seu registrado cassado!

André Peres - 08/02/2013 12:03

O posicionamento do pastor foi absurdo. Fico alegre com o fato do CFP se posicionar publicamente contra isso, porém alem do posicionamento o CFP deve ir adiante e cassar o registro desse indivíduo que se mostrou ser incapacitado de ser psicólogo.

Toda essa celeuma só porque o pastor deu sua opinião, no caso da entrevista, suas respostas, e não foram o que alguns queriam ouvir. As pessoas não estão preparadas para sair de sua zona de conforto, se conformam com toda e qualquer situação sem questionar, afinal (pensam) a vida é curta e tem que ser vivida sem mais delongas. Quando acham alguém de coragem como esse pastor que rasga o verbo somente respondendo perguntas feitas e expressando sua opinião, as pessoas ficam assim incomodadas. Essa categoria que está vivendo no homossexualismo quer o quê mesmo? Respeito? Só eles é quem devem ser respeitados é? E as mulheres? E os negros? E os nordestinos? Será que eles se sobrepujam a todos esses que historicamente sofrem desrespeito mais seguem em frente em sua luta diária?
Seria melhor que os homossexuais procurassem viver suas vidas sem maiores exigências e se comportando como tal, porque o que eles estão querendo é segregação, apenas isso, e um monte de gente sem entendimento vai atrás disso sem saber nem mesmo discernir as coisas.

Tá, blá, blá, blá, blá e mais blá, blá, blá, blá… e a sanção administrativa com exigência de retratação pública?

Michelle Silva - 08/02/2013 12:25

Acredito e defendo que cabe, sim, um processo administrativo do CRP a respeito desta questão: o entrevistado em questão, infringiu, de fato, nosso Código de Ética. Ele fale o que bem entender, o que não pode é ele utilizar nossa profissão como forma de legitimar o que está dizendo. Não podemos permanecer quietos diante de tal fato sob pena de sermos atingidos em nossas práticas e na credibilidade do nosso trabalho.

Os comentários do Derli Filho são no mínimo fracos e sem noção, uma vez que o mesmo afirma que os evangélicos perseguem os homossexuais, isso é mentira como o vídeo postado neste site por ele.

os evangélicos não perseguem o homossexual muito pelo contrário querem ajudar, somos contra o comportamento, é totalmente diferente, vocês é que estão se perdendo e não tem mais argumentos e tentam com idéias infundadas imputar uma culpa aos cristão que não existe.

a psicologia não é uma ciência até por que não esta fundamentada em fatos comprováveis a meu ver é um monte de especulações sobre a personalidade humana, se ajudasse mesmo já teria acabado com as drogas, uma vez que comunidade psicológica vem se empenhando e tentando se estabelecer nesta área devido a necessidade, mas até onde sei não tem resultados satisfatórios, é só ver os projetos e estatísticas, a neurologia é uma ciência, a psiquiatria é uma ciência, a genética é uma ciencia, a psicologia ultimamente tem sido um bando de gente desocupada tentando aparecer sensacionalizando alguns assunto para dar IBOPE.

voces podem até achar que isso é uma ofensa, mas é o que voces estão passando para as pessoas, manipulações e mentiras em cima de um assunto sensacionalista, é só o que voces tem?

na verdade os evangélicos não aceitam a psicologia como uma ciência até por que dentro de sua “grande” linha intelectual não consegue nem aceitar a dimensão de Deus como um individuo único, considerando ele uma invenção de cada individuo segundo as suas necessidade.

é por isso que voces criam tanto caso com evangélicos, por que são totalmente contra essa ideia estapafúrdia de que deus é uma invenção do sub consciente.

a genética é uma ciência conceituadíssima, deveria ser crime fazer alegações sem base fidedigna, citando fatos inconclusivos ou totalmente mentirsosos.

Jonathan Ribeiro - 08/02/2013 13:12

Okay. Mensagem recebida, o CFP não aprova as declarações dele. Mas cadê a ação? Ele continua sendo psicólogo registrado, mesmo depois de contrariar tudo o que a psicologia atual mais valoriza, por quê? Vocês estão sendo coniventes com ele e suas afirmações, e por isso merecem ser repudiados tanto quanto ele.

Marilisa - 08/02/2013 13:12

Lendo os comentários vi o posicionamento de um profissional dizendo que evangelicos não deveriam ser psicologos, vejo que ai reside um outro tipo de preconceito e descriminação sendo considerado intolerancia religiosa. Onde o credo de uma pessoa pode causar uma barreira no exercicio da profissão? Acho que precisa ter uma certa coerencia até nas criticas, pois está sendo criticado um preconceito com outro preconceito, precisamos aprender a deixar os nossos quadros referênciais para o bom exercicio profissional.

Roger Ponte - 08/02/2013 13:13

Prezados internautas que postaram seus posicionamentos,

todos tem direito à opinião pessoal e creio que isso ninguém vai discutir. Mas vejam o seguinte exemplo: não gosto de um comportamento A ou B em alguém; logo, meu gosto sobre isso não pode ser discutido, pois assumi um ponto de vista que sustento e o qual posso até mudá-lo se outros fatos me forçarem o contrário. Nisso estou sempre aberto. Mas quando eu abro a boca e quero fazer do meu gosto pessoal algo que deva ser abraçado por outros, corro o risco do confronto pois haverá opiniões diferentes. Se creio estar de posse da “verdade”, não vou escutar o que o outro diz; não há diálogo possível. No caso do pastor Malafaia, ele sustenta sua fé pessoal, soma-a com a posição de líder religioso (ele não só representa o estilo de vida e fé de seus fiéis, mas serve de modelo aos mesmos) e inclui os conhecimentos hauridos da Psicologia. Resultado? Uma confusão de esferas de discursos que são bem diferentes entre si. Se ele (Malafaia) tiver mesmo um registro num CRP (porque ser graduado em Psicologia não implica ter registro),ele deve ser cassado, pois ele vai contra as propostas e direitos longamente debatidos entre vários profissionais e pesquisadores, e que foram aglutinados em teses que devem respeitadas (gostando ou não) por todos os profissionais psicólogos devidamente registrados. Malafaia não pode se escudar na Psicologia para sustentar seu posicionamento pessoal contra o modo de ser e viver homossexual (que é direito dele não gostar ou considerar “pecado”). E quando vai para TV assumir uma perspectiva que mistura uma visão distorecida da ciência psicológica com seu modo de vida pessoal, querendo fazer crer que o que ele diz tem procedência, não pode gerar outra coisa senão a intolerância pessoal de muitos contra o direito de homossexuais de viverem do jeito que quiserem, como qualquer um de nós. Somos preconceituosos sim! Eu tenho meus preconceitos, reconheço-os como tais, e alguns talvez eu jamais me livre. Todavia, em nenhum momento posso fazer bandeira deles (meus preconceitos) e impor meus pontos de vista pessoais aos outros. E menos ainda usar da ciência psicológica para “confirmar” meus pontos de vista. Então para aqueles que não sabem conviver com as diferenças de escolha sexual, peço gentilmente que não critiquem quem não escolheu a heterossexualidade. Engula sua raiva, converta-a em algo melhor para si e não use Deus para se escudar nem para atirar pedras. O pastor Malafaia, querendo ou não, não auxiliou em nada. Para quem é a favor de uma cultura de paz e fraternidade (como quis Jesus Cristo) não poderia concordar com o que ele (Malafaia).
Vamos aprender e nos respeitar e amar um pouco mais! Pode ser ou tá difícil?

Joni Magallhães Pinto - 08/02/2013 13:22

Quando vão cancelar o título dele de psicólogo?

Bárbara - 08/02/2013 13:29

Deveriam mesmo cassar o registro dele, porque essa com certeza não será a ultima vez que ele agirá assim.

Me espanta que em pleno século XXI ainda existam seres humanos com esse tipo de mentalidade.Pior, lideres religiosos que não tem noção da dimensão de suas palavras que são seguidas ao pé da letra por seus fiéis. Se é comportamental ou não, qual o problema? O ser homossexual atrapalha em quê a sociedade? A fome deve ser combatida, drogas devem ser combatidas, violência deve ser combatida, a falta de amor ao próximo deve ser combatida, desamparo as crianças deve ser combatido. Agora, homossexualidade sendo pauta principal de discussão? Me desculpem quem ainda discute isso, mas falta cuidar cada um da sua vida. O mundo carece de mudanças muito mais extraordinárias e urgentes do que isso.

Vi comentários de caçar a CRP dele… Não acho que devam fazer isso. Silas foi à GABI como SILAS MALAFAIA PASTOR e não como Psicólogo, o artigo 2ª e parágrafo E do código de Ética diz que é vedado “Induzir convicções políticas, filosóficas, morais ou religiosas QUANDO DO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES PROFISSIONAIS”, ele NÃO estava exercendo suas funções profissionais lá. E outra, ele REALMENTE tem uma Carteira de um CRP? Ele REALMENTE paga a anuidade? Porque eu posso ter cem níveis superior em tudo o que quiser, se eu não tiver uma carteira dos conselhos de classe das profissões que são necessárias, eu não sou considerado um profissional.

Penso que o CFP teve de publicar uma nota, até mesmo para a população não apontar o dedo dizendo: tá vendo? psicólogo falando mal de gay e ainda é pastor de religião. Penso também que sobre o que ele falou, será difícil uma punição para ele em qualquer estância, afinal de contas ele está coberto pelo artigo 5º da Constituição Federal.
Pessoal, pense com menos emoções, façam o certo.
Eu sinceramente estou na mesma linha de raciocínio de GABI: Espero que o meu DEUS o perdoe.

João Gabriel - 08/02/2013 14:12

Respondi aos comentários de Ederson, Tom K, Elson, Pedro Conrado, Vlá, Michelle Bernanos, Lucas, Monica e Gustavo no meu blog. Alguns entenderam o que eu escrevi. Outros entenderam, mas fugiram das questões que levantei. E muitos, acho que a maioria, preferiu me atacar pessoalmente. São os tolerantes intolerantes da hora.

Francine - 08/02/2013 14:21

Caro Pastor Josué,
Em primeiro lugar a manifestação mais demoníaca que eu já vi foi a sua. E, já que o senhor falou em vírus, o que lhe infectou foi o da demência. És um enviado de qualquer coisa, menos de Deus, pois o teu Deus é bem diferente do meu, que é amor. Tenho pena dessas pessoas que perdem seu tempo e dão dinheiro a essas igrejas que têm líderes de sua estirpe. Vou lhe dizer o seguinte, se alguém tem que ser extirpado da sociedade são pessoas como o senhor, que, mesmo assim merecem respeito, mas o lugar de vocês é no manicômio (com todo respeito às pessoas que sofrem de doenças mentais) ou na cadeia, vocês sim representam um grande perigo para a sociedade. Me pergunto: por que a sexualidade alheia lhes incomoda tanto?

Juliano, estude mais sobre a psicologia que você verá ciência, afinal de contas, Freud não tirou a Psicanálise do nada, Skinner não tirou O Condicionamento Operante do nada. Esses só são dois de muitos que levaram seus saberes para “laboratórios” e utilizaram do positivismo e empirismo, ou seja, FIZERAM CIÊNCIA. Repito, se dê o luxo de pesquisar, entrevistar, comparar, levantar hipóteses e comprovar (ou não), assim você poderá dizer que a psicologia não é ciência

Ótimo ver tantas ideias sendo expostas nos comentários deste pronunciamento do CFP. É algo muito rico e produtivo debater esse assunto, principalmente quando a maioria das pessoas sabe se posicionar de forma profissional e útil às questões levantadas.
Sou psicólogo. Compartilho a ideia de que não se deve impor uma orientação sexual em alguém, mesmo que a pessoa procure ajuda de forma espontânea.

O PROBLEMA NÃO ESTÁ NA ORIENTAÇÃO SEXUAL, E SIM NA FORMA COMO ELA É INTERPRETADA PELAS PESSOAS (A SOCIEDADE OU O PRÓPRIO INDIVÍDUO).

Quanto ao posicionamento de Silas – e de qualquer outro psicólogo(a) independentemente de religião – creio que deveria haver punições do Conselho para evitar a prática “profissional” de psicólogos que se mostram parciais e tendenciosos, oferecendo um grande risco aos indivíduos que eventualmente os procurarem em busca de ajuda.

E vamos continuar esse debate, que é assim que vamos em frente.

Francine - 08/02/2013 14:57

As pessoas perderam a noção da realidade: pedofilia, zoofilia são distúrbios mentais… Homossexualidade não é distúrbio e nem doença. Não adianta não quererem aceitar a realidade, é fato! Chega dessas comparações ridículas e descabidas. Como adoram misturar as coisas. Ninguém tem que concordar ou discordar da sexualidade de ninguém. Cuidem de seu próprio nariz!!!

Júnior Bocelli - 08/02/2013 14:58

Se não existir um teste 100% preciso capaz de detectar a orientação sexual do indivíduo essa instrução normativa, apesar de ser feita em nome dos Direitos Humanos, torna-se na verdade opressiva.

Rafael Ayan - 08/02/2013 15:03

Ok, ótimo posicionamento do CFP (conselho Federal de Psicologia) sobre o caso de homofobia do pastor Silas Malamáfia. Mas irá ficar só nisso? É o próprio CFP que aponta a incompatibilidade entre a ação de Silas Malamáfia e o exercício da profissão de psicólogo, pontuando vários comportamentos reprováveis de Malamáfia, e o CFP não vai fazer nada? Se algum psicólogo que não seja o Malamáfia disser o mesmo que ele disse, o CFP vai proceder às sanções cabíveis no estatuto ou somente escrever uma carta e colocar no site?

Letícia - 08/02/2013 15:13

ótimo posicionamento do CFP! Agora a cassação de Silas Malafaia. Podem aproveitar e ver nos comentários quem aqui é psicólogo e defende a cura de homossexuais e incluir na lista de cassações. Incoerência séria como nosso código de ética. Estamos falando de uma discussão caríssima para a garantia dos direitos humanos.

Deviam retirar todos os gays psicologos ou psicologos gays que estao no CFP e nos CRP regionais e acabaria está homofobia, porque só exite homofobia na mente destes psicologos desorientados

E ele esta errado em expor seus pensamentos e posicionamento? Sera que este posicionamento do CFP é uma unanimidade no conselho? vi vários insultos nestes comentários, lamentável. Gostaria de ver muitos outros profissionais desta área levantando a bandeira do CONTRA… várias outros linhas de pensamentos… e não de um bando de “massa de manobra do sistema” confrontem o que vcs aprenderam…

Anônimo - 08/02/2013 15:48

Já é hora de mostrar que esse Pastor não é um verdadeiro profissional da psicologia. É hora da cassação!

Prezado Martin,

As sanções passíveis de serem aplicadas aos psicólogos devido à conduta profissional antiética só podem se dar mediante processo ético com julgamento que respeite as garantias constitucionais (como direito ao contraditório e ampla defesa). Além disso, no que diz respeito a processos éticos o CFP é instância de recurso, por isso não pode realizar nenhuma ação que não esteja prevista em normativa e dentro do rito processual adequado. A manifestação feita pelo CFP neste contexto se deu como uma resposta pública a um posicionamento público feito pelo sr. Malafaia ao programa de entrevista veiculado no SBT.

Prezado (a)

As sanções passíveis de serem aplicadas aos psicólogos devido à conduta profissional antiética só podem se dar mediante processo ético com julgamento que respeite as garantias constitucionais (como direito ao contraditório e ampla defesa). Além disso, no que diz respeito a processos éticos o CFP é instância de recurso, por isso não pode realizar nenhuma ação que não esteja prevista em normativa e dentro do rito processual adequado. A manifestação feita pelo CFP neste contexto se deu como uma resposta pública a um posicionamento público feito pelo sr. Malafaia ao programa de entrevista veiculado no SBT.

Júnior Bocelli - 08/02/2013 15:52

Acho que o profissional tem o direito de discordar em alguns pontos, pois só assim haverá um debate real sobre as necessidades reais dos indivíduos (falo dos profissionais,não da besta quadrada que é o Silas Malafaia).

Por exemplo, eu sou bacharel e mestre em Física, se eu for convicto de que a Teoria das Cordas explica a natureza melhor que a Física Quântica tradicional também terei o meu diploma cassado?

Isso é idiotice. Vamos manter o debate sério. O Silas Malafaia deve ser cassado por outros motivos, e existem muitos, não por discordar do CFP. Que raios de ciência é essa que vocês praticam?

Daniella - 08/02/2013 15:53

O registro do Malafaia será cassado, certo? Pois seria incoerência admitir que ele infringiu o código de ética e não fazer nada sobre isso!

José Wellington Fagundes Marins - 08/02/2013 16:51

O posicionamento do CFP é um total disparate! O Pr. Silas apenas exerceu seu sagrado direito de liberdade de expressão constitucionalmente garantido. Em momento algum incitou a violência contra os homossexuais. Na entrevista exerceu o papel social de pastor e não de psicologo. Deixou claro na entrevista que ama os homossexuais mas contraria a prática homossexual por convicções religiosas. Chamar o pronunciamento do Pr. Silas de “manifestação de homofobia” é de um despropósito sem tamanho. homofobia é prática de violência contra os homossexuais e EM MOMENTO ALGUM o pr. Silas sugere tal coisa. O CFP fala em “atitude desrespeitosa do Pr. Silas Malafaia” sem contudo explicitar em que consistiu o alegado “desrespeito”. Lamentável é a atitude infeliz do CFP que de forma desrespeitosa afronta, ele sim, um profissional cuja opinião é comungada por milhões de pessoas no Brasil e no mundo.

CILÇO ISIDORO DO NASCIMENTO - 08/02/2013 17:49

Acho que quem discorda do pastor Silas, tem de enfrentá-lo na argumentação não na punição. Afinal, vivemos num país de livre expressão de opiniões.

Pedro Augusto - 08/02/2013 18:07

Infelizmente estamos num país onde ninguém mais pode pensar o contrário.Aonde está a liberdade de pensamento?Esqueci que ninguém mais respeita o pensamento alheio,principalmente quando ele é contrário ao da maioria popular

Muito bom! O posicionamento da CFP,pois não se devem calar perante tal desrespeito intelectual.

carlos jose - 08/02/2013 18:41

a todos uma boa noite.
vejamos,sobre essa questão em debate,ao sentar e ler uma matéria sobre qualquer assunto por exemplo:…ações violentas de abordagem policial,ler um livro ver um filme que seja baseado em fatos reais em fim,,,nós somos dotados dessa capacidade de fazer uma leitura e em seguida um julgamento próprio baseado-se nos fatos pois acreditamos ser eles verdadeiro,,,,,pois bem,vejamos um caso muito famoso que aconteceu envolvendo o então ator guilherme de paduá,sua esposa na época a Sra: tomaz e a vitima filha da famosa escritora da globo a Sra: Gloria,,,pois bem,vamos nos resumir ao brasil,,sendo assim um caso com tamanha repercussão e amplamente divulgado como todos tivemos o nosso próprio senso de justiça,antes que se prove o contrario todos são inocentes perante a justiça isso é fato de direito,mas veja o que todos como eu fizeram nesse caso emitimos um julgamento antecipado sobre sobre um processo que estava apenas no começo,se certos ou não,nós nos antecipamos a própria justiça do pais pedindo a condenação dos réus em questão,seja condenação eterna por pena de morte,ou prisão perpetua ou a penas mais alta permitida por lei,,,EU pergunto não foi assim que agimos ? ,,certo,,logo entendo que o nosso pais ele é democrático,e a nós é dado o direito de nos expressar publicamente sobre qualquer assunto,e como temos o direito de ir e vim garantidos pela lei ai nós estamos cobertos por ela,,certo,,não é isso uma verdade ?
vejamos a questão em foco desse tema que agora tem repercussão nacional pelo tema tratado,,faça uma leitura da fala do sr. malafaia….ele falou sempre e deixou claro ,,,NÃO SOU CONTRA OS HOMOSSEXUAIS,EU RESPEITOS SUAS OPÇÕES DE ESCOLHA NA ORIENTAÇÃO DE(DESEJOS DE ATRAÇÃO DE PESSOAS DO MESMO E SUAS PRATICAS) CONVÍVIO DE DUAS PESSOAS DE MESMO SEXO.,,ELE CONTINUA:,,,,POREM COMO A MIM É FACULTADO DE O DIREITO DE RESPEITO A PESSOA,TAMBÉM MIM É FACULTADO O DIREITO DE NÃO CONCORDAR COM ESSA PRATICA,APESAR DE RESPEITAR CONFORME A LEI,EU TAMBÉM NÃO CONCORDO CONFORME A LEI MIM PERMITI EXPRESSAR PUBLICAMENTE,,,,veja isso é fato,,respeitar qualquer cidadão cidadão em todos os aspectos conforme a lei manda é um ato de cidadania,como cidadão nós fazemos isso ou somos Hipócritas por discordar entre 4 paredes do comportamento do filho ou da filha do vizinho por terem opção sexual diferentes das dos nossos filhos ? quando julgamos o comportamento de como se vestem os jovens hoje comparamos com o que vestíamos a 40/50 anos atrás,os góticos,os lunáticos, os skin red`s,a suástica ou seja perante a lei eles são cidadãos como qualquer outro,,,,quem já os entrevistou sobre o mesmo tema em questão? como seria a repercussão em volta das respostas dadas por essas pessoas ? como você e eu reagiríamos sabre isso? vejamos a igreja católica tem sido muito clara sobre esse discurso como os evangélicos não discordamos em nada ou seja apesar de respeitar conforme a lei nos permiti também naõ concordamos conforme a lei nos permitem,,viu é simples assim,,EXISTE AS LEIS DO NOSSO PAIS E COMO QUALQUER UM OUTRO AS RESPEITAMOS,VEJA QUE EMBORA RESPEITANDO NÓS NÃO CONCORDAMOS COM COM MUITAS LEIS ,,,VEJA UM EXEMPLO:QUANTAS PESSOAS CONDENADAS PELA JUSTIÇA QUE EXERCEM CARGOS PÚBLICOS ESTÃO EFETIVAMENTE ATRÁS DAS GRADES ? EU NÃO CONHEÇO NINGUÉM VOCÊ CONHECE ?,,PORQUE AS LEIS DO PAIS GARANTEM ISSO A ELES,,,AGORA VOCÊ É MAIOR E EU ESTAMOS ACIMA DAS LEIS ?,,VOCÊ E EU EMBORA RESPEITAMOS AS LEIS VEJA QUE NÃO CONCORDAMOS COM ELAS ,,ENTENDERAM OS FATOS,E PODEMOS DISCORRER UMA ETERNIDADE SOBRE A REALIDADE QUE VIVEMOS,,,COMO CIDADÃO JA TENHO MEUS DIREITOS GARANTIDO PELA CONSTITUIÇÃO,COMO TODOS OS OUTROS QUER TENHAM UMA OPÇÃO SEXUAL CONTRAIA A MINHA OU PERTENÇA A UM OUTRO GRUPO DE PESSOAS DIFERENTES DOS PADRÕES QUE VIVEMOS,VEJA QUE NEM POR ISSO ESSES GRUPOS DE PESSOAS SE ACHAM NO DIREITO DE TENTAR CRIAR LEIS QUE OS FAVOREÇA NA SUA OPÇÃO DE VIDA SÓ ´POR DECIDIREM VIVER DIFERENTES DAS OUTRAS PESSOAS DA SOCIEDADE,,,ISTO É UM FATO E NÃO PODEMOS NEGAR,,,APENAS SOMOS HIPOCRITAS NOS NOSSOS JULGAMENTOS PORQUE OS FAZEMOS ENTRE 4 PAREDES E NÃO PUBLICAMENTE COMO DEVERIA SER O CORRETO,,,VOCÊ PODE RESPEITAR O DIREITO DO FILHO OU FILHA DO SEU VIZINHO PELA OPÇÃO OU SEJA ORIENTAÇÃO SEXUAL QUE ELE OU ELA TENHA,AGORA CONCORDAR SERÁ MESMO QUE VC CONCORDA A PONTO DE ACHAR NORMAL SEU FILHO VIVER COM OUTRO HOMEM SOBRE O MESMO TETO ? OU SUA FILHA COM OUTRA MULHER ?,,O QUE PENSARIA AS PESSOAS QUE TE RODEIA SOBRE ESSA QUESTÃO ? VEJA QUE ELAS VÃO TE RESPEITAR POREM SERÁ MESMO QUE VÃO CONCORDAR ?,,,IMAGINA TEU FILHO ENTRANDO NA IGREJA PRA SE UNIR PELO MATRIMONIO A OUTRO HOMEM DE 100 PESSOAS CONVIDADAS JA SE PERGUNTOU QUANTAS EFETIVAMENTE ESTARIA PRESENTE ? JA SE PERGUNTOU QUAL TEXTO DAS ESCRITURAS SERIA LIDO NO MOMENTO DO ATO DE ESPANAÇÃO FEITO PELO SACERDOTE ? VOCÊ COMO EU PESSOAS COMUNS A GRANDE VERDADE É QUE RESPEITAMOS ESSAS OPÇÕES MAS NA REALIDADE NÃO DESEJAMOS QUE PESSOAS QUE FAZEM PARTE DA NOSSA FAMÍLIA SEJA ESSAS MESMAS PESSOAS QUE VIEMOS A PUBLICO DEFENDER OU JULGAR,,,,PRECISAMOS SER MENOS HIPÓCRITAS PRA PODER ENTRA NO MÉRITO DA QUESTÃO…PENSEM NISSO

Dolores Lima - 08/02/2013 18:47

O único erro que Malafaia cometeu foi defender a verdade que a BÍBLIA prega!!! Não foi ele quem criou e sim DEUS, tanto católicos quanto protestantes concordam nesse ponto!
E mais, ele ali se posicionou como pastor e não como psicologo!

Considerando que , visivelmente o Pr não cometeu nenhum crime, e apenas fez declarações mediante a fé que exerci. Acho que o CFP não foi muito feliz nessa publicação.

acho que as pessoas aqui não entenderam a posição do CFP.

CLAUDIO MARCIO - 08/02/2013 18:59

A Constituição nos permite a manifestação de nossa opinição, desde que não sejamos anônimos. Chamar um Pastor e um Político de Ladrão pode, pois isto é uma manifestação pessoal, mas também não é uma ofensa? Sou pastor, respeito os homossexuais e sou contra qualquer tipo de violência verbal e física contra essas pessoas que são, como todos os demais seres humanos, alvos do amor de Deus. Temos apenas que criar um critério da boa convivência. Pois até onde sei, não foi no exercício da função/profissão psicólogo que o dileto pastor se posicionou, mas sim enquanto função/profissão pastor. Se há alguma sanção a ser feita, então comecem pela Constituição da República Federativa Brasileira.

O que está sendo dito pelo administrador é que para ser feita a cassação do registro é necessário uma denúncia formal. Alguém tem só que preencher um formulário de denúncia para o processo de investigação começar. Só alguém que está revoltado fazer o processo e pronto.

Quem está distorcendo ao meu ver é o CFP, uma vez que o Pastor em momento algum expressou sua opinião como psicólogo ou sequer citou o entendimento do CFP, da OMS, muito menos em sua entrevista citou qualquer indício de rejeição aos homossexuais. A questão de concordar ou não com o entendimento dele ao meu ver é um posicionamento desnecessário do CFP, uma vez que não se propõe fazer nada.

Porque cada um não toma conta da sua vida? Quem acredita em Deus, tá bom e quem não acredita, tá bom também. Povo polêmico. Quem é gay e conhece a bíblia sabe o que está fazendo, e quem não conhece também não é um “ignorante”. Então meu povo, vão procurar o que fazer, pois está faltando serviço para vocês ficarem se contorcendo esperando a próxima notícia da moda. Uns dias atrás era a Boate Kiss. Falei

Bom, gostaria de saber onde está o direito a diversidade religiosa? Ele deu a opinião como líder religioso e como pessoa, não como Psicologo, espero que os psicólogos que estão comentando e falando mal dele, saibam entender e defender a diversidade religiosa onde as opiniões são diferentes. Não há retrocesso nos costumes e posturas quando tratamos de doutrinas, e essa posição do CFP é lamentável e totalmente intolerante as doutrinas diversificadas do mundo. O que é lamentável é a intolerância ao Cristianismo, uma vez que a doutrina sempre foi a mesma e não é segredo para ninguém.

LEMBRANDO, NÃO SOU A FAVOR DA HOMOFOBIA E NEM DE VIOLÊNCIA, MUITO MENOS PRECONCEITO, PORÉM NÃO PODEMOS ESQUECER QUE DIVERSIDADE NÃO É APENAS SER GAY OU HÉTERO, É DIFERENTES CRENÇAS E CULTURAS QUE DEVEM SER RESPEITADAS.

Por isso CFP….

” Respeite a diversidade Religiosa”

Pelo que eu saiba INTOLERÂNCIA RELIGIOSA É CRIME é essa nota é sinal desse crime.

No Brasil, a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, alterada pela Lei nº 9.459, de 15 de maio de 1997[6], considera crime a prática de discriminação ou preconceito contra religiões.

Pelo que eu saiba para a psicologia não existe uma verdade unica, uma vez que as pessoas tem o direito a ter opiniões diferente onde devemos levar em conta seus costumes e práticas religiosas.

Tem alguma coisa errada nessa nota do CFP e vocês devem se retratar publicamente em favor dessas práticas também…De nada adianta ferir um lado e curar o outro, pois assim todo corpo que é a humanidade sem terá um ferida bem dolorida.

Obrigada!

ARTUR JOSÉ ALTINO - 08/02/2013 19:35

Pôxa como tem gay no Brasil hein! foi só o Malafaya provocar a discusão mostrando a verdade,as manifestações vieram.

Marcia Alves - 08/02/2013 19:39

Ele usa a psicologia como uma arma, pois ele sabe o poder de manipulaçao que ele tem nas maos;

Felipe Lins - 08/02/2013 19:49

Claudia: evangélica detectada.

Ari Rangel - 08/02/2013 20:09

Considero-me uma pessoa religiosa, mas não acho que a RELIGIÃO CRISTÃ, pura e genuína, aquela verdadeiramente ensinada por Jesus, jamais seria condescendente com qualquer forma de preconceito ou discriminação. Ao contrário: aceita as pessoas como são e estão! O fundamentalismo xiita é coisa dos homens, muitas vezes homofóbicos travestidos de “distintos” bastiões da moral, que de cristã não tem é nada!!!… Muda, Brasil!!!

Silas Malafaia é formado pela universidade Gama Filho do Rio e não possui registro junto ao CRP (até porque não precisa de registro, já que encontrou meios mais fácies de ganhar dinheiro, se é que me entendem), por esse motivo ele vai para TV e diz tanta asneira, ele é apenas bacharel em psicologia, se tivesse registro seria apenas um ex psicólogo!

eu acho que no programa dele ele é livre pra falar o que quer, lá ele nao esta exercendo sua funçao de psicologo.ele esta sendo um pastor, pregando os ensinamentos da sua religiao. assim como um padre tb poderia fazer.

Relevante o posicionamento do Conselho, porém será de vital importância que o registro desse cidadão seja cassado, já que se posiciona de forma contrária as resoluções dadas pelo Conselho no que se refere aos direitos dos homossexuais.

Fernanda - 08/02/2013 21:59

Que absurdo! O pasor Silas estava lá como um pastor, que defende a palavra de Deus e não um Sociólogo ou Psicologo..ele foi chamado como PASTOR. Em nenhum momento ele disse ser Homofóbico, em nenhum momento ele concordou com os assassinatos que acontecem com os homossexuais, pelo contrario! A verdade foi dita.. baseada na perfeita palavra de Deus, e por isso todos nós devemos ter respeito! Ele foi verdadeiro, defendeu o que acredita e naum entrou no “sistema”.

Tenho amigos homossexuais e acredito que toda pessoa tem direito de decidir sua opção sexual. Isso dito, ao assistir a entrevista de Malafaia é possível ver que ele também exerceu o seu direito: o de ter uma opinião. Como diria Voltaire: “posso não concordar com uma palavra do que dizes, mas defendo à morte o direito que tens de dizê-lo”. As pessoas estão confundindo direito à liberdade de expressão com incitação à violência ou preconceito. Gays, religiosos, ateus, pobres ou excluídos de toda ordem: TODOS tem direito a opinar. E o CFP não deveria se posicionar de forma tão tendenciosa. A liberdade de pensamento é um direito fundamental de todos os homens. Inclusives daqueles com quem não concordamos.

Anderson - 08/02/2013 22:36

É hilário, para não dizer ao contrário. Vi o programa de frente com Gabi, no SBT, onde o Pr. Silas Malafaia foi entrevistado e em NENHUM vi ele no exercício de psicólogo. Estou achando que o CFP que “se aparecer”.

Anderson - 08/02/2013 22:37

É hilário, para não dizer ao contrário. Vi o programa de frente com Gabi, no SBT, onde o Pr. Silas Malafaia foi entrevistado e em NENHUM momento vi ele no exercício de psicólogo. Estou achando que o CFP que “se aparecer”.

Eu posso não concordar em diversas questões sobre Malafaia, mas quando ele disse que a homossexualidade é uma questão comportamental, ele não está correto? Claro que está! Ninguém nasce com pênis e vai gostar de homem e vice-versa. O homossexual adquiri o afeto pelo mesmo sexo por vários motivos. Dentre elas posso usar uma hipótese clara: A falta da imagem paterna (aos homens) e a falta da imagem materna (as mulheres) pode sim desencadear a homossexualidade, já que, desta forma, o indivíduo poderá buscar o amor paterno ou materno que não sentiu/experienciou em outra pessoa do mesmo sexo. Pensem nisso psicólogos! Eu sou Psicólogo e tenho que discordar do CFP, pois o Silas Malafaia não discriminou os homossexuais, muito pelo contrário, disse até que os ama. Malafaia somente esclareceu que ninguém nasce homossexual. Ou seja, só falou a verdade.

Darlan Albuquerque - 08/02/2013 22:53

O CFP está dando um “tiro no pé”, pois o mesmo tenta induzir ao erro aqueles que não tem o mínimo de conhecimento sobre o assunto em questão… O CFP erra feio ao afirmar que o pastor contribui para a violação dos direitos humanos com, segundo o CFP, uma manifestação “homofóbica”, o CFP deveria assistir a entrevista na íntegra e se posicionar de forma imparcial, não “apadrinhando” qualquer tipo de grupo social, isso sim é errado esse favorecimento especial a determinados grupos… QUE VERGONHA CFP!!!

Sandro Cruz - 08/02/2013 23:12

Por que cassar? Se eu entendi, a entrevistadora disse: “Pastor Malafaia” e não psicologo Malafaia. Ele emitiu a sua opinião como pastor.

Felipe Alves - 08/02/2013 23:17

Caro Conselho de psicologia,

é com muito pesar que leio esta nota oficial, pois em momento algum o referido pastor e psicólogo Silas Malafaia argumentou sobre idéias e valores voltados contra os homossexuais, bem se vc’s não concordam com os argumentos dele, ele também não concorda com o de vc’s, até aí 1 a 1. Ele expos o ponto de vista a partir da bíblia, neste programa ele estava falando como ser humano, é a opinião dele baseada na bíblia sagrada. E outra, desde quando o conselho tem autonomia de determinar se algo é doença ou não?! também não concordo que o homossexualismo ou homossexualidade ou que merda for não é doença, mas concordo com a posição do pastor, se trata de um comportamento imposto ou aprendido, já tive vários amigos gays e sempre era a mesma história, abuso sexual na infância, a falta da figura paterna, são esses fatores que tem forte influência na vida de um ser humano que está aprendendo a descobrir a sexualidade, portanto não é o conselho que irá determinar sobre se a homossexualidade é doença ou se é comportamento ou seja o que for, e sim os fatos, as condições impostas, não existe 3 cromossomo, cientificamente é impossível ter um gene gay, só acho que esta nota foi divulgada por que no próprio conselho existe um monte de gay e devem ter ficado sentidas. Ui!

Esse sujeito não pode atender nenhum paciente como psicólogo, pois não se trata traumas psicológicos com a Bíblia. Merece a caça do direito de medicar e exercer a profissão. URGENTE! Para o bem da sociedade!

Alcides Júnior - 08/02/2013 23:34

GEEENTE, que ódio é esse? Nós evangélicos fazemos tão mal assim a vocês? Que isso… Chega a ser baixo, essa repugnância, se vocês não acreditam em Deus, eu só peço a ele, que tenha muita misericórdia de vocês! Vocês vão se lembrar dessas minhas palavras! Me desculpem!

Parabéns ao Conselho Federal de Psicologia. Orgulho de ser psicóloga e pertencer a um conselho que não se cala diante de tais absurdos. A nota de repúdio exemplifica bem o quão preconceituoso e sem embasamento esse senhor é. Que a fala neonazista deste tal Malafaia sirva para que não nos esqueçamos que vivemos em um país ainda muito preconceituoso e que é nosso dever, não apenas como psicólogos, mas como cidadãos, nos atentar e lutarmos contra toda e qualquer forma de segregação e opressão, infelizmente, ainda presentes em nossa sociedade.

Leon Alcides - 09/02/2013 0:10

O que é certo para um é errado para outro.O que é errado para um é certo para o outro.

Ana Paula - 09/02/2013 0:20

O que o Sr. Silas Malafaia faz é abusivo, induz a depressão, e pode levar até o suícidio de um indiviudo gay, digo isso, pq sou Lésbica, cresci em ingreja Evangelica, e aos 17 anos tentei suícidio pq me ensinaram que SER EU era abominável, conheço muitos, muitos EX- Ex Gays (Gays que se converteram, disseram não ser mais Gays e com o tempo não suportarem a pressão e voltarem a ser Gay), é natural que muitas pessoas procurem igrejas em busca de uma “Cura” ou uma “Reorientação” afinal, qual ser humano em sã consciência quer ser parte marginalizada da Sociedade? Essas pessoas querem ser aceitas, e se tem essa necessidade é pq são subjugadas como seres inferiores, no dia que não se sentirem assim, não haverá necessidade de buscar uma “Cura” ou uma”reorientação” , portanto, como Lésbica, ex evangélica, me considero sim, violada psicologicamente por pessoas como o Sr. Silas!

Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal. Eclesiastes 8:11
Mas ele vem. Ah se vem!

Interessante isso: as pessoas podem discordar sobre tudo.
As pessoas podem discordar do governo, das taxas de juros, do uso do dinheiro público, do sistema de governo, do gosto do outro, da cor da roupa, da cor do esmalte no pe, da marca do carro, da religião, do time de futebol e até das companhias dos outros, surgem discussões incipientes e logo se dissipam com ventos de risos, mas porque o cristão não pode discordar do comportamento sexual de alguns grupos? Quer dizer que todos podem discordar sobre tudo, mas sobre isso não? Onde está a justiça nisso? Quem está sendo tendencioso então? Quer dizer que se um elefante quiser dormir no meu sofá eu não posso impedir só porque ele faz parte de uma minoria “oprimida” e “caçada” (segundo o que afirma o sindicato dos elefantes)? O pior não é isso, o pior é que o cristão não apenas é sensurado por discordar, agora querem que ele aprove qualquer coisa que venha lá das bandas dos liberalistas. Quem está sendo intransigente então? Cadê a liberdade de expressão? Direitos humanos para apenas alguns humanos? E os outros? E mais uma coisa, o estupim de tudo isso não é a violência. Gostaria que me apresentassem dados em que cristãos, evangélicos de igrejas sérias, estajam por trás de atos violentos contra grupos minoritários. O verdadeiro estupim está no crescimento das igrejas. E quero lembrar hein: quanto mais a igreja cresce, mais a perseguição faz o favor de fazê-la crescer mais. Foi sempre assim. A Igreja de Cristo é como batata cozida, quanto mais aperta, mais se espalha. Leia a história.

Júnior - 09/02/2013 0:39

Caro Júnior Bocelli

Há controvérsias infinitas em se saber se a Psicologia é ou não uma ciência. Se nem essa questão básica está resolvida, como querem tratar como um fato indiscutível (a homossexualidade), se cada abordagem tem uma visão diferente do que é sexualidade, muitas vezes até visões opostas? O que intriga mais ainda é saber que nos cursos de Psicologia existe uma ESTRANHA UNANIMIDADE acerca da homossexualidade. A impressão que dá é que, nesse ponto, a questão da homossexualidade é muito semelhante a um dogma religioso, a que se apegam com unhas e dentes. Note: O CFP proclama como dogma digno de fé e os “fiéis psicólogos” dizem o seu fervoroso AMÉM!

O CFP falou em nome de quais psicólogos? De quantos? Fala em nome da maioria ou de uma minoria de profissionais? E afinal, quem falou a partir do CFP? Quem assina o exposto acima?

estrela da manha - 09/02/2013 1:05

Gente, quanta bobagem!!! Quanta gente ignorante!!! Nem se dão ao tempo de pensar, de buscar informações que balizam a opinião do referido pastor. Pelo que se consta suas opiniões estão baseadas na Bíblia, que por sinal é o livro mais vendido e lido do mundo. Que tal, antes de ter atitudes preconcebidas, preconceituosas, ir diretamente a fonte das informações??? Leiam a Bíblia, vejam o quê a Bíblia diz sobre o assunto. Fica a dica! Até onde pude ler parabenizo a: Berg, Aender Borba, Júnior, Fabiano e João Gabriel os quais tiveram respostas sensatas. Vamos parar de mediocridade, de ser tão ínfimos, por favor!!!

Valdecir - 09/02/2013 1:16

Já houve veiculado na mídia, uns anos atras o afastamento de uma psicologa que sugeriu dita reorientação sexual a um paciente seu e foi punida. Não entendo, ela foi acusada de interferir e quase manipular ou mutilar o lado psicológico do gay paciente seu, porém se ela fosse com um bisturi e de fato o mutilasse no órgão em nome da medicina vindo “tratá-lo” ela seria até chamada uma heroína.

Éderson Cássio - 09/02/2013 5:09

Eu ia ler todos os comentários mas são muitos, cansei. E sempre o mesmo quebra-pau entre defensores e opositores do Sr. Malafaia. Portanto, se eu falar algum disparate científico aqui, peço perdão, pois não sou psicólogo. Também não sou religioso, portanto já aviso que não tenho a menor intenção de estar “de acordo” com alguma crença.

O que me estarrece é ver tanta gente preocupada com um suposto “privilégio” dos gays, ou com a “liberdade de expressão”. Partindo deste fato científico:

- ninguém *escolhe* ser gay (a homossexualidade tem base genética, o que não quer dizer que a genética determine, ou que esta seja a única base)

E deste estatístico:

- gays apanham e morrem por serem gays (estatísticas citadas na nota do CFP)

Eu só penso que, independente do projeto de lei dar ou não algum privilégio aos LGBT, por que eu estaria preocupado com isso? Já tem lei nos proibindo de bater uns nos outros? Tem. Mas continuamos arrebentando a cara do nosso próximo por ele ser gay. Então qual o mal de se criar uma lei com uma punição diferenciada para crimes de homofobia? “Mas para eles é privilégio”. Ok, e se alguém na sua família se assumir homossexual e um lindo dia levar porrada até desfigurar a cara?

Quanto à “liberdade de expressão”, bem… Até posso concordar que o Sr. Silas tenha tido o “direito” de defender o ponto de vista dele. Mas quem tem conhecimento científico em psicologia, genética e etc. sabe que o cara só catou uns dados a esmo, aqui e ali, distorceu outros e tal. Os cérebros escaneados “num deu em nada (+ gesto de Calabôca, Gabi)”. A ciência já mostrou que homossexualidade não é escolha, porém nem tampouco causa problemas. Portanto, dizer “sou contra” é ignorância, mas as pessoas ainda não sabem disso, então apresenta-se dados capciosos!

Isso só mostra que o Brasil ainda não está preparado para conviver com homossexuais. Metade escolhe aceitá-los como são e pronto, e a outra metade escolhe não aceitar que eles sejam como são à luz de argumentos falhos. E esta discussão vai continuar e continuar, até que uma Lei Superior entre em vigor entre os homens. De Deus? Não, a lei do “cada um cuide da SUA vida”.

Me desculpem , mas o CFP esta claramente com medo de cassar o registro deste charlatão, pois como um profissional de Psicologia pode ferir tanto o código de ética de uma categoria e ninguém do CFP abre um processo ético contra este homem. Eu queria saber quais defesas coerentes este charlatão do Silas Malafaia possuí que vcs estão tão temerosos? A classe de Psicólogos deste país esta sendo desacreditada e agredida todos os dias quando este homem vai a mídia destilar suas inverdades, baseadas em puros conceitos bíblicos de um livro mofado e retrogrado a ciência que tanto estudamos. Tomem logo uma posição clara e definitiva CFP , pois os prejuízos a classe serão sem tamanho perante a sociedade mundial.

O discurso retórico de Malafaia é quase inquestionável, mas não vamos levantar nossa bandeira declarando vitória massacrando aqueles que precisam do nosso amor, da nossa compreensão e acima de tudo do nosso comportamento cristão.

Quem esta defendendo o cidadao leu o fato de 278 pessoas morreram por causa da homofobia?
Ele pode nao ter falado que eles sao doentes, mas o que a igreja prega é algo muito mais radical, prega que estas pessoas estao possuidas por demonios, por isso sao homossexuais. Estamos voltando a epoca da inquisição, pessoas estao sendo mortas por pela sua opcao sexual.
O pastor comparou assassino com homossexual, como se tirar a vida de alguem fosse igual ir ou nao pra cama com alguem!
Reacionarios
Hipocritas
A maioria dessas pessoas, mentem e TODOS cometem pecado, pq a biblia diz que o unico santo é Jesus. Davi, cometeu adulterio e assassinato e seu nome é mencionado na biblia como ” o homem segundo o coracao de Deus”.
Voces nem sabem o que defendem!

O conselho esta falhando muito de permitir que esse cidadao, degrina a imagem dessa profissão, a licença deveria estar cacada faz anos!

Engracado que a biblia diz que Deus cura e medicos evangelicos fazem cirurgias de boa, entao nao vem como o papo de seguir a biblia,porque eu nunca conheci ninguem que realmente seguiu

Nossa, quanta ignorância em relação a este tema.

Pedro Andrade - 09/02/2013 8:56

Ser formado em Psicologia é igual ser Psicólogo? O pastor Silas Malafaia é psicólogo. Ou melhor, se formou em Psicologia e está inscritos no Conselho Federal de Psicologia (CFP), embora não exerça a profissão. Ele usa o fato de ter se formado em Psicologia em momentos estratégicos para legitimar seu discurso eminentemente reacionário e conservador.

A psicologia é subjetiva, subjetivíssima, o que diz são teorias (mais de 200). Silas não foi homofóbico – o que é isso? Discordar? Discordo do homossexualismo, logo sou homofóbico? Quem não respeita ninguém aqui são vocês! Não aceitam o contraditório. Querem impor um estilo de vida da minoria!

Silas deve ter seu registro cassado. O fato de ele dizer que fala como pastor, não como psicólogo não tem o menor cabimento. Da mesma forma que eu não posso medicar alguém sem ser médico, ou construir um prédio sem ser engenheiro, o pastor não pode falar publicamente sobre inverdades científicas referentes à psicologia sob a ótica de pastor. Assim como um prédio ou uma medicação, a fala(em rede de televisão) do pastor gera danos a vida de muitas pessoas. Silas não pode dar palpite sobre psicologia como pastor, apenas como psicólogo. Assim sendo, estará ferindo a resolução do conselho.

Tenho amigos homossexuais e acredito que toda pessoa tem direito de decidir/assumir sua opção sexual. Isso dito, ao assistir a entrevista de Malafaia é possível ver que ele também exerceu o seu direito: o de ter uma opinião. Como diria Voltaire: “posso não concordar com uma palavra do que dizes, mas defendo à morte o direito que tens de dizê-lo”. As pessoas estão confundindo direito à liberdade de expressão com incitação à violência ou preconceito. Gays, religiosos, ateus, pobres ou excluídos de toda ordem: TODOS tem direito a opinar. E o CFP não deveria se posicionar de forma tão tendenciosa. A liberdade de pensamento é um direito fundamental de todos os homens. Inclusive daqueles com quem não concordamos.

(Comentário inserido novamente, havia erro de digitação)

Leio comentários que sei que não são de graduados em psicologia, desculpa minha forma de falar, mas o que vocês entendem sobre o assunto e a ética da profissão? Nada, contenham-se em suas áreas profissionais, obrigado.

Felipe Lins - 09/02/2013 10:43

Júnior, você precisa ler um pouco, só um pouco, do código de ética da profissão. Também precisa ter noção da declaração universal dos direitos humanos. Depois você vem aqui escrever o que quiser. Não existe dogma na psicologia. E não adianta comparar psicólogos com as bestas ambulantes que frequentam igrejas.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 11:23

Sei de algo irrefutável: Ninguém morre por ser heterossexual.
O Conselho não pode cassar por ele próprio e isso é lógico, mas o povo pode pressionar e processar o pastor. Há precedente para isso.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 11:37

Como foi dito acima por uma mãe e posso confirmar: discursos como o do Silas e outros “severinhos” da vida, causam muito impacto negativo a ponto de fazer os gays mais imaturos entrarem em PROFUNDO DESESPERO e uns, tiram a vida. Conheço inúmeros casos e a maior ocorrência desse tipo de comportamento são nas Igrejas Neo Pentenconstais. Pais espancam, filhos somem de casa sem rumo na vida e vários suicidam-se.
O cidadão Silas pode dizer sobre o assunto DENTRO DA IGREJA DELE e se vir a público, que não desumanize e nem marginalize o ser humano.
Achei a entrevista uma faca de dois gumes, por um lado nos mostrou o quão contraditório é o Silas mas ampliou a voz de um idiota.
Existem outros pastores/reverendos/pregadores que falariam desse assunto com o maior respeito e novas informações, são poucos, mas existem.
Exemplo: Caio Fábio.
… mas agora o estrago está feito.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 11:40

Adendo: Neo Pentecostais e Pentecostais.

José Carlos - 09/02/2013 11:40

O CFP defende o que para eles é agradável à sociedade e com isso não traz retaliações,ou seja eles defendem o que consideram como sendo a verdade e o pastor silas malafaia como sendo o falso e pregador de uma mentira absurda. No entanto, o pastor silas defende o que acredita ser a verdade e tem essa ideia do CFP como sendo a mentira, mas afinal quem está com a VERDADE ?

Derli Filho - 09/02/2013 11:51

Júnior, vá estudar um pouco meu querido. Você afirmar que há dúvidas se a psicologia é mesmo uma ciência? Você têm noção do que você está dizendo? Com certeza que não. Por favor, busque literatura científica na área, antes de fazer qualquer comentário infundado. Basicamente, você deveria saber que somos ciência porque utilizamos o método científico em nossas atividades; coisa que o cidadão pastor com certeza não faz. Somos uma ciência marcada pela diversidade teórica e metodológica. Existem várias abordagens científicas que tentam explicar o desenvolvimento humano e elas possuem pesquisas empíricas que as fundamentam. Agora lembremos que não existe verdade absoluta em ciência: ela é útil ou não para tentar explicar um fenômeno. Agora o que eu vejo aqui são comentários de pessoas que não sabem o que é uma psicologia científica e que estão distorcendo informações em nome de seu senso comum e psicologia popular. Em outros casos, o que vejo porém é a ignorância, intolerância e desrespeito.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 11:53

Pergunto a vocês, qual a credibilidade de um pastor que vai em rede aberta na TV dizer que um dia o filho dele estava dando muito trabalho para mãe e ele colocou duas condições: ou muda ou oro para Deus MATAR????
Muitos viram isso, e aí?

Jornalista Luiz José dos Santos - 09/02/2013 12:14

Não é por ai. Vamos nos preocupar com a marginalidade e os políticos corruptos. Malafaia prega o Evangelho, isso não é crime. Se ganha dinheiro dos bestas é outra coisa. “Eu lavo minhas mãos porque não vejo crime nenhum nesse homem”. Que o cara faz sucesso isso não se pode duvidar. A entrevistas dele na Maria Gabriela continua sendo arrebatando discussões.

A bíblia é o melhor manual já criado pelo homem para criar hipócritas! Não existe nenhum ser humano, em pleno século XXI, que a siga. A consciência coletiva da humanidade já superou diversas verdades bíblicas do passado e ainda está superando outras. O que existe são pessoas que sofreram lavagem cerebral e que seguem aquilo que convém a sua hipocrisia. Somente em um país onde a cada 4 pessoas 3 não tem capacidade de ler e compreender um texto é que um pastor deste tem algum tipo de credibilidade. Parabéns pela manifestação, CFP! Não devemos ficar calados ao vermos estas manifestações de ódio contra a humanidade! Não é esse o país que queremos deixar para nossos filhos!

Bruno - SP - 09/02/2013 12:41

Na minha modesta opinião a homossexualidade é causada por uma mutação no gene X. Cabe a cada um usar a imparcialidade, a maioria das mutações que proporcionam algum diminuição no fitness do organismo é considerada como doença, essa é uma das únicas (talvez a única) que é considerada como uma alteração comportamental. Os lactointolerantes possuem uma doença, os anêmicos falciformes possuem uma doença, um hermafrodita possui uma doença, então pq homossexualismo não seria uma doença também? Não acho de devam ser tratados diferente de qualquer outro ser humano, mas é muita hipocrisia não chamar de doença uma pessoa que tem um cérebro de homem em um corpo de mulher, enquanto que se tivesse os dois órgãos genitiais, ou homens com desenvolvimento de seios, seria considerado como doença.

Catherine Plata - 09/02/2013 12:48

Um profissional de psicologia que faz declarações tortuosas e desperta a indignação pública de toda a classe não está passivo a este processo?
Acontece um fênomeno, a classe de psicólogos se incomodou bastante diante das declarações realizadas em rede nacional por um q que se diz pertencente a classe. Tem alguma coisa errada acontecendo aí, comoção popular é digna de ser considerada. Afinal de contas, recursos para se questionar a ética deste sujeito não faltam, um avez que toda uma classe de profissionais se sentiu ofendida com o posicionamento dele, usando o título de uma profissão que mantém um discurso completamente oposto ao dele. E mais, algumas considerações ao que ele falou sobre Psicanálise podem e devem ser questionadas pela maneira como ele colocou. Acho que são inúmeros os argumentos que se podem trazer em questão para reavalidar a o registro uma vez autorizado a este homem.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 12:54

Catherine, bravíssimo. Nós vamos nos movimentar nesse sentido e encaminhar ao MP o pedido.
Não é revanchismo, o discurso do Silas faz apologia a intolerância.

Marcio Prudencio - 09/02/2013 13:23

Lamentável posicionamento deste conselho.
Silas é pregador das escrituras.
E são as ESCRITURAS, e não ele, que é contra homosexualismo, aborto, idolatria entre outras coisas.
Ninguém é obrigado a concordar, e ninguém esta psicologicamente sendo enganado pois são argumentos baseados em sua crença, pois o convidado era: PASTOR EVANGÉLICO SILAS MALAFAIA.
Deus abençoe à todos.

Pablo Mendonça - 09/02/2013 13:26

PETIÇÃO PARA CASSAÇÃO DO REGISTRO DE PSICÓLOGO DO SILAS:
http://www.avaaz.org/po/petition/Pela_cassacao_do_registro_de_psicologo_do_Sr_Silas_Lima_Malafaia/?aXlCidb

Milene Wermuth - 09/02/2013 14:01

Um Conselho Federal que aceite esse tipo de membro registrado esta em desonra com seu próprio código de ética.

Milene Wermuth - 09/02/2013 14:03

Princípios Fundamentais

O psicólogo baseará o seu trabalho no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O psicólogo trabalhará visando promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuirá para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

O psicólogo atuará com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural

No que com prova midiatica o silas malafaia não atende esse estatuto é de fato impressionante,fico me perguntando como consegue um registro profissional?

Milene Wermuth - 09/02/2013 14:07

O psicólogo zelará para que o exercício profissional seja efetuado com dignidade, rejeitando situações em que a Psicologia esteja sendo aviltada.

O psicólogo considerará as relações de poder nos contextos em que atua e os impactos dessas relações sobre as suas atividades profissionais, posicionando-se de forma crítica e em consonância com os demais princípios deste Código.No proprio twitter agora ele fala que o CFP é Conselho Federal de Psicologia Gay e muda o acronimo para CFPG,isso é Ele já foi advertido e repudiado,o Conselho tem que agir de forma a honrar seu estatuto.Ou ficara o Conselho desonrado junto a opnião pública

“acho que o CFP deveria informar que evangélicos não deveriam ser psicólogos… ” É cada bobagem que existe nesses comentários, que parei de lê-los a partir desse.

Andre Junior - 09/02/2013 16:21

O CRP é uma farsa. Por que depois de tanto repudio publico não fez cumprir a resolução que Malafaia discumpriu?
O proprio CRP tem medo de atuar.
Uma carta não basta. O registro deste hipocrita deve ser cassado!!!!

Enquanto se discute sobre ser gay ou não, eu quero morrer hetero por que DEUS fez a mulher para o homem e vice versa.

Henrique - 09/02/2013 17:13

Em meio as seríssimas declarações, existe um reorientado… ou melhor desorientado. Afinal, impor desorientação aos outros é no mínimo hilário e digno de risadas de tão absurdas que são declarações desse tipo. Então fica o meu KKKKK.

Henrique - 09/02/2013 17:14

Homossexual ativo é ótimo. Ativo do que? Que faz atividades físicas? KKKK

O CFP está sendo uma verdadeira DECEPÇÃO pra Psicologia!!! Menos notas e mais ações Conselho. É uma lástima ver que vocês se limitam à lançar uma notinha de repúdio, sendo que não fazem NADA com o registro do Silas. Assim vai, como Marisa Lobo e outros lixos que acabam com a nossa profissão. É uma pena, mas tenho que dizer: o CFP está CONTRIBUINDO para que a psicologia seja mal vista no Brasil.

Não estou aqui para defender ninguém, mas também não concordo com a posição de que evangélicos não podem ser psicólogos! Isso seria loucura e inconstitucional, pois cadê o direito às escolhas e à livre expressão?
E outra coisa: tem muita gente que pensa dessa forma, mas não se posiciona com medo de ser mal visto pela nossa categoria e ele foi o único corajoso que falou o que pensa. Mais uma coisa: e sobre o caso de homossexualidade tratado por Freud e citado pelo Pastor? A discussão é muito mais ampla do que se pensa, não sejamos tão pequenos em postura, pensemos além do que se vê e se ouve!

jose ricardo da silva - 09/02/2013 19:32

sou hétero,casado tenho filhos e uma esposa q amo muito,casado com ela a 23 anos e temos 3 filhos,e já passei por maus momentos tendo que me sair dos gays,quero apenas diante dessa polemica toda,onde fica meu direito de ser hétero,e não querer nada com eles,eles querem respeitos a todo custo mas será q eles sabem respeitar?

Valdecir - 09/02/2013 19:55

Sinto dizer que já devem se considerar derrotados, pois maior é o que está com ele (Silas) do que o que está com vocês, não sou jogador, caso eu fosse iria então apostar tudo é na ficha preta. Ele já é um mais que vencedor, perdedores, dirijam-se p/f a esquerda que o vosso lugar.

Senhores CFP,

Espero que depois da conduta explícita do Sr. Silas Malafaia, em rede nacional, estar em desacordo com o pensamento desse conselho que rege a profissão de psicólogo, providências imediatas sejam tomadas no sentido de coibir mensagens de ódio e intolerância. O registro de profissional desse senhor seja cassado.
Já basta de intolerância explícita.
Sds,
Marisa

Quer dizer que expressão do pensamento é agressão aos direitos humanos? Mas, justamente a liberdade de expressão não é um direito humano? É muito sério o conteúdo do posicionamento do CFP. E mais sério ainda as declarações nos comentários postados. Eu assisti a “entrevista” (aquilo não foi uma entrevista) até o fim e acredito que, em nenhum momento o pastor Silas incitou o ódio aos homossexuais, foi preconceituoso, discriminador ou homofóbico. O CFP e a sociedade precisam entender que, além de psicólogo, ele é pastor e, a fé cristã, é bem clara em dizer que tal prática é pecado. Acho mais sensato ao Conselho, antes de julgar, provar, cientificamente, se realmente o pastor errou em suas declarações pois, creio eu, que a psicologia é uma ciência. Provem que ele está errado.

João Bergamasco - 09/02/2013 22:10

A manifestação do pensamento é livre e ele deu a opinião dele. Na minha opinião, retrógrado é o CFP que quer que todos pensem como ele.

Christian - 09/02/2013 22:47

Gostaria de deixar minha colaboraçao no intuito de todos pensarem e todos se aceitarem, já que é o grande objetivo da sociedade: Cada um faz a opção de sua sexualidade, mas deve saber que existe um padrao cultural que muitos observam e pretendem cultivar, e que mudanças geralmente trazem consigo um preço, e ninguem é obrigado a aceitar. Tambem acredito que a posiçao do Pastor se refere à sua fé e nao vinculada a Psicologia…acredito que se cada um pode ser o que quer, deve tambem dar direito de cada um pensar como quer… O que esta existindo é que estao obrigando a todos aceitarem qualquer comportamento e louva-lo…
Acredito que o Pastor pode pensar como achar melhor, e respeitar quem ter seu comportamento sexual como bem entender, mas para mim na entrevista isso aconteceu – o que nao pode nos dias de hoje é ter uma opinião que nao seja a da moda, isso me parece hipocrisia…

Leon Alcides - 09/02/2013 22:50

Felipe Lins eu nao sei se vc é psicologo mas seu comportamento nao é de um,chama as pessoa de ´´bestas ambulantes´´.Ser psicologo é respeita as pessoas com sua cultura.Temos que respeita os homossexuais e tambem os cristao.

Tiro meu chapéu para o CFP. De fato é uma afronta uma pessoa que se diz psicólogo trazer um discurso como este. Também é um afronta à REAL doutrina cristã esta forma de pensar: afinal quem realmente segue a Jesus Cristo deve ter claro que para Deus todos são iguais, sem distinção, e a Bíblia não é um livro simplesmente para ser lido ou parafraseado, mas sim para ser interpretado da maneira correta, levando em consideração todo o contexto sócio-politico da época. Quem teme a Deus precisa ter no coração os dois grandes mandamentos de Jesus – Amar a Deus sobre todas as coisas e Amar ao próximo como a si mesmo. Isto é uma receita simples que muitos custam a entender… e pelo visto o próprio pastor Silas

Christian - 09/02/2013 23:10

Concordo com voce Leon, se uma classe luta por respeito, deve ter condiçoes de respeitar a todas bem como suas opinioes tambem… e ao CFP, acredito estar havendo um equivoco, pois o pastor se refere a sua religiosidade e disse bem claro que uma coisa nao mistura com a outra, a religiosidade do pastor e sua fé tambem devem ser respeitadas…

Não sou homossexual, mas sou crente, crente em Deus, que é pleno Amor, que respeita sua criatura e que a ama. Não posso calar-me diante das palavras do Silas. Esta pessoa, o Silas, é de uma inteligência impar, de um poder muito grande de convencimento, digno de grande admiração. Com tudo isto está ganhando uma grande divulgação da “sua igreja”. Por tudo isto é um ser perigozo para as pessoas mais simples, de pouco conhecimento e questionamento. Tem de haver uma maneira de cassar este sujeito.

Luiz Sant´Anna - 10/02/2013 2:10

Primeiro entendo ser lastimável a falta de ética deste conselho federal, em tratar a conduta de um profissional inscrito de forma pública, o que com certeza poderá resultar numa ação por danos morais, vez que tais questões devam ser tratadas de forma sigilosa e com o direito do contraditório e devido processo legal.

Em segundo lugar, repudiar a manifestação feita pelo psicólogo em questão no programa da apresentadora Marília Gabriela do SBT, demonstra que quem redigiu a nota de repúdio não assistiu ao programa ou deve ser apaixonada na defesa cega dos homossexuais, pois não se tratou de ofensa aos homossexuais, mas apenas uma análise pessoal de tal opção e embora estejam arquitetando a legalização da censura, a liberdade de expressão é garantida pela constituição.

Em terceiro, quem redigiu tal nota de repúdio, sequer leu o código de ética do CFP, pois no inciso IV dos Princípios Fundamentais do exercício profissional do código de ética dos psicólogos, assim está determinado:
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
I.

II.

III. O psicólogo atuará com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a
realidade política, econômica, social e cultural.

Como sugestão, quem redigiu tal repúdio, deve consultar um advogado com urgência, pois o psicólogo Silas Malafaia apenas fez uma análise crítica social e cultural a respeito da homossexualidade, previsto no código de ética do seu conselho federal.

Priscyla - 10/02/2013 9:31

Gente nao sou formada em psicologia mas como vejo o desconhecimento das pessoas e isso me incomoda profundamente ainda mais qdo sao profissionais…os conselhos federais sao regidos por NORMAS que tem fundamento na CONSTITUIÇÃO. Dizer que o Conselho defende ou repudia tal classe nao corresponde a realidade, visto que o Conselho NAO se baliza por dogmas religiosos… a opção religiosa é DIFERENTE daquela prática que deve ser respeitada qdo o profissional se coloca à disposição da sociedade para trabalhar a serviço dela. O Conselho agiu corretamente ao esclarecer que as ideias do pastor, ainda que fundamentadas em biblia, NAO é o norte do Conselho, uma vez que este deve por obrigação orientar-se com base na nossa CF. A pessoa defender suas ideias e nao misturar com a sua profissão é uma coisa. A partir do momento que se apresenta tb como profissional é obrigacao do Conselho esclarecer o comportamento de determinada classe que algo repudiado e tb não diz respeito as linhas gerais de atuação daquele órgão. Outra coisa que precisa ser esclarecida que mtos colocaram que deve abdicar de suas ideias religiosas e aderir a ideia do Conselho. NAO se trata de ideias do Conselho mas do nosso Estado democrático de DIREITO, de onde advém todas as normas e por esta razão todos os fundamentos normativos citados nessa nota emitida pelo Conselho. Todo profissional deveria saber disso mas infelizmente não é isso que vemos no cotidiano e por falta de ética vemos a situação que o país se encontra. NAO é uma atitude isolada, é um comportamento que se manifesta em toda seara da vida pública…e a isso que devemos combater…

mil cairao ao lado dele,dez mil a sua direita mais ele nao sera atingido.

Só acho que “apenas” manifestar contrariedade, não muda nada. Falta atitude.

Discurso que não vejo sentido…
Os que se dizem homossexuais tem sim seus direitos…
Mais tem um porém… A igreja como instituição sempre reprovou este tipo de comportamento, e isso também deve ser respeitado…não adianta fazer guerra O Silas M. tem sim razão a ir contra a um movimento desse tipo..

Que drama..so mesmo no Brasil! Ainda bem que resido fora do Brasil, em um pais onde possuimos varias opcoes na escolha de profissional em psicologia. Eu nao procuraria ajuda de psicologo secular, humanista, de modo algum, e sim psicologo cristao e de denominacao crista a qual seja biblica.

Pessoal estudamos 5 anos para que? Para isso? Todos temos que pensar igual? Cada cidadão tem direito de achar o que quer, pensar o que quer e dizer o quer, nós como psicologos sabemos que jamais podemos colocar na cabeça dos outros o que nos ‘achamos’ ou queremos. Tem pessoas que não concorda com o homossexualismo como também tem pessoas que não concordam cristão. Faço uma pergunta a vocês: querem a cassação da crp dele porque ele é contra o homossexualismo; então ele pode pedir a cassação de vocês por vocês falarem, xingarem,ofenderem ele poque ele é cristão. Ele tabém estaria no direito dele né, porque psicologo ético não falam essas asneiras que li aqui. Defendem os homossexuais;tudo bem, mas também não podem oprimir os cristão.

Tudo o que eu li nesta nota de repúdio foi um texto demagógico do referido Conselho Federal de Psicologia.

martins - 11/02/2013 1:26

Recomendo todos a lerem sobre a besteira que foi essa nota da CFP, esse cara analisou e provou por A + B que a CFP realmente pisou na bola, segue o link: http://lucianoayan.com/2013/02/10/o-conteudo-fecal-da-mensagem-de-repudio-do-cfp-contra-silas-malafaia/ . Nunca vi ninguém discutir dessa forma, provando que Silas está certo e a CFP está errada, era melhor a CFP ter ficado calada.

O CFP distorce gravemente as palavras de Malafaia quando diz que ele “desrespeita os homossexuais”. Assisiti a entrevista e, embora não concorde com muita coisa que ele diz, não vi o mínimo “desrespeito” a quem quer que fosse, apenas um posicionamento sobre a natureza do comportamento homossexual. Isto agora é “desrespeito”? Ainda que Malafaia esteja errado, não há um ataque à figura dos homossexuais, ao contrário do que alega o CFP. Infelizmente o CFP vem se tornando um órgão censor, vendo no exercício da manifestação do pensamento algo que deva ser combatido, para isto rotulando de “homofóbico” um discurso que em momento algum agride os homossexuais. Se Malafaia está errado, que se aponte, do ponto de vista da ciência da psicologia, onde seus erros estão. Ora, é fato que há pessoas que apresentam alternância ao longo da vida quanto à própria orientação sexual, passando de uma orientação homo para heterossexual, ou o contrário; o próprio Luiz Mott, um dos mais conhecidos ativistas gays do Brasil, teve orientação heterossexual durante algum tempo de sua vida, o que mostra que a assertiva de que a homossexualidade é um comportamento tem no mínimo algum fundamento na observação da realidade. No mais, a Constituição da República garante a inviolabilidade do direito à manifestação do pensamento, sendo que este posicionamento do CFP já mostra que este órgão parece ter um pouco de desconforto com o fato de que há quem critique a conduta homossexual. Se Malafaia tivesse cometido crimes, como por exemplo apologia à violência ou incitação ao preconceito, aí sim sua conduta não teria respaldo na Constituição. Mas isto não ocorreu, e o CFP deve respeitar o direito que ele tem de externar seu pensamento. Infelizmente o CFP já mostrou sua verdadeira vocação de órgão censor e ditatorial, que não tolera qualquer manifestação de pensamento que não ecoe suas cartilhas.

Alberto Nathan - 11/02/2013 8:27

Isso é uma vergonha. Deveriam cassar o diploma de Silas Malafaia. Ele suja o nome e a profissão de psicólogos.

O Pr. Silas defendeu sua posição como Pastor e não como Psicólogo. Diante da Bíblia o pecador deve ser amado e não o pecado. Foi o que ele disse: amo os homossexuais e não a prática. Onde está o erro? Estão tentando calar o homem e para isso querem atacar por todos os lados. Sinto informar que o Pr. Silas Malafaia já atingiu um posição de respeito no meio evangélico, não será isso que irá fazê-lo calar. Onde está a democracia?

Felipe Lins - 11/02/2013 10:22

O texto acima é perda de tempo.

Todo ser humano pode e deve expressar a sua opinião como bem entender. Mas tem que se levar em consideração que as declarações do Pastor comprometem MUITO as intervenções em psicologia. Ciência esta que ainda procura quebrar paradigmas sociais. O que sinto é que infelizmente ele continuará afirmando o que quer afinar e ainda sim continuará se intitulando psicólogo. É um retrocesso.

Fico pensando, quando toda essa tormenta irá acabar, os que sofrem mais não são os psicólogos, muito menos os pastores SANTOS, os que sofrem com toda essa repercurssão, toda essa bagunça, toda essa falta de respeito, toda essas tentativas de acharem uma resposta para sua realidade, todas essas taxações são aqueles que vivem na pele a sua verdade, que ouvem toda essas barbaridades a respeito de suas vidas, vocês já pararam pra pensar no contexto em que os homossexuais vivem? Já refletiram o quanto toda essa tormenta e entrevista podem abalar o psique de alguém? Alguém que já luta para sobreviver, que já vem trazendo questões tão relevantes por serem “Diferentes”. Um clamor a PAZ, um clamor ao DEUS da PAZ, AO DEUS QUE AMA E DESEJA QUE O SER HUMANO SEJA FELIZ!

Solange costa - 11/02/2013 12:11

Entendo que o pr.silas declarou sua opinião como pessoa,e não como psicologo. uma coisa não invalida a outra.pois a graduação dura cinco anos já os valores adquiridos de cada um, dura uma vida inteira.ele não foi chamado por ser psicologo,foi chamado por ser pastor!

ROGERIO HOLANDA - 11/02/2013 12:33

Como muitos já provavelmente sabem, no domingo passado, 03/02, Silas Malafaia esteve no programa de Marília Gabriela para uma entrevista. Enlouquecido, o humanista e gayzista Eli Vieira fez uma “refutação” com uma quantidade de falácias e fraudes intelectuais tão extensiva que tudo só poderia ser encarado na base da piada.

E, como não poderia deixar de ser, a máxima do Barão de Itararé segue implacável: de onde menos de espera, daí mesmo é que não sai nada. E do CFP, órgão aparelhado por marxistas culturais, eu não poderia esperar mesmo nada que prestasse em uma nota de “desagravo” a Silas Malafaia. O engraçado é que a nota saiu no dia 07/02/2013, às 16:24, ou seja, quatro dias após o programa. Precisar de quatro dias para escrever um conteúdo tão bizarro é vergonhoso.

Segue o comentário de cada parágrafo da nota de desagravo, entitulada “CFP se posiciona contrariamente às declarações de Silas Malafaia”.

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) manifesta publicamente seu repúdio às declarações do pastor Silas Malafaia feitas no último domingo (3/2), durante um programa de entrevistas exibido pelo SBT. Em sua participação, o pastor evangélico agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação – objetos da atuação da Psicologia, que se pauta na defesa da subjetividade das identidades.

A coisa já começou patética. Silas Malafaia reclamou apenas o direito de criticar o comportamento homossexual (assim como um homossexual pode criticar o comportamento heterossexual), se manifestou pelo direito daqueles gays que querem buscar reorientação sexual e afirmou que o comportamento sexual gay é… um comportamento.

O que isso possui em termos de agressão a “perspectiva dos Direitos Humanos”? Simplesmente nada. E o que isso possui em termos de desrespeito à “livre orientação”? Novamente, absolutamente nada.

E em seguida o CFP contradiz a si próprio, auto-afirmando-se como defensor “da subjetividade das identidades”. Ora, subjetividade de identidade significa o respeito ao espaço íntimo do ser humano, espaço que não é respeitado pela CFP e pelos gayzistas, ao coagirem os gays que busquem mudar seu comportamento. Ao contrário, Silas Malafaia não tenta forçar os gays que querem continuar gays a mudarem seu comportamento.

Como se vê, é o CFP que não dá a mínima para a subjetividade das identidades, enquanto Malafaia as defende.

O começo do discurso do CFP cai no padrão do Barão de Itararé, de fato.

Sigamos:

As declarações de Malafaia, que é graduado em Psicologia, afrontam a construção das lutas da categoria ao longo dos anos pela defesa da diversidade. É lamentável que exista um profissional que defenda uma posição de retrocesso que chega a ser quase inquisitório, colocando como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito na leitura dos Direitos Humanos.

Como sempre, a realidade é exatamente a oposta daquela declarada pelo CFP.

Podemos considerar a posição de Silas Malafaia como muito mais progressista do que a posição reacionária e totalitária do CFP, pois Silas defende o direito de um gay que quer mudar seu comportamento, enquanto o CFP luta para retirar este direito.

No passado, quando um casal queria se separar, todos chamavam isso de uma aberração. Hoje em dia, é um direito dos casais que não suportam mais viverem juntos.

Hoje em dia, quando um gay quer mudar seu comportamento, o CFP e os gayzistas chamam isso de uma aberração. Silas luta pelo direito de um gay buscar mudar sua condição, assim como ocorre quando um casal heterossexual que se sinta infeliz no casamento queira mudar sua condição.

Fica claro que o CFP está do lado do retrocesso, com uma postura inquisitória, contrastada com a postura libertária de Silas Malafaia. Posição libertária, aliás, que tem sido digna de elogios.

Aliás, mais uma vez o CFP pisa em cima de todas as declarações de Direitos Humanos, pois exclui os gays que querem modificar seu comportamento daqueles que merecem direitos. Para o CFP, só existe um tipo de gay digno de respeito: aquele que quer continuar a ser gay.

Malafaia respeita os dois, mostrando que é muito mais adepto da liberdade e dos Direitos Humanos do que o pessoal da CFP. Se bem que ser melhor que a CFP em termos de apoio a Direitos Humanos não significa absolutamente nada…

O desastre intelectual segue abaixo:

Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia, especialmente no que tange a Resolução CFP nº 001/99, estabelece normas de conduta profissional para o psicólogo na abordagem da orientação sexual, visando garantir um posicionamento de acordo com os preceitos éticos da profissão e a fiel observância à promoção dos direitos humanos. Considera que a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana.

Esperem aí… “bandeiras levandadas pela Psicologia”? Não deveriam ser teorias científicas? Ih, rapaz. Agora o caldo entornou de vez, pois provavelmente estavam com tanta “raivinha” ao escrever a nota de desagravo que cometeram um ato falho e entregaram os pontos: sim, eles não são um comitê científico, mas ideológico.

O argumento deles é uma coisa grotesca, que pode ser transposto para silogismo da seguinte forma:

A homossexualidade não é doença, desvio e nem perversão
Propor mudança de um comportamento é associá-lo a doença, desvio e perversão
Chamar o homossexualismo de doença, desvio ou perversão é desrespeitar direitos humanos
Logo, ao propor o direito de alguém mudar de comportamento, conforme o item (2), alguém está desrespeitando os direitos humanos, conforme o item (3)

É claro que o argumento acima é o suficiente para podermos expulsar um sujeito que o professa de qualquer aula de lógica. É um argumento digno de um vagabundo que não quer pensar ou de um fraudador intelectual que quer capitalizar politicamente. Só existem essas duas opções.

Que a homossexualidade não é doença, eu concordo, mas é um desvio em relação a um comportamento padrão, e também uma perversão em relação à função básica do relacionamento sexual humano (replicação). Note que eu não estou dizendo que por ser desvio ou perversão, estou contra o direito deles, pois eu não tenho nada contra o comportamento gay e o casamento gay, mas quis deixar claro que já na primeira sentença o CFP erra feio ao colocar “doença, desvio e perversão” juntos como se fossem praticamente a mesma coisa. A primeira premissa é, portanto, falsa.

Mas mesmo que não seja doença (enquanto é um desvio ou perversão, de acordo com o referencial, e citei os referenciais anteriormente), ainda é um comportamento passível de alteração, e, é claro, de alteração a partir de uma ajuda externa (de preferência um terapeuta). A segunda premissa também é falsa.

Por isso nem preciso refutar a terceira premissa de falsa, pois na verdade ela é uma mentira completa. Dar o direito de qualquer um mudar o seu comportamento, e ajudá-lo nesse processo, não tem nada a ver com desrespeito aos direitos humanos. Pelo contrário, é uma atitude digna de um cidadão que respeita os direitos humanos, ao contrário dos membros do CFP, que violam os direitos humanos daqueles que querem mudar seu comportamento.

A baixaria segue:

O dispositivo busca contribuir para o desaparecimento das discriminações em torno de práticas homoeróticas e proíbe as psicólogas (os) de proporem qualquer tratamento ou ação a favor de uma ‘cura’, ou seja, práticas de patologização da homossexualidade. Infelizmente, nada disso soa em consonância com o discurso de Silas Malafaia.

Se realmente o CFP quer reduzir a discriminação em relação aos gays, por que não busca reforçar nos gays contentes com sua sexualidade uma postura de cabeça erguida em direção aos gays descontentes e que querem mudar seu comportamento? Por que eles precisam ficar tão “infelizes” quando um deles resolve mudar seu comportamento? Não deveriam ficar contentes por que eles terão mais homens à disposição? (E, no caso das lésbicas, elas teriam mais mulheres à disposição…)

Além do mais, não é o psicólogo que “propõe”, mas sim o cliente que busca o tratamento. É totalmente diferente de um vendedor de telemarketing, que tenta lhe vender um novo cartão de crédito, por exemplo. Neste caso, o vendedor faz uma “proposta” ao cliente. Mas para qualquer consultório que não atue com vendas agressivas (ou seja, todos), a proposta sempre vem do cliente. Portanto, não faz o menor sentido dizer que existem psicólogos “propondo” tratamento para mudança de comportamento homossexual, quando na verdade a proposta vem dos clientes.

E mais uma vez: mudar algo não implica em chamar este algo de “doença” ou “patologia”. Na verdade, alguém pode até se incomodar com algo (seja lá o que for) como se fosse uma doença, e usar esta âncora como estímulo para a mudança. Mas não implica que algo só pode ser mudado em termos comportamentais se for “uma doença”. Como em todo parágrafo, o CFP abusa da retórica de baixo nível, que qualquer um que tenha lido sobre criticismo retórico consegue desmascarar de imediato.

A Resolução declara, ainda, que é um princípio da (o) psicóloga (o) o respeito à livre orientação sexual dos indivíduos e o apoio à elaboração de formas de enfrentamento no lidar com as realidades sociais de maneira integrada. É dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual.

Mais um tiro no pé pelo próprio CFP. Ora, se a orientação sexual (e psicológica) de um homossexual disser que “a mudança de comportamento e consequente orientação é uma boa idéia”, então para eles o profissionais está proibido de “fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas”. Quer dizer, respeito à orientação sexual só existe se o homossexual não quiser mudar seu comportamento. Esta é a mensagem escrotíssima lançada pelo CFP.

Esse tipo de manifestação da homofobia na sociedade brasileira contribui para a violação dos direitos humanos de parcela significativa da população. Vale lembrar que esses tipos de casos resultaram, no ano de 2011, em 278 assassinatos motivados por orientação sexual, de acordo com o Disque Direitos Humanos (Disque 100).

Putz! Estava demorando para surgir o truquezinho safado de chamar a discordância em relação ao comportamento gay de “homofobia”. Já desmascarei este truque aqui.

Está cada vez mais corroborada a minha tese de que esquerdista (assim como humanista) jamais irá discutir qualquer assunto, mas sim executar um conjunto de técnicas de propaganda embutidas dentro de um discurso que se pretende por sério, mas nunca é sério de fato.

Depois alguém ainda poderá objetar: “Ah, Luciano, eu não gosto quando você diz que o oponente faz truques! Prefiro chamá-los de ‘equivocados’”. Mas eu estou fazendo uma análise parágrafo a parágrafo do discurso do CFP, e em todos eles existem truques safadíssimos e de baixo nível. É só pegar um guia de falácias, um mapa de técnicas de propaganda e um guia de rotulagem e achar os truques. Não há mais a fazer do que isso.

Vamos aos truques principais deste parágrafo em análise:

Criticar o comportamento gay ou dar o direito deles mudarem seu comportamento é homofobia (já refutado anteriormente)
O ato contido em (2) é responsável por influênciar os 278 casos de assassinatos de gays (só que alguém devia explicar ao CFP que correlação não é causação)

Segue:

Dessa forma, podemos entender que a construção sócio-histórica da figura do homossexual como anormal que precisa ser corrigido e, por vezes, exterminado para a manutenção dos valores e do bem estar social, ainda se faz presente em nossa sociedade. Entretanto, a violência destinada a sujeitos que têm suas sexualidades consideradas como ‘desviantes’ não se resume a agressões e assassinatos. De fato, tais manifestações só se tornam possíveis a partir de uma rede de discursos que os colocam como inferiores, vítimas de sua própria existência. Esses discursos e práticas são, então, ações de extermínios de subjetividades indesejadas.

Mais truques. Eles agora fingem que “dar o direito à mudança de comportamento” é o mesmo que determinar que o gay “precisa mudar o comportamento”. Daí fazem um truque de apelo ao medo dizendo que isso significa que os conservadores cristãos defendem que o gay seja “exterminado para a manutenção dos valores e do bem estar social”.

Esperem aí: que raio de salto indutivo é esse que diz que a crítica a um comportamento implica em exterminar o grupo criticado? Não poderia ser a crítica ao grupo ao mesmo tempo em que se defende o direito do grupo ser o que é? Será que esses picaretas não leram Voltaire?

Reparem a sequência de truques:

Considerar um grupo como digno de crítica por seu comportanento…
Levará a agressões e assassinatos contra esses grupos…
Logo, a crítica ao grupo é uma ação de extermínio de subjetividades indesejadas

Se for assim, então a crítica que Sigmund Freud fez aos religiosos em “O Futuro de uma ilusão” seria responsável pelo extermínio de cristãos?

Não, os ataques de propaganda que podem resultar em extermínio tem a ver com Demonização e Desumanização, e não se vê conservadores cristãos fazendo ataques deste tipo em direção ao comportamento gay.

A falácia da bola de neve praticada pelo CFP é imperdoável em termos lógicos e morais.

Mais:

Com base nessa realidade, é também uma tarefa da Psicologia contribuir para o enfrentamento da homofobia e suas repercussões sociais. A importância dessa ação é tanta, que em novembro de 2012 o CFP assinou um termo de cooperação com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) para tratar do tema por meio de Comitês de Enfrentamento à Homofobia e da Campanha Faça do Brasil um Território Livre da Homofobia.

Só que nada disso acima faz o menor sentido pelo fato de que a crítica ao comportamento gay não configura homofobia…

Eles podem fazer quantas comissões quiserem, sempre torrando o dinheiro público, que não mudará o fato de que estão mentindo sobre o conceito “homofobia”, para enfim demonizar e desumanizar seus oponentes ideológicos.

Nada é mais esquerdista do que essa postura digna de um sociopata demonstrada pelo CFP.

Vamos ver se eles conseguem um parágrafo sem fraude. Este abaixo é o último:

A atitude desrespeitosa de Malafaia com homossexuais ressalta um tipo de comportamento preconceituoso que não se insere, em hipótese alguma, no tipo de sociedade que a Psicologia vem trabalhando para construir com outros atores sociais igualmente sensíveis e defensores dos Direitos Humanos. O Brasil só será um país democrático, de fato, se incorporar valores e práticas para uma cidadania plena, sem nenhum tipo de discriminação. Exatamente o oposto do que prega o referido pastor.

Como não poderia deixar de ser, só propaganda enganosa. A começar pela auto-rotulagem, com dois rótulos já mapeados aqui anteriormente: Cidadania (defensor da, representando a) e Democracia (representante da, em luta pela). Eu não disse que a seção Jogo de Rótulos seria útil? (Prometo que depois que finalizar a seção Propaganda, que terá 100 verbetes para propaganda, eu concluo a seção do jogo de rótulos, que deverá ter mais ou menos a mesma quantidade de verbetes que a outra)

Há algo de interessante aqui: quando está faltando assunto, as auto-rotulagens esquerdistas tendem a se avolumar, especialmente nas conclusões de texto. Além dos rótulos já mapeados (todos injustificados, como sempre), ainda definem o Malafaia como “inimigo dos direitos humanos”.

É hora de desmascarar mais essas falsas rotulagens.

Na verdade, criticar alguém por seu comportamento não significa ser preconceituoso quanto a essa pessoa. E mesmo que fosse um preconceito, ainda não estaria configurada a discriminação (já que preconceito é somente um “pré-conceito”).

A democracia visa a participação de todos, incluindo os homossexuais, como também aqueles que são críticos em relação aos homossexuais. Portanto, o CFP se mostra anti-democrático e totalitário, ao querer cercear o direito dos que criticam o homossexualismo, assim como tentar cercear o direito dos gays que procuram mudar seu comportamento.

Lutar pelo direito de todos, sejam homossexuai ou heterossexuais, ambos querendo mudar ou não seu comportamento, é uma postura totalmente diferente da que o CFP toma. Portanto, eles não tem moral alguma para abrir a boca e falar em “Direitos Humanos”.

E quanto a “cidadania”, ela deve existir para todos os cidadãos, sejam heterossexuais ou homossexuais, que queiram mudar seu comportamento ou não, e, neste ponto, Silas Malafaia está mais próximo de uma postura de apoio à cidadania do que o CFP.

Eu não concordo com Silas Malafaia em várias de suas idéias. Mas seu oponente, personificado aqui pela CFP, simplesmente é tão desqualificado que posso esmagá-lo em suas fraudes sem o menor peso de consciência.

Silas acredita em Deus, en não. Eu sou a favor da liberação do casamento gay, e Silas é contra. Eu sou a favor do direito dos gays adotarem crianças, e Silas é contra. Silas defende o direito de críticas a gays, e nisso concordamos.

Enquanto isso, não dá para concordar com praticamente nada do que o CFP propõe, pois um bando de marxistas culturais que aparelharam uma instituição que depende de dinheiro público (ou seja, do cidadão pagador de impostos, e esse dinheiro não nasce em árvore) usar ao menos uma fraude intelectual por parágrafo para pregar a sua agendinha política é simplesmente uma das coisas mais amorais possíveis.

Eu não considero o comportamento gay como algo “amoral”, até por que a maioria deles não está dando a mínima para as psicoses defendidas pelo CFP e pelos gayzistas. A maioria dos gays que eu conheço querem viver sua vida em paz, ao invés de transformar sua sexualidade em causa política. Muitos não ligariam se um outro gay resolvesse procurar terapia de reorientação sexual. Neste ponto são similares aos heterossexuais quando notam um heterossexual partindo para a homossexualidade. Dizemos: “Opa, o sujeito X agora gosta da fruta? Melhor, sobra mais mulher!”.

Pessoas sadias querem viver sua vida da forma que acham melhor, sem ficar pentelhando os “dissidentes” de seu grupo.

O comportamento doentio não está em gays ou heterossexuais, mas em gayzistas, que jamais representaram os gays, e nos adeptos do CFP, que jamais representaram a psicologia.

Rafael Mauricio Castanho - 11/02/2013 12:39

Precisamos de uma ATITUDE!
O Conselho nao pode ser conivente com um profissional destes! Ele nao pode sair por ai dizendo estas atrocidades e utilizar o fato de ser “psicologo” como forma de respaldo!

André Ramos - 11/02/2013 12:41

PARABÉNS CONSELHO, E ISSO AEW, ELE SE REFERIU COM SUAS AGRESSÕES DESUMANAS, SEMPRE COMO PSICOLOGO,E NÃO COMO PASTOR, A ACADEMIA NÃO FORMA UM PROFISSIONAL ASSIM, E ELE ESTÁ SE REFERINDO NO PERFIL DELE, QUE VOCÊS DO CFP: SÃO CFPG: CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA GAY!

Em nome da defesa da vida, manteve a condenação do aborto, da manipulação genética, da eutanásia e do casamento gay. Segundo ele, o cristianismo só é crível se for exigente. Bento XVI prefere uma Igreja minoritária e convencida a uma grande comunidade de fé vaga.

FONTE DE HOJE: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/02/papa-bento-xvi-vai-renunciar-diz-agencia-italiana.html

O pastor Silas Malafaia não falou como Psicólogo e, sim como PASTOR E TEÓLOGO, em nenhum momento ele deu qualquer definição como base na Psicologia, mas o tempo todo ele citou a BÍBLIA, A PALAVRA DE DEUS. No final da entrevista quando citou um caso que Freud relata que fez um reorientação sexual em uma de seus analisandos, portanto, falou de Psicanálise. VALE LEMBRAR QUE A PSICANÁLISE É LIVRE, QUALQUER PESSOA PODE FAZER O CURSO DE PSICANALISTA, OU SEJA, a Psicanálise não está sob o controle do CFP.

Processo administrativo nele. A posição do referido pastor prova mais uma vez que não há diálogo entre teologia e ciência. Já pensaram no que ele deve estar fazendo de horrendo com a psicologia, submetendo-a aos ditames dogmáticos e cristalizados da teologia?

Punição?cassação? repúdio? Ele agora é culpado de tudo?Que eu saiba ainda vivemos em um país democrático.Lembremos que a nossa Constituição diz que somos iguais todos temos direitos e deveres.Quer dizer que ele não pode emitir opinião? Ei vamos calar?O Brasil agora é ditadura?Oh acodem, LIBERDADE de expressão.

Ao CFP em meios aos dizeres até aqui publicado, sem comentar, e os que não expões suas palavras faça se o que preserva os DIREITOS a conduta a profissão; quem mais tem a que se manifestar ou a publicar.

Acho que é muito fácil falar que alguém escolhe ser gay quando você não vive essa realidade na pele, da mesma forma que é fácil dizer que não existe racismo no brasil quando quem faz essa afirmação é branco.
Todos têm o direito de lutar por seus direitos, só não consigo entender o porquê alguns grupos religiosos lutam para que os direitos dos homosexuais sejam negados. Falo por experiência própria, eu nunca escolhi ser homosexual, nunca fui abusado ou sofri alguma influência externa, visto que na minha infância não entrei em contato com nenhum gay, só tinha exemplos heterosexuais ao meu redor. Apoio essa lei pois ela ajudará a remover esse estigma que o gay é cidadão de segunda classe, que não merece o respeito e não tem os mesmos direitos que um cidadão hétero. A respeito de alguns comentários comparando a homosexualidade com a pedofilia, necrofilia e afins, só tenho uma coisa a dizer: Lamentável.

José Wellington Fagundes Marins - 12/02/2013 12:38

O Pr. Silas apenas exerceu seu sagrado direito de liberdade de expressão constitucionalmente garantido. Em momento algum incitou a violência contra os homossexuais. Na entrevista exerceu o papel social de pastor e não de psicologo. Deixou claro na entrevista que ama os homossexuais mas contraria a prática homossexual por convicções religiosas. Chamar o pronunciamento do Pr. Silas de “manifestação de homofobia” é de um despropósito sem tamanho. homofobia é prática de violência contra os homossexuais e EM MOMENTO ALGUM o pr. Silas sugere tal coisa. O CFP fala em “atitude desrespeitosa do Pr. Silas Malafaia” sem contudo explicitar em que consistiu o alegado “desrespeito”. Lamentável é a atitude infeliz do CFP que de forma desrespeitosa afronta, ele sim, um profissional cuja opinião é comungada por milhões de pessoas no Brasil e no mundo.

Alba Valeria. - 12/02/2013 12:45

Sou evangélica e psicóloga e atendo clientes com conflitos homoeróticos porque estes me procuram, não sou eu a responsável pelas decisões tomadas durante os “insights” que ocorrem nas terapias, apenas conduzo o outro a um encontro consigo mesmo. Tenho uma visão do ser humano como um ser genuinamente biopsicosocioespiritual. Há um potencial de transcendência em nós que vai além de um determinismo biológico, não somos seres que vivem a sabor de suas emoções, prazeres, desejos, sensações, vontades e querer desenfreado. Somos livres para fazermos escolhas inteligentes, e se considerarmos a relação homoerótica satisfatória, que vivamos essa relação, caso contrário se nossas decisões estiverem pautadas em questões evolutivas vivenciadas num nível espiritual com o ser espiritual que escolhermos seja ele Jesus Cristo, Buda, Maomé, Alá, etc. para nos revelar o melhor caminho a seguir frente a nossas angústias e encontrarmos respostas que nos plenifique nestas escolhas, que a vivamos com intensidade. Como evangélica, em Jesus eu encontro plenitude de vida, como psicóloga eu pessoalmente me deparo com uma ciência que traz em seu bojo conhecimentos que complementam a minha busca por realização profissional, pessoal, social e também espiritual pois sabemos da importância que tem a vivência do homem nesse quesito, não é à toa que teremos um novo
Manual a partir de maio deste ano trazendo as questões religiosas e espirituais à tona. Isso é muito bom e necessário para esclarecermos algumas questões que ainda teimam em nos tirar do foco deste profissional que anseia por um mundo mais equilibrado e feliz.

JOSÉ MENDES DOS SANTOS - 12/02/2013 14:04

Na verdade o CFP está do lado das trevas, ou seja, nessa nota está repudiando a verdade que está escrita na Santa Palavra de Deus e defendida com coragem pelo Pastor Silas Malafaia. Na verdade esses gays querem transformar nosso brasil numa república sem valores morais e afastados de Deus. O único pedido correto seria a cassação do registro de jornalista de Marília Gabriela, que demonstrou em seu programa sua prepotência, arrogância e ira contra a Palavra de Deus. Geralmente isso parte de quem serve ao próprio DIABO. Recebam isso e meditem covardes!!!

Eu não concordo em diversos pontos com Malafaia, mas quando ele disse que a homossexualidade é uma questão comportamental, ele não está correto? Claro que está! Ninguém nasce com a genital masculina e vai gostar de homem ou nasce com a genital feminina e vai gostar de mulher, naturalmente. O homossexual adquiri o afeto pelo mesmo sexo por vários motivos. Dentre eles posso usar uma hipótese clara: A falta da imagem paterna (aos homens) e a falta da imagem materna (as mulheres) pode sim desencadear a homossexualidade, já que, desta forma, o indivíduo poderá buscar em outra pessoa do mesmo sexo o amor paterno ou materno que não sentiu/experienciou em sua vida. Pensem nisso psicólogos! Eu sou Psicólogo e tenho que discordar do CFP, pois o Silas Malafaia não discriminou os homossexuais, muito pelo contrário, disse até que os ama. Malafaia somente esclareceu que ninguém nasce homossexual, mas que a natureza humana é composta pelo sexo masculino e pelo sexo feminino e Somente esses dois sexos. Não adianta os humanos quererem criar outros sexos. A população homossexual, na minha opinião, deveria passar por um processo terapêutico para entrar em contato com seus conteúdos inconscientes e ter a possibilidade de tomar consciência do porque elas adquiriram essa afetividade pelo mesmo sexo e, em consequência, renascer e se redescobrir como ser humano que tem seus dons e sonhos e iniciar um processo de lutar para vencer suas limitações como ser humano. Isso é importantíssimo para a sociedade, pois do jeito que está, a população homossexual vai continuar crescendo de tal forma que poderá contribuir para a extinção humana, já que homem com homem e mulher com mulher não se reproduzem. Certo pessoal?

Caros colegas,Vamos colocar nossa opinião quanto ao texto publicado e não ofensas. Onde fica o direito de ir e vir…Estamos julgando um posicionamento de uma pessoal que é cristã e que tem formação de psicólogo.Lembramos que temos ambas pessoas que se comportam e falam coisas bem terríveis quanto tal e nada acontecem.A hipocrisia infelizmente nos rodeiam e nada e feito.Vamos pensar, ou melhor escrever sem também ofensas e hipocrisias.

Rui Machado - 12/02/2013 17:00

Felizmente, o CFP não está acima da Constituição, que garante a liberdade de opinião.

Rui

Alexandrey Melo - 12/02/2013 19:31

Sou terapeuta ocupacional e minha especialidade hoje é a reabilitaçao. Confesso que nunca tinha atentado ao ponto de vista do Sr. Malafaia (me recuso a chamá-lo tanto de psicólogo como pastor). Só fiquei sabendo devido a repercussao que foi sua entrevista, muito mal realizada pela Gabi, aliás. A partir daí fui analisar as manifestaçoes do Silas, principalmente em plenário e me espanta como a classe de psicólogos, profissionais que respeito tanto e admiro, ficam tranquilos com um sujeito que se diz psicólogo e tenta embasar seus pseudo argumentos usando de bases precárias e tendenciosas. Aqui me permitam uma licença profissional e pessoal: se este senhor fosse formado em Medicina, já estaria respondendo a alguma sansao mais drástica. Religiao é algo pessoal e seguir antigos dispositivos orientadores de comportamento ou se tornarem adeptos do fundamentalismo religioso é uma escolha individual. Mas usar a força do nome de uma profissao para se promover… é incorreto e o usuário deve responder profissionalmente por isso.

Parabéns aos CFP por expor a dignidade da psicologia!
Pela cassação do Registro do Silas!

Leon Alcides - 12/02/2013 21:54

Martins o texto do Luciano é muito bom.É bom o CFP reavalir sobre o repúdio às declarações do Silas Malafaia.

Acredito que todos os crimes cometidos devem ser combatidos, porque todos são seres humanos, não só porque são homossexuais. A igreja tem o seu papel importante dentro da sociedade, nós como psicólogos devemos reconhecer isto. Não é só a igreja evangélica que se posiciona contra a homossexualidade, aliás não sei se existe uma igreja que é a favor. O homossexualismo, é possível de ser reorientado, e isto também deve ser ofertado como possibilidade para os homossexuais. Usa quem quiser. Acho que estamos travando uma batalha muito imprópria, todos os direitos humanos já estão respaldados em lei, não é uma nova lei que vai diminuir a incidência dos crimes.

Eu só me surpreendo a sociedade “chiar” a respeito de uma pessoa que está exercendo o DIREITO CONSTITUCIONAL de LIVRE EXPRESSÃO…

Ele FALA ABERTAMENTE QUE É CONTRA O HOMOSSEXUALISMO

QUE CRIME OU CONDUTA ANTI-ÉTICA ELE COMETEU?

AGORA TODO MUNDO TEM QUE FALAR QUE SER GAY É BONITO?

Faça me um favor…

E Catarina,

Quem sentiu ofendido por ele falar que ser gay é feio?

Cada psicólogo tem sua opinião… A opinião do Malafaia nunca vai ser a opinião de todos os profissionais… Isso é muito ridículo…

Se o MALAFAIA FOR CASSADO por ter expressado SUA OPINIÃO nos meios públicos sem anonimidade, como nos AMPARA o artigo 5 da CONSTITUIÇÃO, então jogue a CONSTITUIÇÃO NO LIXO pois ela não nos ampara a LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

MALAFAIA vc tem MEU APOIO!!!

Parabens ao Pastor Malafaia ! Tem coragem ! Nao que eu concorde com sua opniao, mas acredito que ele , como qualquer um , tem direito a liberdade de expressao, e defender os valores que considera justos !

Sinceramente, acho que cassar o registro do Pr. Silas como psicologo não vai adiantar nada. Mesmo que facam isso, não ira mudar em nada. Ate porque ele prega a Biblia. Ele sempre disse que foi contra a violência à homossexuais, agora se fôr para cassar a carteira de todos os psicologos que são contra essa pratica, então milhares de carteiras serão cassadas, pois tem um monte de psicologos que tambem são contra.

Com já foi citado acima, o Pr. Silas, não tem nada a favor da homofobia, o que queremos como cristãos é a nossa liberdade de expressão, principalmente no que diz respeito as leis biblicas. Cada um que se vire com o que faz da sua vida!!!!

Anderson - 13/02/2013 12:41

Eu identifiquei mais uma falacia , aquele papo de defensores da família pró vida etc , é falacia isto porque na verdade eles não são defensores da família já que eles em si não faz nada pela família de ninguém e nem tem coragem de fazer. Já viu um defensor da família lutar por melhores salários ? Já viu um defensor da família lutar por uma melhor educação ? Já viu um defensor da família vender metade de seus bens e doar a uma família necessitada? não né , mais mesmo assim eles se dizem defensores da família porque vivem na internet falando mal de homossexuais masculinos porque com homossexuais femininos os defensores da família não se preocupa . E outra tem coisa pior pra destruir uma família do que o alcoolismo , mais aí os defensores da família não se importam com isso , mesmo sabendo que o álcool destrói milhares de família.
Portanto é falacia isto de dizer somos defensores da família , porque na verdade eles não são nada, são só uns revoltadinho de internet que tem raivinha gratuita de gays e ficam usando esta falacia de defensores da família.
Esta aí pessoal mais uma falacia, saiba que sempre que você ouvir alguém com este discurso , na verdade ele só estará usando de uma falacia bem sem vergonha pra dar vazõ3es a suas loucuras , na ídade média a frase não deixarás viver a feiticeira setenciou muitas mulheres á morte. na bíblia só diz que hossexuais não herdarão o reino de deus , na bília também diz que a muler foi feuta de umacostela de um homem , na bíblia também diz que deus dizimou toda uma humanidade , na bília diz que alcoólatras não herdarão o reino de deus e aí..

Davi Ribeiro - 13/02/2013 14:10

O Pr. Silas está dizendo o que a Bíblia diz. Ele tem o direito de crer na Bíblia e anunciá-lá. O CFP também deveria mostrar esse respeito a ele, que é concernente à sua crença. A pessoa também tem o direito de não crer na Bíblia, que parece ser o caso de muitos. O Pr. Silas não faz coro contra a pessoa do homossexual e sim contra a sua PRÁTICA pecaminosa, de acordo com a Bíblia. É uma questão de fé, seguida também pelos católicos, espíritas, entre outros. Eu queria saber o que o CFP pensa sobre a Bíblia. Creio que a maioria dos psicólogos são Cristãos. Ou o CFP não reconhece o direito do psicólogo crer naquilo que a Bíblia diz? Tem que ser ateu? Me expliquem aí?

Francisco - 13/02/2013 15:08

É realmente estamos voltando ao tempo da censura…INDEPENDENTE DE SER PSICÓLOGO OU NAO, TODOS TEM DIREITO DE EXPRESSAR SEUS PENSAMENTOS. AGORA QUEREM CASSAR O REGISTRO DO MALAFAIA POR FALAR SEUS PENSAMENTOS, PQ ENTAO NAO CASSAM O MANDATO DOS POLITICOS DE BRASILIA, LÁ SIM, PRECISA-SE DESTA INTERVENÇÃO. CADA UM ADERE A PRÁTICA QUE BEM ACHAR MELHOR, NO ENTANTO CADA UM FALA O QUE BEM ENTENDER. CREIO QUE A MAIORIA DOS COMENTARIOS POSTADOS É DE PESSOAS LIGADAS A ESSAS PRATICAS.

FALA MESMO MALAFAIA….OUTRA COISA, O CFP NAO DEVE SE METER EM NADA. NAO AJUDA TB NAO ATRAPALHA. PQ SE QUEREM CASSAR O SEU REGISTRO NO CONSELHO, A IGREJA E DEUS O APOIA, ISSO É O QUE IMPORTA.

Eklivann Marcel C. de oliveira(15/2444). - 13/02/2013 16:06

Precisamos, sem Ideologia enquanto profissionais de Psicologia respeitar o ser humano naquilo que ele tem de mais sagrado o fato de ser diferente em essencia. O Pastor Silas desreipeitou essa máxima porém acho que o mesmo tenha o direito enquanto Psicólogo de se defender nesse mesmo espaço. Ass: Eklivann Marcel( crp-15/2444) Psicólogo,Psicoterapeuta.

Eklivann Marcel C. de oliveira(15/2444). - 13/02/2013 16:11

Precisamos, sem Ideologia enquanto profissionais de Psicologia respeitar o ser humano naquilo que ele tem de mais sagrado o fato de ser diferente em essencia. O Pastor Silas desrespeitou,
essa máxima porém acho que o mesmo tenha o direito enquanto Psicólogo de se defender nesse mesmo espaço, assim como uma punição cabivel,e justa se caso for decidido, como justo á não cassação sua eu como profissional estou muito revoltado. Ass: Eklivann Marcel( crp-15/2444) Psicólogo,Psicoterapeuta.

Eklivann Marcel C. de oliveira(15/2444). - 13/02/2013 16:19

Eu como profissional, só acho que como a Psicologia Independente de sua abordagem ou linha de trabalho e isso é concenssual, prima pelos direitos humanos e respeito as diferenças talvez a Psicologia precise amadurecer muito para ser na verdade considerada ciência,porém o respeito ao próximo que é diferente de nós é algo básico para qualquer profissional.Ass:Eklivann Marcel(crp-15/2444)Psicólogo e psicoterapeuta.

Claudio Corrêa - 13/02/2013 18:12

O Conselho de Ética Profissional do CFP deve se reunir e discutir a oportunidade regimental de cassar o registro desse brutamontes, verdadeiro vendilhão do templo do século XXI.

Sandra Picanço - 13/02/2013 18:39

Preconceito é crime, estaria o pastor acima da lei?
Cabe ao CFP fazer cumprir o que deve.
Sandra Picanço CRO 05| 30226

Se servir como incentivo ao CFP, acompanho a opinião de muitos outros aqui pela cassação do registro deste profissional.

Luiz Sant´ana - 13/02/2013 19:28

O Silas Malafaia sempre se reinventa e assim esta na mídia. Assisti a entrevista e notei algo. Ele afirma acreditar que a questão em pauta não é genética. Se alguém do CFP discorda desta posição do Senhor Silas Malafaia que se manifeste, por favor. Enxergo ser algo bom alguém se posicionar contrário a uma corrente ideológica que usa a mídia para seu intento. O Malafaia expõe suas posições de forma clara e franca. A questão homossexual não deveria mexer com tantos, é algo que existe desde que o mundo é mundo. Estamos num país Laico e com liberdade de expressão. Devemos ouvir tanto Malafaia como o Senhor Deputado jean wyllys. Exponho a todos que desconheço qualquer obra que saia do nicho da suposição teórica sobre homossexualismo ser genético. A genética trata de traços, síndromes e etc. O comportamento afetivo-erótico-sensual-sexual por pessoas de mesmo sexo, é como o comportamento afetivo-erótico-sensual-sexual de pessoas de sexos opostos. Tudo é um fato biopsicosocial. Um abraço aos colegas psicólogos

Luiz Sant´ana - 13/02/2013 19:31

Poxa, fazemos um comentário honesto e ficamos a merce dce um modedrador? Isso não é democrático. Não auxilia na informação, pois limita o pensar e a critica do leitor. meu texto escrito em 13/02/2013 19:28 não apresenta palavras de baixo calão e é sóbrio. Verei se será exposto ok

Como disseram alguns : só “repúdio”?…isso é caso óbvio de abertura de processo de cassação do CRP!!!

Gabriele Pereira - 13/02/2013 20:18

Admiro o posicionamento do CFP, mas só estarei feliz no dia em que souber da cassação. Como pode alguém dizer-se psicólogo e ao mesmo tempo ter uma postura de apoio à exclusão? Sinceramente me revolta ver profissionais que passam longe de saber a fundo o que é a Ciência Psicológica e ainda assim, levam o título. Cadê o compromisso com a dor humana? Justiça seja feita!

Iracema C.B de Lima - 13/02/2013 20:24

Ainda bem que o CFP se manifestou contra estas declarações inconsequentes. Pena que tenha vindo de um psicólogo! NâO É DÍGNO DO SEU TÍTULO. Eu não o reconheço como colega de profissão, nem como ser humano e muito menos como pastor!

Alberto Morais - 13/02/2013 20:40

Parabéns para o CFP. Acredito que o registro dele deve ser casado.

Cadê o processo de cassação do diploma do indivíduo?

marcos levi - 13/02/2013 20:50

Assiti pela Internet as afirmações do Referido “Cristão” (?).Acredito que tais afirmações deveriam ser tratadas pelo Conselho Federal de Psicologia, como atitude grave quanto aspectos Eticos,considerando sua graduação em psicologia….

Parabéns e obrigada CFP pelo posicionamento a respeito do ocorrido!

Estudante Psi - 13/02/2013 21:19

(Sd – O que o Silas disse) Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento ••• (R – O que o CFP respondeu) o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia, especialmente no que tange a Resolução CFP nº 001/99, estabelece normas de conduta profissional para o psicólogo na abordagem da orientação sexual, visando garantir um posicionamento de acordo com os preceitos éticos da profissão e a fiel observância à promoção dos direitos humanos… (E assim vai o texto).

1 – Hã? Se homossexualidade não é uma questão de comportamento (interações filogenéticas, ontogenéticas e culturais), ela é o quê?

2 – Dizer que a homossexualidade é uma questão de comportamento (Sd) implica em desrespeito à Resolução CFP Nº 001/1999 (R)?

Jefferson - 13/02/2013 21:32

O que mais me preocupa nessa discussão toda é pensar que grande parte dos argumentos suscitados anteriormente foi feito por psicólogos. Medo!

Luciana Arruda - 13/02/2013 21:46

Olá! o CRP tem um Guia de Recomendações da Prática Profissional, inclusive com cláusulas sobre exposição na Mídia. Eu tenho o meu aqui, atualizado, junto ao Manual de Código de ética. E aí o próprio CRP diz que não pode cassar a licença? Triste, triste. Argumentos fracos e contradições intensas.

O pior de tudo isso é pagar a anuidade absurdamente cara no conselho regional! Conselhos que deveriam lutar pelos direito dos associados e não fazem nada demais… servem apenas de carimbo! Deveriam fiscalizar as irregularidades da nossa profissão, salários atrasados, em déficit nos respectivos dissidios coletivos, enfim… pra mim, tanto o regional como o federal não servem para absolutamente nada, apenas para “enfeitar” uma categoria/classe desunida e covarde!

Fabricio - 13/02/2013 22:01

Eu assisti a entrevista e o que entendi foi que o pastor Malafaia não discrimina o homossexual. Mas sim, através da verdade maior da qual ele acredita, a Bíblia, entende que o homossexualismo não se enquadra como algo aceitável para Deus. A pessoa estaria vivendo em pecado. Coloca então a possibilidade de reorientação sexual o enquadramento do individuo aos preceitos cristãos. Entendi a proposta do pastor e compreendo a sua fé. Tem competência no que faz e defende seus ideais. Só cabe entender que nao precisa falar em nome da psicologia porque não lhe acrescenta em nada, o discurso puro bíblico ja basta para o cristão. Que deus lhe abençoe pastor. Que sua obra em Cristo continue crescendo. Psicólogo Fabricio Renner.

O que mais me chamou atenção nisso tudo é que para defender os direitos humanos de homossexuais referentes a um pronunciamento do pastor psicólogo, pessoas acharam por bem dizerem que os pastores são ladrãoes e corruptos (generalizaram). Não concordo que ele tenha desrrespeitado o próximo, apenas expressou o que diz a bíblia, e para isso não obriga ninguém a mudar de orientação sexual (visto que é uma orientação e demanda escolhas).

Iracema C.B de Lima - 13/02/2013 22:37

Ele diz que não concorda com a homossexualidade. Não concorda ou não aceita?
Discorda de algo que não pode ser discordado.
Como este psicólogo poderá atender e ajudar os homossexuais a terem uma qualidade vida saudável com suas escolhas? Não cabe a nós julgar e sim orientar.

Danielle Rezende - 13/02/2013 22:47

ACHO QUE JÁ ESTÃO RENDENDO MUITA CONVERSA E POUCA AÇÃO. CASSA LOGO ESSE REGISTRO E MOSTREM QUE VOCÊS REALMENTE VALORIZAM NOSSA PROFISSÃO. POR MUITO MENOS, MUITOS COLEGAS PSICÓLOGOS TEM MUITO MAIS PROBLEMAS.

Mauricio - 13/02/2013 22:50

Vi a entrevista em partes, não sou evangélico, vi que o Pr. colocou sua opinião como Pastor. E não como psicólogo CRP número tal. Pergunto, onde está a liberdade de expressão? Ainda quando o mesmo em programa defendeu tratamento psicológico e médico para pessoas em depressão, muito diferente de vários pastores que dizem que a pessoa enferma não precisa de tratamento, o CFP nada fez, nem menção ! Ai pergunto Santo ou Demonio ! A caça as bruxas começou !!!

Mauricio - 13/02/2013 22:53

Nem mesmo o CRM….

nao vale a pena de modo algum ir contra a Palavra de Deus! Se a Palavra diz ser “A”, entao é A e nao B!O resto, veio depois!

Evandro Lui - 13/02/2013 23:15

Chega a ser cômico esse tipo de nota de repúdio. Também chega a ser cômico muitos dos comentários aqui realizados. De acordo com as opiniões, Silas Malafaia é excludente e preconceituoso. Sinceramente, para aquele que assistiu a entrevista citada, é preciso ser muito fanático para concluir isso. Então quer dizer que o cidadão não pode ter uma opinião formada sobre algo? Então quer dizer que o simples fato de ser psicólogo te anula enquanto pessoa e se você tiver qualquer opinião contrária, então será taxado de preconceituoso? O CFP diz que almeja uma sociedade livre de preconceitos. Bem, talvez seja possível isso quando se conseguir excluir a religião da vida da sociedade e os valores que sustentam a vida social (o que eu acho – graças a Deus, impossível). Ora, o simples fato do indivíduo defender suas posições com veemência faz dele um ‘ladrão’, um ‘preconceituoso’? Porque eu nunca vi o CFP publicar uma nota de repúdio contra o Papa e a Igreja Católica? Existe instituição humana maior e mais numerosa que a Igreja Católica que seja DECLARADAMENTE contra o casamento homossexual e uma série de derivações dessa temática? Que parcialidade é essa nos “repúdios” do CFP?

Mais uma prova de que o CFP é uma entidade partidária da “causa gay” e não do respeito ao homossexual, que são duas coisas completamente diferentes. É muito evidente que, cada vez mais, sua intenção é distorcer argumentos e opiniões para que, todo aquele que diz “eu não concordo com o ativismo gay” seja um completo ignorante, preconceituoso e “incitador da violência”. Ora, vamos parar de brincadeira…
Prova disso está no fato de que em nenhum momento, Malafaia sequer citou, mesmo indiretamente, a questão do “tratamento” ou da “cura gay”, como citado. Percebe como a intenção do Conselho é misturar assuntos, incitar informações inverídicas para chegar a conclusões absurdas?

Citou-se que 278 homossexuais foram assassinados em 2011 em função de crimes de homofobia. Ora, para quem assistiu o programa da Marília Gabriela uma semana depois (no último domingo), deve ter visto o ex-secretário de segurança pública Luiz Soares mencionar que 50.000 pessoas são assassinadas por ano no Brasil por diversos motivos. Bem, me parece que 278 pessoas (embora eu não esteja medindo valores humanos, que são imensuráveis, mas comparando dados) quando comparadas a CINQUENTA MIL PESSOAS não representam um percentual tão grande assim, não? Mais uma tentativa de manipulação de dados em prol de uma causa. Quanto partidarismo…

Gente, esse comentário onde foi postado a passagem da biblía sobre homossexualismo diz tudo.
Sou evangélica, sou psicóloga E além de tudo, meu único irmão é Gay, ou seja, posso falar com experiência sobre o assunto.
Somos cristãos acreditamos na Biblia e acreditar na Biblía é acreditar nela TODA e a Biblia condena práticas homossexuais.
E a Biblia é para nós, maior que qualquer ciencia humana.
Se for assim, então nenhum cristão que pratique o cristianismo pode ser psicólogo.
Nós ammamos os homossexuais, só não concordamos com práticas homossexuais.
Além do mais, assim como os homossexuais têm seu direito, nós também temos direito em não concordar, vão nos matar por causa disso?

Juscelino Araújo - 13/02/2013 23:27

Eu não entendo a paranóia do CFP. O Pr. Malafaia apenas exercitou seu direito de livre manifestação do pensamento. Ele não agrediu os homossexuais, mas afirmou que a prática homossexual é comportamental, é uma escolha livre, que pode ser reorientada também por livre escolha. Qual o problema disso? Então, defender essa posição com argumentos razoáveis é preconceito, mas defender o discurso oficial da homossexualidade não é? Combater alguma prática com base na Bíblia é preconceito, mas combater a Bíblia não é? Parece-me dois pesos e duas medidas. Pode-se dizer qualquer coisa a favor da prática homossexual e tudo bem, mas se for contra, então é preconceito? Agora querem queimar o homem na fogueira disciplinar do CFP. E essa fúria, esse ódio de muitos (inclusive de profissionais da psicologia) é o quê? No mínimo, neurose em grau elevado.

Monica Leite - 13/02/2013 23:34

Sou psicóloga com muito orgulho, amo a minha profissão, procuro seguir de forma ética todas as legislações que regulamentam a nossa profissão e as lutas humanas da psicologia. Sempre exercerei a minha profissão com seriedade e ética. Também sou cristã, amo Jesus e a Bíblia, e sempre honrarei seus ensinamentos, nenhum cristão maduro na fé e ciência bíblica despreza ou desrespeita os homossexuais, pois nossa lei maior, a palavra de Deus, é o amor e a tolerância, é isto que a maioria de nós cristãos temos praticados. Todos podem falar sobre tudo no Brasil, zuar, xingar, desrespeitar, as autoridades e pessoas em geral, e todo mundo ri, e vai na onda, mas é só um cristão bem informado dizer que é contra a PL122, e não contra os homossexuais, que muitos começam a se manifestar com mentiras e discursos confusos e absurdos. O Pastor e Psicólogo (doa a quem doer ele é psicólogo, e ninguém é cassado porque pensa!) Silas Malafaia, ama e respeita os homossexuais, e afirmou várias vezes isto, e nunca afirmou que como psicólogo ele quer a cura dos homossexuais, disse apenas que aqueles que querem mudar sua orientação devem ser respeitados, ouvidos e acolhidos. Concordo com o Pastor Silas, sim os homossexuais merecem ser respeitados como todos os cidadãos, pois isto é garantia constitucional (a CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA defende a todos como cidadãos, independente da raça, cor, sexo, etnia, preferência sexual, filosofia, religião etc..). Assim como todos os cidadãos, os homossexuais podem procurar psicólogos e levar ao consultório clinico as queixas que quiserem e devem ser acolhidos e respeitados em suas decisões não importa qual seja. Vamos parar de hipocrisia, a maioria dos psicólogos tem suas crenças e religião, e isto nunca os impediu de ser um profissional ético e comprometido com a vida e direitos humanos. É simples é só CRP fiscalizar as praticas clinicas e vamos ver o que de fato aparece, evidências meus caros, evidências. Mas é só um cristão com coragem e bem informado aparecer na mídia e falar sobre sua fé que já é visto como homofóbico, pra quem estuda um pouquinho sabe que fobias são medos irracionais, é patologia e os cristão maduros não são doentes, apenas expressam seu direito de cidadão e expor o que pensa da questão. Então vamos falar dos CRISTOFÓBICOS também? Que democracia é esta? Que direitos humanos são estes? Ah! Vamos queimar os livros de FREUD também? Que diversidade é estas que esta sendo proclamada? Com respeito aos meus colegas que levam a sério a profissão e as pessoas das religiões, estou farta dos muitos ISMOS.

Lucas Hellen - 13/02/2013 23:36

Não aceito o CFP falar em meu nome sem me ouvir, sou psicólogo e não acredito na homossexualidade como um fator inato e não me lembro de nenhum fórum sobre o assunto aqui na minha região. A homossexualidade é comportamental, não existem provas científicas que defendam ela como inato. Considero esses ataques, por sinal, bem violentos, a um homem que se mostra contrário a posições e conceitos de uma minoria, muito agressivos e desnecessários. CFP tenho vergonha da sua parcialidade sobre o assunto tendo em vista que muitos profissionais não comunga com isso. Vocês falam em meu nome e não me escutam sobre o que penso, não só a mim, mas a muitos colegas. Vocês estão nos marginalizando por pensar diferente. Leiam os comentário acima e veja que um ex-homossexual afirma estar reorientado e hoje é hétero, agora me expliquem isso.

Julio Santos - 13/02/2013 23:37

Eu acho que assim como o conselho de psicologia defende o direito de fazerem sexo da forma como as pessoas bem entenderem deveriam também defender a liberdade de opinião!Vamos lá:
O conselho de psicologia deve representar os psicólogos é isso?Deve para a categoria algumas explicações!O pensamento do conselho representa a opinião da maioria dos profissionais???
Penso que não deve ser feito uso politico ideológico como já aconteceu de o conselho apoiar a eleição de determinada candidata sem perguntar antes para os trabalhadores da categoria nada e agindo de forma ditatorial!Respeitem a opinião dos psicólogos ao invés de tentarem impor o que um grupo esta decidindo pela maioria!Não esqueçam: haverão eleições!Conclamo aos colegas : vamos montar chapa nova e que seja verdadeiramente democrática!

Leon Alcides - 13/02/2013 23:37

Cassaçao de Silas é um piada.Todo o ser humano tem o direito de defende sua tese,a opiniao de Silas sobre os homossexuais, é um comportamendo formado e pode ser mudado (para aqueles que querem.)Obs:Silas prova sua tese como ciencias.Bom psicologia é ciencia.

os conselhos ou ordens, não existem senão para, em primeiro lugar, manter burocratas às custas de taxas pagas por quem trabalha; em seguida, para defender interesses corporativistas às custas dos desempregados. Não defendem a sociedade que os carrega como um fardo e, pior, trabalham contra ela.
KLAUBER CRISTOFEN PIRES

acho ridículo qdo o texto q o conselho divulga coloque os “termos: psicólogas (os). É só pra mostrar que são diferentes, que aqui as mulheres vem primeiros que os homens, isto é totalmente preconceituoso, além do mais escrever psicólogos, não se refere ao macho da espécie humana sim ambos os sexos, o chamado comum de dois gêneros. Vocês fazem pose de “santos” mas são tão preconceituosos ou até mais do que esse tal Malafaia…

Evandro Lui - 13/02/2013 23:56

Só mais um detalhe, deixo o meu e-mail para qualquer um que quiser discutir separadamente sobre o assunto: evandrolui@hotmail.com.

Aqui tem muito comentário estranho, muita gente falando besteira e um tanto ainda maior de profissionais da Psicologia que são meros propagadores do partidarismo ideológico do sumo e supremo sacerdócio do CFP.

martins - 14/02/2013 0:01

Em relação ao tal geneticista, muitos da Web já estào provando o quanto ele está errado, só pra começar, o cara é defensor da causa gay, segue o link :”http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/13850-malafaia-versus-gabi-a-loura-perdeu.html

Rodrigo Mello - 14/02/2013 1:00

Sou psicólogo. Sou graduado em Psicologia… Sou Especialista em Direitos Humanos… Sou Mestre em Psicologia… E sou doutorando em Psicologia, também. Além de psicólogo, sou um cientista.

E, na minha absoluta liberdade que tenho, como cidadão, e pela liberdade intelectual e seriedade com o que faço, além de minha liberdade como um livre estudioso e praticante da psicologia, sou ABSOLUTAMENTE CONTRÁRIO a esta orientação militante do CFP, que tem mais compromisso com a militância de movimentos sociais de orientação materialista e revolucionária, do que com o espírito cientista, do livre pensar e do livre expressar-se, além do que não atende as expectativas de muitos psicólogos sérios deste país.

Essa, como muitas outras posições do CFP, é a minha posição (E EU SOU PSICÓLOGO!). Não me sinto contemplado nela, e acho um desserviço do CFP a Psicologia esse tipo de expediente! O CFP tem o meu REPÚDIO! O CFP tem o poio, em larga escala, dos movimentos gay, negro, feminista, contrários, inclusive, a livre investigação científica (que não seja a ciência que os movimentos anteriormente citados digam que é ciência – pois até isso, os movimentos sociais querem dizer o que é e o que não é ciência).

É uma lástima esse CFP! TEM O MEU REPÚDIO!

Sabe quando é que a ciência vai provar que homosexualidade é genética? NUNCA
Sexualidade é comportamento e pode ser reorientado sim. E tem mais, Silas Malafaia fala como pastor e fala com base na biblia. Quando CFP fala que Silas é Homofóbico,é como se estivesse dizendo que a bíblia também é um livro homofóbico. VERGONHA ALHEIA, CFP.

Rodrigo Mello - 14/02/2013 1:02

Repito: ESSA POSIÇÃO DO CFP, COMO TANTAS OUTRAS, NÃO É, NUNCA FOI E NUNCA SERÁ A MINHA POSIÇÃO COMO PSICÓLOGO.

A PL122 ainda nem foi aprovada e já estão querendo impedir o direito da liberdade de expressão de um cidadão!? Ele não tem preconceito, tem sim um conceito formado. Ele nao é homofobico, é apenas mais um q nao está de acordo com uma lei q beneficia uma pequena parcela da sociedade…somos iguais, portanto a lei deve ser a mesma tanto para um agressor de um hossexual quanto para um agressor de um branco, negro, seja esse homem, mulher, criança ou idoso.

Concordo inteiramente com Rodrigo. Parabéns pelas palavras.

É realmente lamentável e repugnante tantos comentários preconceituosos a respeito do pastor, advindos de meus colegas psicólogos.

Negro, branco,estrangeiro, pastor, padre, homossexual, idoso… ABSOLUTAMENTE TODOS SÃO IGUAIS!! E MERECEM RESPEITO.

Como DIREITO HUMANO BÁSICO,TODOS PODEM EXPRESSAR SUAS IDÉIAS E POSICIONAMENTOS. Ou estamos formando uma ditadura do pensar? Somente a grande massa social está correta e pode manifestar-se?

DISCORDAR NÃO É DESRESPEITAR. É PURA E SIMPLESMENTE TER A CONDIÇÃO DE EXPRESSÃO, TÃO IGUAL AOS DEMAIS.

Esse tipo de atitude fere inclusive um princípio aprendido na vida e nas faculdades de Psicologia!RESPEITO AO OUTRO E AO DIREITO DE O OUTRO NÃO SER IGUAL.

Sinceramente espero que o CFP repense!!! Que não distorça as palavras de alguém que é humano, que é livre, que pode se expressar, tanto quanto os homossexuais.

Espero que meus colegas repensem para qual profissão se formaram e a serviço de quem realmente querem contribuir. Uma idéia ou uma vida de um ser humano?

Sou contra a cassação do CRP do Silas. Falamos de direitos humanos, mas onde está a liberdade de opinião? O CFP tem se mostrado partidarista e inclusive outros psicólogos que chegam a chamar o pastor de canalha ou lixo. Todos devem ser respeitados. Respeitar significa amar a todos e tratar com dignidade, não significa aceitar suas práticas.

É triste perceber que as ideias nazistas e homofóbicas de Silas Malafaia representa o pensamento de muitas pessoas, até aqui mesmo na discussão. Vamos lutar por um país em que possa haver a diversidade de formas de expressão ou vamos voltar à Idade Média?

Aline Cordero - 14/02/2013 7:04

É importante analisarmos a situação do seguinte ponto de vista: O Silas Malafaia não foi ao programa como Psicólogo e sim como Pastor, acredito que ele não exerça a profissão, já que dedica todo seu tempo á sua pregação. Não sou evangélica, mas tenho ciência do conteúdo da PL 122. Antes de pedir cassação do CRP, que ele nem deve usar, vocês já leram as mudanças propostas pela PL 122 na nossa cultura e formação social? Leiam o absurdo desse Projeto de Lei e depois comentem! Inclusive é importante afirmar que se os Gays querem igualdade tudo bem, mas porque deveriam ter mais direitos e serem mais protegidos que o resto da população? Vamos refletir galera!

Alann Oliveira - 14/02/2013 7:43

Como é triste ver toda essa repertcussão que houve sobre o refereido assunto. Sou psicólogo e Cristão e acredito que os dois podem andar lado a lado. Acho que antes de alguém criticar outro, é necessario que o mesmo tenha conhecimento do todo. É muito fácil criticar os evangelicos sem ao menos conhecer o que pregramas, no que estamos fundamentados.
Acho que a PL 122, é um sufoco a liberdade de expressão sim! E uma coisa eu queria saber: “Por que ninguém falou sobre o que o Pr. Silas Malafaia disse em relação do DIREITO da pessoa homessexual procurar um psicólogo para ser “curado”? Nosso paciente não tem tal direito? Por que devemos fazer acreditar que não há possiblidade de não ser?

Agora fica a última pergunta:”O Silas não pode discordar da prática homossexual?”. Sei que toda discordancia de pensamento pode haver grandes repercussão, mas querer uma Lei propria para calar outras pessoas pode ser pior ainda! Qualquer discriminação é crime; qualquer, inclusive para com os homossexuais.

“bandeiras levantadas” pelo CFP = ideologia. Assim, perde a credibilidade…lamentável esse CFP

Edson Ferreira - 14/02/2013 7:48

Bom dia,

Infelizmente, meu sentimento de desapontamento supera o de satisfação.

Fico satisfeito quando leio tal nota de repudio e como são extremamente coerêntes os posicionamentos do CFP. Realmente condizem com uma pratica ética e Humana. Parabens!

Porem desapontado, ao ler alguns comentarios de colegas e perceber que ainda existe tanta desinformação e preconceito, aspectos estes que ao meu ver revelam muito mais de quem os relatam, do que de fato sobre as problematicas relacionadas.

Desapontado tambem por perceber que provavelmente nenhuma punição recebera este senhor. Me pergunto:
“Realmente tem alguem aqui que acredita que esta nota de repudio seja capaz de alcançar 1% da população que foi quase que instigada a odiar os Homosexuais?” Este senhor foi a publico, se respaldando por uma Ciencia que no Brasil é representada pelo CFP, que se posiciona totalmente contrario a suas afirmações, e o que este conselho faz é uma nota de repudio? Quantas pessoas vão de fato ler isso?

O que é preciso fazer para o que o registro deste senhor seja caçado? Quantas assinaturas? É necessario abrir processo? Eu como um mero Psicólogo recem formado, atuante do Sistema Prisional, posso abrir um Processo contra este senhor? O que preciso fazer? Sera que o CFP tem medo de alguma coisa? Por favor, me respondam estas questões, pois de fato acredito estar mais do que desapontado… estou tambem indignado.

Fico no aguardo.
Desde já agradeço.
Obrigado.

Graziela - 14/02/2013 8:08

Ele não falou em nenhum momento sobre a falta dos direitos aos homossexuais, ele está fazendo uma crítica clara, científica e esclarecida a respeito da lei que PRIVILEGIA os homossexuais, vamos parar com essa dirtorção ridícula, por favor. A sociedade precisa ter limites, esse ”psicilogismo” tem nos levado ao caos, e nao estou falando das pessoas que optam por se relacionarem por pessoas do mesmo sexo, é em tudo. Os pais estão confusos quando a educarem seus filhos porque a psicologia do pode tudo diz que eles vão ficar traumatizados.. Por favor vamos acordar e parar com isso que querer ser a profissão boazinha que preza pelos direitos de todos, é direito do cidadão ter noção dos limites, respeito… Cassar o CFP do Silas é um ato de ignorância contraditório ao que se prega, ele jamais falou que é contra o ser humano, ele é contra a prática, nossa o homem é claro, pra que distorcer, coisa infundada… O CFP repudia, faça-me o favor, vamos lutar por causas que precisam mais de nós…

Paulo Azevedo - 14/02/2013 8:17

Caríssimos Senhores, estou meio aturdido com tanta revolta. O Pr. Silas Malafaia foi a público a convite do SBT para expor seus pensamentos como Pastor. Os pastores seguem a Bíblia e a Bíblia diz que Homossexualidade ou homossexualismo, como queiram, é pecado. Os evangélicos não excluem os homossexuais, só defendem de que como todo pecado os praticantes tenham o direito de se arrepender e mudar o seu comportamento. Acredito que este manifesto do CFP é tendencioso e só olha o interesse de um grupo em especial. Em nenhum momento contemplei na reportagem O Pastor promovendo a violência contra esse seguimento social. o fato de não concordar com um time de futebol jamais me dará o direito de agredir seus torcedores, se o fizer tenho que experimentar o rigor da lei. Minha defesa assim como a do pastor Silas é termos o direito de continuar dizendo que achamos errado mas nunca agrediremos alguém por agir assim. Conheço muitos homossexuais que buscaram e buscam orientação por isso nunca poderei concordar com o CFP quanto a proibição de seus profissionais a ajudar essa parcela da sociedade. Essas pessoas que desejam ser orientadas, são seres humanos também e estão sendo privados de ajuda profissional por um conselho que tem se posicionado tendenciosamente.

Carolina - 14/02/2013 8:19

Falou tudo Rodrigo Mello.

Também sou psicóloga e sou totalmente contra esta posição do CFP.

Gostaria de dizer também que o Pastor Sillas Malafaia é um dos homens usados por Deus, um homem sábio em todas as suas palavras. Como cristã digo que Deus fez o homem para a mulher e qualquer distorção, já está fora dos preceitos bíblicos, ensinados e deixados pelo nosso senhor Jesus Cristo.

O Silas como um pastor, tem todo o direito de expor a sua opnião quanto ao assunto. Aonde está o direito garantido na nossa constituição de livre manifestção do PENSAMENTO ??? Ele tem o direito de falar sim.

Em Genesys.1:27 temos o conceito bíblico fundamental da pessoa humana e de seu valor: homem/mulher feitos “ à imagem e semelhança de Deus ”. Deus deixou algo de si no ser humano, o que dá a este uma dignidade especial.

Homem e mulher, como a Trindade, são iguais e, ao mesmo tempo, diferentes. Essa igualdade e diferença simultâneas é que permite a eles uma relação sem fusão, uma intimidade sem perda de identidade, uma aproximação, mas ao mesmo tempo, o direito ao espaço psicossocial e espiritual para crescer.

Digo que é possível sim, reorientar um Homosexual, o homossexualismo é sim um desvio da conduta humana, um comportamento aprendido erroneamente, ninguém nasce homossexual, conheço vários ex homessexuais que se reorientaram.

Pastor Silas … nunca deixe de dizer a verdade, pois a verdade libertará!!!

Rodrigo Antonio da Silva - 14/02/2013 8:36

Não concordo com as teses do pastor, mas também é absurda essa censura do Conselho Federal de Psicologia, que assim desrespeita profundamente a liberdade de pensamento da comunidade evangélica. Penso até em não aceitar me registar nessa entidade ao terminar meu curso de Psicologia. O CFP se tornou um antro de intolerância e incompetência administrativa. Lamentavelmente.

Jadiel Andrade - 14/02/2013 9:00

É trite ver profissionais de uma ciência tão importante se degladiando! Com posicionamentos ideológicos partidários que não representa o anseio geral da sociedade.Querem criar mais preconceitos? Querem suscitar mais contendas entre os grupos ideológicos? Chega a ser patético ver psicólogos tomando as dores de quem quer que seja com total parcialidade e pessoalidade. Com o discurso de Direitos Humanos, mas em detrimento do direito de opinião da “PESSOA”. Inclusive com distorções. Isso é uma incoerência que se constitui um desrespeito. Manisfestos e opiniões tendenciosas não merecem crédito!!! Compartilho da opinião de vários colegas que o CFP fez declarações tendenciosas. O CFP deve, no que lhe cabe legalmente, cuidar dos interesses da classe no GERAL e não ficar entrando em “brigas” patidárias seja de quem for. As colocações do CFP não coadunam com as opiões de muitos psicólogos. Isso chega a ser ultrajante para a consciência de um psicólogo que deseja ser imparcial e impessoal, que visa tão somente fazer uso da pisicologia sem desrespeitar a opinião de qualquer pessoa ou grupo. Respeito às pessoas e à manutenção do direito de opinião JÀ; Respeito aos direitos Humanos de verdade, Já!!!

Rodrigo Mello acredito que você conheça o site midia sem mascaras, tudo o que você escreveu corrobora para pessoas esclarecidas e que visam a seriedade com que a pratica psicológica precisa ser levada, tomem mais coragem para enfrentar este verdadeiro cartel que são os conselhos.
OBS: o meu comentário está sob verificação de moderação, onde está a democracia neste país???
Publiquem!!!

Vinicius Mota - 14/02/2013 9:12

Uma pena Rodrigo Mello, saber que tenho o disprazer em ter como colega de profissão uma pessoa tão graduada, conceituada e ridicula.
Ainda bem que pelo menos isso o CRP faz de bom, ja que outras milhares de “militâncias” que eles deveriam ter, principalmente pela classe, não as tem.

Rodrigo Mello li seu artigo no mídia sem mascaras, excelente!!!

Gustavo Oliveira - 14/02/2013 9:20

Concordo com o comentário acima do Rodrigo Mello. Sou totalmente contrário à atuação do CFP nessa questão, tendo em vista que nos subterrâneos das doutrinas de regimes totalitários (Marxista-comunista), registra-se claramente a participação de ilustres nomes da psicologia, desde muito tempo, todos alinhados com as determinações dos “Cadernos de Cárcere” concebido por Antonio Gramsci – italiano e comunista e que tornou manual de cabeceira das práticas comunistas que tem “os gays” como bola da vez das minorias (veja pág 103 – Livro: O eixo do mal latino-americano e a nova ordem mundial – Autor: Heitor de Paola – Ed. É Realizações) sendo, portanto, alvo de proteção por entidades
públicas e privadas (Ongs,etc)dai gerando um cabedal de Leis esdrúxulas em detrimento de outras necessidades dos brasileiros. A Resolução 001/99 do CFP, por si só AVILTA e CERCEIA a Constitucionalidade Brasileira, no tocante a liberdade do profissional de psicologia, tornando-o “discriminado” na própria categoria, face não aceitar a proposição da mesma que denota claramente certo “corporativismo”ou seja, sua proposição que atende a interesses da categoria profisioal, travestido de direitos humanos perante a sociedade.É a psicologia + uma vez a serviço de ideologia…quanta decepção. Para mim é claro a questão: homossexualidade… se o cidadão quer ter este “comportamento” que o tenha sob riscos próprios da “escolha” NÃO NECESSITANDO DE LEIS QUE GARANTA SUA OPÇÃO, pois outras questões jazem nos palácios governamentais sem nenhuma resolução eficaz.
Por fim, tanto o CFP e demais simpatizantes arvorados em defesa do segmento focado, deveriam reconhecer que isso é uma que “hipocrisia”…
O Dep. Federal João Campos (PSDB-GO) está no caminho certo e essa Resolução 001/99 nunca deveria ter sido concebida no palácio dos “saberes psicológicos” e tem o meu velado e eterno protesto.

Vanessa - 14/02/2013 9:27

Me ENVERGONHO dos psicólogos que não têm capacidade de raciocínio, reflexão e formação dos próprios conceitos .. que não conseguem criar algo e somente reproduzir conceitos e opiniões .. que falam de preconceito e violência, (sem ao menos refletir se realmente houve algum) quando sua própria forma de expressão é respondendo à opinião do outro (que ao meu ver é direito dele) com violência verbal e preconceito … Muita gente falando besteira… a maioria das pessoas aqui quando começou assistiu a entrevista ja teve uma escuta tendenciosa, pois algumas pessoas falaram de coisas que eu não ouvi ninguem falar na entrevista.. portanto… cuidado.. a escuta é importante para um psicólogo. Decepção…

Jason Ben King - 14/02/2013 9:31

Preconceito, discriminação, marcação e absolutismo é o que pretende o CFP com a intenção de “escalpelar” o Pastor Silas Malafaia, juntamente com defensores dessa prática antinatural,doentia,ignominiosa e degradante da prática homossexual.
A não ser que os “senhores que se dizem representar o CFP” sejam surdos,gostaria de salientar que em nenhum momento o Pastor incentivou a homofobia ou depreciação da pessoa do homossexual.
Homofobia, senhores “surdos e caolhos”, não é ter pensamento contrário à prática homossexual, mas, sim, não só incentivar mas também participar de repressão e qualquer tipo de ação (não pensamento) que agrida a pessoa do praticante.
Por acaso, vocês todos que se manifestam contrários ao Pastor, são obrigados a participarem da sua igreja?
Não tem vocês, psicólogos, o direito de crer no que querem?
Porque vocês querem tolher “na marra”, o direito constitucional de opinião do referido Pastor?
Que tipo de tratamento vocês querem incutir nos vossos pacientes? Apenas o a opinião de vocês?
Assim como vocês, que usam do direito inato de se antipatizarem com o Pastor,por acaso, ele não tem o mesmíssimo direito de ser contrário a esta prática?
Não provou ele que não há carga genética que “obrigue” o ser humano a conduzir-se homossexualmente?
O que o CFP quer, na realidade, é abafar o Pastor, que assim como Jesus, criticava a hipocrisia farisaica mas, amava-os como seres humanos, ao ponto de dar Sua vida por eles.
Não é esta a postura do Pastor Silas?

Jason Ben King - 14/02/2013 9:42

PARABÉNS, RODRIGO MELLO!
Lamentavelmente, é esta a imagem que esses ditos”psicólogos” e defensores do direitos (deles) humanos, querem colocar goela abaixo, emburrecendo a população brasileira.
MERECES UMA ESTÁTUA, PELA CLAREZA E CONTEÚDO DE TUAS COLOCAÇÕES, ainda mais quando parte de pessoa abalizada, como é o teu caso, um FUTURO DOUTOR EM PSICOLOGIA.

Glencir - 14/02/2013 9:56

Li, todos os comentários que me foram possíveis e, tenho tentado compreender as razões que cada comentarista teve para expressar o seu ponto de vista. Creio que isso poderá, de alguma forma, acrescentar-me em quanto pessoa humana. Cada um que se posicionou o fez defendendo o seu ponto de vista pessoal, único, individual, e de sua inteira e exclusiva responsabilidade. Pensando nisso, não há como eu não concordar com o comentário do Rodrigo de Mello, no que diz respeito ao CFP. O CFP não é um indivíduo, suas posições não são pessoais, seus pronunciamentos não são a expressão das idéias ou das vontades de uma única pessoa. Portanto, temo quando uma instituição coletiva se posiciona e manifesta o seu parecer publicamente a respeito de qualquer assunto sem antes ter se reportado aos seus componentes e representados pela mesma, ouvindo e pensando o que de fato pensam. Nos próprios comentários aqui contidos, é possível identificar profissionais da área Psi, com posicionamento profundamente divergentes a respeito da nota emitida pelo CFP, e do assunto motivador da nota, o que denota não haver unanimidade de pensamento entre a classe. Portanto, sugiro que o CFP, bem como, os CRP´s, dediquem-se, urgentemente, inicar debates internos, entre os seus representados, a fim de construírem um conjunto de posicionamentos a respeito dos diversos assuntos aos quais vêm sendo, ou possam vir ser chamados a emitir, que contemple a visão de no mínimo, a maioria dos representados. Isso sob risco da legitimidade de tais instituições representarem o pensamento coletivo da profissão (tanto no aspecto pessoal, social e científico) virem a ser questionada, desacretidada e rejeitada.

CFP tem meu apoio, muito sensato em deixar claro que é somente uma manifestação de conduta, já que é um psicólogo (que usa este título no discurso) x mídia x psicologia.
Acho realmente triste para não dizer “deprimente”, colegas de profissão mantendo um mecanismo de defesa tão grande em torno da questão. A ciência humana é algo mutável (o próprio homem é mutável), se alguém tiver dúvidas disso rasguem seus diplomas, qualquer “verdade absoluta” posterior a isso, nada mais é do que pseudociência camuflada/mediada por “valores”.
Há os que trazem dados afirmando uma tese e outros com os mesmos dados na contramão, ou seja, não há verdades absolutas, cada “profissional” narcisista que busca seus minutos de ser “deus” querendo ditar sobre o que deve ser o outro, só olha ou escolhe a que lhe convém diante de tais pesquisas, a fim de respaldar sua incapacidade de lidar com questões sexuais que (normalmente) se espelham entre outros indivíduos, e em nome de uma “ciência” buscam citações para tolher o desejo do outro (o outro?). Qual a diferença entre alguém que usa o nome de um deus e o que utiliza a ciência para coibir o outro? Escancaradas, ditadoras ou sutis (para não pegar tão mal), as motivações subjetivas provavelmente serão as mesmas (alienadas/alienáveis),
Quem está incomodado com o posicionamento do CFP dizendo: “como o CFP fala por mim se eu concordo/discordo e etc.”, entenda que, o CFP não é a voz “subjetiva” do psicólogo emaranhado em suas posições de cunho pessoal, o CFP articula com a ética e não com a moral que cada psicólogo pode ter fora da sua prática de trabalho (ou alguém aqui faltou nestas aulas?).
E se fosse uma “verdade absoluta” que é “anormal” cientificamente? A espécie tem que ser todas iguais corpo/mente/ “espírito”? Se não traz riscos a vida do indivíduo, não ameaça a vida do outro, qual é o motivo de acharmos que tem de mudar/“curar”? Umbiguismo? Todos da face da terra têm de ser igual a nossa belíssima semelhança? Estudar bastante me faz sofrer além do prazer dos resultados, mas se eu banco este sofrimento em prol do meu prazer, qual o motivo de alguém me tolher dos estudos? Ou seja, nem o sofrimento possível que as conseqüências da homossexualidade podem trazer não nos diz respeito, o outro é que tem de querer, não cabe a nós (profissionais) como juízes da vida alheia, muito menos utilizar recursos retóricos (científicos ou não). Na mesa de bar, em casa etc. é problema de cada um com seus valores, recalques e etc., mas um formador de opinião que utiliza um slogan de psicólogo para contribuir na persuasão do seu discurso, e estando errado ou não, os colegas aplaudirem de pé este ato antiético em nome da moral pessoal, é no mínimo vergonhoso para os que estão atentos com a profissão e a ética.
Deveria ser obrigatório fazer análise pessoal antes de querer exercer a profissão, isso não exime ao erro da projeção/transferência mas no mínimo diminuiría tanta confusão de conceitos científicos x morais x vivências subjetivas. Sei que obrigar é termo radical demais, mas tem momentos que cansa acompanhar tanto lapso.

Andréa Vilela - 14/02/2013 10:13

É por isso que muitas vezes a religião foge da razão…

Após ler os comentários aqui postados acredito que a ciência é feita deste modo, com opiniões contrarias e a favor, porém tenho o dever de me colocar enquanto Psicólogo e Cristão que sou, já que estão indo por este caminho e preciso defender o que acredito. Quando digo que sou Cristão eu sigo a Jesus Cristo, que nos ensinou a lei do amor.
O Pastor Silas Malafaia que se diz Cristão não o é de fato, pois se baseia em leis da bíblia antes de Jesus (antigo testamento, que Jesus por sua vez veio nos libertar de algumas passagens que não condiziam com a realidade se assim continuasse estaríamos apedrejando até os dias atuais a mulheres adulteras como dizia no velho testamento, estaríamos escravizando pessoas como era permitido, estaríamos sacrificando animais, estaríamos matando quem estivesse pecando entre outras aberrações ).
Alguns aqui ainda defendem o livre direito que o Pastor tem de se colocar. Vamos lá então, assim como Adolf Hitler que era do partido Nazista onde:
“As suas teses racistas e anti-semitas, assim como os seus objectivos para a Alemanha ficaram patentes no seu livro de 1924, Mein Kampf(Minha luta). Documentos apresentados durante o Julgamento de Nuremberg indicam que, no período em que Adolf Hitler esteve no poder, grupos minoritários considerados indesejados – tais como Testemunhas de Jeová, eslavos, poloneses, ciganos, homossexuais, deficientes físicos e mentais, e judeus – foram perseguidos no que se tornou conhecido como Holocausto. A maioria dos historiadores admite que a maior parte dos perseguidos foi submetida a Solução Final, enquanto certos seres humanos foram usados em experimentos médicos ou militares.” (http://pt.wikipedia.org/wiki/Adolf_Hitler)
Ele realmente tem o direito de se colocar contra qualquer grupo? Eles tem ainda mais o direito de influenciar aqueles que o seguem de forma errônea se apoiando em textos que foram mostrado por Jesus que estavam errados? Sim porque ele se diz Cristão e até onde eu sei Jesus ensina a lei do Amor:
” ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’.
Não julgueis, pois, para não serdes julgados; porque com o juízo que julgardes os outros, sereis julgados; e com a medida com que medirdes, vos medirão também a vós. (Mateus, VII: 1-2).
Os nazista tinham esse direito? mataram mais de seis milhões de pessoas, seres humanos como nos mas que eles achavam que eram inferiores a eles.
Fica aqui meu pensamento contra esse Falso Profeta, Nazista e Falso Psicólogo que esta em desacordo com o que é ser um profissional que luta pelo bem estar social.
Cassação do CRP dele já, para que ele nunca mais manche o nome de nos verdadeiros Psicólogos.

O CFP não respeita a liberdade de expressão religiosa… Na Bíblia homossexualismo é pecado e ponto.A maioria da liderança da Psicologia é homossexual e querem impor sua forma de pensar. A PL 122 quer proibir os cristãos de falar que a homossexualismo é pecado, como assim??? e a liberdade. Esse artigo é totalmente tendencioso e preconceituoso, não há forma de cassar o registro do Pr. Silas, porque ele não infringe nenhum artigo do código de ética ou Constituição. Vamos lutar pela igualdade e não Partidarismo Gay…

Priscila - 14/02/2013 10:21

Concordo plenamente com o Berg, ninguém é obrigado a aceitar tal escolha , mas é preciso haver respeito, sem violência, todos são seres humanos. O Pastor Silas colocou a opinião dele como ser humano, e isso precisa ser respeitado. È muita ignorância não respeitar a opinião dele, não é porque é psicólogo que não vai ter opinião própria, lembrando que os valores de uma pessoa começaram a serem construídos lá na infância.

Mônica Pinho - 14/02/2013 10:24

Ele falou à luz da bíblia, como cristão, e lá está bem claro que a prática homossexual é pecado e ele não está exercendo a profissão, eu além de psicóloga sou cristã evangélica! Cadê a liberdade de expressão???

Eu sou judeu praticante tenho minhas raizes morais e eticas ligadas as sagradas escriturasligadas , sou psicologo e sou contra a lei PL 22 e não contra a prtaica homossexual, a lei PL 22 impede que as igrejas exercam a livre expressão e pensamento de se manifestarem em publicos seus repudios e dogmas,o malafaia se manifestou exercendo seu direito de cidadão e pastor afinal somos um pais laico! Eu repudio na minha regilião a pratica homossexual, mas no consultorio tenho que deixar meu lado religioso de lado e ajudar o homossexual em suas angustias, eu em publico não como psicologo posso me manifestar abertamente contra a pratica! Apoio o malafaia em seu discurso pois temos nossa religião e defendemos nossos costumes doutrinarios!

Bitencourt - 14/02/2013 10:35

“Antigamente o homossexualismo era proibido no Brasil. Depois passou a ser tolerado. Hoje é aceito como coisa normal. Eu vou-me embora antes que passe a ser obrigatório.”

Arnaldo Jabor

Acredito que o Conselho precisa agir com firmeza nesta situação. Não devemos deixar que a crença religiosa pessoal do pastor Silas Malafaia, passem uma imagem errada do trabalho da psicologia….

Werner Braga - 14/02/2013 10:51

Em primeiro lugar creio ser pertinente esclarecer um ponto: Homossexualismo não é comportamento. O comportamento do indivíduo homossexual apenas tipifica sua homossexualidade. A homossexualidade é uma identificação sexual involuntária o que não pode ser caracterizado como doença ou como distúrbio de comportamento, mas simplesmente como uma identificação involuntária e espontânea. Não vou abordar a questão sob a ótica de ser natural ou não, nem de ser religiosamente aceita ou não, uma vez que psicologia é ciência e não religião.
Quanto a um suposto processo de “tratamento” ou “apoio psicológico” a que deseja deixar de ser homossexual, é balela. O indivíduo que reorienta sua identificação sexual o faz de modo espontâneo e involuntário, o que dispensa qualquer apoio especializado, ficando a critério da pessoa apenas a possibilidade de buscar apoio para alguma readaptação, caso necessite. Entretanto eu nunca conheci alguém que se considerasse um(a) ex-homossexual, até porque o processo de identificação sexual involuntária só acontece uma vez na vida.
Quanto ao tal pastor, certamente se colocou como pastor religioso e não como psicólogo. Se sua fala foi baseada em dogmas religiosos, não deve ser considerada por nós psicólogos; se por outro lado foi baseada na psicologia, então o pastor demonstrou publicamente seu despreparo técnico-teórico e sua incompetência como pretenso psicólogo.
Abraços a todos(as).

Sou evangélica e não achei nada ético o CRP se “posicionar” sobre a tal entrevista. O pastor estava ali a falar sobre sua crença, pois é um ser humano, e psicólogo também é gente e tem direito a escolha religiosa. A crença de que o homossexualismo está fora dos preceitos bíblicos é um DIREITO garantido pela constituição brasileira a qualquer brasileiro e psicóloga, pois se insere na esfera religiosa, e não científica. Daqui a pouco evangélico não poderá ser psicólogo. 30 milhões de brasileiros creem que homossexualismo não é um comportamento que agrada a Deus, e isso não significa ofender, e sim discordar do comportamento homossexual. Discordar não é crime. A manifestação de repúdio as colocações do pastor fere o direito do livre pensamento e da livre crença. Há outros assuntos BEM mais relevantes com os quais o CFP poderia se preocupar de se posicionar, como por exemplo sobre as atribuições do psicólogo credenciado as planos de saúde, pois os mesmos pensam que nossa única atividade é a psicoterapia, sequer há uma tabela de remuneração diferenciada quanto a isso. E não venham dizer que isso é problema do sindicato. Sinceramente estou decepcionada com o CFP.

Gustavo Oliveira - 14/02/2013 11:04

Tiago, seu nome é Bíblico, porém sua “atitude” ainda precisa ser lapidada, desenvolvida com a VERDADE que o próprio Jesus Cristo legou-nos em Sua Palavra, portanto, o Pr. Silas Malafaia defende essa VERDADE e assim, digo-lhe “se não está conosco nessa VERDADE, estás contra nós…reflita.Devemos AMAR O GAY,como ser humano que é, porém, seu “comportamento” é abominável aos olhos do Senhor Deus, sendo assim, não devemos aceitar como “normalidade” de vida.
Sou Psicólogo e também Cristão.
Pelo visto em suas palavras, Você concorda com a Resolução 001/99.

Laís Brito Pimentel - 14/02/2013 11:28

Não é possível que esse senhor ainda tenha registro. Até porque acredito que ele não clinique com tanto dinheiro proveniente da igreja. Que tal caçar o diploma já que o comportamento dele não condiz com os uma vez jurados quando colamos grau?

Att.

Denis Mantovani - 14/02/2013 11:28

Esse “psicólogo” passa de todos os limites e o Conselho não age. Não o chama nem para tomar um cafezinho. Vergonha para a classe.

Vitor Grando - 14/02/2013 12:08

A Psicologia, se quiser respeito como ciência, deve, portanto, se preocupar em fazer ciência, não em militância política. Pois, assim como a religião pode macular a integridade da ciência, o mesmo pode fazer a política. E é justamente esse o caso do CFP. Preocupem-se com ciência e deixem o “levantar de bandeiras” para os políticos.

arnaldo neto - 14/02/2013 12:10

O homosexualismo é apenas uma das formas de expressão da sexualidade como o bestialismo, a pedofilia, a necrofilia, o fetichismo e tantas outras. Quem tem autoridade para patrulhar as reações de aversão a alguma forma de expressão sexual?

Arlete Holanda - 14/02/2013 13:07

Todos tem o direiro de livre Expressão assim esta escrito na Constiruição Brasileira,todavia o pastor contribuiu com o seu pensamento como conhecedor da palavra de DEUS, e não como Profissional da Psicologia. Não houve nenhum ataque contra os direitos do psicologo resta mensionar que muitos psicologos formados não atuam nesta área pela falta de demanda e direitos como profissional, está correto Deus não se agrada do sodomismo.Isto não é contra o homem mortal e nem acepção de pessoas e sim contra o que poderá anunciar a outras criaturas na face da terra, estes homens e mulheres fizeram suas escolhas talves por uma fatalidade da vida, o que eles estão contribuindo como exemplos para a sociedade, familiar de forma moral e ética?. O pastor como homem de Deus esta fazendo o papel dele pois todos nós seremos cobrados pelos nossos atos neste mundo,não sabemos quando a morte vai estar por perto.

Enfatizo o orientado pelo Livro de Romanos Capítulo 1, versículos 21 ao 32 que é bem claro a respeito do assunto, mas isso serve para os que crèem na Bíblia como única regra de fé e prática.
Aproveito para lembrar: Que bom seria também, que pelo menos esse número de defensores dos homosexuais, se prestassem a defender as crianças do Brasil que cada dia que passa são mais violadas de toda a sorte de maldades humanas pelos adultos a torto e a direito, e, ainda não se levantou uma bandeira real de defesa. Mas das crianças é o Reino de Deus…

Gilberto - 14/02/2013 13:10

Pastores iguais ao Malafaia que só buscam o sucesso profissional e o poder são condenados pela Bíblia. Infelizmente milhares de pessoas passam por momentos de fraquezas durante suas vidas e os aproveitadores, como esse pastorzinho, usufruem desse momento difícil, de fraqueza, para implantar crenças nas mentes conflituosas dessas pessoas. Após sessões de hipnose nos cultos, essas pessoas passam a fazer o que esses pastores querem e acreditam que é a verdade absoluta. O cara mostra que paga 4 milhões de imposto de renda, ainda diz que a Forbes estava mentindo. Se a Igreja dele pagasse imposto, quanto seria?? Ele viaja o mundo todo com passaporte diplomático, ou seja, enche as malas de dinheiro e ninguém fiscaliza. VIVA!!! Percebam que nenhum político mexe nas Igrejas, porque será? Talvez pelos milhares de eleitores que existam dentro destas instituições religiosas, que político vai querer perder esses votos??? Esse falso profeta ganha no grito, mas com a jornalista ele não conseguiu, gritou, gritou e não convenceu.

Artigo totalmente tendencioso e parcial do CFP, não deveria ser assim, lamentável…como psicóloga, assim como o Rodrigo Mello, não me sinto contemplada com esse posicionamento e manifesto aqui a minha discordância

Primeiro: Parabenizar o “Berg” pela lucidez do seu comentário.

Segundo: Acho que aqueles que falam mal de um pastor evangélico, está também cometendo outro erro que é de preconceito religioso, prática também contrária as normas do CFP.

Terceiro: O que é preconceito religioso?

Preconceito religioso é um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar as diferenças ou crenças religiosos de terceiros. Poderá ter origem nas próprias crenças religiosas de alguém ou ser motivada pela intolerância contra as crenças e as práticas religiosas de outrem. A intolerância religiosa pode resultar em perseguição religiosa e ambas têm sido comuns através da história. A maioria dos grupos religiosos já passou por tal situação numa época ou noutra.
Hoje em dia, um dos maiores exemplos de preconceito religioso são os conflitos no Oriente Médio. A luta entre judeus e islâmicos custa dezenas de vidas diariamente. Grupos extremistas no Iraque matam inocentes cruelmente somente porque são de outra religião.
O posicionamento do pastor Silas Malafaia, foi um posicionamento segundo a Biblia, portanto “religioso”, que esta sendo alvo de preconceitos.
Qual o próximo passo? jogar o pastor na fogueira?
Então o CFP estabelece que para ser psicologo não pode ser cristão.

Dica Ferreira - 14/02/2013 13:53

Como pode um psicopata exercer a profissão de psicólogo? Não precisa nem ser da área para perceber que este doente mental precisa de ajuda

Quanta besteira falada, quantos psicologos querendo ver o diploma desse homem de Deus, ser cassado? Pelo menos ele da a cara, fala a opnião dele. Vcs são lamentaveis…Esse Gilberto totalmente alienado? Vamos combinar o seguinte: Se voces estão certos a mão de Deus vai pesar sobre ele, agora se estão errados, o registro de cada um de vcs vai ser cassado. E a queda profissional, pessoal de vcs vai ser visivel. Tenho vergonha de vcs.

Concordo com cada palavra proferida por Berg em seus comentários. E acrescento que muitas situações hediondas, que escandalizam e machucam as pessoas têm a ver com a frouxidão moral que é, muitas vezes, vendida como “direito à diferença”. Não demora teremos pedófilos exigindo o direito de ser diferente e ser respeitado em seus desejos. Será o HORROR final.

Vanderson - 14/02/2013 14:30

Infelizmente o que ele fala serve apenas para os domesticos da Fé. Entendo a resolução do CFP, mas primeiro precisamos respeitar a bíblia ela existe muito antes de qualquer resolução, as pessoas precisam sim ser respeitadas, mas pelo que vejo nas falas de Malafaia são palavras de repúdio ao comportamento religioso e ética cristã. É por isso que ele luta, e não pela proibição da PL. Apenas que os cristãos sejam respeitados!

Leônio Tomás - 14/02/2013 14:53

Mais uma vez lamento, lamento não pelo comentário dos Silas e as dos diversos cristãos aqui postados, lamento não pelos protestos dos demais homossexuais e heterossexuais que aqui se manifestaram, lamento é porque discutimos estas ideias não como psicólogos respeitosos no direito de cada um se manifestar e se posicionar enquanto pessoa, mesmo que esse posicionamento seja contrário a nossa ideologia ou filosofia de vida. Lamento porque enquanto discutimos o posicionamento do Silas deixamos de discutir a situação lamentável que se encontra o salário de muitos dos nossos colegas de trabalhos, concursos públicos divulgando salários de 900,00 por 40 horas semanais, ou que praticamente não exista um congresso ou um grande evento que discuta como podemos desconstruir a imagem de que psicologia é para loucos, que a psicologia pode ser utilizada como transformação de vidas de construção para a felicidade. Lamento ver a medicina com seus atos pleitear lugares que não os pertence muitas vezes pela nossa omissão. Mas nós…nós discutimos se o Silas deveria ou não como um Pastor Evangélico ou psicólogo defender a causa gay. Pão e circo. Lamento porque discutimos ideologias do lugar de religiosos e não do lugar de cientistas (produtores de saber), defendemos a cassação ou absolvição de um profissional que certo ou não, da forma correta ou não esta defendo a sua posição e nós? o que faremos para resgatar o real valor e importância do que fazemos? Às vezes vejo a psicologia e o conselho como o alto clero definindo as práticas religiosas, e não a prática de amar as pessoas. Às vezes vejo nosso grupo separado perdido dentre as diversas seitas (comportamentalistas, psicanalistas, existencialistas) desmerecendo e descaracterizando o real valor da psicologia. A psicologia como ato de resgatar pessoas e vidas de trazer esperança. Cuidemos para que não caiamos no ativismo religioso disfarçado de ciência. Certa vez o Papa caminhava com padre Tomás de Aquino na recém criada basílica do Vaticano e orgulhoso do luxo do local disse ao Tomás de Aquino: _Não precisamos mais falar como os Apóstolos Pedro e João que não temos ouro e nem prata. Cabisbaixo Aquino responde: – Em compensação também não podemos mais disser levanta-se e andas!
Caros colegas não nos desviemos da nossa essência que é cuidar de pessoa mesmos que tenha posições ideologias ou crenças diferentes da nossa, não usemos o nosso espaço para caçar “bruxos” cabe a nós respeitamos e ser acima de tudo profissionais que cuidam de pessoas incluindo pastores e homossexuais.

Olá, Berg.

Se é para ser comportamentalista, então sejamos! Se a orientação sexual é um comportamento condicionado (por isso arbitrário, sem fundamento essencial, fruto da contingência), a fé religiosa também o é. Aliás, não só a fé, mas toda construção religiosa que dela veio, como a Bíblia.
Será que a fé religiosa, os escritos sagrados, a palavra divina serão alvo do mesmo criticismo que é aplicado à orientação sexual? Se é para falar em nome da ciência, sejamos tão corajosos com a religião também.

É lamentável o comportamento de repúdio do P. Silas Malafaia em relação a opção sexual das pessoas. Infelizmente este não soube separar seu ministério como pastor e de profissional na área de psicologia.

jorge da silva - 14/02/2013 15:20

Se a pessoa quer ser reorientada não vejo problema que o psicólogo possa conduzir o processo.

Acredito que como ”pessoa” Silas Malafaia estava falando e independentemente dele ser psicologo ou não vivemos em um país livre de acordo com art.5 da constituição federal, acredito que não deve ser cassado o registro do Pr. Silas Malafaia, e acho erradíssimo o Conselho de Psicologia ter se manifestado de tal forma.

É lamentável ver onde o nosso país vai parar, um movimento homossexualista que quer dominar o Brasil a troco de que ”ditadura” a ponto de mudar a CF/88, e beneficiar uma massa de pessoas que possuem os mesmos direitos que todas, avanço da sociedade como dizem pra mim é um retrocesso, acho que todos deveriam estar preocupados com a mente de um marginal que rouba, com a falta de emprego, com a depressão que tem atacado tantas pessoas, e não um grupo que quer agredir a todos ate mesmo entrando um plenário com simbolo, nazista, faltando com respeito a todos os cidadãos brasileiros e isso que os Ativistas gays querem ? direitos para reprimirem a todos, o Brasil é um país democrático e não só de pessoas GAYS.

o que mais tem hj em dia é psicologo/pastor/padre que apoia o malafaia, que acredita na cura da homossexualidade… não sei como pessoas com esse pensamento concluem o curso de psicologia. estudei com 03 pastores e 01 padre e todos tinham essa visão.

Gostaria de cumprimentar – Berg, Junior, Arnaldo e outros que não se calam diante da constante militância política e ideológica realizada por este que se intitula um conselho de classe, para mim mais parece um partido político, como são tendenciosos em seus posicionamentos, como são injustos, pelo jeito como vão as coisas no futuro o CFP se tornara uma espécie de KGB, Gestapo lutando incessantemente para calar aqueles que são contrários a sua pseudo-religião travestida de direitos humanos. Não conheço Silas Malafaia, nem tenho interesse por sua religião, mas o que é óbvio pra mim é que ele tem algo que muita gentinha que se abstêm de pensar, não tem…. CORAGEM, ele não esta aceitando a mordaça imposta pelos donos do mundo e suas marionetes. Hoje o CFP é financiador, apoiador, defensor, divulgador da ABGLT, qualquer psicólogo que não partilha desta “política” é taxado mentirosamente como homofóbico, sendo que os praticantes da atitude criminosa, são os preconceituosos do CFP. Fica a pergunta e no futuro quais vão ser as bandeiras levantadas pelo conselho?… Pró Aborto, Pró Eutanásia, Pró Marcha das “vadias”, Pró Pedofilia como orientação sexual, Pró queimar cristãos e contrários em praça pública? exageros a parte que Deus ,Alá,Buda,Maomé,Krishna e o deus dos ateus nos protejam dos preconceituosos do CFP e seus mandantes, pois com eles funciona a velha máxima “Ou esta comigo ou esta contra mim”.

Cecillia - 14/02/2013 16:09

Eu só acho que ele deveria ter usado somente a Biblia, pois a Biblia é a palavra de Deus e no livro de Romanos e I Corintios, Deus deixa claro a sua intolerancia com o homossexualismo. Vejam o que está escrito: “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro” (Romanos 1:26-27).

“Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas . . . herdarão o reino de Deus” (1 Coríntios 6:9-10).

Por mais que falam que isto é aceitável, todos vcs sabem que é errado, não adianta tentar se enganar. O pastor deveria ter falado como pastor, não como psicólogo. Se o maior livro da humanidade já falou, pra que mais teoria, bla, bla, bla…

O CFP já deveria ter cassado o título dele,uma pessoa assim não merece ter um título tão nobre,é uma desonra pra nossa classe!

Melina Gasparoto - 14/02/2013 17:10

25 mil pessoas curtiram a nota de repúdio a Silas Malafaia e milhares de brasileiros continuam indignados com os posicionamentos deste déspota!!! Defendemos nosso código de ética profissional mas acima de tudo defendemos que os direitos humanos possam ser garantidos, e o CFP, vai garantir isso??? Vai cassar o registro dele??
Estamos de olho e vamos cobrar!!

Melina Gasparoto - 14/02/2013 17:12

25 mil pessoas curtiram a nota de repúdio a Silas Malafaia e milhares de brasileiros continuam indignados com os posicionamentos deste déspota!!! Defendemos nosso código de ética profissional mas acima de tudo defendemos que os direitos humanos possam ser garantidos, e o CFP, vai garantir isso??? Vai caçar

leonardo - 14/02/2013 17:13

acredito que ele deva ser punido imediatamente, pois se usou da formação que teve dentro do curso de psicologia para colocar um posicionamento que é estritamente religioso, mostrou ali uma falta de etica imensa, nao importa se exerce ou nao a função, se ele pode dizer que é psicologo deviam concordar com aquilo que aprende, e nao o contrario, isso me pareceu uma afronta a profissao e um descaso total a luta feita em prol da discriminação, esta segregando quando diz que podemos reorientar, alguem ja ouviu alguem falar que foi gay (ex gay) ??? esse cara é um bandido, a midia tb nos envergonha de dar espaço para um pilantra desses, a verdade é que o sr cilas é muito bom no que faz, tem um poder de persuação enorme, faz literamente uma lavagem cerebral desse povo ignorante que o escuta. educação brasil, vamo acorda.

Julio César Ipólito Rosa - 14/02/2013 17:58

As coisas são muito claras, a Teologia não pode se confundir com a Psicologia. Se os teólogos querem ser psicólogos, desenvolvendo práticas de orientação teológica no interior de uma ciência laica, estão metendo o nariz onde não são chamados. Pago a minha anuidade para defesa do direito de ser contemplado pelos benefícios e deveres que o Conselho deve trazer para meu exercício profissional. Admito que há leituras de mundo diversificadas, que a Psicologia em si não é una, de modo que o pensamento filosófico lhe pertence como o veículo, mas as reflexões teológicas que se estabeleçam com base num dogma devem ser inteiramente suplantadas da Psicologia, estão longe de constituir fundamento para a prática profissional. Cada macaco no seu galho.

Alfredo Cunha - 14/02/2013 18:16

acho que CRP não deveria ter se manifestado considerando que ele é uma autarquia federal que representa o psicologo, o sr Sila Malafaia a meu ver estava citando uma (e sua) perspectiva teologica em relação a assuntos os quais defende segundo sua perspectiva.
Alfredo Cunha psicologo

Maria Aliete - 14/02/2013 18:23

Se o CFP não consegue cassar o CRP do Pr. Silas,só se pode pensar que não há brechas legais para isso. Assim, O Pr. Silas Malafaia não foi excludente, não foi homofóbico. Foi coerente com sua crença e profissão que se propõe a cuidar de quem quer que seja e ajudá-la em seu bem estar. Dessa forma, se alguém procurá-lo para deixar ou não de ser homossexual, ele poderá ajudá-lo nessa empreitada que não fere os direitos humanos de ninguém, já que é o desejo de seu cliente e que não está previsto como crime em nosso país.

Marcelo Eduardo - 14/02/2013 19:15

Apenas sou contra casamento entre pessoas do mesmo sexo e adoção por parte dos homossexuais, já fui muito desrespeitado por homossexuais que assediam as pessoas de forma as vezes violenta, qualquer tipo de violência deve ser punida, seja contra homossexuais, seja contra heterossexuais, só acho que a constituição nos da o direito de omitir nossas opiniões desde que não incite a violência, o CFP devería se preocupar mais com outros assuntos mais importantes do que levantar a bandeira gay

Gustavo Oliveira - 14/02/2013 19:26

Essa abordagem, com tantos matizes individuais, me faz lembrar -decepcionado- quando dos idos tempos acadêmicos já se percebia e sentia na pele, um claro divisor de águas na nossa clasee profissional que, prejudicou muito o posicionamento da ciência da psicologia, naquele tempo ainda insípida, qual seja a deliberada cisão: Psicologia Clínica X Psicologia Empresarial ou Organizaçional como queiram,porém sem RESOLUÇÃO EXPLÍCITA, em que essa última constituiu-se no coco do cavalo do bandido que legou a todos os que nela ingressavam -por opção pessoal- sérios obstáculos e rejeição dos demais companheiros de profissão, engajados na área clínica, enclausurados em seus consultórios,produzindo seus saberes e fazeres psicológicos. Assim, no contexto atual focado: a homessexualidade e seus desdobramentos, vejo novamente surgir mais um divisor de águas, desta feita
desta feita emoldurado por questões de exacerbada tendência de ordem POLÍTICA, pelo engajamento dos orgãos representativos (CFP, CRPs,Sindicato, etc), alinhados com ideologias de regimes totalitários (Marxista-comunista),emanadas dos “Cadernos de Cárcere” concebidas por Antonio Gramsci – italiano e comunista, cujos preceitos doutrinários atuam em detrimento da RELIGIOSIDADE do profissional de psicologia que nada tem a ver com o segmento focado e que os órgãos representativos dos profissionais in sistem em pautar, sob pretensa representatividade e fala da categoria, culminando com a esdrúxula edição da Resolução 001/99, cujos ditames tentam calar a voz,opção pessoal dos psicólogos(as) que são CRISTÃOS EVANGÉLICOS,nitidamente cerceando o livre arbítrio do pensamento e opção religiosa. Nunca em tempo algum, deleguei representativade ao CFP para posicionar favoravelmente ao segmento focado em meu nome.
Assim, a nefasta Resolução é uma nítida ingerência em uma área não passível de controle pelo CFP, ensejando uma Inconstitucionalidade, de vez que cerceia a liberdade de expressão Espiritual do psicólogo(a).Exaustivamente já declinei meu desagravo pela desnecessária legislação em prol do segmento focado, pois, entendo que o mesmo deva assumir seu “comportamento e os desdobramento naturais de sua opção”, sem contudo lançar, sobre a sociedade em geral, cobertua legal, sujeita a sanções, para assim agir como cidadão.Reafirmo, se querem assim viver que o faça por sua livre e espontânea decisão e assuma os riscos também. Faço lembrança aqui, de outros segmentos como: maníacos sexuais, pedófilos, psicopatas, serial killer, etc., cujas personalidades capituladas pelas ciências Psiquiatria e Psicologia carecem também de leis protecionistas…imagine só todas essas “personalidades” por ai, agindo, a partir de suas características psiquiátricas/psicológicas, legalmente constituidas por endosso da sociedade em nome de uma pretensa liberdade, concebida por regimes totalitários, cujos militantes e simpatizantes estão de diunturnamente de plantão.
Psicólogo e Cristão Evangélico.

Parabéns a: BERG, WILLIAN, VITOR GRANDO, ARLETE HOLANDA, ESTHER, RODRIGO MELLO, JASON, e outros psicólogos com coragem para manifestar sua discordância frente a essa nota agressiva e fora de propósito do CFP.
Como disse o Rodrigo: essa nota é um desserviço do CFP ao público e em nada nos contempla. Psicologia não tem nada a ver com religião, pois religião não tem nada a ver com ciência, que lástima!

outra coisa: muito tendencioso e conveniente ao CFP colocar em sua página inicial: “25 mil pessoas curtiram nota de repúdio ao pastor”. Eu garanto que conseguiríamos 25 mil descurtidas, se houvesse esse botão.

Respeito a liberdade de expressão e crença!

O que realmente acontece com as pessoas que falam em nome da Bíblia é que elas selecionam as partes mais interessantes para atingir um grande número de pessoas através do seu ponto de vista, e como ninguém mais vai ler… No Evangelho segundo São Mateus, e quero deixar bem claro que a Bíblia é um livro editado como qualquer outro, e não sagrado, existe a passagem em que Jesus diz que os homossexuais também podem desfrutar do paraíso.

Mas como tudo no mundo, é uma questão de tratos sociais como o nazismo foi e não é uma questão de valorizar, como JESUS fez realmente, a vida de todos.

cristina - 14/02/2013 20:23

Preocupa-me o fato de ser uma pessoa pública com uma multidão de seguidores influenciados com seus dizeres aliados a palavras bíblicas. Enfim, é um caso em que o Conselho Federal de Psicologia deveria se preocupar e não ficar somente numa resposta pública.

Priscila - 14/02/2013 20:54

Vivemos numa sociedade livre em que a Constituição dá direito a todo cidadão de manifestar sua crença. Ninguém é obrigado a acreditar na Bíblia, mas aqueles que acreditam têm que ter o direito de pregar a sua fé. A inquisição já acabou! Nós, psicólogos cristãos, somos, antes de tudo, cidadãos e temos que ter o direito de expressar nossas convicções religiosas e filosóficas. O Conselho quer cercear esse direito em nome de uma pseudo liberdade e uma pseudo igualdade entre as pessoas. Até que rasguem a Constituição, vivemos numa sociedade em que as pessoas têm que ter iguais direitos e deveres, então não deve haver leis que protejam um grupo específico, pois isso seria atestar que há diferença entre os homens. Perante a lei, somos todos iguais. Não venham querer implantar essa ditadura gay!
Por alguns comentários expressos aqui, é possível identificar que o Conselho não representa a opinião de toda a categoria psi. Todo cidadão deve ter seu direito de concordar e discordar de posições contrárias às suas crenças e valores, uma entidade que busca representar uma categoria profissional deve zelar pelos direitos de todos os seus membros e não adotar posturas que favoreçam um único grupo. Lamentável a posição do Conselho.

Rejane Mesquita - 14/02/2013 21:00

Não perco meu tempo com tal discussao, até mesmo porque isso rende ao Pastor uma inegável popularidade, ou seja, exatamente o que deseja.

Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.

E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;

Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;

Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;

Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
Romanos 1:26-32

Pq não pregam a mensagem bíblica por completo? Pq não defendem também que os homossexuais, assim como uma série de outros comportamentos, são dignos de morte? Corja de hipócritas.

Silas Malafaia ao nivelar o comportamento homossexual com o comportamento de um assassino segue muito bem o que pregava o profeta apocalíptico Paulo em sua carta aos romanos, redigida por seu copista-secretário Tércio, porém em decorrência de seu caráter malevolente omite a informação que considera não só os homossexuais mas aqueles que consentem com tal prática como dignos de morte. Com certeza ele sabe que, em pleno século XXI, não seria uma pregação que soaria bem perante a maioria de seus ouvintes, incluindo aqueles que sofreram lavagem cerebral e se transformaram em verdadeiros soldados dispostos a morrer em nome da ignorância. Eu gostaria de saber daqueles que se dizem “psicólogo e cristão evangélico”.. Vcs acreditam na bíblia? Vcs acreditam que vcs seguem a bíblia? Existe algo que vcs discordem neste livro?

Florêncio - 14/02/2013 21:55

Entre a psicologia (ou qualquer outra ciência) e a palavra de Deus, fico com a última.

Gostaria de apenas parabenizar o Berg pelo seu comentário. Concordo plenamente com suas observações e lembro que estão querendo lutar por direitos de alguns tirando direitos de outros, ou seja, onde está a liberdade de expressão tão valorizada?

Margarete - 14/02/2013 22:59

O pastor também é humano e devemos respeitá-lo como tal. Cada um tem o direito de expressar sua opinião. A mídia provocou para polemica pois sabia da repercussão. Percebam o que tem por trás disso tudo… A homossexualidade nunca vai ser vista como normal… O pastor deixou claro isto e falou que é contra lei. CFP revejam isto pois na minha opinião vcs pisaram na bola ao criticarem o pastor vcs devem sempre adotar uma conduta mais sensível pq nossa profissão lida com gente e vcs estão mudando o foco. Não compreendi a conduta de vocês. Repito: a homossexualidade nunca vai ser vista com normalidade perante a sociedade e muito menos pela igreja.

fernando tavares - 14/02/2013 23:04

Gostaria de saber: Quem era o convidado do Programa?

“Silas Malafaia o Pastor ou, Silas Malafaia o Psicologo?” Uma vez cassado, não estaria violando o direito de liberdade de pensamento???

O conselho deveria se preocupar com coisas que realmente vale a pena. EX ” USUÁRIOS DE DROGAS”, que no Brasil cresce alarmantemente.

fernando tavares - 14/02/2013 23:14

Artigo XVIII

Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Artigo XIX

Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Edilânia - 15/02/2013 0:11

Ninguém joga pedra em árvores que não dar frutos!!!Minha família e eu só temos a parabenizar o querido Pastor!!!

o individuo que tem uma determinada crença e vive essa crença de fato sempre vai defende-la, isso obvio e é direito dele assim como uma determinada classe da sociedade tem os direito de requerer igualdade civil quando esta se sente prejudicada.
diante disso questiono a posição tomada por tal entidade, uma vez que o referido homem se encontra na posição de um representante de sua religião e não na posição de psicologo durante a entrevista, não seria incorreto se este conselho se posicionar contra ou a favor das crenças religiosas do entrevistado ou entrevistador?
faço esse questionamento pois não vi nenhuma atitude ofensiva por parte do entrevistado, vi uma pessoa que defende suas crenças e o que ele crê está contido num livro considerado sagrado pelos evangélicos, católicos, parte deste livro também e considerada sagrada por outras tantas entidades religiosas, sendo mais direto gostaria de sabe se a entidade já mani]festou também seu repúdio aos versículos deste livro que é o mais vendido do mundo e se manifestou também seu repudio a todas a entidades religiosas que tem como fundamento o mesmo livro?
me esclareçam !!!

Danielle - 15/02/2013 0:25

Ao Sr. Diabólico: percebe-se claramente que este distinto senhor é um completo leigo em termos de psicologia: se tivesse lido um terço do que os colegas muito bem colocaram anteriormente, saberia que homossexualidade não é considerada doença há muito tempo, e sim um ato de desejo e concordância entre duas pessoas: já como vc disse, necrofilia e pedofilia são consideradas parafilias, ou seja, são realmente comportamentos desviantes, praticados por pessoas com desvios comportamentais. Aí sim, considerados crimes, pois não há consentimento do outro (como no estupro)!
Não gosto de ver dois heteros se agarrando em plena praça pública. Acho que não é nada educativo a ninguém e muitas vezes, é até constrangedor. Da mesma forma, penso a respeito dos homossexuais. Mas respeito amplamente o que fazem entre quatro paredes. O que falta é respeito pelo próximo. Querer impor crença a alguém se tornou inaceitável. Acredito que o Pastor Silas tem o direito, como todos nós, de expor sua opinião sim, tem direito a sua liberdade de expressão sim… porém, precisa fazer a escolha quando for falar em público e deixar bem claro se fala em nome da ciência ou de sua religião! Nem sempre as duas andam juntas… A vida é feita de escolhas! Fica a dica: o direito ao respeito de um vai até onde começa o do outro!!! E me coloco muito no lugar dessa mãe que disse que o filho, após ouvir o relato do pastor, tentou suicidio. Cuidado com o ser humano está acima de qualquer coisa (religião ou ciência): Deus disse: amai-vos uns aos outros como eu vos amei!!!

Ana Adélia - 15/02/2013 0:48

Boa noite!
Assisti a entrevista e achei muito boa. A única coisa que ví e me decepcionou foi ouvir o referido Pastor incluir sua formação (psicólogo)em suas argumentações.
Como líder religioso, ele tem todo o direito de ir contra a orientação homossexual, no entanto jamais deveria ter colocado questões relacionadas a psicologia.
Não achei o posicionamento dele homofóbico, ele simplesmente apresenta o que a bíblia coloca. Não vi em momento algum o Pastor instigando violência contra os homossexuais, só deixa claro que perante o Deus dele o comportamento homossexual (se é que podemos dizer comportamento…) não é aceito.
Concordo que a entrevista teve muita repercussão e que pode ter abalado emocionalmente muitos homossexuais, no entanto estes precisam aprender a conviver com opiniões divergentes e logicamente ir atrás de seus direitos como ser humano.
Temos como direito constitucional a livre expressão e a escolha religiosa. Acredito que o Pastor só estava demonstrando seu trabalho.
Mas o que realmente me chocou nisso tudo foi o artigo. Achei extrema falta de noção o Conselho de Psicologia apontar o Pastor como um alguém homofóbico que não respeita as práticas homossexuais. Pior ainda é o artigo demonstrar isso e não ter nenhum tipo de atitude frente ao Pastor (como por exemplo penalizá-lo pela atitude homofóbica). De nada adianta escrever um monte de coisas e não tomar atitudes!!!!!!!
Vejo muitas pessoas parabenizando o CFP, mas me parece que o órgão só fez a matéria para polemizar o assunto, sem tomar quaisquer atitudes frente ao Pastor. Isso é um absurdo!! Publica matéria e não faz nada para mudar a situação!!
Pelo que vejo, o CFP só pune quem eles querem e da forma que desejam.
Quiseram detonar os evangélicos com a desculpa de direitos humanos, mas ainda não ví nenhuma matéria relacionada a igreja católica que é contra metodos contraceptivos.
O CFP diz que trabalha, mas não vejo mudanças nos direitos do profissional psicólogo. Ficar escrevendo matérias contra a diversidade religiosa e direitos homanos não leva a nada se não houver atitudes.
Deveriam se preocupar mais com os profissionais mal pagos e lutar pelos nossos direitos ao invés de publicar esses absurdos!!!!!!!!!!!!
Escrevi tudo isso devido a minha indignação como psicóloga ao ver tantos absurdos apresentados pelo CFP. Sou católica e não tenho nada contra os evangélicos, mas a forma como o pastor apresentou o assunto poderia apresentar apenas suas convicções religiosas e deixar de fora a psicologia.

Glencir – 14/02/2013 9:56
Li, todos os comentários que me foram possíveis e, tenho tentado compreender as razões que cada comentarista teve para expressar o seu ponto de vista. Creio que isso poderá, de alguma forma, acrescentar-me em quanto pessoa humana. Cada um que se posicionou o fez defendendo o seu ponto de vista pessoal, único, individual, e de sua inteira e exclusiva responsabilidade. Pensando nisso, não há como eu não concordar com o comentário do Rodrigo de Mello, no que diz respeito ao CFP. O CFP não é um indivíduo, suas posições não são pessoais, seus pronunciamentos não são a expressão das idéias ou das vontades de uma única pessoa. Portanto, temo quando uma instituição coletiva se posiciona e manifesta o seu parecer publicamente a respeito de qualquer assunto sem antes ter se reportado aos seus componentes e representados pela mesma, ouvindo e pensando o que de fato pensam. Nos próprios comentários aqui contidos, é possível identificar profissionais da área Psi, com posicionamento profundamente divergentes a respeito da nota emitida pelo CFP, e do assunto motivador da nota, o que denota não haver unanimidade de pensamento entre a classe. Portanto, sugiro que o CFP, bem como, os CRP´s, dediquem-se, urgentemente, iniciar debates internos, entre os seus representados, a fim de construírem um conjunto de posicionamentos a respeito dos diversos assuntos aos quais vêm sendo, ou possam vir ser chamados a emitir, que contemple a visão de no mínimo, a maioria dos representados. Isso sob risco da legitimidade de tais instituições representarem o pensamento coletivo da profissão (tanto no aspecto pessoal, social e científico) virem a ser questionada, desacreditada e rejeitada.

Faço minhas as palavras do Glencir e do Rodrigo de Mello, nunca fui consultada sobre meu parecer sobre tais “bandeiras” que o CFP tem levantado. Então o que eles divulgam pode não representar a opinião da maioria de seus representados. No assunto em pauta o CFP tem o meu repúdio.

Fica aqui meu protesto contra essa carta de repúdio pífia feita por um conselho que tenta cercear a liberdade de expressão e escrachar quem tem opinião divergente dos pretensos defensores dos direitos humanos.

Viviane - 15/02/2013 9:21

Como psicólogo este ser não pode se pronunciar desta forma. Seu diploma deve ser cassado. Agora como pastor, faça o que quiser, só não use a psicologia para justificar seu preconceito. O que mais me entristece é ver colegas de profissão defendendo a postura deste desequilibrado. Tenho muito medo do tipo de atuação de um proffisional que defende e acha normal essa postura.

Guilherme Teixeira - 15/02/2013 9:42

Acho que o comentarista deste post nomeado por “Berg” é o próprio Silas Malafaia! (risos).. foi boa esta de homossexual reorientado, esqueceu de citar “infeliz para ser aceito pela sociedade, familia, etc…”. (?) e bla bla bla…

Julio Maia - 15/02/2013 10:46

Somos um país Laico e de livre expressão de idéias e atitudes. Ficamos discutindo a saúde das pessoas e corremos o risco de ficarmos decidindo a vida no lugar delas
Ñ é etico um psicologo direcionar um acompanhento dentro deste tema. entendo embora não concorde mas isto é outro assunto. Agora, quanto ao individuo que vai procurar um acompanhento, seja onde for (pois a discordância quanto a homosexualidade não é um privlegio de catolicos ou evangélicos)? Supomos que este indivíduo esteja insatisfeito com esta questão? Ele também é homofobico? Paulo Freire ( pedagogo e pensador de base marxista) nos alerta em seu livro- Pedaogia do Oprimido- sobre o o perigo do orpimido chegando ao poder e acaba por se tornar o opressor que ele tanto detestava. Estamos vivendo um mento hostorico ñ definido e por isso muito perigoso

Tatiana Nara Vivan - 15/02/2013 11:19

Silas Malafaia foi como PASTOR não como psicólogo. Somos um estado LAICO ou seja que contempla a diversidade de crenças religiosas e acho que todos estamos de acordo. Vivemos em uma democracia e ele pode sim expressar suas idéias, mesmo sabendo que o CRP não seria nada favorável, o CRP também pode expressar este repúdio? USOU O “PODER” de classe como se fossemos uníssonos para de alguma forma calá-lo????? Temos que pensar de forma igual, OU SEJA: DIAGNÓSTICO: PSICÓLOGO eu NÃO CONCORDO COM ISTO colegas- CADE O RESPEITO A SINGULARIDADE HUMANA? Antes que se faça algo em nome de uma classe, ouçam os psicólogos pq estamos bem divididos hem… Pertenço ao CRP e não fui questionada sobre qual seria a nossa opinião científica. Quem quiser ir contra o que diz o Silas Malafaia, fale por si. Coloque nome e sobrenome, vá na Tv e explique o porquê. Faça como ele e faça melhor, com maior qualidade. Acredito que temos outros assuntos bem mais preocupantes que discutir a posição de um pastor. Sabemos qual é a posição dele, nós NÃO SABEMOS A NOSSA POSIÇÃO DE FATO ENQUANTO CLASSE, nunca vi uma discussão científica efetiva dos profissionais e a análise em larga escala dos fundamentos, aonde envolvesse mais de 50 % dos psicólogos. Aliás somos bem desunidos em muitas coisas não é?
Ele NÃO ESTAVA EM EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES, é um líder e com certeza sabe do poder das palavras e sofrerá as consequências por isto, Deus também fará as suas medidas. Com o mesmo peso que pesarmos seremos medidos. Biblicamente o desejo pelo mesmo sexo não é aceitável, é abominável, novo e velho testamento, também tem outras, é uma conduta pecaminosa. Deus dá os pesos pq considera a situação individual, não está no meu poder julgar, mas Deus com certeza avisa que está ERRADO ESTE PROCEDER.
O que está em peso no consultório não é a percepção bíblica, mas um cientista para que possa auxiliar na promoção de saúde mental. Só que será que nos consultórios não existem pessoas em grande sofrimento pela questão da “orientação” sexual? Se há sofrimento existem perdas…precisamos discutir isto de forma científica. Se não é inata então é uma combinação multifatorial certo? Temos controle sobre estas variáveis? Até que ponto o indivíduo possui? O que faremos com os que querem entender e desejam realmente mudar este comportamento? Negaremos seu livre- arbítrio e faremos como o CRP fez? Não gostei que falaram por mim, não concordo com isto sem ter sido feita discussão científica anterior realmente fundamentada.

Adalmir Sandro da Luz Oliveira - 15/02/2013 12:26

O discurso do silas malafaia traz como escudo ideológico citações bíblicas. Entretanto, não há menção à homossexualidade nos textos dos Evangelhos. Jesus não se refere aos homossexuais. Não nos textos, pelo menos. Então, a quem seguem os cristãos? Se os textos dos evangelhos são considerados canônicos, sagrados, de inspiração do Espírito Santo, parece que a questão da homossexualidade não é relevante para Cristo, já que ele não deixou comentários que foram publicados na Bíblia por “inspiração divina”. Portanto, o discurso contra a orientação sexual parece mais uma preocupação dos que se dizem cristãos do que do próprio Jesus Cristo, a quem eles dizem seguir.
Quanto ao triste pastor, espero que o seu CRP seja cassado. Afinal, ele está infringindo abertamente as normas éticas do CFP. Por que isto ainda não aconteceu?

Carlos Andrade - 15/02/2013 13:07

O Conselho Federal de Psicologia deve não apenas se pronunciar publicamente expondo sua posição diante dos assuntos citados mas deve agir rapidamente e cassar o registro profissional deste Pastor.

marcelo novaes feitosa - 15/02/2013 13:18

Os homossexuais deveriam ficar felizes porque a homoxessualidade quando não era tão discutida assim a tempos atrás, muitos homoxessuais por não aceitarem tal condição de homo, se suicidavam por que não queriam ser homo.A proposta desse pastor é o tratamento, e eu vejo isso como uma dadiva e não uma ofença!

Berg estou com vc !!! Willian, verdade é preconceito em cima de preconceito. Só quem sab é quem vive ou viveu. Como profissional de Psicologia respeito o direito da escolha sexual e respeito também o direito do pastor Silas Malafaiade de amar a pessoa (homossexual) e não amar a prática sexual por ele escolhida. E digo.. acredito que não só os pastores, mas padres são contra a homossexualindade, mas amam o ser que a praticam.

Independente de ser gay ou não, todo o cidadão brasileiro tem direitos dentro do Estado. Direitos assegurados por lei desde o nascimento até a morte. Está tudo no código civil e na constituição federal que se fossem respeitados e seguidos a risca não seria necessário criar mais e mais leis para as crianças, mulheres, negros, índios, deficientes físicos…gays. Na CF Art. 5º diz que TODOS são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Portanto, não concordo com a lei de proteção aos gays, pois eles já são amparados pela CF, é só uma questão de melhorar o trabalho do nosso Poder Judiciário. Não, não sou homofóbica, tenho um irmão e vários amigos gays e os respeito como qualquer outro parente ou amigo.
Quanto aos religiosos que pregam tanto o amor de Deus pelo mundo e a leitura da palavra em todas as nações deveriam SABER e LEMBRAR SEMPRE que quem julga é Deus. Mesmo os lideres das igrejas não estão em posição de julgar e condenar qualquer pessoa, cristã ou não. O que se deve fazer é orar por elas e orientar quando possível. O que o Pastor fala na entrevista é o ponto de vista dele, concordo. Em programas dele, que assisti (pois morava com uma parente que é evangélica) vi e ouvi comentários e opiniões que sustentadas pela Bíblia se tornam verdades absolutas para muitos evangélicos fervorosos e com a Bíblia muitos evangélicos (inclusive essa parente minha) julgam e condenam qualquer pessoa, abominam e nem se dão o trabalho de ler a palavra… Não amam e não pregam o amor ao próximo, suas primeiras palavras são pecado e inferno quando deveriam ser amor e perdão. Jesus, o grande homem, sábio e sem pecados não julgou ladrões e prostitutas, pelo contrario; os perdoou até na hora da morte. Eu não me sentiria confortável em ser julgada por um igual, afinal cristão ou não somos todos pecadores.
Não gosto do pastor, de nenhum desses que pregam na tv. Mas quanto ao psicologo, Silas, ele apenas utilizou a liberdade de expressão (assegurada por lei) pra dizer em rede nacional o que acha a respeito da homossexualidade. O problema nesse caso são os fieis “cegos” pelo fanatismo. Ele só planta a sementinha (como no caso do Pastor Josué, que pode ser fake mas existem muitos pastores como ele).
Não acho que a cassação é a melhor forma de resolver isso. Talvez ir ao conselho, se retratar e tudo mais.
Essa polemica Gays X Evangélicos nunca vai acabar até haver respeito de verdade entre as partes. A palavra que falta é respeito, respeito pelo próximo e por suas ideologias sejam elas quais forem, sem falso moralismo, sem hipocrisia. É ai onde começa o amor ao próximo e o cumprimento das leis dos homens e de Deus.

Maria L. Nanni - 15/02/2013 13:35

Há homossexuais que nascem em um corpo, no qual não se identificam, ou seja, se acham inadequados,seja pelas idéias, ou por serem atraídos por indivíduos do mesmo sexo, isso é fato. Há tambem indivíduos que são homosexuais, ou por serem abusados quando crianças, ou por serem agredidos por qualquer forma de agressão_ psicológica ou física, nesses casos, penso que merecem um olhar mais apurado, porque é patologia sim! Esse tema dá pano pra manga, cada caso é um caso, e há casos a serem tratados, mas antes, estudados com bastante critério.
Não é necessário tanta agressividade em torno do assunto, uma coisa é certa, foi boa essa entrevista, pois assim nos remete a pensar, refletir mais profundamente a respeito. Um abraço a todos colegas, e vamos manter a classe!

Fernando de Paula - 15/02/2013 13:58

Percebo, nas palavras do Sr. Malafaia, uma gigantesca limitação como profissional de Psicologia. Porém, a liberdade de expressão, parte fundamental da democracia, deve ser respeitada e, portanto, que ele fale, não como o que julgar correto. O grande problema, e aí o CFP deve atuar como órgão regulador, é quando a ciência Psicologia é deixada de lado para ser “misturada” com dogmas religiosos. Que o referido Pastor, juntamente com seus discípulos, preparem trabalhos científicos que suportem seus argumentos e os defendam perante a Academia e, desta forma, validem seus argumentos. Agora, simplesmente definir a Bíblia como a verdade “científica” não dá… Só espero que o CFP não se curve diante da pressão política das bancadas evangélicas.

Jardelina - 15/02/2013 14:36

Apesar de haver várias adesões e como somos livres para expressar opiniões, que as vezes muitos discordam delas, acho que esse movimento vai contra o direito de expressão e o direito de liberdade, conquistas do direito constitucional e que devemos também defender. O SIlas Malafaia, para quem acompanhou o posicionamento dele, percebe-se claramente que ele não tem atitudes homofóbicas, pois em nada ele ataca a pessoa homossexual, e sim, com base no conhecimento bíblico, na liberdade religiosa, bem como na liberdade de expressão, ele expressa a opinião de Deus em relação ao ato homossexual e qual o seu posicionamento em relação a ele, como pastor. Ele não tenta interferir no comportamento de quem quer que seja, homossexual ou não, como um profissional psicólogo no exercício científico terapeutico. Assim, precisamos acordar para não estarmos sendo levados por interesses que nós nem mesmo temos conhecimento. Ele atacou sim a lei que quer restringir direitos, em favor de um grupo. Gente, nossas conquistas constitucionais tem de preservadas e defendidas. A lei que Silas Malafaia se posiciona contra, quer tirar e restringir nossos direitos de ensinar os nossos próprios filhos. Quer atacar a família. Como cidadã creio na liberdade de opção sexual, de expressão, religiosa e estes direitos não podem ser comprometidos. E por isso, vejo algo muito mais danoso nesse movimento, que as pessoas não estão vendo. Como relgiioso ele tem o direito de se expressar e policiar a criação de leis que vão cercear os seus direitos. O movimento LGBT pode defender a criação de suas leis, para conquistas dos seus direitos, mas estas não podem suprimir os meus como cidadã, mãe e como alguém que tem na Bíblia um código de conduta que foi estabelecido por Deus. Tenho amigos e parentes com opção sexual, política, religiosa completamente distinta das minhas, mas que os amo e respeito, como pessoa humana, apesar de ter um posicionamento pessoal e ideológico diferente deles. A tolerancia tem de ser conquistada e exercida em todos os grupos, quaisquer que sejam eles. Não gosto muito do jeito do Silas, por uma questão de simpatia, mas seu posicionamento sobre esse assunto merece o meu respeito pela coragem, iniciativa e visão de longo alcance. O pastor Silas Malafaia não está debaixo do crivo e código de etica do CFP, nem este código pode ultrapassar seus limites para atingir o Psicólogo.
Acorda Brasil!!!

A postura do referido pastor é absolutamente incompatível com os princípios do evangelho que ele mesmo professa, a saber, de amor incondicional, perdão, tolerância e demais valores de excelência humana. Infelizmente (e isso causa ainda mais preocupação) igualmente incongruente é a postura do Conselho de Psicologia ao tentar restringir o debate e tolher a liberdade de expressar opiniões pacíficas (que se não é o caso do excessivo Pastor Silas, é o caso de outras pessoas aptas a discutir as questões laicamente, mas que são “silenciadas” pelas pressões do conselho). As normas que vêm sendo formuladas oficialmente sobre temas polêmicos como homofobia, cotas raciais e internação de pacientes com transtorno mental não são unânimes na categoria e causa preocupação ver o surgimento de normas que tolhem dissidências e fecham questões que deveriam estar sempre abertas. Não consigo conceber um Conselho que se pronuncia em nome de uma categoria tão ampla e diversa, como se os autores fossem unânimes e a Psicologia una (coisas que não acontecem). Coibem expressões ou práticas (mesmo que em caráter experimental) sugerem um aplainamento ideológico e a supressão do debate. A história da Psicologia é feita de dissidências, oposições, divergências de opiniões e de um avanço verdadeiro da profissão que somente pode vir por meio da liberdade irrestrita de pensamento e expressão. Causa preocupação perceber um sistema de conselhos muito mais preocupado em agradar as entidades com as quais está engajado politicamente e servir-lhes os interesses do que pautar suas decisões em critérios AUTÔNOMOS, especificamente psicológicos e sempre fundamentado na salutar diferença de opinião entre os profissionais. Sintoma disso é um conselho entender que pode emitir uma opinião oficial sobre como devemos entender os direitos humanos (território tão movediço e calcado de interesses econômicos e de poder), como se houvesse uma postura oficial e uma necessidade adaptativa dos filiados a pensar como ordena a matriz. É tempo de nos perguntarmos o porquê de uma atuação tão política (e associada a determinada inspiração partidária) por parte do conselho, se isso é correto, se isso torna livre o debate e a quem isso serve diretamente.

Avelino / ES - 15/02/2013 15:24

Imagine o paciente lhe pedindo acompanhamento psicologico e voce ficar constrangido de declarar abertamente que e’ evange’lico ao longo da conversa…e dele (e eu) ver na cartilha do psico’logo que nesse caso “nao vai dar” – - ainda acho que tem uma falha nesse “trem”

Fernanda - 15/02/2013 15:47

Ótimo texto e posicionamento do CFP. Concordo plenamente!

Felipe Lins - 15/02/2013 18:56

É incrível como tem gente cara de pau e ainda vem aqui tentar defender o pastor.

ROGERIO HOLANDA - 15/02/2013 19:26

DISSE BEM FELIPE LINS….DEFENDER O PASTOR, POR ESTE MOTIVO QUAL A LIGAÇÃO DELE COMO PSICOLOGO EM RELAÇÃO AS SUAS DECLARAÇÕES?????

Alessandra Areias - 15/02/2013 19:30

Falamos de direitos humanos, mas onde está a liberdade de opinião? Muitos psicólogos no intuito de defenderem suas opiniões e idéias de mundo, passam a assumirem uma postura que não condiz com a tão falada ética profissional. Parece que basta exister alguém que possua um discurso contrário que pronto! Muitos se sentem no direito de revidar utilizando palavras chulas de juízos de valores como o que vem acontecendo com o senhor Silas Malafaia. Onde fica a tão conhecida frase da psicologia “não existe verdade absoluta, cada pessoa tem a sua verdade”. Essa frase deve valer para todos inclusive para o Senhor Silas, que regido por suas crenças defende sua opinião com muito fervor, porque é tão difícil aceitar que sempre vai haver pessoas que pensam diferente de nos. Gostaria que quem estiver lendo isso perde-se um pouco de tempo e visse o vídeo no youtube sobre o que algumas pessoas do “movimento homossexual” que para defender suas opiniões agrediram jovem católicos do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira em Curitiba – Paraná, vejam e vamos dialogar sobre isso.

Pelo exposto aqui é possível notar que o conselho nacional de psicologia não tem poderes para caçar o registro de Silas Malafaia. Mostram-se intolerantes quanto a manifestações de opiniões contrárias a prática homossexual e mesmo depois de anos de estudo de psicologia e ciência é incapaz de desqualificar a quem quer que seja no sentido de refutar as práticas homossexuais.Vão ficar rangendo os dentes mas não poderão “caçá-lo” a não ser que o façam de forma arbitrária.

Felipe Lins, é incrível que mesmo eu colocando argumentos, sites provando as contradições dessa nota de repúdio, as contradições do geneticista, ainda venha gente com a cara de pau tentar ser contra o pastor

Sinceramente, quem é intolerante é esse Conselho. Silas Malafaia tem sua opinião e deve ser respeitada, por mais que se discorde. Deve ter alguém do conselho legislando em causa própria.

cristiano - 15/02/2013 20:30

pelo que eu pude observar a maioria das pessoas que fizeram seus comentários devem ser homossexuais.vocês querem impedir um pastor do nivel do silas malafaia de manifestar-se contra um ato abominável por DEUS sendo ele um atalaia de DEUS.To ficando com pena de vcs,o comentário de vcs contra o silas não da nem pra começar um debate vcs são muito fracos o silas engole qualquer um.Quem é conselho federal de psicologia para se atrever caçar a licença do silas tadinho deles da até pena o silas poem eles no bolço.Sabe do que vcs precisam é de se converterem ao evangélho ai sim vcs vão ver a vida como ela deve ser não com essa perverção que hoje existe no mundo.Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. 1 Coríntios 6:10

Ewerton José Alves - 15/02/2013 20:41

Quero perguntar aos senhores espertos se alguem que discrimina pessoas e não comportamentos pode falar que ama e recebe essa pessoa que a procura de livre e espontânea vontade para se reorientar segundo sua identidade sexual, como uma pessoa dessas pode ser considerada um homofóbico se ele fala que é contra esse tipo de atitude, o Pastor Silas não é contra pessoas como vocês querem coloca-lo, estão distorcendo a verdade para interesse próprio, o pastor Silas é contra qualquer atitude discriminatória e homofóbica e isso está muito claro em seus videos, somente cegos para não ver. Não sou psicologo e nem preciso ser para notar que a verdade está sendo manipulada para atender o interesse de uma parcela da população e não dela como um todo, e digo ainda que o código de “ética” do CFP precisa ser revisto pois ele está tirando uma alternativa de ajuda para o homossexual que quer ser reeducado, e tenha certeza que existem muitos nesta situação, o que vocês querem é impor à população uma ideia subjetiva de sociedade baseada em teorias e não na verdade e digo isto sem considerar o que a bíblia diz a respeito pois ela a base de uma crença portanto não pode ser imposta como vocês querem fazer. E como o pastor Silas disse muito bem: Estão legislando em causa própria.

Kleber mello - 15/02/2013 20:49

Como pode pessoas cultas, letradas e formadas em uma disciplina que busca o equilibrio do ser humano, em uma área tão subjetiva, se expressem de uma forma tão intolerante e preconceituosa, com atitudes como esta pessoas que defendem os direitos lgbt, mostram-se mais fundamentalistas que seus debatedores (malafaia), pois não aceitam que pessoas que uma vez tiveram comportamentos homossexuais, venham a ter comportamentos heterossexuais, o que o malafaia propoem, não é homofobia, “caça aos homossexuais”, mas sim uma opção para aqueles que queiram mudar sua orientação e comportamento.

Se ele assinasse os programas e as entrevistas como psicólogo, poderiam tentar cassar seu registro. No entanto, ele assina como pastor. Retrocesso é tentar impedir as pessoas de colocarem suas opiniões.

Felipe Lins
que pena pensa assim,parabens martins,concordo com você.

Será o conselho poderia emitir além de mera opinião suas pesquisas cientificas para validar sua manifestação. Como graduado em engenharia, temos esta pratica de validar opinião com base em pesquisa. Se o Conselho puder provar sua orientação e aquilo que declara, seria melhor pra que pudéssemos formar opinião de maneira coerente. A mera opinião é para leigos e não para o Conselho. Obrigado.

NICOLI COSTA - 15/02/2013 21:11

esses que sao contra o pastor e quem pubricou essa nota com certeza e um bando de bichonas

Leonardo Gomes Da Silva - 15/02/2013 21:22

É triste e lamentavél esta postura do Conselho Federal de Psicologia em repúdiar e querer inibir o posicionamento do Sr. Silas Malafaia que tem amparado pela Constituição Federal o amplo direito em formular um conceito sobre um determinado tema que ele assim queira fazer. O mais agravante neste contexto é que o mesmo fez suas declarações como pastor segundo sua crença, então não há porque o CFP está se entrometendo nesta questão, tal atitude do CFP revela uma póstura déspota desta intituição que infelizmente privilegia um segmento em detrimento de outro. Qualquer cidadão tem direito de ter um conceito afavor ou contrário sobre qualquer questão, incluindo assim as questões sexuais, portanto a atitude democrática que o CFP deveria assumir é o de não tomar partido, sendo imparcial. Espero que o CFP reveja essa póstura déspota que lamentavelmente assumiu. Concordando ou não com o Sr. Silas Malafaia acho que ele tem total direito em um Estado Democrático em defender suas opiniões e teses.

Alessandra - 15/02/2013 21:42

Em primeiro lugar ele se apresentou como pastor e não como psicólogo. Segundo ele não exerce a profissão de psicólogo, ele apenas usa a psicologia para embasar suas idéias. Toda a discussão deu-se no campo doutrinário, não citando ele o nome de qualquer pessoa. Assim ele apenas usou de seu direito constitucional da livre manifestação do pensamento, o conselho não deveria se meter nessa questão.

Julio César Ipólito Rosa - 15/02/2013 22:25

Complementando minha reflexão anterior, digo mais: um cliente deve saber o trabalho que estará sendo executado pelo seu psicólogo, isto é, deve saber, enquanto consumidor, o que lhe está sendo oferecido. Se o comprador da laranja vai até ao vendedor, nada é representado, nada se pode fazer. A partir do momento em que a crença e o interesse pessoal do psicólogo prevalece sobre o direito à liberdade do cliente, certamente configura-se uma prática irregular da profissão. É justamente no respeito à integridade da pessoa humana que as religiões pecam, porque cerceiam esse direito com o dogma, pelo que este não pode fazer parte da prática profissional.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk….

Ele foi como pastor e não psicologo. Concordo ninguem nasce gay……provem o contrario….

O pastor está certíssimo no seu ponto de vista. Tem seu direito de expressão. E defende com muita clareza. E ninguém é obrigado mesmo, a engolir esta, de se apenas olharmos diferente para duas pessoas do mesmo sexo se beijando já caracteriza homofobia. Onde fica o nosso direito de ir e vir????
Que não é normal nao é mesmo.
Admiro muito este conselho se pronunciar com tal nota.
Estou surpreso com este posicionamento.

cleriston - 15/02/2013 23:16

O pastor silas amparado pela constituição tem total liberdade de expressar a sua opinião,e mais ele estava ali como pastor e não como psicólogo.digo mais ninguém nasce gay,é um comportamento,porque vocês não me mostram um artigo mostrando o contrário.Todos tem o direito de ser o que quiser mais não venham querer impor opiniões,temos o direito ao contraditório,nos é garantido e isso ninguém pode impedir.mais uma vez ninguém nasce gay,comportamento pode ser mudado.desafio a me apresentar um artigo que dia o contrário.conheço muitos que mudaram o comportamento

cleriston - 15/02/2013 23:21

Muitos perguntam por que o conselho não cassa o registro do pastor?sabe porque?porque não tem o direito ele apenas exerceu o direito do contraditório,só isso.

Rev.Dr.hc.Paulo Davi - 16/02/2013 0:00

Deixa agente defender nossa opinião e confissão de fé, afinal tambem somos gente. Evangélico ou não somos gente com direito de opinar, ok. Parabéns Silas Malafaia. Outra coisa queria saber como o CRP orienta os psicólogos quando um filho de um casal gay, este casal chega junto para reunião de escola e a professora pergunta quem é o pai ou a mãe ou mesmo os alunos amigos, a cabeça da criança pira né. Perderam os valores mais simples da vida humana como ser mulher e ser homem. Ai a sociedade impõem estes valores decaídos em prol de uma defesa de atividades gays. As crianças são obrigadas a ser ensinadas a ser gay para que não haja preconceito, é complicado né, me ajudem psicologos…

Que nota mais sem noção!

Eu não sou fã do Silas, mas ele enquanto cidadão brasileiro tem direito de manifestar suas crenças. Assisti a entrevista com a Gabi, e o Silas falou como pastor e não como psicólogo.

É gente demais lutando pelo direito dos ‘excluídos’ que acabam por excluir o direito dos ‘não-excluídos’.

CFP: ele desdenha de nosso código de ética. O que mais falta para ele ter o registro cassado?

Ridículo isso do conselho que deveria ser sensato dando ouvidos a ativista por causa de um opinião contraria só neste país mesmo eu acho que ali na entrevista ele estava como pastor e não como psicólogo e ele é formado em psicologia mas não o vemos em consultas vemos ele pregando suas questões de crença cristã e usando fatos que ele aprendeu pra explicar pq ele é contra a prática e não dando apoio a homofobia eu vejo que o radicalismo ativista está corrompendo o conselho que deveria ter uma opinião mas abrangente firmada no que é certo e não procurando agradar algumas opiniões!!!!!! Falta de ética hein conselho!!!!!

Não devo me dar ao trabalho de comentar o que foi publicado pelo CFP, visto que com certeza, NÃO foi redigido por um psicólogo, mostrado no texto não saber a definição do termo “HOMOFOBIA”, uma patologia denominada na psiquiatria, a uma pessoa que tem aversão extrema a pessoas com orientação sexual fora do contexto heterossexual, seja ela qual for. Em outras palavras, uma pessoa que tem manifestação de ódio mortal por um homossexual. Quem pode diagnosticar alguém com a DOENÇA homofobia? Não é um profissional habilitado? Agora eu fico impressionado que, em vez do tal conselho se manifestar contra a BANALIZAÇÃO do termo “homofobia”, vem a público assinar embaixo a banalização do termo, desclassificando os profissionais da área, e dando a qualquer um o “direito” de fazer o uso ao bel prazer do termo. Penso que se Freud estivesse vivo hoje, provavelmente o mesmo conselho estaria empilhando processos e mais processos nas costas do mesmo.

A verdade é que o referido psicólogo, que foi o convidado a ser entrevistado como LÍDER RELIGIOSO, e não como psicologo (pela sua atuação na área de Psicologia COM CERTEZA não seria convidado), tem exposto as fragilidades do Conselho Federal de Psicologia, um órgão que se presta a tal papel, o que em um órgão sério, independente, seria inaceitável, e verdade seja dita, os maiores prejudicados com restrições impostas aos profissionais, são os próprios homossexuais que, ao recorrerem a eles, com conflitos emocionais/sexuais podem não ter ampla assistência, visto ser vedado ao psicologo não ter liberdade em abordar as questões sexuais do paciente. Mas voltando a Freud, não foi ele quem, ao abordar o caso de uma paciente homossexual, a reorientou, vão rasgar o Compendio de Freud? É risível algumas posições do CFP, e espero que sejam revistas, caso contrário, além do próprio conselho que já está enquadrado, toda a categoria estaria fadada ao descrédito.

Guilherme Oliveira - 16/02/2013 7:57

SENHORES, AS DECLARAÇÕES DO PR. SILAS MALAFAIA EM REDE NACIONAL SÃO VERDADES INQUESTIONAVEIS, E O CFP NÃO DEVE TOMAR PARTIDO ALGUM. A MELHOR COISA A SE FAZER É POR O “RABO ENTRE AS PERNAS” E SE CALAR, POIS A CONVERSA AINDA NÃO CHEGOU NA COZINHA.

Washington - 16/02/2013 8:30

Não é engraçado, é irônico da parte do conselho e outros que aceita o problema como normal em prol de favores ou porque não o sabem resolver. A homossexualidade é um comportamento e é bem enquadrada em seus estudos como tal. Deixem de hipocrisia respeitem também a liberdade de expressão do Pastor. Percebo que o concelho preferiria que vivêssemos nos dias da ditadura, ou que a “democracia” não existisse, vocês compõem um conselho e não um grupo LGBT. Vocês querem enganar a quem?

WILLE COSTA - 16/02/2013 8:56

Eu apóio o Pr Silas Malafaia. O Conselho é uma vergonha. Qq um que queira ajuda de profissional de psicologia tem seu DIREITO.

Sérgio Almeida - 16/02/2013 9:04

Não vejo problema em ele expressar a opinião”dele” e o mesmo sempre tem se manifestado como Pastor e não como Psicólogo, até porque ate onde eu sei o mesmo não exerce a profissão de Psicólogo.

Penso que o CFP afronta a Constituição querendo tolir um direito de todos que é a liberdade de expressão.

Aos ofendidos, existe a esfera juridica para a busca da retratação.

André Miranda - 16/02/2013 10:39

Acredito que não há necessidade em cassar o diploma do pastor, tendo em vista que ele apenas colocou sua opinião sobre tal assunto. Não senti que ele vez nenhuma argumentação que veio a colocar a ética da psicologia a prova, o fato é que ele estava dando sua opinião sobre o assunto abordado e devemos respeitar a liberdade de expressão. Acredito que por ser um assunto tão polemico, e frágil de lidar, pessoas estão querendo ser radicalistas e proibir uma pessoa a se expressar de tal forma. Devemos observar que o que estão fazendo e obrigar a uma pessoa a fazer o que querem indo totalmente contra a ética da psicologia.

Alexandre - 16/02/2013 10:58

Acredito que o grande problema dos que assinam o manifesto foi ausencia as aulas de interpretação, pois em momento nenhum o Pr. Silas homofobico (veja dicionario) o que ele fez foi expressar sua opinião como cidadão brasileiro e amaparado legalmente pela Constituição Federal, no seu Art. V que permite a qualquer um expressar sua opinião. Alias porque ao inves de escrever o tempo todo contra aqueles que tem uma opinião divergente (em uma ciencia humana) não promovemos um amplo debate com representantes de outros concelho, como por exemplo, o Concelho de Psi Americano. Vamos ouvir os diferentes e buscar uma liberdade que não iniba ninguem de ter o sua opinião

Mas o que foi q o Silas falou de tão ofensivo aos homossexuais? Ele só disse que ninguém nasce gay. Só! Não disse que são inferiores, nem que merecem ser discriminados. Só que não nascem.
Por acaso o CFP afirma que alguém nasce homossexual?

Não entendi porque o meu comentario não esta aqui, o que não posso me expressar aqui.
Abaixo a ditaduraaaaaaaaaaaaaaa

Felipe Lins - 16/02/2013 13:56

Nossa. Como tem gente cara de pau nesse mundo. Contradições? Contradições do geneticista? kkkk
O pastorzinho precisa se decidir: ou é pastor, ou é psicólogo.

Julio César Ipólito Rosa - 16/02/2013 14:05

NÃO ASSISTI À ENTREVISTA DO PASTOR SILAS MALAFAIA, MAS PREOCUPA-ME BASTANTE QUE MUITOS PSICÓLOGOS, POR DECLARAÇÕES AQUI REALIZADAS, PAREÇAM NÃO SABER SEQUER AQUILO QUE ESTUDARAM. A PSICOLOGIA É UM ESTUDO DAS MANIFESTAÇÕES PSICOLÓGICAS HUMANAS, AO PASSO QUE A TEOLOGIA É UM ESTUDO DAS MANIFESTAÇÕES DA DIVINDADE (consideradas supostas, por muitos). QUALQUER PRÁTICA PROFISSIONAL OU DECLARAÇÃO PÚBLICA EM NOME DA PSICOLOGIA QUE VEICULE A IDEIA DA BÍBLIA COMO REFERENCIAL TEÓRICO É IRREGULAR, PORQUE ESTARÁ TOMANDO COMO REFERÊNCIA O INERENTE À CIÊNCIA TEOLÓGICA, O ESTUDO DA DIVINDADE. A PSICOTEOLOGIA TAMBÉM NÃO PODE SER TIDA COMO REFERENCIAL TEÓRICO DA PSICOLOGIA, A MEU VER, PORQUE OS CONCEITOS DA ALMA SÃO DERIVADOS DA TEOLOGIA, NUMA DESCONFIGURAÇÃO DA CIÊNCIA PURA DAS MANIFESTAÇÕES PSÍQUICAS HUMANAS, MOTIVO PELO QUAL A PSICOLOGIA É LAICA. PORTANTO, É NO CFT QUE OS PROFISSIONAIS IMPLICADOS DEVERIAM TER O SEU REGISTRO, NÃO NO CFP. ASSISTIREI À ENTREVISTA DE SILAS E, SE ELE HOUVER DECLARADO ALGO SEMELHANTE, FAREI UMA REPRESENTAÇÃO CONTRA SI, DE MODO QUE CONVIDO OUTROS A FAZEREM O MESMO!

O direito humano mais importante é a liberdade de expressão sem a qual não ha democracia, ciencia e religião. Deixem que ele fale, o povo não é idiota, sabe muito bom separar o bom do mal comentário. Os militares tambem censuravam que falava coisas que não lhes agradavam.

Marcelo Neto - 16/02/2013 14:31

Eu concordo que “ninguem nasce homossexual” da mesma forma que ninguem nasce ladrão, traficante, prostituta, por aí… É tudo uma questão de escolha, de comportamento.
Só é quem quer, da mesma forma que cada um escolhe a religião ou seita que quer seguir ou acreditar, prefiro seguir a tese de que devemos respeitar a escolha de cada um, RESPEITAR e ACEITAR são diferente.
Eu achei essa nota do CFP um pouco exagerada, não freqüento nenhuma igreja evangélica nem sou católico,se tivesse uma opção de descurtir essa manifestação eu seria o primeiro.

Luciana Oliveira - 16/02/2013 15:26

O Pastor Silas Malafaia é um ser humano cheio de falhas como todos nós independente de religião, classe social ou opção sexual. Concordo com ele em defender os princípios bíblicos, pois DEUS CONDENA SIM NA BÍBLIA SAGRADA A PRÁTICA SEXUAL! Não são só os evengélicos como também a Igreja Católica é contra essa prática. Portanto, cada ser humano é responsável por suas escolhas, seja quais forem, e cada um dará conta de si mesmo a Deus. Não entendo como esse pastor é tão perseguido principalmente pelos homossexuais. Ele têm o direito de falar no que acredita, pois ele é LIVRE e à Constituição Brasileira da esse direito a qualquer pessoa de expor suas opiniões, como também os homossexuais tem direito de falar o que quiser. Vejo também, principamente nas redes sociais críticas e até palavras obscenas para com esse pastor e ninguém fala nada. Quando em seu programa ele fala algo muitos o condenam! Ahh, fala sério! Como cristã, peço a Deus que abençõe e dê sabedoria a cada uma dessas pessoas! Pois perfeito só DEUS!

Cara Jardelina, ninguém está proibindo pessoas que são religiosas e sentem desejos homossexuais a não terem comportamentos homoeróticos. Estamos falando de uma profissão concordar com algo que ela (enquanto representante desta área da ciência e profissão de Psicologia) enxerga como sendo contra seus princípios e contra a os Direitos Humanos. É só isso!

Cara Maria, a homossexualidade não é uma escolha, é uma orientação sexual. Já ouviu alguém dizer: “aos X anos escolhi ser heterossexual (ou homossexual)”? Com certeza não, porque não é uma escolha, a pessoa se percebe, se descobre, hetero ou homossexual.

Caro Marcelo Novaes Feitosa, vc falou sobre tratamento para homossexuais? Me desculpe a franqueza: mas em que século vc vive? Que conhecimentos vc possui para falar que é uma doença? Que precisa de tratamento?

Desconfio de que a grana do pastor influencia nos posicionamentos cabíveis para uma cassação. Se fosse um jeca qualquer ja teria sofrido a sanção. E a nota de repúdio na minha opinião deveria ter a publicidade de nível nacional para chegar aos ouvidos de quem ouviu as barbaridades deste déspota.

Beatriz P. B. Campos - 16/02/2013 18:24

Sinceramente, fico pasma sempre que encontro indivíduos heterossexuais se vitimizando, como se os homossexuais fossem os vilões.

Bom, afirmo que NUNCA vi ninguém sendo agredido na rua por ser hétero, ou repreendido, ou mesmo sendo obrigado a ouvir absurdos de pessoas que se sentem incomodados e, na verdade, nem te conhecem. Nunca vi um casal heterossexual sendo mal-visto em locais públicos, ou não demonstrando afeto por medo de agressões verbais.

Usam o argumento da “ditadura gay” mas em nenhum momento nós, heterossexuais, paramos para analisar os nossos privilégios. O oprimido não é o opressor. Parem de se vitimizar sem motivo algum pra isso.

Se ditadura gay significar indivíduos do bem lutando pelos seus direitos, espero viver sob essa ditadura por ainda muito tempo.

Manoel Neto - 16/02/2013 20:38

E a cassação? Por que não foi lavrada ainda?

Eles falam desta forma contra os evangélicos, por que sabem que estes são pessoas que pregam o amor, o respeito a pessoa humana, não agridem fisicamente, apenas discutem idéias e pregam o que a Bíblia sustenta, inclusive o perdão e que o homessexualismo é pecado. Os “boiolas” que não aceitam evangélicos e católicos que professam o cristianismo, chegam a ultrajar a Bíblia. más se fosse com os mulssumanos a conversa seria bem diferente. Aí sim eles iriam ver o que é violência.

muçulmanos, digo.

silas malasemalça - 16/02/2013 22:41

Pastor muito sabido, o nome já tem mala… entende?

Parabéns ao Psicólogo Silas Malafaia! Observei que, ao contrário do exposto pelo nosso CFP, Silas utilizou apenas argumentos com teor científico, sua entrevista foi pautada em pesquisas e casos clínicos referentes a esta questão. Congratulações por expor seu pensamento e não apenas aceitar uma “doutrina” do CFP.

Não sou evangélica, nem simpatizo com o Sr Malafaia, entretanto o posicionamento do CFP é tendencioso quando JULGA ser possuidor de verdade absoluta. Observei temas no site e notei que o CFP entra na área do Direito (quando defende demarcações Indígenas), área da política (questões da terra) e área magistral (quando Julga um psicólogo que não falou sob o exercício da profissão, mas fez colocações ideológicas , segundo sua orientação religiosa (o que é absolutamente Constitucional).
Sr Silas não foi homofóbico pois segundo conceito, não expressou ódio, aversão, ou rancor, ao contrário, declarou que ama os homossexuais, enquanto seres humanos. Não declarou que homossexualismo é doença, desvio ou perversão, ou que tais pessoas ou comportamento seja anormal, conforme relata a carta do CFP.
Anormal é um Conselho que deveria representar e orientar uma classe, mas está ditando regras e normas controladoras do pensamento e atitude de profissionais, como se fossem todos os (as) psicólogos (as) obrigados á obediência , sob pena de cassação.
Se a psicologia sempre esteve pairada na subjetividade, como pode um “Conselho” ser tão ditatorial? Assim como um pastor que manipula seus fiéis, incutindo-lhes o que é certo ou errado, o CFP faz juízo de valor e impõe aos seus profissionais uma decisão . Gostaria de saber : é unânime esse posicionamento em relação a TODOS os profissionais psicólogos (as)?

Deixa eu analizar vcs…estão pensando q a grande massa de homosexuais vão deixar de consultar vcs psiclologos para procurar Pastores. kkkkkkkkkkk pode ser…

O meu medo é que daqui a alguns anos os ladrões comecem a se reunir e dizer que roubam porque nasceram já com a vontade de ter as coisas dos outros,que os assassinos matam porque nasceram com ódio no coração ,que as prostitutas e os estupradores fazem tal ato porque nasceram com muita cede de sexo,e todos peçam perante a lei que respeitem as atitudes deles e tenham que respeitar tais atitudes porque nasceram assim .Vocês que discordam com o Sillas,já leram na bíblia que o homem foi feio pra mulher assim como a mulher foi feita para o homem? os gays falam que nasceram assim,que homossexualidade não é comportamental,então estão contrariando a bíblia e a palavra de Deus onde diz que homem foi feito pra mulher e vice-versa,outra parte da bíblia diz que aí daquele que tirar ao menos uma virgula da palavra de Deus,então está comprovado segundo a bíblia(palavra de Deus)que a pessoa não nasce gay,ladrão,prostituta,estuprador.Não concordo com os direitos que os gays estão querendo ter,se todos são iguais então para com essa ideia absurda de quererem ter um privilégio.Eu respeito,mas não concordo!

Adão Santos - 17/02/2013 1:02

Silas não falou na TV como psicólogo, e sim como pastor. Até quando vocês vão persegui-lo desse jeito?

Josiane - 17/02/2013 5:21

Carissimo Conselho

Venho por meio desta dizer-lhes que, vosso conselho , ao repudiar a entrevista de um psicologo de nivel acima de qualquer psicologo leigo em teologia,estao contribuindo para que, intelectuais formados em psicologia e teologia, percam o direito de tentar ajudar a humanidade de males prprovenientes de comportamentos inadequados ao padrao e etica familiar, resultando em dificultar e atrasar estudos que poderiam e deveriam contribuir para o bem da humanidade. Afinal, ignorancia gera ignorancia e esse conselho deveria mostrar total apoio a alguem nada ignorante e que tem a coragem e a inteligencia por todo um conselho medroso e hipocrita, defensores da ignorancia humana e culpados pelo atraso da ciencia humana…Silas Malafaia para presidente do Brasil!

Boa-noite!

Sabemos que é recorrente a procura pelos homossexuais às psicoterapias, uma vez que conflitos intrapsíquicos surgem a medida que assumem tal orientacão sexual. E isso não podemos omitir. Cabe ao profissional da psicologia com uma postura ética auxiliar estes sujeitos na elaboração dos tais conflitos.
Quanto as questões da ciência e religião, sabemos que existem divergências e que se nós não atentarmos sobre isto poderemos entrar num calabouço de preconceitos, e então prejudicar a prática da psicologia.
Sugiro que o CFP posicione-se de maneira menos preconceituosa e não esqueça que hoje podemos utilizar da fé (religião) como importante contribuição para o processo psicoterápico.
Precisamos considerar ambas as partes envolvidas, até porque quando se trata de pessoas toda a atenção deve ser dispensada. Como já pude observar em alguns comentários o preconceito quanto aos psicólogos cristãos, uma vez que cada profissional psicólogo por livre e espontânea vontade poderá adotar qualquer religião que o faça sentir-se bem ou melhor.

Selma Dias - 17/02/2013 8:50

Não publicaram o meu repúdio ao CFP.
PRECONCEITO maior está fazendo o CFP e os psicólogos a favor. Me admira a falta de respeito ao ser humano. O Pr. Silas defende sua religião acima da sua profissão. E creio que a perseguição aqui estampada, só reverte contra a categoria.

Selma Dias - 17/02/2013 9:02

ativistas gays do CFP, ainda que não publiquem meu repudio a voces, quero dizer que serão tratados por Deus por essa perseguição religiosa, e isso n~çao vai ficar barato não, viu??
http://noticias.gospelmais.com.br/cfp-declaracoes-malafaia-homossexualidade-inquisicao-49506.html#comment-304206
ESTAMOS NOS MOBILIZANDO, VAMOS FAZER UM ESTARDALHAÇO CONTRA VOCES… ESPEREM… VAMOS VER SE NOSSO DEUS É DEUS.

aroldo santos - 17/02/2013 10:03

Não vai dar em nada….o Pr. vai continuar exercendo a sua atividade e suas ideias serão sempre divulgadas….pois ele está amparado por lei…..somente se mudar a lei é que de fato ele seria cassado e não poderia mais divulgar seus ideais!!!!!!vai lá Pastor manda brasa…..

Jéssica - 17/02/2013 12:29

A minha resposta simples a isso: Ele pode expressar sua opinião o quanto quiser, só não pode envolver a profissão de psicologo nisso, como todos já sabem.

Cidadão antes de Psicologo - 17/02/2013 12:30

O Povo Brasileiro está feito carangeijo, andando para trás, não cabe cassação do registro de psicologo do Pastor, uma vez que ele está emitindo uma opinião dele, exercendo o direito de livre manifestação e de opinião, claro está que ele não usa o divã para mostrar suas idéias, além do mais ,um conselho profissional tem suas limitações legais, que não são maiores que a constituição brasileira. se eu fosse um psicologo ofereceria aos meus pacientes a possibilidade da reversão sexual sim, e dane-se o CFP que responderia na justiça se tentasse me cassar.

tem que caçar o diploma dele.
esse senhor traz tormento a vida de milhões de gays e homossexuais, e vocês estão sendo coniventes com isso.

Mesmo os homossexuais que se sentem infelizes por serem desta forma e desejam ajuda para mudar, o CFP também os priva de receber ajuda psicológica? Onde está o direito individual?

E outra… a própria notícia começa com “O Conselho Federal de Psicologia (CFP) manifesta publicamente seu repúdio às declarações do PASTOR Silas Malafaia…” Ora, e o que tem a ver a CFP com as declarações de um pastor? Desde quando o CFP pode intervir na religião? Então vai começar uma campanha contra os religiosos agora? Ou simplesmente por alguém TAMBÉM ser psicólogo não pode mais exercer publicamente a sua fé? Ele falou como psicólogo ou como pastor?

Gostaria de lembrar ao CFP o que garante a Constituição Federal:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
[...]
VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
[...]
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
[...]
XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;

Felipe Lins, CFP, E OS DEMAIS PSIC. A FAVOR DESSA NEFASTA NOTA, nem o Silas, nem eu, nem NENHUM psicólogo tem que decidir se é pastor ou psicólogo, se é crente ou psicólogo, que coisa mais ridícula! ele falou como PASTOR e tem esse DIREITO. Antes de ser qualquer coisa ele é GENTE! Moro no Brasil e sou protegida pela constituição que me assegura o direito a livre religião. Os gays querem ser respeitados? ótimo, estão certos e merecem. Mas RESPEITEM a liberdade de crer e pensar alheia. Evangélicos tem a bíblia como livro sagrado e está escrito de forma clara que o comportamento homossexual não agrada a Deus. Nunca vi um crente desrespeitando um gay, apenas se discorda, o que é COMPLETAMENTE diferente.

é uma vergonha essa nota de REPÚDIO do CFP, que além de indiretamente ferir a constituição brasileira, por REPUDIAR que um psicólogo expresse sua crença – quase dobrou nossa mensalidade (400 e tantos reais, para uma classe cuja remuneração numa prefeitura chega a 1300 é um roubo e equivale a mais de 30% do salário) e não faz nada de concreto por nossa categoria.. é só jornal e bla bla bla!

Cadê a defesa e explicação das diferentes atribuições do psicólogo aos planos de saúde, com uma tabela de remuneração diferenciada? enquanto isso morremos de fome sendo pouco reconhecidos por toda a sociedade. E não venham me dizer que isso é problema do sindicato.

Que péssima administração!

A bíblia nos ensina que devemos amar o próximo como a nós mesmos. Então devemos amar os homossexuais, porém não concordamos com suas práticas, como a bíblia abomina esse tipo de relacionamento. Deus criou o homem e a mulher para se unirem e formarem uma aliança. Vamos nos preocupar em atender a vontade de Deus e amar as pessoas, independente da sua religião, raça ou cor. DEUS AMA TODOS INCONDICIONALMENTE!!!

Psicólogo inconformado - 17/02/2013 16:37

Que vergonha ver um órgão como o CFP a serviço da militância homossexual mais radical. Cadê a isenção científica? É ridículo e absurdo o CFP simplesmente aderir a IDEOLGOIAS BARATAS e declarar, simplesmente declarar, que homossexualidade é uma manifestação humana de sexualidade que DEVE SER ACEITA. Ela é sim uma manifestação de sexualidade, mas declarar sua legitimidade moral em pé de igualdade com outras e, pior, TENTAR PROIBIR a oferta de tratamento a quem deseja deixar de ser homossexual é de uma tirania típica do radical movimento gay. Atenção, hipócritas: NÃO CABE A ESTA ENTIDADE, que não tem nenhuma autoridade legítima – moral, científica, teológica ou de qualquer outra espécie – difundir a homossexualidade. Digamos a verdade logo de uma vez: são homossexuais agindo em causa própria aqui dentro também. Vergonha, CFP, vergonha.

antonio marcos - 17/02/2013 17:20

pela quantidade de besteira que todos vocês falaram, inclusive por esta nota idiota, tenho medo de precisar de um psicologo e sair do consultório gay. vou embora antes que ser bicha torne-se obrigatório

acho que no dia que o CFP deixar o preconceito contra os credos cristãos, talvez ele possa repudiar qualquer outro tipo de atitude descriminatória…
vocês podem criticar ou se posicionar contra pastores, padres, cristãos e ate mesmo crença religiosa e isso não é ir contra direitos constitucionais de liberdade de religião e expressão, agora um cidadão não pode exercer o seu direito de opinar a favor ou contra uma questão? Afinal de contas se não fossem preconceituosos teriam visto que ali não estava o psicólogo Silas Malafaia e sim o pastor…
Deixemos de ser hipócritas queridos psicologos, matamos uns aos outros por uma simples questão de abordagem… no final das contas é tudo porque a homosexualidade está em alta e é assunto polêmico… e ao meu ver o CFP só está querendo limpar seu nome nesse processo…
Eu que repudio a sua atitude CFP… deixe as pessoas enquanto cidadões terem seus pensamentos e posicionamentos… tenho pena de Freud e muitos filósofos se vivessem nos nossos dias, teriam suas carteirinhas cassadas por não pensarem iguais a vocês os GRANDES que são pagos por muitos de nós, digo MUITOS que não somos a favor da homosexualidade e que nunca seríamos capazes de discriminá-los por isso… Nós não matamos homosexuais… porque vocês estão tentando exterminar nossa fé?

Ivo Linhares - 17/02/2013 19:24

Acho que esse senhor que se diz psicologo deveria procurar um psicologo. Ele tem algum distúrbio comportamental que precisa ser tratado.

Ivo Linhares - 17/02/2013 19:27

Bom, seguindo a linha de raciocinio (?) desse senhor que se diz psicologo, se ser homo é “comportamental” nós heteros podemos virar homo? Afinal é comportamento aprendido não é?

Lei nº 59/2007 de 04-09-2007

Artigo 240.º – Discriminação racial, religiosa ou sexual
1 – Quem:

a) Fundar ou constituir organização ou DESENVOLVER ACTIVIDADES DE PROPAGANDA ORGANIZADA QUE INCITEM À DISCRIMINAÇÃO, AO ÓDIO OU À VIOLÊNCIA CONTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, SEXO OU ORIENTAÇÃO SEXUAL, ou que a encorajem; ou
b) …


2 – Quem, em REUNIÃO PÚBLICA, por escrito destinado a DIVULGAÇÃO OU ATRAVÉS DE QUALQUER MEIO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL OU SISTEMA INFORMÁTICO DESTINADO À DIVULGAÇÃO:

a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual; ou
b) DIFAMAR OU INJURIAR PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS POR CAUSA DA SUA raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, SEXO OU ORIENTAÇÃO SEXUAL, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade; ou
c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, SEXO OU ORIENTAÇÃO SEXUAL;

com A INTENÇÃO DE INCITAR À DISCRIMINAÇÃO racial, religiosa ou SEXUAL, ou de A ENCORAJAR, é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.
Caberia uma ação da Promotoria Pública agir nesse caso, deste incitador???????

José Wellington Zacarias - 17/02/2013 19:59

Fui abusado quando tinha oito anos de idade por três adultos que em vez fornecerem amor e proteção, não! Violara-me de forma cruel e subjetiva sendo perdi totalmente a noção do tempo querendo compreender. Porque isso aconteceu comigo? Depois disso tive sérios problemas em relação a sexualidade e anos depois comecei a ter desejos por homens e fui homo durante 20 anos mesmo no meu íntimo eu não queria fazer e foi uma guerra mental muito grande até que em 2001 procurei um igreja e fui ajudado e apoiado por pessoas que me amaram e me amam até hoje. Hoje me considero reorientado e tenho a opção de voltar aquilo que Deus criou e não acredito pessoas nascem gay.. Posso afirmar porque fui um deles… são são desvio de comportamental aderido as feridas impetradas nos seu interior por agente externo. Eu escolhi ser reorientado, ou não posso fazer isso? Por isso apoio o Pr. Silas Malafaia por suas declarações em qualquer rede nacional, seja no seu programa ou em outros. Obrigado Silas realmente hoje posso contemplar a felicidade e a alegria do meu íntimo sem barreiras ou adversidades.

Silas Malafaia não merece o registro de psicólogo no CFP.

Sinto vergonha do Conselho Federal de Psicologia pela bandeira da homossexualidade em detrimento da saúde psíquica das crianças que por eles já estariam expostas à violência emocional e cognitiva em seu desenvolvimento. Exemplo disso é a cartilha gay por eles endossada. Apenas barrada pela sociedade brasileira que tem preceitos morais cristãos. Querer obrigar a todas as pessoas formadas em psicologia pensar e levantar a sua bandeira, desconsiderando o contraditório é muito desrespeito. O CFP pode sim dentro das atividades profissionais, e apenas assim, ditar normas de conduta, mas não pode mudar a ideologia dos seus membros, como em uma lavagem cerebral.

Wellerson - 18/02/2013 0:56

Espero que um pseudo-psicologo e pseudo-pastor como é o caso do Malafaia, tenha seu registro no CFP cassado. Seria interessante oferecer-lhe algumas classes de discurso e argumentação que não ensinem a recorrer à falácias. Suas retóricas – se é que podem ser chamadas realmente assim- não são verdadeiras, são simplesmente e extremamente falaciosas! Aqui termina meu discurso e opinião à respeito do dito por malafaia. Agora que encerrei minha “argumentação” expressarei minha opinião: Silas seu discurso traz vergonha à sua pessoa, qualquer cético que veja seu discurso sabe que você está fazendo papel de tonto. Sugiro que reveja seus argumentos e conclusões.

Leandro - 18/02/2013 7:25

Acredito que OPINIÃO de Silas Malafaia deve ser respeitada. Porque ele não tratou nenhum homosexual e sim, falou a opinião dele.
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
#NaoCassacaoDoRegistroDoSilas
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–
————————————–

MARIA ANTONIA DA SILVA - 18/02/2013 7:29

Se a proposta é respeitar a diversidade e as opiniões contrárias, porque o pastor Silas Malafaia, não pode ser respeitado, assim como suas opiniões diferentes da opinião da Cupula do CFP?

Porque não se pode fazer psicoterapia para homossexuais, se muita gente depois da operação de mudança de sexo tenta suicidio?

Lucas Joas - 18/02/2013 8:02

Sinceramente não entendi esta declaração do CFP, o Sr. malafaia em nenhum momento apresentou suas conficções no programa da Gaby como psicologo, e sim como pastor que ele é. Precisamos aprender a respeitar o diferente, deixa o homem ser partor ora…

Tiago Diniz - 18/02/2013 8:59

Atitude preconceituosa é a do CRP! Deixem a parcialidade do ativismo gay e estudem aquilo que o próprio FREUD constatou. Homossexualismo não é algo absoluto. Existe sim a reorientação!

Esse nosso conselho e uma piada! Cada um tem sua opinião. Na boa CFP, temos direitos de expressão livre, não quero ser calado por ninguém, ainda mais por um conselho. Enquanto outros países evoluem, o nosso regride. #vergonhaCFP

Maria Antonia, alguém aqui disse que homossexual não pode ter psicoterapia? Conflito interno quase todos tem (se não for todos), a sexualidade não é premissa de intervenção, está contemplado para todos.

Leia o código de ética da classe que talvez você entenda a questão da discussão, que nada tem haver em “não se pode fazer psicoterapia para homossexuais”.

O que não pode é outra coisa (ditar o certo/errado), leia o código de ética.

O assunto é outro…

Silas nunca falou que o a Homossexualidade é uma doença! eu vejo muitas distorções nesse texto devemos sempre buscar a verdade e não defender posições independentemente da verdade isso não é um jogo entre vasco e flamengo! pelo que vejo os posicionamentos de Silas quando mais quererem calar ele mais ele vai falar mais ele vai lutar para defender o que acredita!

Vinicius - 18/02/2013 11:13

Proibir o psicólogo de acompanhar homossexuais confusos e que desejam mudar sua “orientação” não faz sentido. Se o cara desejar mudar ele pode ir a Igreja Universal e busca uma “saída espiritual” para a questão. Bom não é?

http://www.youtube.com/watch?v=PN6AXJxJnSs

Malafaia está correto!

CIÊNCIA SÓ É CIÊNCIA PORQUE ALGUÉM CONTRARIOU AS NORMAS VIGENTES DA ÉPOCA, RESPEITO É PARA TODOS.

atitude incorreta da cfp, o silas não agrediu ninguém, pelo contrario é um homem que tem por objetivo ajudar aos homossexual que quer se libertar de tal ato a qual não se sente bem. Por isso que esse país não vai para frente

Rogério - 18/02/2013 12:42

Na minha simples opinião não é interessante para nenhuma das partes encerrar o “debate”. Afinal ele promove o ativismo gay, o CFP e o pastor Silas que não sai da mídia por conta disso. Todas as entidades o ativismo gay, o CFP e o pastor Silas saem ganhando mais popularidade. Quem sofre com isso? Alguns gays confusos quanto a sua orientação sexual. Exemplo disso é o relato da mãe acima que disse que seu filho quase se matou por isso. Sou evangélico, e pela bíblia a homossexualidade é condenada como pecado. Agora, se não crêem na bíblia, não adianta malar em ferro frio. Não concordo como ativismo gay quando quer descer guela abaixo da sociedade suas práticas de uma hora pra outra. Por outro lado concordo com o Pr. Silas em parte, quando diz que a bíblia condena a homossexualidade; quanto a sua maneira de se portar, essa não concordo. Jesus era manso e dizia as suas verdades sem ofender ninguém. resultado era sempre favorável. As pessoas se convenciam do seu discurso e o seguiam. Querem parar com essa demanda? parem de falar no assunto. Mas seria interessante? quem se promoveria se o assunto fosse encerrado?

Alexandre - 18/02/2013 14:08

É muito ruim ver uma instituição deste porte tomando iniciativas que chego a dizer ABUSIVAS ! Como em plena consciência vocês tomam parte do movimento gay ARMAMENTISTA e se posicionam em uma entrevista feita ao PASTOR SILAS MALAFAIA e não ao PSICÓLOGO SILAS MALFAIA. Em nenhum momento ele disse que falava como psicólogo. Já basta a Marilia querendo praticamente BATER NELE, porque discordava em alguns pontos. É vergonhoso ver a CFP declarar em nota alguma coisa sobre a vida pessoal de alguém. Parabéns pelo posicionamento Silas e digo mais, é fácil se esconder pelos cantos como tantos incontáveis por aqui do que mostrar a cara e sua convicção assim como você faz Silas Malafaia

Fábio Alvino - 18/02/2013 15:03

Enquanto ele for psicólogo estará denegrindo a Psicologia como profissão e como ciência. Se o CRP não for capaz de sanção que, além do ato de repúdio, desaprove seu direito de identificar-se como tal, de nada adiantará sua visão. Isso porque existe uma incompatibilidade muito grande entre certos posicionamentos ideológicos. A Psicologia passa assim a ser uma palavra que o senso comum se apropria, tornando-a um simples adereço de qualquer um, com qualquer opinião e nenhum limite. Daqui a algumas outras aberrações ditas em rede pública a nossa ciência será menos compreendida pela sociedade. A nossa sorte é que a entrevista foi feita por uma pessoa inteligente, senão o prejuízo seria maior.

Fábio Alvino - 18/02/2013 15:09

Outro detalhe importante. A entrevista milhões de pessoas viram, o repúdio não. Talvez, apenas nós psicólogos estamos aqui discutindo entre nós mesmos. Esse repúdio só faria sentido se atingisse o mesmo público em rede nacional logo após a exibição do programa.

Alexandre - 18/02/2013 16:41

Meus queridos… Vcs estão fora do Brasil… Ele nunca, jamais, foi para algum programa como psicologo. Ele é pastor e como pastor não prega suas ideias, mas defende a Biblia…
E reforço homem é homem e mulher é mulher. Ninguém pode mudar isso. “Ahhh mas eu fiz uma cirurgia” pois eu te digo, continua sendo homem…kk

QUER DIZER QUE AGORA NENHUM EVANGÉLICO PODE SER PSICOLOGO?? NENHUM PSICOLOGO QUE É EVANGÉLICO CONCORDA COM O COMPORTAMENTO HOMOSSEXUAL. ISSO PQ A BÍBLIA É A REGRA DE FÉ E PRATICA DO EVANGÉLICO E, A PRÓPRIA BÍBLIA REVELA QUE DEUS ABOMINA TAL PRÁTICA PECAMINOSA (A BÍBLIA É A LEI DE DEUS PARA O HOMEM E ESTÁ ACIMA DE QUALQUER LEI OU FILOSOFIA). ACREDITO QUE AS PESSOAS TEM O DIREITO DE SE COMPORTAR COMO QUISER. SE ALGUÉM QUISER SER HOMOSSEXUAL É PROBLEMA DELE. ACREDITO QUE UMA PESSOA QUE É HOMOSSEXUAL TEM O DIREITO(SE ELE QUISER) DE BUSCAR AJUDA PROFISSIONAL DE QUALQUER PSICOLOGO DE SUA ESCOLHA (SENDO ELE EVANGÉLICO OU NÃO), PARA MUDAR O SEU COMPORTAMENTO(DE HOMOSSEXUAL PARA HETEROSSEXUAL). ACREDITO QUE TODO BRASILEIRO TEM O DIREITO DE LIVRE EXPRESSÃO ASSEGURADO PELA NOSSA CONSTITUIÇÃO NO ARTIGO 5.º. O PASTOR SILAS NÃO TÁ MATANDO NINGUÉM, NEM MANDANDO MATAR… MAIS ELE SIMPLESMENTE FALA DE SUAS CONVICÇÕES PQ É SERVO DE DEUS E CRITICA COMPORTAMENTOS PQ ELE É LIVRE PRA SE EXPRESSAR SEGUNDO NOSSA CONSTITUIÇÃO DIZ. É SACANAGEM O QUE ESTÃO FAZENDO COM ELE OS CRISTOFÓBICOS!! TODO MUNDO CRITICA OS EVANGÉLICOS E NÓS NÃO FALAMOS NADA PQ É UM DIREITO QUE QUALQUER UM TEM. AGORA QUANDO OS EVANGÉLICOS CRITICAM O COMPORTAMENTO DOS HOMOSSEXUAIS AÍ SOMOS PRECONCEITUOSOS??? QUEM SÃO OS VERDADEIROS INTOLERANTES???

Luciano Pires - 18/02/2013 17:21

Ao invés de vocês tentarem calar a verdade e tentar matar o que é reto e moral na nossa sociedade, vocês deveriam criar leis para prender esses bandos de depravados gays, que ficam se alisando e se beijando em praça pública, achando como se isso fosse natural para a nossa sociedade, não vamos aceitar esta PLC 122, não adianta não seus bandos de depravados, se preciso vamos pra rua, saiba que somos ainda a maioria, porque quando não formos mais, Deus manda fogo do céu e aniquila todos vocês, como fez com sodoma e gomorra, pode espernear que nós não vamos nos calar. A única esperança pra vocês é JESUS…

Priscilla - 18/02/2013 17:42

“Orienta, fiscaliza e disciplina a profissão de psicólogo, zela pela fiel observância dos princípios éticos e contribui para o desenvolvimento da Psicologia como ciência e profissão.” É COMO CONSTA NA DESCRIÇÃO DA PÁGINA DE VCS NO FACEBOOK. Se ele fere a ética ou as resoluções e o cfp repudia a postura dele, manifestando isso em uma nota pública, cadê o cfp ‘disciplinando e zelando’ por isso? E por favor CFP eu mereço mais que um crtl +c ctrl+v dessa resposta besta de vcs! “Prezados (as),

Sobre possibilidade de cassação do registro de psicólogo do pastor Silas Malafaia, esclarecemos que as sanções passíveis de serem aplicadas aos psicólogos devido à conduta profissional antiética só podem se dar mediante processo ético com julgamento que respeite as garantias constitucionais (como direito ao contraditório e ampla defesa). Além disso, no que diz respeito a processos éticos o CFP é instância de recurso, por isso não pode realizar nenhuma ação que não esteja prevista em normativa e dentro do rito processual adequado. A manifestação feita pelo CFP neste contexto se deu como uma resposta pública a um posicionamento público feito pelo sr. Malafaia ao programa de entrevista veiculado no SBT.”

Como psicóloga, que paga uma anuidade desproporcional ao meu salário, espero uma ação melhor que um repudio e resposta copiada e colada!

O que me faz pensar diante de toda essa situação, é o porquê da psicologia se pronunciar tanto por essa causa “homosexualismo” no sentido de favorecimentos, pois período anterior na faculdade tive uma disciplina cujo nome é psicologia e família, e descobri que a atividade maior de um psicologo famíliar diante das orientações para famílias homos é AMENIZAR O SOFRIMENTO, TENDO EM VISTA PRINCIPALMENTE O FATO DE QUE A MAIORIA QUE EXERCEM TAL PRÁTICA TEM AIDS, E OUTRAS DOENÇAS!!
ELES PROCURAM A TERAPIA PORQUE SOFREM E QUEREM MUDAR!
ESSA DETERMINADA PROFESSORA TRABALHA INCLUSIVE COM UMA EQUIPE DE PESSOAS QUE SÃO HOMOSEXUAIS QUE TEM AIDS!!!
ENTÃO PORQUE ACATAR TAL PRÁTICA FAVORECENDO-OS INCLUSIVE DIANTE DE LEIS, SE A MESMA ESTÁ CAUSANDO SOFRIMENTOS TANTO FÍSICOS, E SEM DÚVIDAS EMOCIONAIS.
VAMOS ANALISAR!
FAMÍLIAS TRADICIONAIS EXISTEM HA MAIS DE 2.000 ANOS E NÃO TEM CAUSADO TANTOS PROBLEMAS A PONTO DA PSICOLOGIA NECESSITAR SE ENVOLVER TANTO, QUANTO A ESSE OUTRO TIPO DE FAMÍLIA QUE EXISTE HA UMA QUANTIDADE DE TEMPO MENOR TEM CAUSADO TANTO PROBLEMA!!!

UM DOS MAIORES OBJETIVOS DA PSICOLOGIA É AMENIZAR SOFRIMENTOS E PROBLEMAS??? ENTÃO ACREDITO QUE SE A PSICOLOGIA TEM SE VOLTADO TANTO PARA HOMOS É PORQUE TEM SIDO PROBLEMA….. E SE O NUMERO DE PESSOAS HOMOS QUE PROCURAM TERAPIA QUEREM DEIXAR TAL PRÁTICA POR ESTAREM PREJUDICANDO SUAS VIDAS EM TODOS OS SENTIDOS, ENTÃO NÃO É FAVORECENDO-OS COM LEIS….. QUE VAMOS RESOLVER!!!!

Psicólogo inconformado - 18/02/2013 19:33

Que vergonha ver um órgão como o CFP a serviço da militância homossexual mais radical. Cadê a isenção científica? É ridículo e absurdo o CFP simplesmente aderir a IDEOLGOIAS BARATAS e declarar, simplesmente declarar, que homossexualidade é uma manifestação humana de sexualidade que DEVE SER ACEITA e não pode ser tratada. Ela é sim uma manifestação de sexualidade, mas declarar sua igualdade a outras e, pior, TENTAR PROIBIR a oferta de tratamento a quem deseja deixar de ser homossexual é de uma tirania típica do radical movimento gay. Hipocrisia: NÃO CABE A ESTA ENTIDADE, que não tem nenhuma autoridade legítima – moral, científica, teológica ou de qualquer outra espécie – difundir a homossexualidade. Digamos a verdade logo de uma vez: há homossexuais agindo em causa própria aqui dentro também. Vergonha, CFP, vergonha.

Rafael Gadelha - 18/02/2013 20:49

Alguem consegue me explicar, genetica, psicologica ou qualqueroutracoisamente o fato de heteros em determinado momento de suas vidas, resolvem se tornar homosexuais e todo mundo aplaude. Mas se um gay tentar virar hetero comeca uma guerra fria?

Estou indignadíssima com o Conselho de Psicologia em querer cassar a carteira de Silas Malafaia quando este se pronunciou no Programa de Frente com GAbi na posição de pastor e não de psicólogo. Acho (ou melhor, certamente) que o Conselho Federal de Psicologia está muito equivocado em achar que pode interferir na vida dos cidadãos que são psicólogos, esquecendo que somos não só psicólogos mas pessoas de direitos. Respeito a todos! Aqueles que concordam com a ideologia do CPF e os que não concordam! A carta de repudio emitida pelo CFP não expressa a minha opinião enquanto psicóloga! Agora se pronunciar enquanto cidadão apenas e nao como psicólogo, nao pode, é? Só posso falar aquilo que o CFP concorda, só porque sou psicóloga? Absurdo! Protesto! Protesto! Protesto!

Aos que disseram que agora se expressar virou crime porque estão embasados pela constituição estão parcialmente corretos. Sim, ele pode se posicionar sobre o assunto (como nós todos estamos fazendo aqui). Disseram também que ele se apresentou como pastor e não como psicólogo. Sim, tudo seria lindo se fosse realmente isso. Mas se prestarem atenção na entrevista ele se baseou em seu conhecimento acadêmico para ser contrário a homossexualidade. Ele teve a cara de pau de citar justamente Freud sendo que a psicanálise, entre todas as escolas da psicologia, me parece ser a mais clara nas questões de formação da sexualidade de todos. Creio que esse conhecimento não foi adquirido em nenhum testamento, o que nos deixa interpretar que ele se apresentou SIM como psicólogo E pastor. Ou seja, o conselho tem todo o direito de se posicionar contra a fala dele porque ele se utilizou da identidade de psicólogo para dar ar de autoridade a sua fala. O CFP não repudiou o ato dele como um cidadão, mas sim como um psicólogo que supostamente deveria trabalhar conforme o Código de Ética de nossa profissão.

Eleandra Machado - 18/02/2013 22:03

A invisibilidade social do CFP e da carta repudio continua respaldando o comportamento deste colega que não represneta a classe, mais, fala por ela em muitas entrevistas. O Yuotube esta com inumeros videos nos quais ele embassa suas premissas religiosas com frases tipo: ” eu sou psicologo e sei que …” até quando CFP? Cuidar da profissão é responsabilidade de todos nós! mais o CFP precisa também ter a ação, a atitude de mobilização! o que o senhor Silas faz é coersão social! posso ate mesmo dizer opressão frente aos que não conhecem a Psicologia e desta forma, ate mesmo o defende! Chega né…eu e mais 80 psicologos da minha cidade aguardamos uma atitude do CFP…

O CFP justifica sua suposta neutralidade a partir das regras que ele próprio institui sobre suas funções. Esquece a ética ao manter esse profissional sem ética se apresentando como psicólogo em rede nacional.

É uma vergonha ver o CFP tomar essa decisão tão estúpida.
Vocês postam a nota: “Mais de 25 curtiram a nota de repudio…” Mas, desafio a vocês colocarem uma opção de quem repudia a nota do CFP. Veriam que a maioria das pessoas (GRAÇAS A DEUS) repudiam a perseguição que vocês estão fazendo ao Pastor Silas por ele falar o que está escrito na BÍBLIA. Ele não inventou a Bíblia.
Está escrito que DEUS odeia o pecado mas ama o pecador! E que o homosexualismo é abominável a Deus.

O Pastor não está errado em usar, além da Bíblia a Psicologia para afirmar o que ele quer dizer. Se alguém tenta contrariar ele pela ciência ele tem que responder com a ciência.

Discordo com as falácias de psicólogos que defendem apenas uma causa. O profissional psicólogo ainda possui preconceitos enraizados, principalmente quando se trato de religião e orientação sexual. Essa discussão não vai ter fim uma vez que cada profissional esta a defender o que lhe é de interesse, não se importando com as diferenças apropriando-se de um ser preconceituoso.

Renato Ribeiro - 19/02/2013 1:05

Pessoal, O Silas Malafaia se apresenta como PASTOR, ser psicólogo não significa deixar de ter crença ou opinião… Se fosse assim não existiriam cientistas cristãos, eu acho que todo mundo tem o direito de expressar sua opinião ainda que contrária a de muitos. Vocês Psicólogos deviam se lembrar mais das palavras de Voltaire: “Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres”

CAROS PSICÓLOGOS, VCS CONHECEM ALGUM PSICOLOGO E TAMBÉM EVANGÉLICO, QUE SENDO QUESTIONADO COMO O PASTOR SILAS FOI NÃO RESPONDERIA DA MESMA FORMA??? VOLTO A PERGUNTAR: QUER DIZER QUE AGORA NENHUM EVANGÉLICO PODE SER PSICOLOGO??? ESTAMOS NUM PAÍS DEMOCRÁTICO, OU NUMA DITADURA HOMOSSEXUAL DE CRISTOFÓBICOS????

José Neto - 19/02/2013 7:58

Pelo visto só tem homossexual comentando o assunto! Sem falar que pelo visto quem comanda o CFP devem ser lideres do ativismo Gays.

alberto - 19/02/2013 9:11

FAÇO MINHA, A PALAVRA DE:
Aender Borba – 07/02/2013 17:48

Esta não é a primeira vez que comento um artigo que julgo tendencioso, postado pelo CFP. Primeiro, deixo claro que não faço apologia à defesa de quem quer que seja, muito menos do tal pastor e “psicólogo”. Minha opinião é que não houve nenhum tipo de violência naquela entrevista. O pastor expôs seu pensamento e foi refutado pela repórter, como em qualquer diálogo humano, que dotado de um mínimo de decência pode e deve acontecer. Sem mais delongas, acho que o CFP mostra quais os “direitos” “humanos” quer defender. CFP, defenda sua classe, defenda todos os humanos indistintamente e não apenas certas classes. Deixe que esse debate continue como deve ser, na esfera pública, e abandone essa tentativa iluminista de segregar a religião à esfera privada. Gays, cristãos, judeus, árabes, ateus, políticos, psicólogos, etc são todos humanos e têm o direito de se expressar. Sem violência, é claro, mas se posicionando a partir de sua visão de mundo. Isso é humano!

Alexandre - Embaixador de Cristo - 19/02/2013 10:44

Sem muito blá blá blá… Tudo decorre do vergonhoso posicionamento do Conselho Federal de Psicologia no que tange a vedação do profissional psicólogo atender casos em que um homossexual procure-o para ajudá-lo a voltar a sua posição NATURAL de um ser humano; e digo isto porque não é o psicólogo que vai atrás do cliente/paciente para ajudá-lo em sua orientação sexual; pelo contrário, é o paciente que busca a ajuda do profissional psicólogo, haja vista o seu sofrimento pela orientação sexual a que estava ligado, desejando assim voltar a ter ATITUDES de um ser hetero. Ora, se a opção de voltar a ser hetero é do paciente, por que a proibição?! Nota-se, portanto, que a vedação do CFP é simplesmente vergonhosa. Aliás, para mim, os posicionamentos do Conselho Federal de Psicologia, no que tange a homossexualidade, tem sido uma vergonha em nosso país!!

Giselle Casagrande - 19/02/2013 12:06

Conforme o parágrafo: “Ao alegar que a homossexualidade é uma questão de comportamento, o pastor se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia, especialmente no que tange a Resolução CFP nº 001/99, estabelece normas de conduta profissional para o psicólogo na abordagem da orientação sexual, visando garantir um posicionamento de acordo com os preceitos éticos da profissão e a fiel observância à promoção dos direitos humanos. Considera que a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana.” Isso me parece suficiente para alegar a não conformidade com a ética profissional. É lamentável e vergonhoso eu diria para a imagem da classe profissional, este Sr. divulgar ser Psicólogo. Mesmo porque o fato de estar sempre na mídia de maior alcance impede o posicionamento proporcional dos de fato Psicólogos e que realmente atuam de acordo com os preceitos éticos.

Leandro cruz - 19/02/2013 12:38

Eu acredito que a nossa nação nao tem jeito, pois é formada por pessoas estupidas que querem impor o que pensam como regra, doutrina e ate mesmo lei. Todos vocês , e ate mesmo este CFP, deveria estar preocupado com pessoas que sofrem tralmas, mulheres vitimas de estupradores, crianças violentadas, tralmatizados por assaltos , crianças sem familia. Hipocritas!!! É mais facil criticar uma pessoa pelas suas opinioēs,ainda que a constituição lhe garanta a livre expressão . Hipocritas!!!! Por que todos vocês não pedem a cassação do mandato de politicos corruptos???estes sim, interferem diretamente nas nossas vidas. Não , voces se calam, insensatos, incaltos , estultos. Infelizmente, enquantos vivermos com este pensamento mesquinho e intransigente, não aceitando a opinião de outrem , seremos este povinho mediocre, que massacra um bode espiatorio para esconder nossa incapacidade de lidarmos com a realidade. Todos vocês são iguais aos que crucificaram a cristo e libertaram barrabas. As suas corrupições lhes segaram o entendimento, nescios no proceder.aqui eu deixo o meu repudio ao cfp.

Renato Ribeiro - 19/02/2013 13:29

Pessoal, O Silas Malafaia se apresenta como PASTOR, ser psicólogo não significa deixar de ter crença ou opinião….. Se fosse assim não existiriam cientistas cristãos, eu acho que todo mundo tem o direito de expressar sua opinião ainda que contrária a de muitos. Vocês Psicólogos deviam se lembrar mais das palavras de Voltaire: “Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres”..

Marcio Rodrigues - 19/02/2013 14:01

SILAS MALAFAIA JÁ PROVOU TUDO, COM ELE ESTA A LEI,O DIREITO, A ÉTICA A SABEDORIA

Alex Marques - 19/02/2013 14:15

sou estudante de psicologia e evangelico também… alguém em uns dos comentarios acima comentou que deveria proibir o cristão (evangelico) a estudar o curso de psicologia. Direitos pra todos ok.!!!

expressão de opinioes e direito também e o silas sabe o que é crime e o que não é. o conselho vai analisar e decidir o que será feito!!!

Fábio H F - 19/02/2013 14:21

A falta de imparcialidade dos sujeitos físicos e jurídicos envolvidos nesta temática é lamentável e empobrece a discussão. Há riqueza a ser explorada nos dois lados, mas infelizmente insistimos na mediocridade da parcialidade que nos condiciona e conduz a levantar bandeiras com base na superficialidade dos fatos. Mas essa postura é compreendida, pois somos uma “adolescente” ciência e “nessa fase” (como todos nós sabemos) há constantes atitudes impulsionadas pelo desejos de nos aparecer sem considerar as consequências. Mas uma vez repito, precisamos parar de criticar destrutivamente as partes e agregar a nossa ciência, para isso será necessário encontrarmos a imparcialidade neste cenário e adicionar forças de ambas as partes e pararmos de sermos simples expectadores partidários.

Ivanilde - 19/02/2013 15:02

Nunca vi um conselho de Classe, principalmente o de Psicologia entrar no mérito das discussões que ferem seu próprio código de ética no item II. “O psicólogo trabalhará visando promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuirá para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. e no III. O psicólogo atuará com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural” (não se analisa e fica calado) e da Contituição.
A CONSTITUIÇÃO FEDERAL É CLARA:
IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
Não cabe ao conselho entra neste mérito.
Não é só a Bíblia ou o alcorão que condena a homossexualidade, a sociedade de um modo geral também o faz. O que não quer dizer que se deseja a morte de todos que não são seus iguais. Não se concorda e não se é obrigado a concordar.
O que eu não entendo é porque tanto bla bla sobre um assunto em que nunca haverá concordância , os que são a favor continuarão a favor, os que são contra continuarão a ser contra, no entanto contra a Lei de Deus não há argumentos.
O que sei é que nós os que pertencemos a uma Igreja Evangélica, que tem a Bíblia como norma de conduta e fé, sabemos que esse modo de vida não agrada a Deus, no entanto continuamos a amar a todos com suas manias, seu jeito de viver, seus pecados, intrigas etc. Entendemos que Cristo veio a terra foi para os doentes, necessitados, carentes, pecadores e por isso nos preocupamos, pois todos carecemos do seu amor e precisamos de sua Graça. “ A Bíblia diz: Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”. Romanos 5:8
Temos por obrigação proclamar aquilo que cremos. Cremos, e não abrimos mão de nossa fé.
Estive vendo um vídeo onde houve agressões de homossexuais aos jovens católicos de Curitiba e fiquei penalizada com o que aconteceu e me pergunto: Porque um grupo pode dizer o que quiser e o outro não?
Pensem bem: mães, pais, ativistas, defensores do movimento GLBT etc. etc. É este o país que vocês querem? Hoje são pedras e paus, amanhã serão armas e não será apenas um lado que irá perder. Todos perderão. O que será uma lástima.
Ah! Umas ultimas perguntas, já citando a constituição: IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; quem foi que escreveu em nome do Conselho? Foi o Presidente(a)? Por que não assinou? E os Psicólogos vão aceitar a mordaça? Vamos ver se sim.

Berenice - 19/02/2013 17:56

Se eu tivesse religião,diria:”Deus nos fez a sua imagem e semelhança”. “Todos somos filhos de Deus:TODOS”. Mas,não sigo nenhuma religião.Então,não vou admitir que alguém fale em nome da minha profissão e que venha tentar justificar quaisquer fatos por meio de “eu acho que….”. Absurda essa situação de intolerância e egocentrismo a serviço de sabe-se lá o quê!!!!!

Então o CEP repudia um psicologo com base no que afirma só por que voce discorda? Ora a psicologia não é mais uma ciência? Então por que o repudio do CEP não foi embasado em fatos e provas de que ele esta errado? A resposta é só uma. O Silas esta certo, e voces não conseguiram contradizê-lo. Que vocês são contra o preconceito, isso ele também é contra… Não foge do assunto principal que são provas científicas, se não conseguir reuni-las para combate-lo então fique calados. O melhor devia pedir desculpas a ele.

Max Perillo - 19/02/2013 18:32

Sociedade, fique atenta! Se considerar o homossexualismo normal, num futuro não muito distante terá que tratar da mesma forma a pedofilia, o incesto e a zoofilia. É isso mesmo! Se pode-se aceitar dois homens vivendo maritalmente, por que não um homem de 45 anos ter relações com uma adolescente de 14? Ora, também é “normal”! Se um pai e sua filha quiserem viver maritalmente e se encherem de filhos, que serão uma mistura de filhos/netos do Pai, e filhos/irmãos da Mãe; ficará bom assim? Certamente muitos estão desassociando um coisa da outra, mas não se iludam, será assim, pois muitos pró-gays comparam o “preconceito” sexual à discriminação racial. Sociedade fique atenta!

CEP inquisitório quer cassar psicologo só por que dá opinioes qdo pastor?

Thalles Garcia - 19/02/2013 19:20

Bom. O Conselho foi brilhante ao dizer que o Psicólogo é obrigado a buscar a felicidade e o bem estar de seu paciente. É dizer, se o paciente procura o Psicólogo para conseguir assumir sua Homossexualidade, deve ser ajudado. E se o Homossexual procurar o Psicólogo querendo voltar a ser Heterossexual, o Psicólogo não pode ajudá-lo sob pena de ser casado pelo CFP por praticar reorientação? Proibir a manifestação do pensamento não seria tão grave quando o preconceito ao homossexual? Se o homossexual é livre, o cristão também deveria ser ao discordar da prática homossexual!

Jefferson - 19/02/2013 23:34

Após ler a nota do CFP e os devidos comentários e também assistir ao vídeo de resposta do Pastor Silas eu só tenho a REPETIR o que já foi argumentado. Se o mesmo nunca se apresenta como PSICÓLOGO e sim como PASTOR, porque o CONSELHO comete esse erro IMBECIL de criticar a posição dele como pastor?
E pra encerrar, gostaria de chamar à atenção o trecho da nota do CFP que diz: “posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana.” Notaram a contradição do entendimento sexual face ao Código Penal? Se “diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades de existência humana”, então a PEDOFILIA, que também é um diferente modo de exercício da sexualidade não pode mais ser considerado CRIME! Não, não estou sendo extremista e nem falando MERDA! Qual a diferença em se sentir atraído sexualmente por crianças e se sentir atraído por pessoas do mesmo sexo? ATRAÇÃO É COMPORTAMENTO! Se não for, ENTÃO LIBERA A PEDOFILIA, AS DROGAS(porque pessoas são atraídas pela curiosidade e experimentam), OS ASSALTOS, HOMICÍDIOS, PORQUE NO FINAL, TUDO É COMPORTAMENTO! NAUM FODE CONSELHO!

Ninguém pode calar um Profeta, assim como o Profeta Elias o Deus dos exército macha com ele, a confiança deste homen está em Deus.

Enquanto Elias se escondeu da perseguição de Jezabel, a Bíblia declara que Deus o protegeu de forma sobrenatural.

Para os que usam como argumento que se aceitamos a homosexualidade temos que aceitar a pedofilia e necrofilia e outras asneiras, estamos falando de coisas diferentes. Estamos falando de uma conduta sexual que não afeta os direitos e escolhas dos outros, e não de uma perversão que ultrapassa os direitos de outros e são crimes punidos por nossas leis establecidas para a sociedade. Sob o fato do pastor de ovelinhas Silas, fazer campanha contra o homosexualismo se aferrando fielmente a Levíticos, eu ainda não vi ele fazer campanha e atacar publicamente supermercados e companhias pesqueiras, baseiado em que em levíticos diz que e uma aberração comer moluscos. Acho que ele tem um problema pessoal com o tema, tal vez algumas preferências que ele não deseja asumir…

john marleson - 20/02/2013 13:41

A relação homoafetiva é um tema delicado, de um lado estão os argumentos e opiniões de homossexuais, querendo acima de tudo ter seus direitos e cidadanias reconhecidas, do outro estão os que defendem os valores deixados pelos nossos ancestrais, sociedade e até valores religiosos.
Podemos Observar alguns pontos na entrevista, em especial a que o Pr.(psicólogo) Silas Malafaia, em momento nenhum se coloca como psicólogo como pastor foi chamado para a entrevista para esclarecer e explicar matérias relacionadas à revista Forbes, sobre seu patrimônio, bens, salários etc. Em relação à entrevista sobre a PL 122/2006, fica claro a observação do pasto Silas, em alguns trechos podemos ver a questão da lei, que acima de tudo estar dando privilégios para um grupo, como nenhum outro nem cor, nem raça, nem como região obtiveram (Nordestino-Nortistas). Ainda sobre o tema eu concordo que as pessoas podem ter o direto ter relações homo afetivas, o que não concordo é sobre a lei que o grupo estar querendo criar. Um fato que me chama a atenção é questão do CFP (conselho Federal de Psicologia) se pronunciar e laçar uma nota de repudio a cerca da entrevista. Como estudante de psicologia, e pelo os teóricos que compõem a nossa base cientifica, o psicólogo dever ser imparcial, como rege o código de ética, porém o que vemos é o CFP tomar partido e tentar coibir a livre expressão de idéia. No meu entendimento á mídia e os grupos homossexuais estão desviando atenção para o pastor e evangélicos, o que deveria ser debatido são os incisos, os artigos, e parágrafos que compõem essa nova lei.
Sei que meus futuros colegas de profissão, na grande maioria discordam da minha opinião, porém não podemos simplesmente focar na mídia, e sim como falei no debate da lei em si, pois a constituição mostra que todos são iguais perante a lei, porque então se criar uma exceção, uma lei que visa beneficiar um grupo e inclusive tirar o direito das demais pessoais. Gostaria que antes de começamos a discutir sobre quem é a favor ou contra, quem é situação e posição, deveríamos discutir a PL 122/2006 em si.

Boa tarde!
Acusação injusta contra os cristãos

Estou estarrecida com os comentários dos caros colegas de profissão. Em seus infelizes comentários, fica clara a demonstração de ódio pelos cristãos em detrimento de um grupo que insiste em se colocar acima do restante dos brasileiros, exigindo uma Lei só para ele (PL 122), pois a Constituição Federal não é suficiente para protegê-lo. Afinal de contas, a defesa da Constituição é para todos e isso não o satisfaz. Interessante é que eles chamam a nós cristãos de nazistas, por alegarem em nos considerar superiores ao grupo de homossexuais. Porém, os homossexuais (não acredito que todos), e muitos profissionais, é que se consideram melhores do que o restante dos cidadãos brasileiros. Eles afirmam que não, e insistem em dizer que “todos somos iguais perante a Lei”. Por que não aceitam a Constituição Federal que nos dá essa garantia, sendo suficiente para defender e proteger a todos os brasileiros? É só fazer valer a Constituição Federal. Trazê-la para a prática. Fazer cumpri-la em defesa de todos: homossexuais, heterossexuais, deficientes, negros, amarelos, vermelhos, brancos, os que sofrem discriminação por causa de algumas doenças…
Outro motivo descabido de nos chamar de nazista é afirmarem que somos assassinos e de sermos responsáveis pelas mortes de homossexuais. Dizerem que estamos instigando à violência. Absurdo dos absurdos!!! Não sei por que, isso me faz lembrar Nero que culpou os cristãos pelo incêndio de Roma, por causa do ódio que nutria por eles.
Desde quando o direito de liberdade de expressão leva à violência? Dizer que estamos influenciando negativamente os outros para agredirem os homossexuais, é simplesmente demonstração de ignorância, falta de entendimento e sabedoria.
Na verdade, querem impor sua vontade sobre os outros; não podemos pensar diferente. Temos que pensar igual. E as diferenças? Como fica? Não fica? Esqueceram-se da diversidade: as pessoas são diferentes, pensam diferente, têm opiniões diferentes… Só não é aceitável o ódio pelo outro, que é o verdadeiro alimento da violência. Chamam os heterossexuais de imbecis e temos que aceitar sorrindo. Isso na visão deles, porque para nós é inconcebível, inaceitável. Nós não agredimos verbalmente e fisicamente homossexuais e nem levamos outros a fazerem isso. Não nos escondemos atrás do computador para atacá-los, xingá-los, menosprezá-los. Resumindo, não praticamos bullying contra eles ou qualquer pessoa que seja. Uma coisa é não concordar com a aprovação da Lei PL 122 e também defender o direito de liberdade de expressão, e outra coisa é: praticar homofobia, ou seja, odiar a ponto de perseguir, maltratar, agredir e até matar. Com certeza, esse não é o nosso caso. Respeitamos o ser humano, porém não somos obrigados a concordar com práticas que ferem os princípios bíblicos.

Márcia

Fico enojado com essa declaração. A imparcialidade de vocês são tantas que esquecem do que aprenderam um dia. Só aqui no Brasil que a Psicologia é tratada desse jeito, de forma imparcial e posicionada por alguns. Psicologo trabalha com psicologia humanas e não exata. Até onde vejo tudo o que o Pastor Silas diz é comprovado cientificamente. Caros revejam suas considerações preconceituosas.

Rafael Gidra - 20/02/2013 15:00

O Silas precisa perder urgentemente o direito de empinar o nariz falando que é Psicólogo, e consequentemente auto validar para as massas todas as asneiras que diz. Por que não temos pronunciamentos de doutores em sexualidade humana esclarecendo na mídia os “dados” citados por Silas? Precisamos ir a público com informações de ponta e não com dados corrompidos usados por um graduado qualquer que sequer executa sua formação.

Psicólogo inconformado - 20/02/2013 16:06

Que vergonha ver um órgão como o CFP a serviço da militância homossexual mais radical. Cadê a isenção científica? É ridículo e absurdo o CFP simplesmente aderir a IDEOLGOIAS BARATAS e declarar, simplesmente declarar, que homossexualidade é uma manifestação humana de sexualidade que DEVE SER ACEITA e não pode ser tratada. Ela é sim uma manifestação de sexualidade, mas declarar sua igualdade a outras e, pior, TENTAR PROIBIR a oferta de tratamento a quem deseja deixar de ser homossexual é de uma tirania típica da ala radical do movimento gay. Vergonha, CFP, vergonha.

Neucimar Porto - 20/02/2013 17:12

Meus sinceros pesares por essa Nota Oficial tão dissonante da verdade…. Assiti o programa e vi, e ouvi, e temos visto o Pr Silas dizer que não é contra os homossexuais, mas contra a INTOLERANCIA DOA ATIVISTAS que querem amordaçar aqueles que não concordam com eles e cercear um direito que todo ser humano, principalmente no Brasil tem de pode ter opinião contrárias, de ordem religiosa e filosófica! È lamentável que um órgão como esse se preste a esse serviço! E o que é pior de forma indevida! Ele é um Pastor tem uma opinião embasada na sua fé, e não representa perigo algum para aquela classe, e não deu a entrevista como psicólogo! Agora vcs são uma instituição, que estão se deixando levar por opinião pessoal e não do órgão, que não pode se a favor ou contra este ou aquele comportamento. PARABÉNS PELA INFICIENCIA E O DESERVIÇO… A declaração de vcs é natimorta e completamente INCONSTITUCIONAL pois ainda no BRASIL com a defesa da Carta Magna é permitida a liberdade de expressão…

Raquel Lourenço - 20/02/2013 17:15

Ele foi convidado e apresentado como PASTOR e não como psicólogo. Assisti a entrevista e ouvi a entrevistadora perguntar depois se ele era psicólogo.
Ele tem suas convicções e debate quando interpelado.

Brasil – País livre, opiniões RESPEITADAS!

Esse presidente do conselho é de fato muito desinformado e tá tomando um baile do mero pastor. Nenhuma declaração dele foi como psicólogo mesmo fazendo suas afirmações com base em conhecimentos acadêmicos. Deixem de ser bobos e procurem lutar por mais dignidade na profissão que este conselho nada faz, pois deste modo logo precisaremos de um PL para resguardar esta categoria discriminada, humilhada e desvalorizada que estamos nos tornando.

Ana Carolina - 20/02/2013 18:29

Acredito que o pastor não teve nenhuma conduta profissional anti ética, pois a sua fala foi de um pregador evengélico. Não porque somos psicólogos que devemos concordar com tudo o que está posto no mundo. Uma coisa são os nossos princípios e outra a nossa prática. Posso discordar de diversas atitudes (como fez o pastor), porém apresentar uma prática coerente com o repaldo teórico.
Acho inclusive que o nosso preconceito em aceitar os princípios de uma religião é muito maior que o suposto preconceito do pastor. Vamos aprender a separar as coisas!

Derrubar o Pastor Silas?! É mais fácil a terra parar!
A liberdade que vocês pregam só atende a interesses de uma minoria.

David Y. - 21/02/2013 9:21

Jeniffer Hart,
Disse muito bem, belas palavras, sito parte de seu texto: “porque todo ser humano, que é dotado de uma psique, tem direito de se manifestar e certamente sofre com seus pensamentos e atitudes em diferentes situações.”

TODOS TEM O DIREITO DE SE MANISFESTAR, até mesmo, o Pastor e Psicólogo Silas Malafaia.

Até presente momento, pelo que consta, o Pr. Silas não bateu e nem matou nenhum homoxessual, então, porque toda essa repressão a sua opinião?

Acho que os preconceituosos são vocês TODOS!
David Y.

Vivemos em um país democrático. Repito: DEMOCRÁTICO!
Direito de opinião e expressão é assegurado pela Constituição Federal. Posso criticar o papa, o presidente, o governador, o pastor, qualquer pessoa, e posso também criticar o comportamento homossexual. Pr. Silas em momento algum incita o ódio ou a violência contra gays. Apenas exerce um direito assegurado pela Carta Magna.

E Viva o Admirável mundo novo com suas questões ideológicas, cristãs e filosóficas caminhemos de mãos dadas ou não para um declínio vertiginoso, Não importa mesmo o que diz a igreja ou a ciência o fato é que a racionalidade, nos leva para o extermínio da espécie, falar que os gays querem acabar com a familia é fácil, difícil é lembrar que muitas familias se auto destroem sendo Heterosexuais, mas isso também não vem ao caso, essa discussão é antiga, afinal a igreja é contra a tudo, se você tem outra religião você vai morrer pq e pecado, se você fuma é pecado, se você não casa é pecado, se o padre/ pastor ou quem quer que seja pega o dinheiro dos cegos e inocentes ISSO NÃO É PECADO, afinal na bíblia diz que você tem que dar o dizimo, mas e as obras assistências que as igrejas deveriam fazer? não importa o importante é desviar a atenção para assuntos menos pertinentes e escandalosos assim a roubalheira corre solta, tão logo esse saia do plenário da igreja ou da psicologia outros irão dizer asneiras sobre negros, bruxarias, etc… quando o povo vai se tocar que o que move o mundo não é a fé ou mesmo a ciência e sim a ganância por poder e riquezas?

A PSICOLOGIA NÃO É CIÊNCIA? Onde estão os argumentos científicos na nota? É Conselho ou Sindicato afinal? Mas fosse sindicato, não deveria defender os interesses da classe Psicólogo, em vez de um ativismo específico? Discordo de muitas coisas deste pastor, mas nisto ele tá certo: defender sua opinião. O CFP quer criminalizar a sua visão e a sua fé. Que ridículo papel está fazendo este órgão. Lamentável.

Allysson - 21/02/2013 20:42

Chega a ser um descalabro essa cruzada com quem tem uma opinião contrária Silas Malafaia tem dados sinais que claros de ser um homem sensato e coerente e que sofre como um infante ao tocar neste assunto. Qum é o Conselho para acusar o Pastor de algo? onde estão vocês ?
Não siga a moda e todas as tendências da mídia exercite a sua capacidade de reflexão você é sábio e tem discenimento de decidir o que está certo ou errado, não vá na onda deste famigerado conselho que só serve para distribuir sinecuras.

WELLINGTON DE PAULA - 21/02/2013 21:17

Vocês são todos partidários de uma militância doente que é a militância gay. Cambada de covardes, Sillas em nome de uma fé e agregado ao seu conhecimento defende sua verdade independente da psicologia, ta cheio de psicólogo drogado boa parte dando comentário ai em cima morrendo de ciúmes desse pastor, por ele estar pregando uma cura através da fé, e com auxilio da psicologia. INTERESSANTE, PELO QUE ENTENDI NOS COMENTÁRIOS ACIMA VOCÊS ESTÃO NERVOSOS POR ELE SE IDENTIFICAR COMO PSICOLOGO, PEDINDO A CABEÇA DELE EM UMA BANDEJA, POXA, EU ERA LOUCO PARA ME FORMAR EM PSICOLOGIA MAS SE FOR PARA EU ME FORMAR EM UMA CIÊNCIA QUE LIMITA MINHAS AÇÕES E ENJAULA MEUS CONHECIMENTOS E OPNIÇOES, ME COLOCANDO EM UM MUNDINHO RESTRITO CHEIO DE REGRAS, DE, COMO POSSO TRATAR, FALAR, OPINAR E PENSAR. PREFIRO FICAR COM A MINHA FÉ EM CRISTO, POIS O CRISTIANISMO ME DA ASAS PARA O CONHECIMENTO, AMPLIA MEUS PENSAMENTOS, E NÃO MASSACRA MINHAS OPINIÕES E CONVICÇÕES PESSOAIS, EU APENAS AS ENQUADRO EM MINHA FÉ. PSICOLOGIA É LAVAGEM CEREBRAL.

GRAÇAS A DEUS eu não sou psicólogo e não preciso me submeter a um conselho como este, que só faz com que as pessoas que têm um pouco de raciocínio se envergonharem deste país. Sua missão é defender a profissão, e não hastear bandeiras. VERGONHA

Eric Marcolano - 21/02/2013 23:51

Lamento que esta autarquia tenha se rebaixado a mero tentáculo ideológico progressista. Estão condenando um indivíduo por delito de opinião. A ditadura gayzista em evidente processo de instalação no nosso país, não tolera a mais ínfima crítica ou reprimenda, impondo um pensamento único. Qualquer comportamento ou conduta sexual é passível de crítica ou condenação moral. Um marido que trai a esposa, por exemplo, pode e deve ser censurado. Mas uma dupla homossexual e seu estilo de vida degradante e, na maioria das vezes, promíscuo são intocáveis.
Com a doutrinação gayzista promovida pela mídia, ongs globalistas, ONU,conselhos, escolas, etc, em breve os indivíduos estarão diluídos numa sociedade pasteurizada, acéfala e inerte, rumo à decadência moral e espiritual. Destarte, não surpreende que a criminalidade, pedofilia, drogas, prostituição, sodomia e demais comportamentos deletérios degradem a humanidade até à aniquilação total.
Recomendo a extinção desta autarquia que, corrompida por interesses diversos à sua função original, não mais é capaz de honrar sua autonomia, idoneidade e equitatividade. Façam um favor a todos os brasileiros decentes, parem de impor seu pensamento único sacrossanto e inquestionável, admitam que vocês não passam de aprendizes de ditadores e permitam que os indivíduos tenham acesso a psicólogos que saibam pensar autonomamente.

Josimar Salum - 22/02/2013 0:01

O artigo e os comentários expressam o mesmo procedimento que criticam no Pr Malafaia.

O radicalismo tendencioso do repúdio do Conselho revela uma doença de identidade crônica e uma politização. Por que não se pode emitir opinião sobre estes assuntos sem receber qualquer critica. Estou assistindo a ação de xiitas por todo o lado.

Por que vocês não convidam o tal Pastor para se explicar diante do Conselho. Por agem covardemente contra ele vomitando sua ira ao invés de fazer o que sugeri! Acho que ele tem coragem suficiente para enfrentar os senhores e seu preconceito.

Diria em inglês: Shame on you!

Acredito que o CFP poderia se preocupar com assuntos muitos mais importantes do que ficar a perseguir o ponto de vista subjetivo de um psicologo. Esse tipo de joguete politico só revela a fragilidade infeliz do CRP do Brasil. daqui a pouco vão querer me dizer o que eu devo ou nao fazer em um tratamento. esse “engessamento” mental é uma lastimar na cultura brasileira e tem se espalhado em todos os ambitos da sociedade.

Claudenir - 22/02/2013 0:37

Quando o Conselho Federal de Psicologia (CFP) for uma autarquia que realmente preza pelos Direitos Humanos e por uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à liberdade de opinião – deixará de gastar tempo com aqueles que, no exercício de sua liberdade posicionam-se contra a homossexualidade.
Se as declarações de Malafaia, que é graduado em Psicologia, afrontam a construção das lutas dos homossexuais ao longo dos anos pela defesa da diversidade, será que os comentários e posicionamentos, tanto de indivíduos como de instituições, presentes até na página do CFP, não colocam como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito a Malafaia pelo simples fato de discordar da homossexualidade? E os psicólogos que se posicionam contra a fé cristã, não estariam eles cometendo o mesmo erro? Será que o CFP procura “construir” profissionais com mentes costuradas que devem se enquadrar a um sistema opressor que não permite discordância em questões relacionadas à homossexualidade.
Observar atentamente a nota do CFP às declarações de Malafaia, bem como os comentários publicados na página, não nos dá margem para afirmar que tal posicionamento é uma bandeira que não deveria ser levantada pela Psicologia?
Parece que o CFP busca contribuir para o desaparecimento da liberdade de expressão gerando discriminação àqueles que se opõem às práticas homoeróticas e acreditam terem direito de proporem tratamento ou ação a favor de uma reorientação, isso se o paciente assim desejar.
Essa é a sociedade que estamos construindo, podemos discordar abertamente da religião, de sistemas políticos, mas em hipótese nem uma podemos nos expressar contra a homossexualidade, e isso se chama democracia, sociedade igualitária. Palmas pro CFP.

Arnaldo Estevão - 22/02/2013 1:11

Sou pastor evangélico,lider de uma denominação diferente do pastor Silas, se o registro profissional do pastor Silas Malafaia for cassado por este motivo, passaremos a entender que o CFP é uma entidade anti cristã e iremos proibir todos os nossos membros de se consultar ou se tratar com qualquer profissional de psicologia do Brasil

Concebida como autarquia responsável pela fiscalização do exercício profissional dos psicólogos, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) relegou suas atribuições originais e passou a funcionar como simples órgão de agitação e propaganda ideológica, com ênfase especial no ativismo gay. Para quem não sabe, os órgãos de agitação e propaganda (agitprop) surgiram no mundo comunista como forma de aplicar a noção leninista de “guerra ideológica” aos movimentos políticos e sociais.

Uma das principais funções da agitprop é precisamente fomentar o ativismo político e ideológico, que dissemina a mentalidade revolucionária entre as massas, abrindo caminho para a tão sonhada hegemonia cultural. Obediente à cartilha da agitprop, o CFP organiza manifestações públicas, promove passeatas, atos de protesto, apoia publicamente movimentos de índole revolucionária, financia eventos para homenagear companheiros de ideologia, presta solidariedade a intelectuais esquerdistas, terroristas e guerrilheiros, dá suporte institucional a minorias radicais, redige panfletos inflamados contra o sistema capitalista e a ordem estabelecida, solta notinhas de repúdio contra desafetos, intimida psicólogos dissidentes, entre outras exorbitâncias, todas elas patrocinadas com o dinheiro arrecadado compulsoriamente dos psicólogos. Ou seja, uma elite corporativa faz sua revolução de luxo e os psicólogos é que pagam a fatura.

Essa atuação clandestina do CFP já foi objeto de denúncia em outros artigos e até em representações públicas endereçadas ao Ministério Público Federal. O clima de agitação política dentro da autarquia avançou de forma tão desinibida que seus integrantes já beiram os limites da improbidade administrativa. E pior é que tudo corre às claras, registrado em farta documentação.

É cada dia mais ostensivo, por exemplo, o alinhamento político do CFP com organismos internacionais, fundações milionárias, ONGs, partidos políticos e uma vasta rede de entidades nacionais e estrangeiras, todos irmanados na consecução de um projeto de engenharia social em escala planetária. Isso pode ser comprovado não só pelos vínculos institucionais da autarquia, mas sobretudo pelo modo servil com que mimetiza o discurso produzido nesses grandes centros irradiadores do marxismo cultural. Itens como abortismo, gayzismo, multiculturalismo, feminismo, racialismo, eugenismo integram a agenda dessa elite globalista que, dentro da nova ordem mundial, adotou o colonialismo mental como forma de realizar sua distopia revolucionária.

Logo de saída, no subtítulo da notícia, o CFP se gaba de 25 mil pessoas que teriam “curtido” – provavelmente nas redes sociais – o teor geral do documento. Fazendo paródia com a frase memorável de Anatole France, é preciso lembrar ao CFP que quando 25 mil pessoas curtem uma besteira, ela não deixa de ser uma besteira.

Esse apelo do CFP à sedução dos números só atesta, a rigor, o cacoete demagógico com o qual a autarquia geralmente conduz seus pronunciamentos públicos. Neles, dificilmente haverá um esforço no sentido de promover um debate intelectualmente qualificado. Nada disso. O que se vê é a tentativa obstinada de arregimentar multidões em prol de suas bandeiras políticas, mesmo que, para isso, use o que resta da credibilidade profissional dos psicólogos. O negócio do CFP é conquistar corações, enquanto deixa as mentes entregues a mais absoluta vacuidade.

A prova disso é que, na referida nota, predomina uma linguagem retórica apelativa, sem margem para considerações de caráter técnico ou científico. É um desfile de lugares-comuns, frases de efeito, argumentos vazios e reclamos sentimentais. Fosse o documento redigido por sindicalistas ou líderes estudantis, o tom geral do discurso, embora igualmente deplorável, seria ao menos compreensível.
Vindo de um ente estatal, mantido com verba pública, e cuja principal missão é salvaguardar a reputação profissional de toda uma classe, a coisa assume contornos verdadeiramente alarmantes.

Segundo a notinha publicada pelo CFP, o psicólogo Silas Malafaia… “agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação”. Afora a redação muito mal-ajambrada, algo recorrente nos documentos da autarquia, chama a atenção o uso espalhafatoso do verbo “agredir”, numa tentativa manjada de cobrir a figura do psicólogo com uma aura de violência e intolerância – falsa sob todos os aspectos, mas que predispõe o leitor a antipatias habituais.

Você deve estar se perguntando como é que uma pessoa, afinal, pode “agredir” os Direitos Humanos ou uma cultura de paz simplesmente por exercer o direito de emitir opiniões acerca de um determinado assunto. Seria a livre orientação sexual mais digna de respeito que a livre manifestação do pensamento? Uma sociedade que contempla a diversidade não é justamente aquela que respeita opiniões divergentes, ao invés de tentar criminalizá-las ou subtraí-las do debate público?

O CFP prossegue seu desarrazoado e acusa Malafaia de assumir “uma posição de retrocesso que chega a ser quase inquisitório (sic), colocando como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito na leitura dos Direitos Humanos.” Repare que o termo “inquisitório” não é algo banal. Trata-se de mais um artifício retórico – bem chinfrim, é verdade – para deflagrar associações subconscientes na mente do leitor, uma vez que o psicólogo Malafaia é também pastor evangélico, e isso sempre foi ocasião para evocar preconceitos ancestrais.

No imaginário popular, tão frequentemente manipulado pelo CFP, termos como inquisitório sugerem a ideia de fanatismo, autoritarismo repressor, posições atávicas e medievalescas. A patifaria intelectual é de tal magnitude que o CFP não se sente minimamente constrangido a entrar no mérito dos argumentos e descrever com exatidão o alegado perfil inquisitório que vê nas posições defendidas pelo Malafaia. Como refutar argumentos não é o forte do CFP, é mais fácil fornecer as senhas que irão preparar um futuro linchamento moral (¹).

No terceiro parágrafo, de forma muito estranha, o CFP afirma que o psicólogo Malafaia “se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia”. Aqui, a expressão “bandeiras levantadas” só pode ser entendida como um tremendo ato-falho, pois revela de forma despudorada o impulso militante e o ativismo compulsivo, não só de quem redigiu a singela notinha, mas de toda camarilha filocomunista que se aboletou no CFP. Afinal, como pode um ramo do conhecimento acadêmico, que reclama para si o status de ciência, hastear bandeiras de natureza política? Qualquer ciência que tome partido em contendas políticas e ideológicas está condenada a perder sua isenção e credibilidade.

Por isso é que eu digo: a crise de identidade pela qual atravessa o CFP é muito mais séria do que supõe a nossa vã psicologia. Ao invés de deitar no divã para repensar seus conceitos equivocados, o CFP prefere sair do armário e assumir esse seu ardente desejo de virar um sigla partidária. E que ninguém se escandalize quando a autarquia aparecer por aí, nos cabarés da política nacional, alcunhada de “CFP do B”, porque prostituiu tanto ciência quanto a profissão pelas quais deveria zelar.

As trapalhadas conceituais e as falácias argumentativas do CFP vão ainda mais longe. Ao ratificar ideias contidas na resolução nº 01/99, a nota afirma que “a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades da existência humana”. Temos aqui um exemplo típico de erro lógico chamado non sequitur, no qual a conclusão não segue a premissa. Incluir comportamentos no universo das possibilidades humanas, um modo diferente de exercício da sexualidade (ou do que quer que seja), não é razão suficiente para situá-los dentro de uma escala valorativa em que conceitos como saúde ou doença, desvio ou ajustamento, perversão ou normalidade, podem ser postos em perspectiva.

Na rubrica dos “diferentes modos de exercício da sexualidade humana” também entram o bestialismo, o fetichismo, a coprofilia, o voyerismo, a pedofilia, o donjuanismo, a necrofilia, o onanismo, o sadomasoquismo e um punhado de outras manifestações bizarras do prazer e do erotismo humanos. E aí? Será que não há critérios válidos para distingui-los? Somos obrigados agora a adotar o relativismo moral, metafísico e epistemológico do CFP, em que tudo entra no reino das possibilidades humanas?

No final das contas, a conclusão a que se chega é que o CFP não suporta opiniões que contrariem suas convicções ideológicas. Na nota, o CFP declara como princípio o “respeito à livre orientação sexual dos indivíduos”, ainda que o psicólogo, para atendê-lo, precise desrespeitar a liberdade de escolha daqueles que o procuram solicitando ajuda para modificar sua orientação sexual (²).

A posição assumida pelo CFP, ao que parece, baseia-se na ideia de que o desejo sexual é o que há de mais irredutível no ser humano, devendo prevalecer sobre sua autonomia, consciência e aspirações. Ao afirmar que “é dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual”, o CFP parte do pressuposto de que somente a sexualidade (no caso, a homosssexual) é capaz de propiciar felicidade e bem-estar, sendo tudo mais mera perfumaria. Nesse hedonismo acachapante, não há espaço para dilemas ou contradições humanas; o ser humano é colocado numa perspectiva unidimensional.

A concepção de natureza humana que vigora na psicologia dos integrantes do CFP está fundada numa cosmologia essencialmente materialista. Ela segue uma tendência geral que, segundo o psicólogo católico Rudolf Allers, perverteu a mentalidade ocidental ao longo dos séculos, fazendo-a acreditar que “tudo o que é inferior, tudo o que se aproxima da natureza bruta, ou inclusive morta, é julgado como o mais verdadeiro, o mais natural e o mais importante”, e que “o inferior constitui o fundo e o centro da realidade, o que realmente importa, que buscá-lo é fazer um ato de ciência e que vivê-la é conformar-se às exigências mais verdadeiras da natureza humana”. É a psicologia em que predomina, nas palavras do próprio Allers, uma “a visão desde baixo”.

Portanto, se existem ações que podem ser consideradas como “extermínios de subjetividades indesejadas”, conforme afirma a nota, uma delas é precisamente essa louca pretensão do CFP de impor seu ideal de felicidade e bem-estar a todas as pessoas. Esse é o tipo de pensamento totalitário que não se coaduna com o discurso pretensamente humanista que a autarquia tenta encampar. Como diz a música, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Não cabe ao CFP fazer política com o sofrimento alheio.

Por fim, essa tentativa de vincular opiniões pacíficas, embora contundentes, a atos de agressão, extermínio, exclusão, é um artifício que não convence, absolutamente, nem mesmo àqueles homossexuais inteligentes e sinceros, que são capazes de entender que o sofrimento humano transcende o jogo dos interesses políticos, e que às vezes, a exemplo do que disse o filósofo Descartes, “mais vale derrotar os próprios desejos do que a ordem do mundo”.

Pedro ângelo - 22/02/2013 8:48

Olha a DITADURA aí GENTE!!!
Nem a liberdade de expreção vcs respeitam mais?!

Cuidado! Calar a opinião contrária é coisa digna de totalitarismos. Vulgarmente, denomina-se este tipo de postura como “mordaça”. Todo e qualquer ato humano é passível de crítica, inclusive aqueles citados pelo Malafaia.

Argumentei contra o Silas aqui: http://www.verdadegospel.com/video-resposta-do-pr-silas-a-nota-do-conselho-federal-de-psicologia/?area=3

Se vocês tiverem argumentos. Outra coisa. Podem me dizer porque tiraram a petição contra a NÃO CASSAÇÃO do AVAAZ? Só porque ultrapassou a outra? hahaha. Lamento. Mas vocês devem se conformar, ele não vai perder esse registro.

Infelizmente, o CFP toma uma posição POLÍTICA e não científica, alinhada com as normas “politicamente corretas” do Governo Federal, que vem avançando com sua revolução cultural. Sei que a maioria aqui, pelos comentários, aprova tudo isso, chegando a manifestarem um comportamente claramente CRISTOFÓBICO em alguns casos, e aprovando a tática do movimento gayzista, que é o de tentar destruir a vida de qualquer um que os desagrade.

Não concordo com muita coisa que o Silas Malafaia defende, mas a posição do CFP é preconceituosa, antidemocrática e hostil, principalmente porque põe à frente da própria Psicologia, que em tese deveria defender, programas de “Direitos Humanos” propostos por sabe-se lá quem ou com que interesse.

Eai, muita discussão e nada de concreto… Este senhor vai ou não sofrer a perca de seu registo como punição a seus discursos???

Esses mesmos que são contra ao cidadão Silas Malafaia, por defender a família, seriam os mesmos hoje, que mataria João Batista e crucificava JESUS.

Faltou a opção lá em cima, “não curti”.

Um absurdo o CFP não tomar nenhuma atitude.

Adriano Soares - 22/02/2013 13:02

“Você deve estar se perguntando como é que uma pessoa, afinal, pode “agredir” os Direitos Humanos ou uma cultura de paz simplesmente por exercer o direito de emitir opiniões acerca de um determinado assunto. “Seria a livre orientação sexual mais digna de respeito que a livre manifestação do pensamento? Uma sociedade que contempla a diversidade não é justamente aquela que respeita opiniões divergentes, ao invés de tentar criminalizá-las ou subtraí-las do debate público?” Júlio Severo

Francelino - 22/02/2013 15:04

Acredito que o Silas possui o direito de expressar suas opiniões, tanto quanto o CFP de expressar sua oposição, porém cassação do registro acredito ser um absurdo. ele possui conhecimentos de psicologia e pode usa-los para expressar suas ideias e opiniões.
que dizer que ninguém pode falar de politica se nao for politico?
ninguém pode falar de futebol se não for jogador de futebol?
ninguém pode falar de dinheiro e economia se não for economista, faz favor!!!
o CFP deve fiscalizar os atos antiéticos realizados por seus profissionais em sua atividade.
mesmos que ele fosse como psicologo na entrevista, ele não estava exercendo sua atividade, ele estava em uma entrevista que nada tem haver com profissão alguma?

ninguém impede a promoção da homossexualidade, mas daqui a pouco vamos ter que lutar pelos direitos dos heterossexuais.

Ditadura homossexual, não.

Sandro Lemos - 22/02/2013 18:00

Bem, sabendo do apoio a homossexualidade, como deixar um filho chegar perto de um psicológo? Eles querem é fazer seus filhos putinhas e veados ecomer seus filhos. Sempre achei que psicologia era putaria

Pastor Silas Malafaia é livre constitucionalmente pra falar o que quer, cassado ou não, ninguém vai fechar a sua boca. Ele falou a verdade e continuará falando. Quando ele não puder mais falar Deus levantará outros Silas para defender a família.

Flávio Oliveira Barbosa - 22/02/2013 22:08

Ainda que decidam pela cassação ou não o Pr. Silas, não o impedirão de ser quem ele é, muito menos o farão concordar com a opinião do CFP. Vejo um futuro pouco promissor para a liberdade de expressão. Interessante…

Anderson Eduardo Vieira Bueno - 22/02/2013 22:15

Levítico 18:22 Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é;

Romanos 1:26 Pelo que Deus abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram seu uso natural, no contrário à natureza. 27 E, semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.”
E sr Silas Malafaia se apresenta como pastor, não psicólogo, e como pastor deve professar sua crença, e segundo a bíblia, leiam trechos acima citados, homossexualismo é abominação.
Então a função desta é criticar o pastor, querem então a interferencia no credo religioso dele.
Quem assistiu a entreveista e vejo não foi o caso de nenhum que veio a comentar esta verifica que a todo momento ele é apresentado como “PASTOR EVANGÉLICO” não como psicólogo.

Anderson Eduardo Vieira Bueno - 22/02/2013 22:23

“Roberta – 18/02/2013 21:55

Aos que disseram que agora se expressar virou crime porque estão embasados pela constituição estão parcialmente corretos. Sim, ele pode se posicionar sobre o assunto (como nós todos estamos fazendo aqui). Disseram também que ele se apresentou como pastor e não como psicólogo. Sim, tudo seria lindo se fosse realmente isso. Mas se prestarem atenção na entrevista ele se baseou em seu conhecimento acadêmico para ser contrário a homossexualidade. Ele teve a cara de pau de citar justamente Freud sendo que a psicanálise, entre todas as escolas da psicologia, me parece ser a mais clara nas questões de formação da sexualidade de todos. Creio que esse conhecimento não foi adquirido em nenhum testamento, o que nos deixa interpretar que ele se apresentou SIM como psicólogo E pastor. Ou seja, o conselho tem todo o direito de se posicionar contra a fala dele porque ele se utilizou da identidade de psicólogo para dar ar de autoridade a sua fala. O CFP não repudiou o ato dele como um cidadão, mas sim como um psicólogo que supostamente deveria trabalhar conforme o Código de Ética de nossa profissão.”
Então sua afirmação é que como psicólogo (graduado, formado e devidamente registrado), o sr. Silas Malafaia não tem o direito de manisfestar idéia ou ideologia, e até mesmo pesquisa e práticas científicas contrárias ao que professa a causa homossexual?
Onde está a ética? O estado democrático de direito permie a todo cidadão o direito de expressar sua opinião vedade o anonimato, e foi isso que ele fez, creio que deveriam ser mais científicos em suas afirmações e menos parciais afinal ele expressou apenas seus argumentos contra argumentem mas não crucifiquem!

Anderson Eduardo Vieira Bueno - 22/02/2013 22:34

Carlos – 17/02/2013 19:40

Lei nº 59/2007 de 04-09-2007

Artigo 240.º – Discriminação racial, RELLIGIOSA ou sexual
1 – Quem:

a) Fundar ou constituir organização ou DESENVOLVER ACTIVIDADES DE PROPAGANDA ORGANIZADA QUE INCITEM À DISCRIMINAÇÃO, AO ÓDIO OU À VIOLÊNCIA CONTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual, ou que a encorajem; ou
b) …


2 – Quem, em REUNIÃO PÚBLICA, por escrito destinado a DIVULGAÇÃO OU ATRAVÉS DE QUALQUER MEIO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL OU SISTEMA INFORMÁTICO DESTINADO À DIVULGAÇÃO:

a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual; ou
b) DIFAMAR OU INJURIAR PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS POR CAUSA DA SUA raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade; ou
c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual;

com A INTENÇÃO DE INCITAR À DISCRIMINAÇÃO racial, RELIGIOSA ou SEXUAL, ou de A ENCORAJAR, é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.
Caberia uma ação da Promotoria Pública agir nesse caso, destes incitadores que estão incitando contra o “Pastor Silas Malafaia” gerando diversos comentários e vídeos agressivos na internet, bem como nesta página de comentários???????
Tive o prezer de editar seu texto no qual destacaste a opção sexual, agora destaco para sua apreciação o outro lado que está escrito em seu próprio texto mas convenientemente ignoraste.

Anderson Eduardo Vieira Bueno - 22/02/2013 22:36

“Carlos – 17/02/2013 19:40

Lei nº 59/2007 de 04-09-2007

Artigo 240.º – Discriminação racial, RELLIGIOSA ou sexual
1 – Quem:

a) Fundar ou constituir organização ou DESENVOLVER ACTIVIDADES DE PROPAGANDA ORGANIZADA QUE INCITEM À DISCRIMINAÇÃO, AO ÓDIO OU À VIOLÊNCIA CONTRA PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual, ou que a encorajem; ou
b) …


2 – Quem, em REUNIÃO PÚBLICA, por escrito destinado a DIVULGAÇÃO OU ATRAVÉS DE QUALQUER MEIO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL OU SISTEMA INFORMÁTICO DESTINADO À DIVULGAÇÃO:

a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual; ou
b) DIFAMAR OU INJURIAR PESSOA OU GRUPO DE PESSOAS POR CAUSA DA SUA raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade; ou
c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, RELIGIÃO, sexo ou orientação sexual;

com A INTENÇÃO DE INCITAR À DISCRIMINAÇÃO racial, RELIGIOSA ou SEXUAL, ou de A ENCORAJAR, é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.”

Caberia uma ação da Promotoria Pública agir nesse caso, destes incitadores que estão divulgando contra o “Pastor Silas Malafaia” gerando diversos comentários e vídeos agressivos na internet, bem como nesta página de comentários???????
Tive o prezer de editar seu texto no qual destacaste a opção sexual, agora destaco para sua apreciação o outro lado que está escrito em seu próprio texto mas convenientemente ignoraste.

Alcioneo Ferreira - 23/02/2013 9:30

faço minhas as Palavras de Thales Coutinho

http://www.youtube.com/watch?v=6sqYOb09C5Q

Psicólogo inconformado - 23/02/2013 11:55

Esta moderação de comentários é falsa. A tirania dos moderadores só deixa pasasr notas favoráveis ao CFP e contrárias a Silas Malafaia. Tentei comentar aqui muitas vezes, mas meus comentários foram rigorosamente censurados, um a um, embora eu não tenha ofendido ninguém neles. Você, moderador, pode me bloquear às escondidas, mas seu ato permanece um verdadeiro ato de tirania para sempre, e atente bem a o que eu escrevo aqui: um dia você será cobrado por ele, pois nada do que tenha feito às escondidas permanecerá assim para sempre.

Que vergonha ver um órgão como o CFP a serviço da militância homossexual mais radical. Cadê a isenção científica? É ridículo e absurdo o CFP simplesmente aderir a IDEOLGOIAS BARATAS e declarar, simplesmente declarar, que homossexualidade é uma manifestação humana de sexualidade que DEVE SER ACEITA e não pode ser tratada. Ela é sim uma manifestação de sexualidade, mas declarar sua igualdade a outras e, pior, TENTAR PROIBIR a oferta de tratamento a quem deseja deixar de ser homossexual é de uma tirania típica do radical movimento gay. Hipocrisia: NÃO CABE A ESTA ENTIDADE, que não tem nenhuma autoridade legítima – moral, científica, teológica ou de qualquer outra espécie – DIFUNDIR E FAZER APOLOGIA à homossexualidade. Digamos a verdade logo de uma vez: há homossexuais agindo em causa própria aqui dentro também. Vergonha, CFP, vergonha.

Paulo cassiano - 23/02/2013 12:07

voces que estao contra a ideia do pastor estao tudo cegos mas a verde precisa aparecer pois quantas pessoas querem ir pro ceu mas quantas querem seguir a JESUS, em breve ele vem busca sua igrja na quele dia ninguem vai falr que era inocente pois conheceram a verdade mas nao seguira nos so demos 2 caminhos avida com DEUS ou a morte que é o inferno nos podemos escolher agora acordem ainda a tempo ese mundo e ilusao

Meu Deus! O CFP do B,quer dizer, o CFP não tem mais o que fazer. Que história é essa de caçar o registro profissional do pastor? Somente porque ele manifestou uma opinião? Nenhum registro profissional do mundo é caçado porque uma pessoa manifestou uma opinião fora do seu consultório profissional, ainda mas tratando-se de uma ciência que não pertence ao ramo das ciências exatas como a psicologia. Em nenhum momento da entrevista o pastor diz que homossexualidade é doença mas apenas um comportamento humano,que na sua fé, é considerado um pecado e nada mais.O pastor Silas e qualquer profissional de psicologia e também de qualquer área do conhecimento pode sim questionar a resolução do seu conselho justamente porque tem respaldo legal para isso. A resolução do CFP não está acima da constituição e nenhuma resolução do mundo está acima de nenhum direito da pessoa manifestar o seu pensamento e sua opinião. Infelizmente o CFP pensa que está na Coréa do Norte ou na antiga União Soviética onde os conselhos de psicologia serviam apenas como base de formulação da engenharia social e comportamental imposta pelos governos para garantir o poder e influência política e partidária na sociedade já escravizada mentalmente por esses governos totalitários.Foi com liberdade de pensamento, opinião, filosofia e crença que a Ciência se desenvolveu até os dias de hoje e uma resolução de psicologia quer engessar este processo com uma visão obscurantista, repleta de frases feitas, ideologias políticas que não tem nada haver com o assunto em questão e uma série de preconceitos religiosos como se uma pessoa que professa uma religião estivesse automaticamente impedido de exercer a profissão de psicólogo. Se fôssemos aplicar a resolução do CFP como está escrito nem mesmo o maior mestre da psicanálise Freud iria escapar aqui no Brasil devido as suas pesquisas e conclusões que tinha chegado com respeito ao homossexualismo.

Sergio Cristiano - 23/02/2013 13:14

Infelizmente um conselho de representação de profissionais que menciona a questão sobre o retrocesso à inquisição é o próprio inquisidor. Os próprios profissionais que pedem a cabeça são os inquisidores. Que pena para esta instituição que trata diretamente com a alma das pessoas não se posicionar cientificamente sobre as questões e, ao invés disso, atender a políticas impostas. Não entendo que a homossexualidade constitui doença, desvio ou perversão, mas entendo que se trata de decisão das pessoas que assim vivem esta condição (isto não é homofobia. Respeito, amo estas pessoas de coração, mas não concordo com sua decisão e tento colocar isto para mudar o posicionamento delas. Não posso perder minha inscrição neste conselho por estas palavras por não ser psicólogo, mas tenho a esperança de que os profissionais da área que se posicionem contrários ao conselho nesta questão não estejam correndo este perigo.
Por favor, vamos tratar a questão da homofobia como ela é sem forçação de barra. Não mudem o sentido da palavra.

priscila - 23/02/2013 18:31

Quem assistiu e entendeu o que foi falado na entrevista, percebeu que, em nenhum momento, o psicologo Malafaia foi preconceituoso, invasivo ou desrespeitoso. o problema, consiste em as pessoas não saberem separar o pastor do psicologo, pois ora ele falava como pastor, ora falava como psicologo, como qualquer pessoa falando sobre qualquer assunto. o fato dele ser o que é e ocupar a posição que ocupa faz dele um perseguido. se fosse Freud falando, com certeza não sofreria nenhum tipo de oposição, como de fato fala em seus escritos, e ninguém pode rasgá-los, pois são a base de tudo. Graças a Constituição, a liberdade de expressão está garantida por Lei. até que a LEI DA MORDAÇA seja aprovada!

Rosemeire Alves - 23/02/2013 22:32

Fico muito triste em ver que muitas pessoas concordam com uma atitude tão degradante como a do pastor, acredito na liberdade de expressão, desde que não invada o espaço do outro de forma a rotula-lo se é bom ou mal… Não concordo com a atitude do pastor Silas Malafaia, nem tão pouco com as pessoas que por falta de reflexão deixam que outros pensem por eles, curso psicologia e espero um dia poder curar este mal social -”preconceito”- Se não em todos, mas naqueles que realmente acreditam na humanidade como eu. Parabéns pela nota divulgada CFP, acredito em vcs

gabriel - 24/02/2013 0:38

ÔÔÔÔÔÔ bando de hipocritas!! ficam “levantando” bandeiras de direitos humanos sendo que essa falácia repetida de “defesa” de “direitos gays” na verdade FERE direitos humanos tentando proibir pessoas como o Pastor Silas Malafaia de EXPRESSAR sua LIVRE OPINIAO e tambem tentam calar conceitos religiosos sendo que na Carta de Direitos Humanos e na nossa própria Constituição tanto a liberdade religiosa como suas liturgias são asseguradas! Todos podem SIM ter sua opção sexual ou seja lá o que for e DEVEM ser respeitadas contra abusos e violência mas JAMAIS devem interferir arbitrariamente (a seu favor, como sempre…) em direitos naturais do ser humano!

A massa popular é mais um monte de marionetes do que seres humanos hoje e a tendencia é piorar

Sergio Cristiano - 24/02/2013 16:56

Triste por confirmar na última postagem realizada ontem que os posicionamentos a favor da liberdade de expressão são eliminados dos comentários realizados neste site oficial confirmando a informação de um posicionamento inquisitório por alguns membros de um conselho cuja profissão é de suma importância. :( Entendi porque os comentários são praticamente todos a favor da cabeça de Silas.

Josué Silva - 24/02/2013 17:47

A antropologia define que o ser humano nasce macho e fêmea e que a sexualidade é definida na puberdade e as vezes é definida pelo meio de convivência.não critico a homossexualidade, pois é uma escolha que a pessoa faz usando o seu direito de livre arbítrio. Sou cristão e creio que um dia todos irão comparecer diante do grande trono branco onde não há mácula e todos prestarão contas de suas condutas nessa vida física.

Eklivann Marcel C. de oliveira(15/2444). - 24/02/2013 19:10

Essa polemica toda causada pelas declarações do pastor, e Psicólogo Silas Malafaia, tem de certa forma um lado positivo nisso tudo. Precisamos mais do que nunca discutir a nossa formação, e aquilo que como Psicólogos consideramos como ciência.

Quer dizer que contador, advogado, enfermeiro, fisioterapeuta, etc. deve ser, falar e agir 100% do tempo como tal? Ora, isso é simplesmente impossível! O Silas está corretíssimo em suas colocações, ninguém pode ser cerceado de opinar! Ele deve, se assim o for, falar como psicologo, dentro daquilo que aprendeu na faculdade! Aplicar os princípios, e isso não o impede ter suas opiniões e convicções, é um absurdo o CFP agir com preconceito tal!!!
O Silas está correto do ponto de vista de poder opinar! Agora a questão de preconceito, homofobia é outra questão que não está nesta lide.

Se um grupo ou organização chegar num acordo que tal coisa é Homofobia no caso agora em todo o planeta, então é; porque esta organização ou dos Direitos Humanos ou qualquer outra diz que é, pois é um meio de manipular sua opinião ou sua livre consciência e querer obrigar as pessoas a acharem que tal coisa tem que ser assim; porém a minha consciência que é livre sabe muito bem que sendo Heterosexual não tenho que concordar com as praticas, se não caso tenha então também terá que existir também na lei uma pauta que defenda os direitos dos heterosexuais então?!
A mesma sociedade que te dá na formação acadêmica a direção ou o foco pra pensar “fora da caixa” é a mesma que manipulará você se você não concordar com o que se passa no momento.
Daqui a pouco na Lei aparecerá tantas coisas que serão crimes porque tal organização quer fazer e obrigar a sociedade a pensar desta forma.

Eu seu que não vão postar meu comentário. Obrigada!

Silveira - 24/02/2013 22:26

O pastor pode “passar do ponto” em seu discurso mas o que ele diz é muito coerente. Existe um movimento para tornar certas atitudes em bandeiras revolucionárias, veja se isso não é um movimento mundial. Contudo é necessário que os homossexuais e não os ativistas, que tem interesses nessa politização, tenham em mente o que está acontecendo. O que está em Jogo é a PL122 e seu resultado enquanto lei e isso não é pouca coisa.
Homossexualismo sempre existiu e sempre existirá então vamos tratar de coisas mais importantes como a PL122 e seus impactos e não cassação de um ou outro psicologo e se alguem acha que ele fala demais e indevidamente que o confronte em um debate.

reginaldo - 25/02/2013 1:04

O PORTAL DA PSIQUIATRIA FALA que homossexualidade é comportamento:
– Homossexualismo é Doença?
Atualmente o Homossexualismo é considerado uma “alteração” da orientação sexual. Primeiramente, “alteração” não pode ser considerado doença, como se faz, por exemplo com gravidez de gêmeos (alteração do número de fetos sem ser doença).

Em segundo, “da orientação” significa se a pessoa está com sua sexualidade orientada para o sexo oposto ou para o mesmo sexo.
Entretanto, o CID.10 (classificação internacional de doenças) recomenda que se considere o homossexialismo como fator agravante de outras alterações emocionais caso seja considerado Homossexialismo Ego Distônico, ou seja, em distonia com o ego da pessoa, produzindo conflitos pessoais.
Caso seja considerado Homossexialismo Ego Sincrônico, ou seja, em concordância com o ego da pessoa, tratar-se-a apenas de uma OPÇÃO COMPORTAMENTAL.
para referir:
Ballone GJ – Perguntas mais freqüentes sobre Doenças Mentais – in. PsiqWeb, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br, revisto em 2005

Suicídio e Homossexualidade
O Psicosite, citando pesquisa publicada na revista Archives General Psychiatry (1999; 56: 867-874), diz que “a média das pesquisas de tentativa de suicídio entre adolescentes homossexuais ou bissexuais é de 31% variando entre 20 e 39%.
Estudos epidemiológicos mostram que entre 18 e 24 anos de idade as tentativas de suicídio entre os homens é de 1,5% e para as mulheres de 3,4%. Entre 25 e 44 anos a taxa é de 4%. Acredita-se, segundo esses estudos, que a não conformidade com sua condição sexual gera o comportamento de auto-agressão.”
Nessa pesquisa utilizou-se de uma mostra composta por 103 pares de irmãos gêmeos do sexo masculino. Foram investigados 4 sintomas básicos: pensamentos sobre a própria morte, desejo de morrer, pensamentos sobre cometer suicídio e tentativa de suicídio. Conclui, PsicoSite, dizendo que a orientação homossexual está significativamente relacionada aos sintomas ligados ao suicídio, em comparação com os irmãos heterossexuais, constatando um aumento significativo do risco de suicídio entre os homossexuais masculinos, independente do abuso de substâncias psicoativas e outros transtornos psiquiátricos.
para referir:
Ballone GJ – Suicídio na Adolescência, in. PsiqWeb, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br, revisto em 2004.

reginaldo - 25/02/2013 2:02

suf.ISMO NÃO SE REFERE A DOENÇA NO CASO homosexualismo!!!!

1. nom. Formador de nomes de doutrinas, princípios, teorias e sistemas filosóficos, religiosos, artísticos, científicos, econômicos e políticos ou de governo (p.ex.: animismo, existencialismo, instrumentalismo [< ingl.], materialismo, platonismo [< fr. - 1672], pragmatismo [< ingl.], anabatismo, ateísmo, druidismo, espiritualismo, estruturalismo, classicismo, acidentalismo [< ingl.], humoralismo, capitalismo, comunismo, liberalismo, mercantilismo, neoliberalismo, absolutismo, anarquismo, fascismo [< it.], maquiavelismo, revisionismo, socialismo), o suf. -ismo, que no grego formava o nome de ação de verbos em -ízo (por vezes -ío), apresenta ainda inúmeras outras noções, tais como: a) 'escola, técnica, pensamento ou movimento artísticos': cubismo, expressionismo, fovismo, futurismo, impressionismo, modernismo, romantismo, simbolismo, surrealismo (< fr.); b) ' (da ideia de doutrina filosófico-religiosa) sistema religioso, religião, ou seita': budismo, catolicismo, espiritismo, islamismo, judaísmo (< lat. < gr.), metodismo, umbandismo; c) ' (da ideia de filosofia ou sistema político) forma ou regime de governo': autoritarismo, descentralismo, feudalismo, parlamentarismo, pluripartidarismo, presidencialismo; d) ' ação, prática, movimento ou pensamento políticos ou período de governo (de certo político ou governante)': castrismo, chaguismo, fidelismo, franquismo, getulismo, lacerdismo, salazarismo; e) ' caráter ou qualidade de um povo, ou as características ou costumes que lhes são próprios'; ' o sentimento de amor desse povo à sua pátria ou região (cidade, estado etc.)'; ' o conjunto dos indivíduos dessa nação, região, cidade etc.': americanismo, baianismo, britanismo, espanholismo, mineirismo; f) ' modo de escrever ou falar próprio de uma língua' ou ' palavra, expressão ou estrutura característica de dada língua ou de uma variante/variedade linguistica': açorianismo, anglicismo, angolanismo, brasileirismo, galicismo, helenismo, latinismo, lusismo, regionalismo, tupinismo; g) ' pronúncia viciosa (de dada letra [fonema])': lambdacismo (< gr.), rotacismo; h) ' comportamento, procedimento ou ação de (aquele a que se refere o rad. da palavra original [terminada ou não em -ista])': acacianismo, aristocratismo, arrivista, banditismo (< it.), carolismo, chaleirismo, companheirismo, fanatismo (< fr.), heroísmo, inconformismo, machismo, mau-caratismo, radicalismo, vandalismo, vedetismo; i) ' comportamento, condição, opção ou preferência sexual de': bissexualismo, homossexualismo, lesbianismo; j) 'dada ação ou comportamento que constitui proteção (ou favoritismo)': aciolismo, afilhadismo, clientelismo, favoritismo, nepotismo, paternalismo; l) ' ato ou prática de': terrorismo; m) ' esporte, prática ou modalidade esportiva': aeromodelismo, atletismo, ciclismo, iatismo, pugilismo, skatismo/esqueitismo; n) 'doença, quadro ou estado mórbidos ou condição patológica': acefalismo, atimismo, favismo, linfatismo (< fr.), menierismo, parkinsonismo, raquitismo, reumatismo, sonambulismo (< fr.); o) ' vício ou estado patológico derivante de vício ou intoxicação (ou envenenamento)': absintismo, alcoolismo, barbiturismo, ergotismo, iodismo, morfinismo, plumbismo, tabagismo; p) ' qualidade, estado, característica ou condição de': analfabetismo, automatismo, barbarismo, celibatarismo, irrealismo, laicismo, mutismo, naturalismo, realismo; q) ' dada propriedade': acromatismo, actinismo, antiferromagnetismo, aplanetismo, autotrofismo, ferromagnetismo; r) ' sentimento ou estado de espírito de (indivíduo com dada qualidade)': ceticismo, indiferentismo, macambuzismo, nervosismo, saudosismo; s) ' amor (exacerbado ou não) ou devoção a': chauvinismo, humanitarismo, narcisismo, patriotismo, tradicionalismo

[F.: Do gr. -ismós, oû, de nomes de ação de verbos em -ízo (1a pess.), equivalente no port. a -izar (f. latinizante). No português, segundo o modelo helênico, portanto, erudito, vocábulos em -ismo formam nomes de agentes em -ista (< gr. -istés, oû); os adj. referentes ao nome em -ismo ou -ista são formados com -ico2 (< -ikós, é, ón), gerando formas em -ístico (qv.), tais como: budismo/budista/budístico; calvinismo/calvinista/calvinístico. ]

Read more: http://aulete.uol.com.br/-ismo#ixzz2LsgbgizC

Handerson Xavier - 25/02/2013 14:32

É notória a inutilidade do Conselho Federal de Psicologia que se presta a fins inúteis e que fogem de suas atribuições. A militância socialista e gayzista da instituição a torna uma contradição de termos, que não defende psicólogos, não contribui para o exercício da profissão e ainda prejudica a verdadeira ciência ao perseguir os que discordam das suas distorcidas posições. É lamentável que o CFP esteja na mão de pessoas sem competência alguma e com absolutamente nenhuma isenção político-ideológica. Graças, que não sou psicólogo e deva encontrar-me acorrentado pelas algemas ideológica de tal órgão. Torço para que alguém, com algum estalo de sanidade mental ponha fim a este reinado torpe de ditadura e desmandos em nome de uma classe.

O que o Silas Malafaia falou demais ou que tenha relação como o que tange a este conselho? Tudo o que o pastor falou democraticamente é cruto de sua posição pessoal e religiosa, defendido por todas as religiões cristãs. Estaria o CFP discriminando o pensamento cristão?

Concebida como autarquia responsável pela fiscalização do exercício profissional dos psicólogos, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) relegou suas atribuições originais e passou a funcionar como simples órgão de agitação e propaganda ideológica, com ênfase especial no ativismo gay. Para quem não sabe, os órgãos de agitação e propaganda (agitprop) surgiram no mundo comunista como forma de aplicar a noção leninista de “guerra ideológica” aos movimentos políticos e sociais.

Uma das principais funções da agitprop é precisamente fomentar o ativismo político e ideológico, que dissemina a mentalidade revolucionária entre as massas, abrindo caminho para a tão sonhada hegemonia cultural. Obediente à cartilha da agitprop, o CFP organiza manifestações públicas, promove passeatas, atos de protesto, apoia publicamente movimentos de índole revolucionária, financia eventos para homenagear companheiros de ideologia, presta solidariedade a intelectuais esquerdistas, terroristas e guerrilheiros, dá suporte institucional a minorias radicais, redige panfletos inflamados contra o sistema capitalista e a ordem estabelecida, solta notinhas de repúdio contra desafetos, intimida psicólogos dissidentes, entre outras exorbitâncias, todas elas patrocinadas com o dinheiro arrecadado compulsoriamente dos psicólogos. Ou seja, uma elite corporativa faz sua revolução de luxo e os psicólogos é que pagam a fatura.

Essa atuação clandestina do CFP já foi objeto de denúncia em outros artigos e até em representações públicas endereçadas ao Ministério Público Federal. O clima de agitação política dentro da autarquia avançou de forma tão desinibida que seus integrantes já beiram os limites da improbidade administrativa. E pior é que tudo corre às claras, registrado em farta documentação.

É cada dia mais ostensivo, por exemplo, o alinhamento político do CFP com organismos internacionais, fundações milionárias, ONGs, partidos políticos e uma vasta rede de entidades nacionais e estrangeiras, todos irmanados na consecução de um projeto de engenharia social em escala planetária. Isso pode ser comprovado não só pelos vínculos institucionais da autarquia, mas sobretudo pelo modo servil com que mimetiza o discurso produzido nesses grandes centros irradiadores do marxismo cultural. Itens como abortismo, gayzismo, multiculturalismo, feminismo, racialismo, eugenismo integram a agenda dessa elite globalista que, dentro da nova ordem mundial, adotou o colonialismo mental como forma de realizar sua distopia revolucionária.

De todos eles, é notória a simpatia que o CFP nutre pela militância gay. A fim de ilustrar essa afirmação, trago ao conhecimento do leitor a recente notícia publicada no site da autarquia (veja aqui), onde se apresenta uma nota de repúdio às declarações dadas pelo psicólogo Silas Malafaia no programa de entrevistas da jornalista Marília Gabriela.

Logo de saída, no subtítulo da notícia, o CFP se gaba de 25 mil pessoas que teriam “curtido” – provavelmente nas redes sociais – o teor geral do documento. Fazendo paródia com a frase memorável de Anatole France, é preciso lembrar ao CFP que quando 25 mil pessoas curtem uma besteira, ela não deixa de ser uma besteira.

Esse apelo do CFP à sedução dos números só atesta, a rigor, o cacoete demagógico com o qual a autarquia geralmente conduz seus pronunciamentos públicos. Neles, dificilmente haverá um esforço no sentido de promover um debate intelectualmente qualificado. Nada disso. O que se vê é a tentativa obstinada de arregimentar multidões em prol de suas bandeiras políticas, mesmo que, para isso, use o que resta da credibilidade profissional dos psicólogos. O negócio do CFP é conquistar corações, enquanto deixa as mentes entregues a mais absoluta vacuidade.

A prova disso é que, na referida nota, predomina uma linguagem retórica apelativa, sem margem para considerações de caráter técnico ou científico. É um desfile de lugares-comuns, frases de efeito, argumentos vazios e reclamos sentimentais. Fosse o documento redigido por sindicalistas ou líderes estudantis, o tom geral do discurso, embora igualmente deplorável, seria ao menos compreensível.
Vindo de um ente estatal, mantido com verba pública, e cuja principal missão é salvaguardar a reputação profissional de toda uma classe, a coisa assume contornos verdadeiramente alarmantes.

Segundo a notinha publicada pelo CFP, o psicólogo Silas Malafaia… “agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação”. Afora a redação muito mal-ajambrada, algo recorrente nos documentos da autarquia, chama a atenção o uso espalhafatoso do verbo “agredir”, numa tentativa manjada de cobrir a figura do psicólogo com uma aura de violência e intolerância – falsa sob todos os aspectos, mas que predispõe o leitor a antipatias habituais.

Você deve estar se perguntando como é que uma pessoa, afinal, pode “agredir” os Direitos Humanos ou uma cultura de paz simplesmente por exercer o direito de emitir opiniões acerca de um determinado assunto. Seria a livre orientação sexual mais digna de respeito que a livre manifestação do pensamento? Uma sociedade que contempla a diversidade não é justamente aquela que respeita opiniões divergentes, ao invés de tentar criminalizá-las ou subtraí-las do debate público?

O CFP prossegue seu desarrazoado e acusa Malafaia de assumir “uma posição de retrocesso que chega a ser quase inquisitório (sic), colocando como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito na leitura dos Direitos Humanos.” Repare que o termo “inquisitório” não é algo banal. Trata-se de mais um artifício retórico – bem chinfrim, é verdade – para deflagrar associações subconscientes na mente do leitor, uma vez que o psicólogo Malafaia é também pastor evangélico, e isso sempre foi ocasião para evocar preconceitos ancestrais.

No imaginário popular, tão frequentemente manipulado pelo CFP, termos como inquisitório sugerem a ideia de fanatismo, autoritarismo repressor, posições atávicas e medievalescas. A patifaria intelectual é de tal magnitude que o CFP não se sente minimamente constrangido a entrar no mérito dos argumentos e descrever com exatidão o alegado perfil inquisitório que vê nas posições defendidas pelo Malafaia. Como refutar argumentos não é o forte do CFP, é mais fácil fornecer as senhas que irão preparar um futuro linchamento moral (¹).

No terceiro parágrafo, de forma muito estranha, o CFP afirma que o psicólogo Malafaia “se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia”. Aqui, a expressão “bandeiras levantadas” só pode ser entendida como um tremendo ato-falho, pois revela de forma despudorada o impulso militante e o ativismo compulsivo, não só de quem redigiu a singela notinha, mas de toda camarilha filocomunista que se aboletou no CFP. Afinal, como pode um ramo do conhecimento acadêmico, que reclama para si o status de ciência, hastear bandeiras de natureza política? Qualquer ciência que tome partido em contendas políticas e ideológicas está condenada a perder sua isenção e credibilidade.

Por isso é que eu digo: a crise de identidade pela qual atravessa o CFP é muito mais séria do que supõe a nossa vã psicologia. Ao invés de deitar no divã para repensar seus conceitos equivocados, o CFP prefere sair do armário e assumir esse seu ardente desejo de virar um sigla partidária. E que ninguém se escandalize quando a autarquia aparecer por aí, nos cabarés da política nacional, alcunhada de “CFP do B”, porque prostituiu tanto ciência quanto a profissão pelas quais deveria zelar.

As trapalhadas conceituais e as falácias argumentativas do CFP vão ainda mais longe. Ao ratificar ideias contidas na resolução nº 01/99, a nota afirma que “a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades da existência humana”. Temos aqui um exemplo típico de erro lógico chamado non sequitur, no qual a conclusão não segue a premissa. Incluir comportamentos no universo das possibilidades humanas, um modo diferente de exercício da sexualidade (ou do que quer que seja), não é razão suficiente para situá-los dentro de uma escala valorativa em que conceitos como saúde ou doença, desvio ou ajustamento, perversão ou normalidade, podem ser postos em perspectiva.

Na rubrica dos “diferentes modos de exercício da sexualidade humana” também entram o bestialismo, o fetichismo, a coprofilia, o voyerismo, a pedofilia, o donjuanismo, a necrofilia, o onanismo, o sadomasoquismo e um punhado de outras manifestações bizarras do prazer e do erotismo humanos. E aí? Será que não há critérios válidos para distingui-los? Somos obrigados agora a adotar o relativismo moral, metafísico e epistemológico do CFP, em que tudo entra no reino das possibilidades humanas?

No final das contas, a conclusão a que se chega é que o CFP não suporta opiniões que contrariem suas convicções ideológicas. Na nota, o CFP declara como princípio o “respeito à livre orientação sexual dos indivíduos”, ainda que o psicólogo, para atendê-lo, precise desrespeitar a liberdade de escolha daqueles que o procuram solicitando ajuda para modificar sua orientação sexual (²).

A posição assumida pelo CFP, ao que parece, baseia-se na ideia de que o desejo sexual é o que há de mais irredutível no ser humano, devendo prevalecer sobre sua autonomia, consciência e aspirações. Ao afirmar que “é dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual”, o CFP parte do pressuposto de que somente a sexualidade (no caso, a homosssexual) é capaz de propiciar felicidade e bem-estar, sendo tudo mais mera perfumaria. Nesse hedonismo acachapante, não há espaço para dilemas ou contradições humanas; o ser humano é colocado numa perspectiva unidimensional.

A concepção de natureza humana que vigora na psicologia dos integrantes do CFP está fundada numa cosmologia essencialmente materialista. Ela segue uma tendência geral que, segundo o psicólogo católico Rudolf Allers, perverteu a mentalidade ocidental ao longo dos séculos, fazendo-a acreditar que “tudo o que é inferior, tudo o que se aproxima da natureza bruta, ou inclusive morta, é julgado como o mais verdadeiro, o mais natural e o mais importante”, e que “o inferior constitui o fundo e o centro da realidade, o que realmente importa, que buscá-lo é fazer um ato de ciência e que vivê-la é conformar-se às exigências mais verdadeiras da natureza humana”. É a psicologia em que predomina, nas palavras do próprio Allers, uma “a visão desde baixo”.

Portanto, se existem ações que podem ser consideradas como “extermínios de subjetividades indesejadas”, conforme afirma a nota, uma delas é precisamente essa louca pretensão do CFP de impor seu ideal de felicidade e bem-estar a todas as pessoas. Esse é o tipo de pensamento totalitário que não se coaduna com o discurso pretensamente humanista que a autarquia tenta encampar. Como diz a música, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Não cabe ao CFP fazer política com o sofrimento alheio.

Por fim, essa tentativa de vincular opiniões pacíficas, embora contundentes, a atos de agressão, extermínio, exclusão, é um artifício que não convence, absolutamente, nem mesmo àqueles homossexuais inteligentes e sinceros, que são capazes de entender que o sofrimento humano transcende o jogo dos interesses políticos, e que às vezes, a exemplo do que disse o filósofo Descartes, “mais vale derrotar os próprios desejos do que a ordem do mundo”.

Quero saber do provedor do site, por que o mesmo não publicou a minha opinião? Sei que já não vivemos mais numa democracia, quem ainda acha que estamos vivendo neste regime é um trouxa. Por favor senhores administradores deste site, vou escrever aqui a minha opinião, e gostaria que os Senhores a publicassem, até porque o que eu inseri ali é a pura realidade e que no entanto sabem disso e por isso a não publicação da minha opinião. Concebida como autarquia responsável pela fiscalização do exercício profissional dos psicólogos, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) relegou suas atribuições originais e passou a funcionar como simples órgão de agitação e propaganda ideológica, com ênfase especial no ativismo gay. Para quem não sabe, os órgãos de agitação e propaganda (agitprop) surgiram no mundo comunista como forma de aplicar a noção leninista de “guerra ideológica” aos movimentos políticos e sociais.Uma das principais funções da agitprop é precisamente fomentar o ativismo político e ideológico, que dissemina a mentalidade revolucionária entre as massas, abrindo caminho para a tão sonhada hegemonia cultural. Obediente à cartilha da agitprop, o CFP organiza manifestações públicas, promove passeatas, atos de protesto, apoia publicamente movimentos de índole revolucionária, financia eventos para homenagear companheiros de ideologia, presta solidariedade a intelectuais esquerdistas, terroristas e guerrilheiros, dá suporte institucional a minorias radicais, redige panfletos inflamados contra o sistema capitalista e a ordem estabelecida, solta notinhas de repúdio contra desafetos, intimida psicólogos dissidentes, entre outras exorbitâncias, todas elas patrocinadas com o dinheiro arrecadado compulsoriamente dos psicólogos. Ou seja, uma elite corporativa faz sua revolução de luxo e os psicólogos é que pagam a fatura.

Essa atuação clandestina do CFP já foi objeto de denúncia em outros artigos e até em representações públicas endereçadas ao Ministério Público Federal. O clima de agitação política dentro da autarquia avançou de forma tão desinibida que seus integrantes já beiram os limites da improbidade administrativa. E pior é que tudo corre às claras, registrado em farta documentação.

É cada dia mais ostensivo, por exemplo, o alinhamento político do CFP com organismos internacionais, fundações milionárias, ONGs, partidos políticos e uma vasta rede de entidades nacionais e estrangeiras, todos irmanados na consecução de um projeto de engenharia social em escala planetária. Isso pode ser comprovado não só pelos vínculos institucionais da autarquia, mas sobretudo pelo modo servil com que mimetiza o discurso produzido nesses grandes centros irradiadores do marxismo cultural. Itens como abortismo, gayzismo, multiculturalismo, feminismo, racialismo, eugenismo integram a agenda dessa elite globalista que, dentro da nova ordem mundial, adotou o colonialismo mental como forma de realizar sua distopia revolucionária.

De todos eles, é notória a simpatia que o CFP nutre pela militância gay. A fim de ilustrar essa afirmação, trago ao conhecimento do leitor a recente notícia publicada no site da autarquia (veja aqui), onde se apresenta uma nota de repúdio às declarações dadas pelo psicólogo Silas Malafaia no programa de entrevistas da jornalista Marília Gabriela.

Logo de saída, no subtítulo da notícia, o CFP se gaba de 25 mil pessoas que teriam “curtido” – provavelmente nas redes sociais – o teor geral do documento. Fazendo paródia com a frase memorável de Anatole France, é preciso lembrar ao CFP que quando 25 mil pessoas curtem uma besteira, ela não deixa de ser uma besteira.

Esse apelo do CFP à sedução dos números só atesta, a rigor, o cacoete demagógico com o qual a autarquia geralmente conduz seus pronunciamentos públicos. Neles, dificilmente haverá um esforço no sentido de promover um debate intelectualmente qualificado. Nada disso. O que se vê é a tentativa obstinada de arregimentar multidões em prol de suas bandeiras políticas, mesmo que, para isso, use o que resta da credibilidade profissional dos psicólogos. O negócio do CFP é conquistar corações, enquanto deixa as mentes entregues a mais absoluta vacuidade.

A prova disso é que, na referida nota, predomina uma linguagem retórica apelativa, sem margem para considerações de caráter técnico ou científico. É um desfile de lugares-comuns, frases de efeito, argumentos vazios e reclamos sentimentais. Fosse o documento redigido por sindicalistas ou líderes estudantis, o tom geral do discurso, embora igualmente deplorável, seria ao menos compreensível.
Vindo de um ente estatal, mantido com verba pública, e cuja principal missão é salvaguardar a reputação profissional de toda uma classe, a coisa assume contornos verdadeiramente alarmantes.

Segundo a notinha publicada pelo CFP, o psicólogo Silas Malafaia… “agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma sociedade que contemple a diversidade e o respeito à livre orientação”. Afora a redação muito mal-ajambrada, algo recorrente nos documentos da autarquia, chama a atenção o uso espalhafatoso do verbo “agredir”, numa tentativa manjada de cobrir a figura do psicólogo com uma aura de violência e intolerância – falsa sob todos os aspectos, mas que predispõe o leitor a antipatias habituais.

Você deve estar se perguntando como é que uma pessoa, afinal, pode “agredir” os Direitos Humanos ou uma cultura de paz simplesmente por exercer o direito de emitir opiniões acerca de um determinado assunto. Seria a livre orientação sexual mais digna de respeito que a livre manifestação do pensamento? Uma sociedade que contempla a diversidade não é justamente aquela que respeita opiniões divergentes, ao invés de tentar criminalizá-las ou subtraí-las do debate público?

O CFP prossegue seu desarrazoado e acusa Malafaia de assumir “uma posição de retrocesso que chega a ser quase inquisitório (sic), colocando como vertentes do seu pensamento a exclusão e o preconceito na leitura dos Direitos Humanos.” Repare que o termo “inquisitório” não é algo banal. Trata-se de mais um artifício retórico – bem chinfrim, é verdade – para deflagrar associações subconscientes na mente do leitor, uma vez que o psicólogo Malafaia é também pastor evangélico, e isso sempre foi ocasião para evocar preconceitos ancestrais.

No imaginário popular, tão frequentemente manipulado pelo CFP, termos como inquisitório sugerem a ideia de fanatismo, autoritarismo repressor, posições atávicas e medievalescas. A patifaria intelectual é de tal magnitude que o CFP não se sente minimamente constrangido a entrar no mérito dos argumentos e descrever com exatidão o alegado perfil inquisitório que vê nas posições defendidas pelo Malafaia. Como refutar argumentos não é o forte do CFP, é mais fácil fornecer as senhas que irão preparar um futuro linchamento moral (¹).

No terceiro parágrafo, de forma muito estranha, o CFP afirma que o psicólogo Malafaia “se mostra contrário às bandeiras levantadas pela Psicologia”. Aqui, a expressão “bandeiras levantadas” só pode ser entendida como um tremendo ato-falho, pois revela de forma despudorada o impulso militante e o ativismo compulsivo, não só de quem redigiu a singela notinha, mas de toda camarilha filocomunista que se aboletou no CFP. Afinal, como pode um ramo do conhecimento acadêmico, que reclama para si o status de ciência, hastear bandeiras de natureza política? Qualquer ciência que tome partido em contendas políticas e ideológicas está condenada a perder sua isenção e credibilidade.

Por isso é que eu digo: a crise de identidade pela qual atravessa o CFP é muito mais séria do que supõe a nossa vã psicologia. Ao invés de deitar no divã para repensar seus conceitos equivocados, o CFP prefere sair do armário e assumir esse seu ardente desejo de virar um sigla partidária. E que ninguém se escandalize quando a autarquia aparecer por aí, nos cabarés da política nacional, alcunhada de “CFP do B”, porque prostituiu tanto ciência quanto a profissão pelas quais deveria zelar.

As trapalhadas conceituais e as falácias argumentativas do CFP vão ainda mais longe. Ao ratificar ideias contidas na resolução nº 01/99, a nota afirma que “a homossexualidade não constitui doença, desvio ou perversão, posto que diferentes modos de exercício da sexualidade fazem parte das possibilidades da existência humana”. Temos aqui um exemplo típico de erro lógico chamado non sequitur, no qual a conclusão não segue a premissa. Incluir comportamentos no universo das possibilidades humanas, um modo diferente de exercício da sexualidade (ou do que quer que seja), não é razão suficiente para situá-los dentro de uma escala valorativa em que conceitos como saúde ou doença, desvio ou ajustamento, perversão ou normalidade, podem ser postos em perspectiva.

Na rubrica dos “diferentes modos de exercício da sexualidade humana” também entram o bestialismo, o fetichismo, a coprofilia, o voyerismo, a pedofilia, o donjuanismo, a necrofilia, o onanismo, o sadomasoquismo e um punhado de outras manifestações bizarras do prazer e do erotismo humanos. E aí? Será que não há critérios válidos para distingui-los? Somos obrigados agora a adotar o relativismo moral, metafísico e epistemológico do CFP, em que tudo entra no reino das possibilidades humanas?

No final das contas, a conclusão a que se chega é que o CFP não suporta opiniões que contrariem suas convicções ideológicas. Na nota, o CFP declara como princípio o “respeito à livre orientação sexual dos indivíduos”, ainda que o psicólogo, para atendê-lo, precise desrespeitar a liberdade de escolha daqueles que o procuram solicitando ajuda para modificar sua orientação sexual (²).

A posição assumida pelo CFP, ao que parece, baseia-se na ideia de que o desejo sexual é o que há de mais irredutível no ser humano, devendo prevalecer sobre sua autonomia, consciência e aspirações. Ao afirmar que “é dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual”, o CFP parte do pressuposto de que somente a sexualidade (no caso, a homosssexual) é capaz de propiciar felicidade e bem-estar, sendo tudo mais mera perfumaria. Nesse hedonismo acachapante, não há espaço para dilemas ou contradições humanas; o ser humano é colocado numa perspectiva unidimensional.

A concepção de natureza humana que vigora na psicologia dos integrantes do CFP está fundada numa cosmologia essencialmente materialista. Ela segue uma tendência geral que, segundo o psicólogo católico Rudolf Allers, perverteu a mentalidade ocidental ao longo dos séculos, fazendo-a acreditar que “tudo o que é inferior, tudo o que se aproxima da natureza bruta, ou inclusive morta, é julgado como o mais verdadeiro, o mais natural e o mais importante”, e que “o inferior constitui o fundo e o centro da realidade, o que realmente importa, que buscá-lo é fazer um ato de ciência e que vivê-la é conformar-se às exigências mais verdadeiras da natureza humana”. É a psicologia em que predomina, nas palavras do próprio Allers, uma “a visão desde baixo”.

Portanto, se existem ações que podem ser consideradas como “extermínios de subjetividades indesejadas”, conforme afirma a nota, uma delas é precisamente essa louca pretensão do CFP de impor seu ideal de felicidade e bem-estar a todas as pessoas. Esse é o tipo de pensamento totalitário que não se coaduna com o discurso pretensamente humanista que a autarquia tenta encampar. Como diz a música, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Não cabe ao CFP fazer política com o sofrimento alheio.

Por fim, essa tentativa de vincular opiniões pacíficas, embora contundentes, a atos de agressão, extermínio, exclusão, é um artifício que não convence, absolutamente, nem mesmo àqueles homossexuais inteligentes e sinceros, que são capazes de entender que o sofrimento humano transcende o jogo dos interesses políticos, e que às vezes, a exemplo do que disse o filósofo Descartes, “mais vale derrotar os próprios desejos do que a ordem do mundo”.

eu acho que homossexualidade é algo psicológico, somente isso. acredito que ninguém nasce homossexual, bissexual ou sei lá. todos nascem heterossexuais, é a lei de Deus e da Natureza. Por que se fosse algo no gene, quando nascesse gêmeos os dois teriam que ser homossexuais ou heterossexuais, mas tem casos que um é hetero e o outro é homo, que explicação teria a ciência sobre isso. E também acredito que não é a vontade de Deus e da Natureza, pois se fosse homens teriam filhos com homens, mulheres com mulheres e homens com mulheres. Mas só procriam homens com mulheres. e para mim é assim que tem que ser. Ah e é a minha opinião, não é preconceito nem falta de respeito, é apenas a livre expressão.

jhoantan - 26/02/2013 19:28

Na minha humilde opinião o pastor não tá sabendo lidar com essa polêmica toda em torno de suas declarações, certo q ele como um pastor não pode agir diferente,mas tem se deixado levar pelo calor d discussão ao em vez de agir com temperança, se exaltando e por vezes no meu ponto de vista sendo agressivo com em suas palavras, se ele prega a bíblia, e na bíblia está escrito q prática homossexual é pecado, como tanta outras coisas e atitudes, não entendo o porque desse alvoroço todo em torno de suas ideias, não sou um defensor de Silas, nem concordo com o a maneira como ele e outros pastores da mídia pregam o evangelho, mas nesse ponto não acho como pastor esteja errado, lógico q nunca se deve ofender os homossexuais como pessoas, e sim se mostrando contra a prática da homossexualidade que por ser um ato pecaminoso como tantos outros como por exemplo, idolatria, adultério, fornicação e etc….deve ser abandonado para seguir em uma vida cristã. Isto só chegou à esse nível de discussão por ser este um assunto polêmico, assim como o pastor. Talvez no calor da discussão ele posso até ter se expressado mal sendo ofensivo com os homossexuais, mas quanto a sua posição de cristão ele não pode ter outra opinião a não ser ser contra a prática do homossexualismo, e qualquer pessoa, sendo cristã ou não, q acredita na bíblia como palavra de Deus, tem se colocar contra a prática homossexual como sendo um ato de pecado condenado por Deus, mas nunca contra o homossexual como pessoa, devendo estes serem amados e respeitados, principalmente pelos cristãos q pregam o amor incondicional de Jesus Cristo.

ANDRE SILVEIRA - 26/02/2013 22:46

è Lamentavel ver aki a opinião de pensadores que simplesmente não pensam,qual é o intuito de querer cassar o registro dele, faça uma reflexao isto é justo para seu proximi, ou vcs desejam mesmo serem impeadores e prevalecer suas opinioes repito lamentavel

Oi Pessoal não estou aqui prá discutir o que estar certo ou errado. Acredito apenas que como já até foi citado ele nauquele momento estava dando a entrevista na condição de pastor e para entende-lo fui ler na biblia que a base de crença dos evengélicos os textos que são contra o homossexualismo e vi que sua entrevista foi baseada na regra de fé dele e não de sua formação, assim como ele a maioria dos pastores defedem essa posição assim como a própria igreja católica que também se posiciona contrária inclusive até do uso do preservativo. Eu apenas acredito que assim como os homossexuais são livres prá expor e viver como acreditam, quem não acredita na forma como eles vivem também são livre prá se expressar! Acho que não cabe a ninguém julgar apenas aceitar que cada um pode pensar e viver da forma que achar melhor prá si e ser feliz seja os pastores, seja os homossexuais!

O cerne da questão é lutar contra a formação e consolidação de um Estado Teocrático no Brasil. É difícil, ou mesmo impossível, conciliar religião e sistema político que garanta a democracia, o direito e as liberdades individuais. Não importa qual religião estejamos considerando. A sociedade brasileira convive em harmonia com as várias religiões que se instalaram aqui ao longo de nossa bela saga, seja durante a “colonização” portuguesa, seja através da imigração, e que contribuiram para o nosso rico caldo de culturas. A própria Constituição assinala a condição de pluralidade religiosa. Assim, devemos acompanhar e ficar atentos às manobras de partidos políticos e bancadas de cunho religioso para garantia do estado de direito democrático e pluralista.

Silas, o seu objetivo é político e não religioso. Você apenas usa a bíblia como uma das suas táticas de manipulação em massa para obter um cargo político. O Brasil é um país laico e democrático. Ditadura religiosa é o fim, vide países árabes. Cada um acredita no que quiser se não acredita em nada é porque estudou a historia da humanidade e descobriu as suas obscuridades escondidas a população.

Gente, vamos ler mais, estudar mais, ver mais documentários no canal do history channel e descriminar e oprimir menos. ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’” é um mandamento de CRISTO. Conhecimento é a alma do homem, não é seguindo cegamente um pastor que vocês se salvarão!

Lucimar Donas - 27/02/2013 16:31

A homosexualidade ou o homosexualismo, como vocês preferem designar, é um comportamento pecaminoso e abominável aos olhos de Deus, segundo a Bíblia. Os atuais membros do plenário do CFP deveriam deixar de hipocrisia e proibir os cristãos bíblicos de se graduarem, uma vez que graduados, serão impedidos de exercer os direitos de consciência e liberdade religiosa, princípios fundamentais garantidos pela Constituição (Art. 5º, IV, VI e VIII). Vocês só não fazem isso porque iam deixar cair a máscara do preconceito religioso e revelar que a verdadeira causa do CFP é a promoção da militância Gay e afins. Os outros segmentos de profissionais de psicologia não existem para a atual diretoria do CFP. Ridícula, tendenciosa e biblicofóbica essa nota do CFP.

Acho que muita gente já percebeu (sobretudo psicólogos) que o sistema CFP/CRPs não está a serviço de exercício de uma psicologia séria e muito menos existe para estar ao lado dos profissionais que o sustentam (sim, o boleto da anuidade chega pontualmente e não é barato).
O sistema CFP/CRPs está a serviço da política paritidária – PT, das minorias e do secularismo.

Penso que as pessoas que apoiam Silas, assim como o próprio, não acreditam ou não fazem ideia do que estão falando, é apenas uma questão de impor suas pseudo-ideologias goela a baixo. Por favor, não precisa ser muito inteligente para perceber a incoerência dos argumentos que ele usa. Mas continuem aí, está interessante ver como vocês mascaram a homofobia com um monte de palavras bonitas. :)

john marleson - 01/03/2013 14:03

Boa tarde. Rosemeire Alves

Assim como você também estudo psicologia, agora pergunto a você, você viu a PL 122/2006? No meu entendimento o Silas não se coloca contra a relação homossexual e sim contra a Leí em si. Claro como pastor e Valores religiosos, tem todo o direito de não concordar, ou aceitar as práticas, homoafetivas, porém é uma opinião dele. Devemos respeitar as pessoas que pensam diferentes da gente. Também não concordo com o CFP, pois estar tomando partido. O CFP deveria abrir a discursão sobre a Lei em si. o que Você como estudante, pensa sobre isso? Também peço que veja a Lei em si, todos deveriam ver a PL 122/2006.

Ridículo esse posicionamento do CFP !!!!

O cerne da questão é lutar contra a formação e consolidação de um Estado Teocrático no Brasil. É difícil, ou mesmo impossível, conciliar religião e sistema político que garanta a democracia, o direito e as liberdades individuais. Não importa qual religião estejamos considerando. A sociedade brasileira convive em harmonia com as várias religiões que se instalaram aqui ao longo de nossa bela saga, seja durante a “colonização” portuguesa, seja através da imigração, e que contribuiram para o nosso rico caldo de culturas. A própria Constituição assinala a condição de pluralidade religiosa. Assim, devemos acompanhar e ficar atentos às manobras de partidos políticos e bancadas de cunho religioso para garantia do estado de direito democrático e pluralista.

Silas, o seu objetivo é político e não religioso. Você apenas usa a bíblia como uma das suas táticas de manipulação em massa para obter um cargo político. O Brasil é um país laico e democrático. Ditadura religiosa é o fim, vide países árabes. Cada um acredita no que quiser se não acredita em nada é porque estudou a historia da humanidade e descobriu as suas obscuridades escondidas a população.

Gente, vamos ler mais, estudar mais, ver mais documentários no canal do history channel e descriminar e oprimir menos. ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’” é um mandamento de CRISTO. Conhecimento é a alma do homem, não é seguindo cegamente um pastor que vocês se salvarão!

Julio Medeiros - 03/03/2013 17:21

Acho que as declarações do pastor nem precisavam ganhar tanta repercussão, ele claramente não cuidou de pesquisar certos assuntos sobre os quais falou na referida entrevista, o que deveria resultar em simples descrédito quanto às suas afirmações. Contudo, dada a polêmica causada, coube ao CFP uma manifestação pública e a nota do CFP foi o primeiro manifesto de repúdio que li a respeito das declarações do tal líder evangélico. Depois de ler, confesso que fiquei um tanto assustado com um trecho que copio a seguir:
“A Resolução declara, ainda, que é um princípio da (o) psicóloga (o) o respeito à livre orientação sexual dos indivíduos e o apoio à elaboração de formas de enfrentamento no lidar com as realidades sociais de maneira integrada. É dever do profissional de Psicologia fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual.”
Sei da orientação do CFP para que nenhum psicólogo ofereça tratamento que prometa curar tal ou qual posição sexual, sendo considerado charlatanismo. Com isso eu mesmo concordo. O que me chamou a atenção, e preocupou mais, foi o que parece ser a interpretação corrente a respeito do dever do profissional de Psicologia, qual seja, se ele quiser observar o que diz o Conselho é preciso ajudar a pessoa a se sentir bem e feliz com sua orientação sexual! Mas, sem que se deixem de lado todas as advertências que fazem a respeito de não oferecer tratamento que não pode ser levado à cabo, quem pode prometer isso?
É completamente diferente fornecer subsídios pra uma pessoa ser feliz e sentir-se bem com sua orientação sexual e ajudar um sujeito a assumir uma escolha. No primeiro caso só resta pra gente pagar o preço da frustração dos “clientes”, infelizes, cada vez que o mundo não lhes responder com afagos e amenidades suas demandas, pois “é nosso dever” (e não sua responsabilidade) sustentar essa escolha.
Quem promete deve cumprir! E à despeito de quão merecedora de uma resposta seja a declaração do pastor lá, porque o Conselho é representante de toda a categoria eu não deixo de ficar mais apreensivo com essa nota de repúdio do que com o alvo da retaliação.

É um absurdo o CFP ficar se preocupando com uma classe isola enquanto tantos outros sendo discriminados pela sua condição social dou raça, e além do mas o pastor Silas não ofendeu nínguem apenas expos sua posição de acordo com a bíblia, em sua posição de Pastor. Acredito que o CFP tem tanto a se preocupar com a classe em si, sabemos de psicologos que promovem rituais e fazem passes dentro de seus consultorios, e onde fica a fiscalização? Em questão, os direitos humanos são para todos, principalmente a livre express~~ao religiosa, agora uma classe tenta fazer algo que é para todos exclusivas deles. Acredito que o CFP esta tomando partido, se utilizando de criterios quase que pessoais, não é?
Quanto mais barulho se faz em relação a questão da homossexualidade, mas se faz a diferença, esta questão é uma questão cultural e histórica, não é a força ou empurrando de guela a baixo das pessoas que esta situação vai mudar, tudo é uma questão de se construir e não imposição. Ideologias diferentes sempre irão existir elas apenas tem que ser respeitadas. O problema da classe da luta gay não é fazer parte de uma população com suas diferenças, mas sim fazer de sua escolha sexual uma regra para todos. CFP vamos abrir os olhos, há muito mais a ser feito, isso não é psicologia.

Eu como estudante de psicologia sei que não podemos misturar a profissão com nossas crenças pessoas como psicologo em trabalho devemos manter nossa postura. Mas fora do trabalho acho que como todas as pessoas temos direito de expressar nossa opinião defender nossa religião acho muito nojento essa maneira de dizer q tudo é homofobia que até onde sei homofobia seria o desrespeito a homossexuais e acho q se for contra essa ideia não te faz um homofóbico.

Além do mas não me esqueço do caso da primeira transexual operada no Brasil que nasceu Joana e se formou em psicologa ainda Joana e após sua mudança de sexo e identidade pra João foi excluso da profissão isso foi um fato real ocorrido aqui no Brasil isso sim pra mim foi um ato de puro preconceito e homofobia uma pena que ainda não havia a lei contra homofobia ainda no Brasil.

O Pastor peca em ter um comentário tão forte perante a nação. O que se pode dizer dos pastores e membros evangélicos que mantém relações sexuais com pessoas do mesmo sexo dentro da igreja? O que dizer de um sério problema que tem afetados as igrejas cristãs envolvendo homens casados que tem vivido uma vida dupla, tendo suas esposas e mantendo relações fortuitas com outros homens por meios de encontros pela internet? Que dizer dos casados que estão dirigindo as igrejas evangélicas, mas assistem videos e veem fotos pornô gays em sites da internet. Penso que Jesus resumiu as leis de Moisés em duas: Amar a Deus sobre todas as coisas e Amar ao próximo como a si mesmo. Então Pastor, é difícil cumprir uma a Lei tão Especial dita pelo Jesus que pregas? Ao CFP, parabéns pela Nota de Repúdio.

concordo plenamente com o colega quando fala , que o Silas Malafaia participou do programa na condição de PASTOR, não de PSICÓLOGO.
Segundo, que o objetivo da militância gay é claro: Acabar com a família tradicional, transformar nossos filho (a)s em homossexuais, já na escola.
E terceiro, que esta mordaça gayzista em cima do povo, é o que está gerando a dita “homofobia”.
Interessante que vocês, como uma instituição pública, deveriam ser menos parciais, pois a constituinte defende o direito ao culto e proibe a discriminação religiosa.
E a livre expressão, fica onde? Só a favor dos gays? Aberração Senhores!A discriminação parte de quem primeiro tenta obter direitos maiores que os instituidos na CF, o que vale para todos os brasileiros.

Edith Janete Schaefer - 08/03/2013 8:32

Em que pé está o processo de cassação de Silas?

Eklivann,
Concordo. Não gostei das declarações de Silas, mas a entrevista me fez questionar muitas coisas:
- o pastor se pronunciou como pastor ou como psicólogo?
- se falou como pastor, dentro de suas crenças pessoais, como podemos verificar se há interferência disso no seu trabalho profissional?
-como proceder em casos onde pacientes procuram reorientação sexual?
etc.

Liberdade de religiosa e liberdade de expressão é um direito constitucional e cláusula pétrea, ou seja, não pode ser mudada. Parabéns Silas Malafaia, você está usufruindo do seu direito e ponto final.

Enquete do dia: Você que é homossexual e que é respeitado por seus pais, pergunte a eles se podessem escolher que voce seja heterosexual ou homossexual, qual escolheria?

HeberJorge - 09/03/2013 10:07

O pastor mencionado tem todo o direito de manifestar sua posição, pois psicólogos como uma classe pensante, tem e deve, expressar a sua opinião, mesmo que seja contra o conselho. Não vivemos mais numa ditadura e todos tem o direito de ser a favor ou contra a qualquer coisa. O que o psicólogo Silas não pode é, em prática, ir contra o código de ética; mas expressar opinião é seu direito. Este conselho muito me assunta com uma postura de recriminação a este direito. Na fala do referido pastor, observo a preocupação com os efeitos colaterais desta lei. Os homosexuais precisam ser defendidos? Sim. Mas por exemplo, se o dono de um bar pedir a um grupo homosexuais que se retire por estarem perturbando o local; os mesmos poderão processar o dono por discriminação. O problema sitado pelo pastor, não é a lei que protege os homosexuais, mas os efeitos colaterais que ela produzirá. A crítica do mesmo ao conselho, é referente a postura do CFP em proibir aos profissionais de psicologia, orientar aqueles homosexuais que buscarem direcionamento quanto a sua sexualidade.

Eu gostaria de saber o motivo do CFP ainda não ter se manifestado acerca da existência do trabalho de “psicólogos cristãos”, “psicólogos terapeutas de vidas passadas”, e outras, digamos eufemisticamente, “curiosidades” semelhantes.

Sim, porque a pessoa pode muito bem ser psicóloga E cristã, ou psicólogo E, digamos, “esotérico”, psicólogo E membro de outra religião qualquer. Mas a psicologia, embora muitos não entendam, ou desconheçam epistemologia, ou não aceitem, é uma CIÊNCIA e, sendo assim, ela lida com FATOS, que precisam, antes de mais nada, ser passíveis de estudo, observação, críticas, reprodução, experimentação e raciocínio. Em uma faculdade de psicologia passamos cinco anos estudando CIENTIFICAMENTE o desenvolvimento da personalidade, como se manifestam os modos da existência humana no mundo, e técnicas para intervir nesta existência quando, E SOMENTE QUANDO, o cliente nos procura, julgando ser necessário.

Já a religião, qualquer que seja, lida com CRENÇAS. E uma crença não é um fato. Uma crença é, inclusive e sobretudo, um FENÔMENO que está relacionado ao universo daquele que crê. Pode-se acreditar que um “ser supremo” ou mesmo outra deidade mitológica qualquer determinou, por meio de um livro escrito por homens primitivos, mais de dois mil anos atrás, que certas “regras de conduta” fossem seguidas pela humanidade, dentre elas a de não se relacionar sexualmente com pessoas do mesmo gênero. Também se pode acreditar na arca de Noé. Ou que um homem subverteu por exemplo, as leis da biologia, tendo nascido sem ser fruto de uma relação sexual, e multiplicado peixes; e também da física, tendo andado sobre o mar. Ou pode-se acreditar que exista algo como uma “alma” imaterial (que, assim sendo, não ocupa lugar no espaço) que, em um dado momento, “entra” em um corpo material e, ainda assim, consegue influenciá-lo. Mas isso são apenas CRENÇAS, e nada mais. Por mais obscuras e inverossímeis que pareçam ser (e, evidentemente, SÃO), compõem o ser-no-mundo do crente, em um dado momento de sua existência histórica.

Já o psicólogo, no exercício do seu labor, EM HIPÓTESE ALGUMA, poderá propor qualquer espécie de “cura” ou tratamento para homossexualidade. Também e principalmente porque o FATO é que a homossexualidade NÃO É DOENÇA. Ela é um dos inúmeros modos de manifestação do desejo afetivo-sexual humano, bem como um comportamento NATURAL, porquanto observado e cientificamente documentado na NATUREZA, em mais de 1500 espécies de animais. Estes são os FATOS. Fatos nós aceitamos; crenças nós podemos debater.

Sendo assim, em minha visão, o verdadeiro psicólogo jamais trabalhará a serviço do sectarismo, da rotulação pejorativa, do proselitismo religioso, da menoridade intelectual e da mediocridade cultural, aspectos deploravelmente presentes no discurso de muitos “profissionais” da nossa área.

Aliás, lembrando o sempre necessário Michel Foucault, estes nomes, homo, hetero e bissexualidade, são apenas tentativas de controlar e compartimentalizar o comportamento sexual do existente humano dentro de fronteiras e superfícies de registro. Na verdade, o que existe, sempre existiu e nunca deixará de existir, chama-se DESEJO. Interessante notar como esta pretensa normatividade ganhou bastante impulso com o advento da psiquiatria. Triste “coincidência”.

No mais, quanto a estes senhores – inclusive um ou outro ” missionário religioso” – que se proclamam psicólogos – mas que na verdade prestam um grande desserviço à sociedade e à psicologia – e pautam suas ações valendo-se da desinformação, da dissimulação e, nada obstante, de discursos mambembes, menoristas e rasteiros de incitação ao ódio, um conselho: pensem seriamente na possibilidade de fazer terapia. E, acima de tudo, estudem mais. Leiam mais. Pesquisem mais. Suas ações e seus discursos eivados de mediocridade e miséria existencial continuam sendo sérios entraves à evolução do Brasil e do mundo, pois neste exato momento estão a reverberar em cidadãos já seriamente perturbados e portadores de profundo sofrimento psíquico, que a qualquer momento podem perpetrar atos criminosos de extrema violência contra a sociedade, baseados nos “ensinamentos” que os senhores lhes passam, não apenas em consultórios (!) e templos religiosos, mas também por meio de massiva projeção midiática.

Boa noite.

É simplesmente estapafúrdia a posição deste Conselho: “o pastor evangélico agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos”. Malafaia apenas expressou livremente sua opinião. Ele não estava em uma consulta. Forçar alguém a viver de maneira contrária àquele que deseja é violência, mas todos podemos opinar sobre qualquer comportamento, inclusive sobre o de Malafaia. Chega de histerismos!

Stefania - 12/03/2013 10:13

POr isso a mioria dos psicólogos que conheço não pagam o registro, pois não temos um conselho unido que luta por nós, e por não ver benefício algum, não pagam.

palhaçada. chamam um pastor para ser entrevistado e fazem perguntas de homossexualismo. ele se ampara na biblia como pastor e nao como psicologo. leia a biblia.
tomem o CFP dele, nao estao com razao? ele é obrigado a aceitar as praticas sexuais dos outros?

Concordo plenamente com o Cesar que não se ateve apenas a refutar o Sr em questão, mas pronunciou-se mt bem fundamentado no conhecimento que os psicologos deveriam ter. Concordo que infelizmente, nos dedicamos eticamente a uma profissão p ouvirmos em rede nacional tal sandice.Pena q o Crp possa apenas ter se posicionado contra e naõ efetivamente ter protegido os profissionais, pois ser psicoligo esta mt longe do que este sr acredita

Tem muita gente falando do Silas Malafaia que ele é ladrão, imundo, preconceituoso, mas se esquecem que dentro de você há os mesmos preconceitos camuflados pela legislacao. Também não sou de acordo com os homossexuais, mas como pessoas, devemos aceitá-los. queridos que o Silas Malafaia coloca em questão e o ato em si e não a pessoa.
Livrem-se primeiro dos seus pré-conceitos e depois aponte os dos outros. Lembrando que vivemos em um país com liberdade de expressaõ, ou estou errada?

Tanto se presa por direito de voz ativa e vcs fazendo comentários nada cabíveis!!
Como é brabo viver em uma sociedade onde a midia faz a cabeça de pessoas.. Onde já se viu o comentário de um evangélico não poder ser psicólogo.
Sou a favor de Silas não que ele esteja na explicita razão mas creio que quem retruca ele tem um pingo de motivação de rede globo de jornais de panfletos. Porque realmente vcs não tem opinião própria.
O Silas não é homo fóbico, assim como que é contra o homossexualismo não é homofóbico.
Ser contra não quer dizer odiar até pelo contrario.
Ter opiniões raízes, condutas não pode ser errado não é mesmo??
Sou estudante de psicologia e lamento muito entrar no meio de profissionais que na teoria são uma coisa e na pratica outra é lamentável!!!!

Será que entramos em um tempo de não podermos expressar nossa opinião a respeito de um determinado assunto ou comportamento,ou problema ou seja o que for. Sou obrigado a concordar com tudo e com todos.Sou obrigado a ser como todo mundo, mesmo que isto fosse verdade não seria possível respeitar todas as pessoas, me dá o direito de ser respeitada também. cada um faz o que quer, pensa o que quer e ninguém tem nada com isto.

Lucimar Donas - 14/03/2013 15:58

O homosexualismo ou a homosexualidade , como vocês preferem designar, é um comportamento pecaminoso e abominável aos olhos de Deus, segundo a Bíblia. Os atuais membros do plenário do CFP deveriam deixar de hipocrisia e proibir os cristãos bíblicos de se graduarem, uma vez que graduados, serão impedidos de exercer os direitos de consciência e liberdade religiosa, princípios fundamentais garantidos pela Constituição (Art. 5º, IV, VI e VIII). Vocês só não fazem isso porque iam deixar cair a máscara do preconceito religioso e revelar que a verdadeira causa do CFP é a promoção da militância Gay e afins. Os outros segmentos de profissionais de psicologia não existem para a atual diretoria do CFP. Ridícula, tendenciosa e biblicofóbica essa nota do CFP.

Eu não concordo que o CRP se posicione contra a manifestação de um pastor por defender uma causa, considerando que o Pastor já deixou milhares de vezes claro que, “ele não tem nada contra o homossexual e sim a uma lei que favoreça ao homosexualismo de maneira desigual numa sociedade democrática. O conselho deve considerar que todas as pessoas tem bagagens pessoais em suas vidas, e com esse tipo de manifestação demonstra que nem todas as religiões são aceitas pelo conselho?! O conselho deveria ser imparcial quanto a certos comentários. O Pastor Sillas não tem que ser punido pelo CRP, pois não está fazendo propagandas nas redes de comunicação dizendo que curará homossexuais, e nem está insentivando pessoas nesse sentido, e sim, que é contra uma lei que proíbe o direito de expressão dos indivíduos. Eu sou evangélica e psicóloga e sei muito bem o que é ético e anti-ético na minha atuação, portanto, imagino o qual complicado será para psicólogos que são homossexuais atenderem pessoas evangélicas? Que caos dentro da profissão!! Deixo bem claro que sou contra a conduta de pessoas que agridem, xingam e prejudiquem pessoas por sua opção sexual, mas tb não concordo que eu seja repudiada pela minha crença…a questão maior está relacionada ao respeito ao próximo!

Por que o CFP não pega o CRP do Silas Malafaia,como pode ele sendo graduado em Psicologia bater de frente com os Direitos Humanos, por que até agora ñ foi feito nada, precisamos que vocês se manifestem contra isso.
Eu como estudante de Psicologia não entendo isso, se nós Psicólogos passamos 5 anos estudando cientificamente o desenvolvimento da personalidade e como se manifestam o modo de existência humana no mundo; como pode um homem desse falar o contrario, sendo graduado em Psicologia…. Como que ele conseguiu se formar!!!!!
Se os Psicólogos não pode de nenhuma maneira ‘discriminar’ ou em hipótese alguma pode propor uma ‘cura’ para á homossexualidade, sendo que homossexualidade NÃO É DOENÇA e sim um dos modos de manifestação do desejo afetivo-sexual humano, como um comportamento natural.
Como deixar um individuo desse ter um ‘CRP’, como fica a CFP em relação á isso.!!!!!!
POR FAVOR SE MANIFESTEM !!!
EU COMO ESTUDANTE DE PSICOLOGIA ESTOU ‘CHOCADA’ COM ISSO, COMO PODE!! UMA ‘PALHAÇADA’, S ELE TA CONTRA O CONSELHO DE ÉTICA PORQUE NÃO RESOLVER ISSO.
ALGUÉM POR FAVOR SE MANIFESTE.

Junior Frias - 17/03/2013 23:26

Nossa essa de reorientação foi de mais para minha cabeça.
só uma coisa a dizer, A SALVAÇÃO É INDIVIDUAL,NÃO QUEIRA FAZER COM QUE NÓS ACEITEMOS A SUA SALVAÇÃO.

Kleber Ruddy - 18/03/2013 14:00

Ratifico o comentário do Ilustríssimo colega, que elucida e desmascara o discurso moralista hipócrita em prol da causa homoafetiva, pois é ridículo querer falar de direitos sem considerar a condição sinalagmática de máximas diferentes tutelados pela mesma constituição federal;

É sem a mínima intenção de ser desrespeitoso que digo: “Chega a ser irritante, a forma como se distorcem as coisas”! A posição do Silas, que também é de todo cristão bem esclarecido, é de que homossexualidade não é doença! Mas insistem em que nós queremos impor uma “cura”. Cura é pra gente doente! Mas nós acreditamos, até que nos provem “irrefutavelmente” que estamos errados, que homossexualidade é comportamental. E assim, se é comportamento, pode ser reorientado! Mesmo assim, não lutamos para que se imponha uma “terapia de reorientação”; queremos apenas que aqueles que desejam ser reorientados possam ser ajudados por um especialista, se este for o desejo dele! Homossexualidade é pecado aos olhos da doutrina cristã; pecado é um comportamento “não louvável”. Mas homossexualidade não é crime. Por isso, quem quiser ser homossexual, tem todo direito de ser e não sofrer agressões por isso. Mas e quanto ao direito de não ser? Se não quiser mais ser e quiser buscar ajuda, o profissional vai dizer: “Só posso te ajudar a ‘se aceitar’, mas ajudar a se ‘reorientar’ não”?! E quanto ao direito de dizer que “sob a visão cristã, homossexualidade é ‘um comportamento não louvável’, onde fica”? Neste país, podemos criticar todo tipo de comportamento e até zuar… Mas, o “comportamento homossexual”, querem blindar. Que sejam gays se quiserem; mas respeitem o direito de pessoas que não acham esta uma escolha louvável de expressar sua opinião, assim como o direito de outros que querem ser ou virão a desejar ser reorientados, de buscar ajuda e serem ajudados.

Silas, que é pastor (sem aspas) e psicólogo (sem aspas) é antes de tudo um cidadão com o direito constitucional de expressar a sua opinião, assim como fez esse Conselho ao publicar uma nota de repúdio às suas declarações…
Mas o que eu repudio é a incoerência desse Conselho, ao dizer que Silas é inquisitivo, enquanto a classe dos psicólogos é “PROIBIDA” de propor tratamento a um distúrbio psíquico. A lei pode dizer que não é, mas isso não muda a realidade. A lei é mudada de acordo com interesses. A realidade não.
Também não se pode falar em “livre escolha” quando não se dá uma segunda opção ao homossexual… Esse conselho, proibindo seus membros de propor tratamento para o homossexual que não quer ser, não lhe dá a liberdade que prega!
Não dá pra entender tanta incoerência!
Só pra finalizar, com mais uma incoerência: esse Conselho, dizendo ser contra o “preconceito”, na verdade promove o preconceito contra um cidadão no exercício de sua cidadania só porque ele é um pastor!
Psicólogos, pensem nisso!

Mais uma coisa:
Como a psicologia explica os casos (que não são poucos) de homossexuais que foram tratados e reorientados na sua sexualidade verdadeira?????????
Por que proibir os psicólogos de trabalharem numa linha de reorientação daqueles que querem?????

PARABÉNS, RODRIGO MELLO!

Marcelo Safraid - 22/03/2013 13:53

O que houve com os meus comentários? Por que não aparecem aqui? Postei algo indecente ou criminoso?
Por que vcs não permitem um diálogo franco e um debate honesto?
Isso é censura, não é?
Volto a perguntar: quem está sendo inquisitivo?

Pelo que estou vendo, em pouco tempo entraremos em uma espécie de ditadura, se perceberem, estamos sendo induzidos a isto.
Caros, qual o problema em expressar opiniões?
E uma coisa que o Silas disse que eu achei muito coerente e colocarei com minhas palavras é : Defendem tanto um homossexual, se bater, se xingar, expressar algum tipo de preconceito, somos punidos, mas vamos pensar um pouco em quanta gente sofre esses mesmos ou até piores preconceitos e nada é feito.
Há negros, obesos entre outros, sofrendo coisas piores e tudo isso fica camuflado né.
Como bons psicologos que todos são e alguns como eu serão, abram a mente e
não se deixem persuadir pelo que a mídia pensa, tenha seus próprios pensamentos e opiniões. Se fosse realmente motivo de cassação, vocês não acham que o CFP ja o teria feito?

Abraço pessoal!

Prezados (as),

Sobre possibilidade de cassação do registro de psicólogo do pastor Silas Malafaia, esclarecemos que as sanções passíveis de serem aplicadas aos psicólogos devido à conduta profissional antiética só podem se dar mediante processo ético com julgamento que respeite as garantias constitucionais (como direito ao contraditório e ampla defesa). Além disso, no que diz respeito a processos éticos o CFP é instância de recurso, por isso não pode realizar nenhuma ação que não esteja prevista em normativa e dentro do rito processual adequado. A manifestação feita pelo CFP neste contexto se deu como uma resposta pública a um posicionamento público feito pelo sr. Malafaia ao programa de entrevista veiculado no SBT.

UMA CRITICA

Paulo – 07/02/2013 17:13
O Pastor é Psicólogo e Pastor evangélico. Ele usa a psicologia até onde a bíblia permite e quando existe um confronto ele opta pela bíblia ……acho que o CFP deveria informar que evangélicos não deveriam ser psicólogos ….., pois para nós a bíblia sempre vai ser nossa referência frente a uma ciência humana : )
??????
COMO ASSIM CARO COLEGA, VC ACABOU DE FAZER UMA CRITICA, ACREDITO EU QUE LUTANDO PELO RESPEITO AOS DIREITOS DOS SERES HUMANOS, E GENERALIZA DESSA FORMA, EU SOU EVANGÉLICA E ESTUDANTE DE PSICOLOGIA, AMO MINHA FUTURA PROFISSÃO E NÃO ACHO QUE DEVO PAGAR PELO ERRO DE OUTROS PROFISSIONAIS, CABE A CADA FUTURO, OU ATUAL PSICOLOGO DECIDIR QUANTO A SUA ESCOLHA RELIGIOSA, ASSIM COMO,VC ESTA OPINANDO A RESPEITO DE UMA ORIENTAÇÃO SEXUAL, ISSO SE CHAMA LIBERDADE OU DIREITO COMO VOCÊ QUISER CHAMAR.

não sou contra os gays,sou contra a lei que eles querem que sejam aprovada..

Acho que deve-se respeitar o Silas Mlafaia posto que quando ele se posicionou sobre a questão homossexualidade não estava exercendo sua profissão de psicólogo ou seja não esta em horário de trabalho e isso lhe dé o direito de falar e acreditar no que quiser. Pessoas hipócritas repudiam os homofobicos julgando-os de preconceituosos mas e quanto aos outros tipos de preconceitos que possuem e que estão escondidos entre sete chaves e não relatam aqui…mas se valem da postura de outra pessoa para se posicionarem.

Serei a favor da lei para homos se fizerem uma lei com os mesmos direitos para os heteros, para os frigidos, para os anorgasmicos, para os hemafroditas, etc…

Concordo coma a Eliane, todos nós estamos sujeitos a violência.
Com o avanço e a modernidade, poderemos ate chegar em um mundo heterofóbico.

EDMILSON - 04/04/2013 16:27

Penso que o CFP se posicionou dentro de seus princípios éticos, de acordo com suas devidas resoluções, no entanto não cabe a nós realizarmos pré- julgamentos ou condenações, por alguém que externou sua opinião nas perspectivas que ele acredita, se entendermos que ele se equivocou, o nosso julgamento, pode soar pior que o equívoco do pastor Silas

O pastor Silas Malafaia envergonha os psicólogos! Deve ter seu registro cassado imediatamente!

Asrielly - 08/04/2013 8:21

Nada a ver de cassar o registro dele , ele ñ fala como psicologo e sim como pastor e outra o Brasil é um país democrata cada um tem liberdade de expressão.

é uma aberração mesmo ,onde na constituição se fala que opnião é crime?essa é a opnião do pr silas e de mais 100 milhões de brasileiros .o ramo da psicologia não é uuma ciencia ezata,quem ver e rever essa questão se o individo nasce gay ou não é a aréa de quem estuda os genes, cromossomos e vai ,agora vejam bem voces todos que postaram seus comentarios sejam bem racionais se eu ou voce nao concordamos com praticas homossexuais nao condiz que somos homofobicos, pois homofobia é uma doença, e quem ja viu um evangelico espancando um gay?pelo amor de Deus senhores, tenhamos cuidados, a onde o nosso brasil vai chegar com tanto preconceito sobre opniões que pela costituição federal é um direito de todo cidadão e ……

Demétrtio dos Santos - 09/04/2013 19:19

O conselho da psicologia está se acovardando, aliando-se aos que se pudessem já teriam destruido malafaia. As câmeras o perseguem dia e noite, como não encontram nele falta alguma, ppois se tivessem encontrado já teiam ao setruido, então, buscam caluni-a-lo ea outros meios para estragar sua imagem. A biblia diz ai daquele que tocar em um dos pequeninos do Senhor. Melhor seria pegar uma corda bem grande pendurar no pescoço amarrada a uma pedra bem pesada e pular do alto de uma montanha do que levantar a mão so fiéis do Senhor. Os perseguidores de malafaia e de Jesus que estarão lendo estas palavras um dia irão lembrar delas e não tarda mais. É chegada a hora de fazerem com a igreja evangélica o que fizeram com Jesus na cruz. Mas no final só a igreja triunfará, pois ela pertence a Jesus. E mais, Jesus disse que o inferno não pode prevalecer contra a suaz igreja.

Nosso objetivo enquanto cristãos é falar a verdade que acreditamos, siga-a quem quiser, em momento algum o Pastor Silas incitou o quis impor um tratamento, reorientação ou seja o que for para o homossexuais. O Papa também é contra alguém se manifestou, seja de que órgão for? Não!
Só não entendo uma coisa: Porque tanta necessidade por parte dos homossexuais de serem aceitos pela sociedade? De querem a todo custo transformar opiniões em comportamentos homofóbicos? Não basta a vocês aceitarem e serem “felizes” com suas escolhas? Cada escolha tem uma consequência, a do Pastor Silas em falar foi estas e varias outras, aceitem os homossexuais as suas consequências também.
O pastor Silas em nenhum momento incitou uma discriminação, ele apenas na condição, posição e chamado de pastor se posicionou diante de uma questão, tema, assunto ou como queira chamar. Infelizmente tem coisas que não é para todo mundo entender, e sem a palavra de Deus este mundinho aqui não existiria, por mais que não se perceba ou se queira admitir a homossexualidade vai de encontro a organização familiar como diz a bíblia, Silas e qualquer outro pastor ou servo de Deus, sim porque ele é servo de Deus, terá um posicionamento desfavorável ao homossexualismo, sem que isso se configure homofobia, eu sou contra o homossexualismo e convivo com pessoas que tem esta orientação sexual e NÃO SOU HOMOFÓBICA OU OS DERESPEITO, só deixo claro que não sou a favor ou seja qual palavra for que se encaixe aqui ao que quero expor.
As coisas são simples assim eu respeito e quero respeito.

Elza Maria b. Leles - 10/04/2013 1:51

Eu acho que agora ninguém mais pode discordar de nada! Que isso gente desde quando não podemos dizer a nossa opinião é ridiculo essa perseguição todos os cristãos pensam assim inclusive muitos catolicos e outros tambem e agora?

QUEM É O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA PRA FALAR DA OPINIÃO DE UM PASTOR?? O QUE TEM HAVER O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA COM A DISCORDÂNCIA DE UM HOMEM NO QUE DIZ RESPEITO AS PRÁTICAS HOMOSSEXUAIS? SE O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA TENTAR CASSAR O REGISTRO DO SILAS MALAFAIA, ATÉ EU COMO CIDADÃO COMUM, NÃO NECESSARIAMENTE PSICÓLOGO, ACIONAREI AS AUTORIDADES COMPETENTE SOBRE A RIDICULARIDADE DAS POSIÇÕES DO CFP, O QUAL CONFUNDE ASSUNTO CIENTÍFICO COM O OPINIÃO DE UM CIDADÃO COMUM.

Mto bla bla bla e pouca ação. Pq o registro de psicólogo dele ainda não foi cassado? Vcs estão sendo sim coniventes, pois o PSICOLOGO Malafaia (assim como outros evangelicos) cospe no codigo de ética do psicologo, nao respeita as normas tecnicas elaboradas pelo CFP e ri de voces. Entao quer dizer que falta previsao legal para os psicologos serem punidos caso afrontem a ética da profissao? cruz credo, o que estao fazendo ai sentados que ainda nao adequaram as regras para que casos como este nao ocorram mais? ou voces adequam suas normas para evitar achincalhes como o que ele faz contra a profissao ou o CFP virará uma academia brasileira de letras, mero ente emblemático, inerte e que nada serve para a sociedade. Voces tem valor, só faltam provarem isto para a sociedade. Ajam!

gisele tamires - 16/04/2013 11:16

bom… apesar de eu ser evangelica, nao sou muito d acordo com o modo de posiçao em que o pastor de pos. eu ja estudei pisicologia, e acho que ele se portou de uma maneira completamente errada. apesar d eu nao ser muito afavor do casamento gay, mais acho q cada um tem sua opiniao formada, ninguem é igual ha ninguem, nem mesmo nas digitais. acho q no momento em que o pastor abriu a boca para falar sobre a homossexualidade, ele nao se portou como um pisicologo, mais sim como um pastor, e relatou o que diz a biblia. quem somos nos para julgar e atirar pedras? creio q o mundo nao esta desta maneira horrivel, por causa de um simples comentario, mais sim por que o povo ainda nao aprendeu a votar . ainda nao criou vergonha na cara ao ir as urnas na hora de uma eleiçao . creio q todo mundo tem direito de falar o que pensa e o que acha. enquanto vcs estao ai julgando desejando a caçassao do pastor. os politicos estao aí, roubando os seus dinheiros e os usando para promover parada gay todo ano. entao meus querido, eu nao estou aki contra nem afavor d ninguem. so peço q o povo tenha mais sabedoria na hora de julgar, dizer quem apoia, e ir as urnas, pq se o Brasil esta nessa precaria situaçao, nao é culpa de pastor algum, e sim culpa dos governos que nao estao nem ai para a segurança nem educaçao . se vc acha q as leis no Brasil ainda estao muito fraca, eu acho é bem feito para a sua cara.. mortes, falta de srgurança, injustiças e má educaçao irao sempre acontecer, enquanto o povo nao abrir os olhos ,tomar vergonha na cara e aprender a votar com dignidade. nao questione a opiniao dos outros, questione a si mesmo!

Eu acho que esse movimento, contra os pastores que que não concordam com o homossexualismo, uma atitude hipócrita por parte dessa menoria, vocês tem o direito de ser o que quiserem, mas ninguém é obrigado a aceitar, bem como ninguém pode tratar vocês mal, ou usar de violência. temos um pais livre, cada um tem sua opinião. Além do mais não vi nenhum protesto contra os presidentes da câmara e do senado por ter assumido a presidência, que estão condenado por corrupção. O pais tbm é de vocês, lutam pelo seu pais não pelo seu gosto.

O que é necessário para que um processo ético seja iniciado? denuncia formal? Ainda não houve nenhuma?

lana nascimento - 24/04/2013 11:10

eu sinceramente acho que o Pr. Silas Malafaia nao fez errado, por que em todo o momento ele falou e agiu como um pastor que ele é, e nao como psicologo. Eu nao posso ser um psicologo cristao, sei dos meus limites como psicologo,de acordo com o codigo de etica, mas antes de ser um psicologo eu sou um cidadao que tem opniao propria.

Deus do céu quanto erro de português. Vamos lá, acredito que grande parte desses comentários foram muito coerentes pois tenho certeza que grande parte foi feito psicólogos. Aos que concordam com Silas, parabéns e se informem antes de escrever (errado por sinal), outra coisa o CFP pode sim se posicionar já que o pastor é também um psicólogo vergonhoso mas ainda assim psicólogo, outra coisa comentários do tipo tratamentos só diz respeito à transtornos mentais isso quer dizer que os ex gays que postaram, meus caros se aceitem da mesma forma que não existe ex heterossexual também não existe ex homossexual parem de tentar se enganar. Aos demais leitura faz bem e todo mundo gosta tentem ler mais.

Na minha opinião,o CFP deve somente orientar seus profissionais a fazerem o seguinte: Se um paciente não quer ser homoafetivo(como um amigo meu não quis) e busca ajuda da psicologia para mudar esse comportamento,que os profissionais que querem atuar assim o ajudem !!! E Se outros pacientes não querem mudar seu comportamento mas querem ajuda da psicologia para isso,que os profissionais que querem atuar assim atuem e ajudem esses pacientes!!!
Por Favor sigam o exemplo da Medicina e todas as outras profissões em que seus profissionais atuam sempre em favor dos interesses de seus clientes,pacientes … é muito mais fácil que toda essa discussão.

Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus?
Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.
1 Coríntios 6:9-10

Sim ,mas o que vai ser feito?, este pastor deveria ter seu registro cassado e nao estar exercendo a profissao e psicologo, afinal violou o artigo 4 da resoluçao do CFP, o que o CFP vai fazer a respeito ja que as provas estao escancaradas!

Danilo Lino - 05/05/2013 2:28

Não duvido que o referido pastor, realmente queira no fundo, ter seu CRP cassado. Isso daria a ele o status legitimado de perseguido em Cristo. Oh Glória !
Fiz questão de escrever este comentário abjeto para combinar com o restante das barbaridades comentadas anteriormente. Onde estão os psicólogos comprometidos com o conhecimento cientifico? Prefiro acreditar que muitos dos comentários vomitados nesta página foram pagos com uma boa parcela dos dízimos subtraídos dos incautos.

deus crio adao e eva e n duas pessoas do mesmo sexo se fosse pra duas pessoas do mesmo sexo se relacionasem ele tinha feito 2 homens ou 2 mulheres se ele se agradase dessas coisas n teria destruido uma cidade por causa do pecado deus ama o pecador n o pecado q ele comete o pastor estava ali cm pastor n como psicologo ele apenas prega e anda cm manda abiblia nos tamb temos direito de nos espresarmos dizer o q achamos serto ou errado tamos lutando pelo q acreditamos temos olivre abritrio de escolher se asseitamos ou n n somos obrigados a ver e n poder nos impor.

Christian - 09/05/2013 2:52

Gostaria de cobrar do Conselho Federal de Psicologia (CFP), mais ação e não penas uma manifestação publica e seu repúdio às declarações do pastor Silas Malafaia feitas.
Qual punição que será tomada diante de atitude tão desrespeitosa de Malafaia com todos os homossexuais? O que será feito com este profissional de psicologia que não respeita, ou mesmo segue os códigos de conduta do Conselho, demostrando comportamento preconceituoso que não se insere, em hipótese alguma, no tipo de sociedade que a Psicologia vem trabalhando para construir com outros atores sociais igualmente sensíveis e defensores dos Direitos Humanos?

João Gilberto - 10/05/2013 12:35

Única coisa que esse conselho sabe fazer é cobrar anuidade. Inerte e inútil são algumas das palavras que definem bem o CFP.

Fui Pastor evangélico por 20 anos, conheço todas as igrejase se funcionamento, por isso o que falo falo com conhecimento de causa. Silas é um falastrão, que só fala e não faz. Quem é do meio sabe de seus conxavos com Edir Macedo. Eu acho que os ´religiosos esquecem o principal ensino de Cristo: O AMOR, que tudo perdoa, suporta… Pregam com autoridade sobre o livre arbítrio mas ao mesmo tempo impõe o que pode ou não pode. As religiões servem hoje como um super-ego castrador, mas que só castra os que fazem parte da menor casta. Pois, é nesse mesmo lugar onde se combate o homossexual,que fecha-se os olhos, diante do enriquecimento ilicito de pastores, diante do adultério de seus líderes, diante das fofocas, e tantos outros desvios que poderiam sim ser resolvidos.
Mas louvo Freud…Pois aquilo que me assumo como militante e combato com veemencia é o que lateja em meu inconsciente. (e para quem não entendeu: pense um pouco pq essa questão sexual te incomoda tanto aponto de muitas vezes vc levantar bandeiras contra)- talves não seja os gays que precisem de cura….

espero que as pessoas que comentaram de maneira favorável a este cidadão que se diz psicologo e pastor, não sejam psicologos e nem graduandos em psicologia. Caso sejam, é absurdamente preocupante terem esse tipo de pensamento e esse tipo de postura. Chega a ser lamentável observar esse forma de opinião.

Se ele estava falando como pastor (o que não deixa de ser lamentável e repudiante), que simplesmente não usasse o titulo de psicologo e não utilizasse termos e conceitos da psicologia… Agora só esta faltando pregar que a homofobia é uma doença psicossomática, assim como disse nosso ‘querido” pastor Marco Feliciano, em um programa de tv… é uma pena o CFP não poder tomar nenhuma medida contra o Malafaia, não que o seu numero de registro venha fazer alguma diferença na sua vida, ja que não atua na profissão, mas ao menos extinguiria seu direito de dizer que é psicologo e propagar suas ideias ridiculas como um entendedor supremo da area

Thalita - 14/05/2013 9:50

A única coisa que eu digo é: Jesus está voltando.
É por isso que todas estas coisas estão acontecendo!

Elio Ferreira Gomes - 14/05/2013 20:31

É FIM,NÃO ENTENDO MAIS NADA,O cfp,querer infligir as regras do direito de manifestação,a TEOLOGIA,etc.Assim os atuais componentes do cfp,estão querendo destruir o direito de manifestação de idéias e o proprio conhecimento Teológico e o direito da maioria absoluta de um país cristão.Nao entendo porque tantos líderes religiosos,A igreja CATÓLICA que diz zelar pela família bem estruturada,que nao aceita nem uso das pílulas anticonpcionais,estão omissos,calados,acovardados.Parece com medo de represálias ou de perder poder.DEUS vai cobrar atitude de voces.Voces sabem que Ele voces p/defende-lo

Jessika - 16/05/2013 0:08

Eu assisti a entrevista, e em nenhum momento o Pr: Silas
declarou que estava dando sua opinião como psicólogo, mas sim como pastor. Em todo momento ele estava usando seu conhecimento e impondo sua opinião como um pastor formado também em teologia. Portanto não vejo motivos para ser cassado. E lembrando que ele só sitou que era psicólogo pq a apresentadora fez questão de deixar isso bem claro para o público. E devemos lembrar que assim como os homossexuais alcançaram seus direitos, nós também temos o nosso. Que é a liberdade de expressão, cada um impõem sua opinião onde e como quiser!

bom dia.. se cremos que existe Deus e acreditamos em Jesus , temos que acreditar na biblia certo. Deu criou o homem e a mulher e disse crescei e
e multiplicai, isso não é possível no no casal homossexual degradação da família para mim isso éu ma doença e precisa de tratamento o que normal é certo e o que certo nomal

o conselho deu apenas a sua posiçao. entretanto percebe-se em quase todos comentários a falta de bom sendo e ao mesmo tempo certos preconceitos contra os evangelicos. por estamos num pais livre, o Silas tem todo o direito de colocar a sua posiçao. podemos até discordar, mas nao temos o direito de julga-lo, até porque em nenhum momento ele julga os homossexuais, apenas coloca aquilo que a Bíblia comenta, posiçoes biblicas em nenhum momento é ciência. A ciencia explica de um jeito, a Bíblia de outro modo, porem afirma que devemos respeitar todos de igual modo, seja negro, seja hetero, seja homossexual, afinal somos seres humanos.

Valdelucia - 17/05/2013 15:08

‘’A BÍBLIA APONTA PARA UM DEUS QUE AMA O HOMOSSEXUAL PORÉM ABOMINA A PRÁTICA DO HOMOSEXUALISMO’’, algúem pode me explicar essa contradição feita em um dos comentários??? O que importa é uma coisa esquecida por muitos:respeito ao outro. Ser contrário a alguma coisa é direito de todos e manifestar-se publicamente também, o que deve sempre prevalecer é bom senso; instigar através de religiosidade a discriminação é um perigo para quem deixa-se manipular.Este homem sabe aplicar bem a psicologia,temos que ser críticos e ele sabe que um líder manipula uma massa que não pensa, que não critica, que prefere que outros tomem decisões por ela, daí é só aceitar e pronto…um casal homossexual pode adotar crianças abandonadas e amá-las, muitos casais heteros não fazem isso e sim, abandonam ou descuidam-se de seus filhos, é só olhar a sociedade e ver como ela se encontra, portanto não justifica a expressão “O homem e a mulher se multiplicam”, pena que não estão cuidando tão bem de sua multiplicação.Sou casada à 25 anos, estudante de psicologia,totalmente hetero, mãe, não tenho filho homossexual e a favor da liberdade de expressão, mas também, de escolha para vivência da sexualidade com dignidade e responsabilidade, coisa que muito hetero não faz.

Por que crucificar uma pessoa por manifestar sua posição enquanto se diz lutar pela liberdade de expressão? É uma pena imaginar que o Conselho Federal de Psicologia, e provavelmente os psicólogos, não saibam respeitar o direito de discordar como parecem respeitar o direito de ser gay! Imagino que um órgão de abrangência nacional, bem como os profissionais por ele representados, deveriam ser, no mínimo, imparciais. Todo brasileiro deve ter o direito de ser gay, assim como todo brasileiro deve ter o direito de não concordar com o homossexualismo. Assim se faz a democracia!

Estou contigo e não abro Silas Malafaia o CFP deve respeitar a liberdade de opinião e estes psicólogos que se dizem tão imparciais deveriam avaliar melhor a sua conduta ética.

O Pastor tem respaldo para as suas opiniões e separa muito bem uma papel do outro (Pr e Psc), assim como qualquer pessoa pode emitir opinião sobre qualquer coisa e situação, deve ser respeitado.Se for ver o “fenômeno” bem de perto, ele sim parece estar sofrendo discriminação e a PL 122 é uma das formas de tentar se analisar essa questão… somos todos cidadãos e não podemos retroceder na história tão suada do nosso país permitindo privilégios legais a mais para uns em detrimento de outros, isso sim poderia ser crime.

Geraldo Itamar - 22/05/2013 21:17

Eu só tenho uma pergunta para o CFP,voçês dizem que homosexualismo não é doença,não é distúrbio,não é perversão,e proíbe qualquer tipo de tratamento. Afinal de contas o que voçês então definem sobre homosexualismo me respondam? se voçês não tiverem uma resposta, o pastor tem toda razão.

É lamentável ver o quanto as pessoas são tão tolas á ponto de desrespeitarem o que a Bíblia diz. A bíblia diz claramente que homossexuais não herdarão o reino dos céus. Porem, quem tem essa ‘doença’ pode procurar a cura e conseguir mudar a sua história! o Pastor esta certo e é um homem de Deus, pois mesmo o mundo o julgando, ele continua expressando sua opinião de acordo com a Palavra de Deus!
Paz no coração de vocês! Que Deus toque no coração de cada um! Um Abraço.

Vi aqui tantas opniões dogmáticas que não acredito que valha a pena replicar. Psicólogos evengélicos, pesquisem, matenham-se informados, estudem. Para assim pararem de falar tantas baboseiras. Como muitos cometários acima, se preferem a bíblia façam teologia e sejam todos pastores, combina mais com o posicionamento de vida de você do que com o que preza essa profissão. Mas se você for evangélico cristão de verdade e pratica o que Jesus nos ensinou, amar o próximo como a ti mesmo, ai sim sua contribuição será bem vinda na profissão. Infelizmente os dogmas só serviram para matar e perseguir. Será que estamos vivendo novamente com o advento das religiões neo-pentecostais, a mais uma cruzada pelos imorais, ou melhor por aqueles que praticam a vida do “mundo”.

Pois é Berg, suas colocações parecem lúcidas… mas Por Que o desejo de se reorientar? Será que este desejo é um processo ‘irrefutavelmente’ natural ou impulsionado por uma heteronormatividade que exclui (e adoece) qualquer sexualidade que não seja HETERO? Todo cristão tem direito de dizer que (baseado na bíblia) a homossexualidade é pecado, mas é pecado também condenar as pessoas e isso não é apenas uma passagem bíblica, é um mandamento cristão… Desta parte parece que os cristãos andam esquecidos. E eu entendo que na medida em que se quer privar alguém de direitos por conta de alguma atributo identitário ou colaborar para sua estigmatização é condenar. Condenar a exclusão, ao desrespeito, a vulnerabilidade e a violência. E no caso da postura da Conselho,é bom que se ressalte que a Psicologia não é cristã. É uma ciência, também não é neutra, mas seu discurso se pauta por outros parâmetros.

rafaela giandozo - 29/05/2013 16:43

a bíblia é o manual de instrução para a nossa vida.Ela é apta ate para discernir entre juntas e medulas,alma e espirito,ela é o presente que Deus deixou para seus filhos.E tudo o que a bíblia diz desde seu primeiro livro Gênesis e seu último Apocalipse é que Ele ama aos pecadores e não o pecado, a respeito da homossexualidade Jesus não faz acepção de pessoas, mas em sua palavra esta escrito que abominável é um homem deitar-se com outro com se fosse mulher e deus disse desde o princípio que “multiplicardes e serdes fecundos e povoai a terra” se existissem somente casais homossexuais mo mundo como iriam povoar a Terra?

Luiz Oliveira - 31/05/2013 1:42

Entendo o argumento do CFP diante de tal fato, também sou do conceito que deve respeitar cada ser humano pois cada um deve ser tratado com respeito.
Pois D´us nos trata assim com seu imenso amor, só não podemos esquecer o que está escrito na Bíblia I Coríntios 5:9-10 “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem IMPUROS (devassos, libertinos), nem IDÓLATRAS, nem ADÚLTEROS, nem EFEMINADOS, nem SODOMITAS, nem LADRÕES, nem AVARENTOS, nem BEBADOS, nem MALDIZENTES, nem ROUBADORES herdarão o reino de D´us.” se continuar em tal prática. Não estou aqui para atirar pedras no pastor, no CFP ou nas criações de Leis que foram formuladas ao longos dos anos. Percebemos que o assunto da homossexualidade tem gerado muita polêmica e tem sido tema da mídia através de novelas, em programas de debates e até mesmo como discussão em salas de aulas nas faculdades. Mesmo que gere polêmica quero ressaltar o que está explícito na Bíblia é um ato de pecado que não envolve apenas os efeminados, mas outras ações de pecados descritas.Fica a questão se os homossexuais desejam continuar em tal ato é uma opção deles,não cabe a mim em julgar ou discriminar, apenas devo tratar com respeito, pois Jesus Cristo ensina que devemos amar o nosso próximo, amar é demonstrar respeito. Nem Jesus Cristo hoje nos julga pois o mesmo está na condição de advogado junto ao Pai,mas chegará um dia que ELE virá como juiz e o que está escrito em I Coríntios 5:9-10 vai ser seguido, pois as Palavras d’ELE irá se cumprir. E é bem claro não herdarão o Reino de D´us, quem quer continuar sendo maldizente, ladrão, efeminados, avarento, adúlteros e etc, é a escolha de cada um, assim como existe as Leis dos homens para serem seguidas para manter a ordem na sociedade por outro lado existem os mandamentos de D´us para serem seguidos para entrar no Reino Eterno cabe cada um escolher qual caminho quer trilhar.
Sou evangélico, psicólogo, mas prezo pela ética da profissão, procuro “fornecer subsídios que levem à felicidade e o bem-estar das pessoas considerando sua orientação sexual”, expressando o meu respeito a subjetividade do sujeito. Quanto ao conceito religioso é um parecer particular meu que não deve e jamais ser inserido na terapia ao paciente num consultório. Todos nós temos direito de escolhas seja religião, profissão, partido político, orientação sexual mas também temos deveres que muitas vezes caiem no esquecimento, temos o dever de respeitar as pessoas, que a religião nos ensina, a Lei do nosso país nos orienta, o Código de Ética dos conselhos nos orienta. Havendo respeito acredito que a humanidade dará um grande passo para viver harmoniosamente em sociedade, sem agredir verbalmente ou até mesmo fisicamente outro semelhante sujeito a falhas igualmente a ele.
Deixo minha opinião independente da religião que o psicólogo tenha, é um direito dele ter a religião que ele quer, pode exercer a profissão de psicólogo sem ferir a ética da profissão. Como dizem: “respeito é bom e cabe em qualquer lugar” e nos comentários aqui tenho percebido não tem existido.

Até agora tento entender o sentido desse texto nesse site… Essa sinuosa nota não combina com a história de respeito dentro da categoria que o CFP sempre teve. Por isso considero que não agride apenas ao referido “graduado em psicologia”, mas agride a todos os psicólogos brasileiros. Esse ‘assunto do momento’ está mexendo demais com a sociedade, a partir da mídia, e o CFP não pode vacilar parecendo tendencioso e muito menos expondo um colega psicólogo dessa forma. Além do mais insufla a comunidade evangélica da qual o religioso citado faz parte gerando comentários amplamente preconceituosos. Sugiro mais cuidado aos responsáveis pelo site e polidez à plenária do CFP.

Desde quando ter opinião sobre uma prática é considerado preconceito, em um país que diz laico, isso deveria ser no mínimo liberdade de expressão, enfim todos nós temos o direito de expor nossas ideias independentemente da profissão que exercemos, ou quer dizer que se eu for um engenheiro perderei o meu registro por ter essa mesma opinião, cada um luta por aquilo que acredita, e não vejo o Pr. Silas Malafaia, levando seus valores para dentro de um consultório, isso sim seria ir contra o código de ética, agora tomar posição de algo não o faz ser julgado a perder seu registro, pois como disse antes todos nós temos o direito a expressão e mesmo no programa do SBT, não vi o o Pr. Silas ali exercendo a sua profissão, mas o vi ali como alguém que expôs seus ideais como qualquer outro cidadão tem o direito de expor. Se assim não for, então vamos voltar a ditadura militar, onde ninguém tem mais o direito a sua liberdade, e vamos reprimir todos aqueles que estão indo de encontro a esse “Terrorismo da Mídia”.

Um absurdo o que a bancada evangélica está tentando manobrar contra a integridade e direitos civis das pessoas com orietação sexual diferente daquela dita “normal” ou heteronormatividade. O pior é o mal-estar emocional e psicológico que estão causando em uma parcela da população – e aqui me incluo. O que caráter tem a ver com orientação sexual? Qual o direto dessas pessoas julgarem e negarem a família que constitui? Só existe a família “tradicional”? Não é porque não pago o dízimo que não tenho direitos como cidadão, eu pago impostos, e nesse país, ainda Laico, deveria ser reconhecido como tal! Quais as ações serão tomadas pelo Conselho Federal de Psicologia para impedir que péssimos psicólogos como o Silas tenham força e assim, hoje (04/06/12), tentem na Comissão de Direitos Humanos votar a ‘cura gay’? Eles tentam negar, mas o objetivo a longo prazo é propor a cura gay, assim como eles negam que querem o direito a exercer a homofobia, a intolerância e a discriminação por trás da falsa bandeira da liberdade de expressão!

clauver moraes de sousa - 05/06/2013 9:50

Sou estudante de Psicologia e estarei formado em 2014. Depois de muitos estudos e investigações, o que salta aos olhos é que a sociedade brasileira e mundial, contagiada(para não dizer que sofrem pesada lavagem cerebral) pela onda de direitos humanos e outros assuntos afins,esquecem de oferecê-los às opiniões contrárias às suas. Alguém mais atento à escalada da progressão gay, verá que o CID considerava a conduta homossexual de forma diferente até a década de 80, quando então,membros da APA (assumidamente gays), revertem o quadro, baseados em estudos controversos e, até certo ponto, desonestos, por encobrirem as milhares e talvez até milhões de reorientações bem sucedidas ao redor do mundo, comandadas por psicólogos e outros profissionais, e até mesmo seguimentos da sociedade, principalmente os ligados à religião. Omitindo também o fato de que muitas mortes e suicídios registrados nas estatísticas oficiais, foram resultado de não intervenções na orientação sexual. O que prende verdadeiramente a Psicologia a essa opinião convergente sobre homofobia, é não se colocar em risco como profissão, porém cerca de 55% dos psicólogos formados no Brasil hoje são oriundos de seguimentos religiosos e destes um total de 90% não concorda com o que é obrigado pelos estatutos e código de ética da profissão, a fazer, não se envolvendo com reorientação mesmo que esta seja uma demanda crescente entre a população.

Tenho duas observações para a opinião emitida (05/06/2013):

1. Estudante não é formado. Qual trabalho científico, reconhecido e relevante produziu? Qual experiência profissional possui? Em qual instituição estuda? Qual o desempenho apresentado por esse aluno nas disciplinas?

2. Que “pseudo”pesquisa é essa? (a que revela: cerca de 55% dos psicólogos formados no Brasil hoje são oriundos de seguimentos religiosos e destes um total de 90% não concorda com o que é obrigado pelos estatutos e código de ética da profissão). Onde está as referências para validar essa pesquisa????

As declarações e posições do Silas Malafaia são absurdas, qualquer psicólogo sem expressão pública sofreria sanções na certa. Certamente que há o direito do contraditório, ora, isso não isenta a parte que cabe ao CFP de tomar atitudes no sentido de cassar o registro desse ditador, o que não me parece que esteja sendo feito. Relações de poder explicam melhor por que o CFP não toma atitudes mais agudas, e não dizer que há todo um processo envolvendo o princípio do contraditório, isso já sabemos.

São tantos comentários , tanta polemica em relação a esta questão, independente da posição religiosa sobre esta questão de sexualidade só precisamos analisar a genética humana tudo foi criado de forma perfeita (o corpo feminino esta pronto para receber o masculino) tudo que vier contrario a isto é e sempre será uma agressão ao corpo, nem precisa ser muito entendido para chegar a esta conclusão, em relação ao sentimento amor(sentimento sublime que não tem nada a ver com sexo, este é tão grande que até hoje o maior deles nesta terra que vivemos que é mãe para como o filho tem sido abalado.)simples assim

Elisabete - 17/06/2013 16:31

Sou Psicóloga e como tal já atendi muitos homossexuais, respeitando seus direitos como o de qualquer outro cidadão(o direito de livre expressão), com uma postura ética e neutra faço o meu trabalho de acordo com minha base teórica e especialidade dentro da Psicologia, visando o bem estar psíquico e a qualidade de vida da pessoa que procurou o meu trabalho profissional. Enquanto cidadã, mulher, filha, esposa e agora mãe, quero expressar o que penso com relação a discussão que o CFP deu tanto destaque. Não trato e nunca tratarei com preconceito o adulto que faz a sua escolha para o homossexualismo, porém não concordo com tal prática e não quero passar para minha futura geração a questão da homossexualidade como normal, a homossexualidade é uma escolha e não deve ser incentivada na infancia e adolescencia, como muitos querem. Tenho o direito enquanto cidadã de pensar e querer discutir sobre esse tema e qualquer outro sem ser rotulada como preconceituosa. O Projeto de Lei (PLC) 122/2006 tira o direito de um heterossexual de se posicionar, o hetero também deve ter a sua liberdade de escolha sexual respeitada e principalmente o direito de ensinar para seus filhos que menino é e sempre vai ser diferente de menina, que homem e mulher se completam, mas que alguns adultos podem vir a fazer uma escolha diferente da natural, da biológica e que não devem ser desrespeitados por isso.

Vera Lúcia Lima - 18/06/2013 0:33

Sou acadêmica de Psicologia e cristã evangélica. A Bíblia não nos impõe verdades, nos orienta acerca do que agrada ao Deus que servimos. Ao contrário, o CFP está clara e explicitamente defendendo os direitos humanos de uma classe, em detrimento do direito de expressar opinião, baseada na fé, de outra classe imensamente mais representada. O que fica evidente aqui não é a entrevista do Pr. Silas Malafaia, mas a mordaça que realmente o Conselho impôs à classe. Pais que geraram filhos hetero e que agora se vêem diante de uma realidade diferente também precisam de reorientação. Eles também estão surpresos e não são obrigados a achar tudo lindo e maravilhoso. Amam seus filhos como são, mas precisam de tempo para compreender as mudanças. Emitir opinião não é crime! Assim como escolher um time para o qual deseja torcer; assim como escolher o corte do cabelo, o carro, o amigo, a viagem… Opinar não constitui qualquer ser humano um criminoso. Se assim fosse, não poderíamos também estar emitindo a nossa aqui,sob pena de também sermos condenados.

Acho engraçado as pessoas vomitarem uma certeza da homossexualidade como escolha, mais engraçado ainda é achar que uma pessoa decida ser homossexual, que segundo essas mesmas pessoas que se dizem cristãs é uma aberração da natureza. Vou ser homossexual pq quero ter a possibilidade de ser xingado, sofrer uma agressão física e não poder me expressar livremente por medo de uma sociedade manchada por preconceito de cunho religioso e machista.

Não, sou homossexual e digo e afirmo como todos os outros que não é uma escolha, é uma expressão e condição.

A homossexualidade é um FATO. Ela sempre existiu e ela jamais deixará de existir, assim como a Heterossexualidade. A sociedade heteronormativa machista (parte dela) deveria ver que qualquer pessoa que tenha vida e seja racional neste planeta devem estar em um mesmo patamar de igualdade ( No que se refere a raça, credo ou sexualidade)e merecem quaisquer direitos e respeito como cidadão. A sua não-concordância e opinião religiosa sobre a “Prática” é homofóbica SIM, lembrando que homofobia não se refere a somente ao ato de violência mas uma série de atitudes e sentimentos negativos em relação a pessoas homossexuais, bissexuais e trangêneros.

Maryo Garcias - 30/06/2013 16:54

Ufa! Confesso da dificuldade que tive para libertar-me do clima execrador apreendido ao ler esses “comentários”. Entendi nesses expostos algumas teorias psicológicas da personalidade. É tragicômico como o desejo de guilhotinar contraria a persona diária colocada; simplesmente pelo fato de ser aceito pelo grupo. A ciência é aceita como inquestionável por alguns; quem será que a sistematizou para que não se possa refutar algo estabelecido, imposto? Ops! Sem falar que tudo tem uma justificativa para ser mantido como foi criado. Hoje se fala dos direitos humanos para essa e/ou aquela ação contra o contrário, ou cria-se a LEI DE LESA A MAGESTADE, se não conseguir enquadrar o… . As amputações impedem o exercício da liberdade de escolha e respeito para o que se quer. Será o surgimento de nova classificação para o comportamento? “Héterofobia”. Ah! Penso não ser comentários de estudantes e/ou profissionais em psicologia e nem de áreas do comportamento humano.

O conselho está certo em publicar esta nota de repúdio !

Fico me questionando: “Por que existem homossexuais com sofrimento psíquico?” A resposta é óbvia. Enquanto estivermos debaixo de um país onde a religião está ditando as ordens e leis do estado: o negro; o índio; o homossexual; a mulher e tantas outras classes oprimidas estarão em eterno sofrimento, não só o psíquico, mais também social, familiar, pessoal, etc.

Solicito novo processo de cassação do diploma do Silas Malafaia .

Tem limite , entre , liberdade de expressão e homofobia ( homofobia não é só agressões físicas e também discursos de ódios ,assedio moral) . Ele está usando seu diploma de psicólogo para , difamar os conselhos regionais e federal ; usando seu diploma para homossexualidade dizer que homossexualidade não é normal e pode ser reorientada.

Na marcha Jesus teve um momento que ele ser apresentou como psicólogo e difamou novamente o conselho ,disse que a homossexualidade pode ser reorientada , fez vários discursos de ódio contra homossexuais . Manipulou as pessoas contra conselho.

Porque o conselho ainda não cassou ele ? O que é necessário para o conselho cassar ele ? Porque vocês e o conselho fedeal deixar ele evitar calunias e manipular a sociedade contra vocês?

Até quando o conselho vai permitir que ele use seu diploma para manipular a sociedade contra o conselho e praticar a homofobia ?

Vejo uma coisa clara todos os comentários a favor do Malafaia são de evangélicos que foram manipulados por este homofóbico hipócrita ! Eu acho que estas pessoas que defendem ele não acreditam em JESUS E DEUS ,SÃO APENAS RELIGIOSOS .

RESPOSTA QUE DEI A UMA EVANGELICA QUE VEIO QUESTIONAR E DEFENDE PASTORES HIPÓCRITAS : Os evangélicos não sabem interpretar as escrituras ,elas são traduções do latim e hebraico para diversas línguas, COMO TODAS TRADUÇÕES TEM PALAVRAS QUE SOFREM ALTERAÇÕES DO “SIGNIFICADO CORRETO” ,Nesta passagem, temos dois termos que chamam a atenção. O primeiro, “malakoi”, foi traduzido pela versão de Ferreira de Almeida, da Bíblia em Português, como “afeminados” e o segundo na mesma versão “arsenokoitai”, como “sodomitas”. Duas palavras equivocadamente traduzidas, em uma clara operação de adulteração das Sagradas Escrituras.

Também, existem duas versões da Bíblia que fazem traduções para estas duas palavras que podemos chamar de abomináveis, tratam-se da “Bíblia na linguagem de hoje” que traduz “malakoi” como “adúlteros” e “arsenoitoitai” como “homossexuais”;
EM LEVITICO DIZ QUE AS MULHERES FORAM FEITA PARA SERVI O HOMEN E OS NEGROS ESCRAVOS E AI QUERIDA?

ATACAR homossexuais usando o Levítico 18:22? me poupe… O Levítico 18:22 (Velho Testamento), diz o seguinte:”o homem que deita com homem como se mulher fosse comete abominação aos olhos de Deus”. Mas diz também exatamente: “as mulheres devem ser socialmente isoladas enquanto menstruadas, que os pais devem matar seus filhos se estes adorarem qualquer outro deus que não o Deus Único e que aqueles que trabalham aos sábados devem ser executados. ” Fala também que é proibido cortar o cabelo, comer carne de porco. Ué, então por que não cumprem tudo isso? Interpretam o Levítico ao sabor do preconceito DELES, dos cristãos, usam apenas o que acham conveniente usar? Por que não matam seus filhos que não são cristãos? Por que deixam serem tocadas quando estão menstruadas? Por que não matam quem trabalha aos sábados?? Tá lá… no Levítico. Um peso e duas medidas? Revogaram algumas dessas práticas absurdas e deixaram outras? E tem mais: O Estado é Laico, sem essa de ditadura evangélica!”Antinatural” é julgar os outros, é a ausência de amor. JESUS PROTEGEU OS OPRIMIDOS E CRITICOU OS RELIGIOSOS HIPÓCRITAS . DEUS E JESUS NÃO CONDENA AS PESSOAS POR SER HETERO,BI OU GAYS , É AS ATITUDES QUE DIZ O QUE VC É !

A LEI MARIA DA PENHA E AUREA TAMBÉM TIRAR DAS PESSOAS ” ESTE TIPO DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO ! EVANGELICOS ESTÃO SENDO MANIPULADO POR SER HIPÓCRITA ,NOCIVO !

FELICIANO ,MARISA LOBO E SILAS MALAFAIA = MENTIRAS ,manipulação, HOMOFÓBIA , cristofóbia, RACISMO, hipócrita e DITADURA EVANGELICA !

Para se tornar psicólogo é preciso ser ateu ou abrir mão da sua liberdade de crença? Será que vocês não são capazes de discernir a opinião de um profissional cristão de uma opinião discriminatória? Acaso é crime acreditar na Bíblia? A opinião deste pastor é meramente fé na Bíblia!

Liberdade de expressão é dizer o que pensa, e não agredir moralmente e verbalmente terceiros.

Evangélicos fundamentalistas; a psicologia é UMA CIÊNCIA, e não religião (que se divide em inúmeras facções justamente por indisciplina e falta de consenso) sendo assim, ela (ciência) lida com FATOS, que precisam, antes de mais nada, ser passíveis de estudo, observação, críticas, reprodução, experimentação e raciocínio.

O Conselho TEM o dever de se manifestar, desmistificar e desmascarar qualquer pratica que não seja reconhecido cientificamente, e que são de origens morais-religiosas.

Aqueles que se dizem “psicólogos” mas não abdicam de suas crenças pessoais no exercício de sua profissão, estão colocando em grave risco a saúde daqueles estigmatizados por serem diferentes. NENHUMA moral religiosa pode servir de base pra qualquer pratica discriminatória que reforce os estigmas existentes nas pessoas homossexuais.

Este cidadão da entrevista ALÉM de NÃO representar TODA A POPULAÇÃO PROTESTANTE, não possui conhecimento nenhum da CIÊNCIA PSICOLÓGICA. O conselho precisa urgentemente se posicionar publicamente e dar informação que já é um consenso no mundo a fora. Estão de parabéns pela nota de repúdio. Afinal a psicologia como órgão da saúde, deve prezar pela saúde emocional e mental de TODOS e em especial daqueles estigmatizados por uma sociedade opressora.

Sinto um espanto tremendo, e temo muito o nível de informação, intelectual, ético de todos aqueles que se apresentaram como “psicólogos” (ou futuro psicólogos). Vejo que o nível de fundamentalismo pode contribuir para a desestruturação da saúde brasileira e se o conselho não se movimentar o mais rápido possível, teremos muitos danos.

Termino; “Consideram o ato homossexual ofensivo mas não as pessoas”? Como se o “ato homossexual” fosse uma coisa abstrata flutuando por aí que de vez em quando resolve “encarnar” em um par de indivíduos do mesmo sexo. O que define as pessoas são seus atos, suas características. Condenar suas características é condená-los também. É um absurdo em pleno século 21 o discurso de quem quer “discordar” da homossexualidade. Orientação sexual diz respeito a cada sujeito e não é para ser alvo de concordância ou discordância: simplesmente deve ser aceita. Ninguém “discorda” da heterossexualidade. Por que discordar da homossexualidade seria um direito? Seria ridículo, se nao fosse trágico, afinal, quem persegue são os que discordam! Discordar da homossexualidade é tão absurdo quanto discordar que um sujeito seja destro, negro, mulher, alto, etc. Estamos em franco avanço rumo a uma sociedade mais justa para homossexuais, mas precisamos avançar mais rápido e vencer sujeitos preconceituosos como Este cidadão da entrevista!

Essa discussão toda é uma grande bobeira, se vivêssemos numa democracia de fato, ninguém iria ficar perdendo tempo com isso. Os gays viveriam do jeito que quisessem, iriam ao psicólogo e orientariam seu tratamento a gosto do freguês e o didadão, pastor ou não, expressaria suas opiniões e ponto. Sabe do que se trata? Ditadura de idéias, coisa de povo atrasado, que é o que nós somos.

Mychelle Lorem - 02/08/2013 13:20

O Registro deste ser que se diz PSICÓLOGO deve ser cassado. Isto não pode ficar em vão.! Ele deve ser punido conforme das leis éticas do conselho federal de psicologia. Por favor façam alguma coisa.

Ele deve ser punido? Não sei por qual motivo,ele não exerce a profissão a mais de 10 anos. E uma coisa é ser ético no atendimento, ter postura e competência profissional outra coisa é a opinião pessoal dele.

[...] Finalmente, como segundo brinde, fica a nota de repúdio do conselho federal de psicologia às afirmações de Silas Malafaia a respeito da homossexualidade: http://site.cfp.org.br/cfp-se-posiciona-contrariamente-declaracoes-do-pastor-silas-malafaia/ [...]

É até engraçado isso, eu sou transexual e como quem Ja leu algo a respeito do transexualismo sabe que diferente da homossexualidade o transexualismo é tido como disforia de gênero e não havendo tratamento fundado ao retrocesso do transexualismo o único caminho é ajudar aos transexuais como eu a se aceitar como transexuais, mts transexuais se suicidam por que são caçados e diminuídos como cidadãos e mts são assassinadas frente as ruas que são por falta de oportunidades para algumas o único meio de sustento, assim como transexuais os homossexuais são minoria na sociedade sendo minoria não devem ser reprimidos e sim inseridos na sociedade declarada “democrática” onde se prega que os direitos são iguais, o pastor mencionado ele tem que ter senso e saber que ele influência mts pessoas na sociedade e com essas declarações homofobicas ele coloca os “homossexuais” como algo referente a satanás que é a parte ruim do equilíbrio natural sendo homossexuais obra de satanás os cristãos tentam sim ridicularizar as pessoas por sua orientação sexual, mts vezes adolescentes leigos tentam assassinar homossexuais e transexuais pq acreditam está matando satanás. Quem garanti que a bíblia foi homens expirados em deus que escreveram? A religião cristã ela é influente hoje em dia pois no passado ela enriqueceu enganando a populacao, ela desde o início alienou as pessoas, e aqui no Brasil foi imposto aos indios e negros tal religiao, pode-se dizer que foi a parte católica que o fez, mas a protestante segui o msm caminho, ela de certa forma influência para que mts cristãos venha a tentar ridicularizar um homossexual só por que sua orientação é vista como “não louvável” sendo que na própria bíblia é mencionado que deves amar ao próximo como a si mesmo então por que tentar ridicularizar tais próximos, na minha opinião a base de qualquer sociedade deveria ser o respeito com a forma do viver, se as pessoas estivessem preocupadas com suas próprias vidas não veríamos tantos casos de espancamentos contra homossexuais e o Brasil seria um país mais justo e com um desenvolvimento maior assim como países da Europa que msm não concordando não tentam ridicularizar, por isso que a intolerância religiosa contra o cristianismo em certos países pois os msm afrontao os direitos humanos.

Paulo Henrique Soares - 23/09/2013 8:49

Toda estrutura social existente se deve graças às pessoas que pensam como o Pastor Silas Malafaia. Há um “movimento” mundial com o objetivo de destruir os valores tradicionais da família, base fundamental para a formação da sociedade. O “novo modelo” proposto representará a ruína da humanidade. E graças ao apoio de órgãos que deveriam defender a sociedade como o CFP. Esta história de “liberdade sexual” é tão estúpida que atenta aos basilares princípios da existência humana.

Cada um deve viver da forma que achar conveniente e diante do que acredita ou não. Até por que temos livre arbitro diante de qualquer circunstância, se sou gay ou não, se sou cristão ou não assim sucessivamente é um problema PESSOAL de cada ser humano. Temos que aprender o que é respeitar o próximo independentemente das suas escolhas e não ficar atacando e tirando a liberdade dos outros. Seja qualquer tipo de profissão temos que lidar com as diferenças sociais.

Tiferrei - 13/03/2014 22:31

No resto do mundo não tem essa bagunça que está o Brasil. Lá ainda respeitam e dão muito valor a pudor, decência, bons costumes, etc. Deveriamos estar preocupados ou com vergonha, indignação com assuntos como a fome, o analfabetismo, a corrupção, a saúde, a violência, os políticos, etc. O Malafaia só disse o que pensam a maioria dos cristãos verdadeiros, aqueles que creem nas escrituras sagradas..

este silas malafaias e um bandido, se aproveita da ingenuidade dos fieis, ovelhinhas para se enriquecer.o compar como hitler, por que tem muitas pessoas que o defendem , vai queimar nas rofundesas do inferno.

Jennyfer Dias - 17/09/2014 11:53

O CFP não está sendo conivente com a situação. A razão do registro do Malafaia não ser cassado é porque as declarações feitas por ele não assumem carater profissional, ou seja, ele se posiciona como pastor e cidadão comum e não como psicológo. E a constituição garante a ele o direito de livre expressão. Portanto, enquanto ele se manifestar apenas como uma pessoa comum, não a muito a ser feito.

Carlos sanfez jr - 17/09/2014 16:33

Silas malafaia além de ser pastor homem de Deus, representa a família e ele é Teólogo e o mesmo se apresenta Como tal, não dando nenhuma brecha para os defensores da hipocrisia dos aplausos, humanas e das politicas com suas técnicas fajutas, usa as mais validas e aplica para expansão do reino, Jamais entenderão tal argumentação.

Carlos sanfez jr - 17/09/2014 16:36

Os cristão estão passando a ser alvos de cristofobia, querem calar os lideres de um povo grandioso no Brasil, Porém já foi criado um partido, e se a luta esta na politica com certeza estará a altura brevemente.

[...] Na entrevista, o pastor alegou que a homossexualidade é uma questão de comportamento. De acordo com notado CFP, Malafaia “agrediu a perspectiva dos Direitos Humanos a uma cultura de paz e de uma [...]

Adicionar Comentário





7 − = 2