Conselho Federal de Psicologia e Exército Brasileiro reúnem-se para estabelecer parcerias sobre Avaliação Psicológica

Estreitar relações para futuras parcerias no âmbito da Avaliação Psicológica. Este foi o objetivo central da reunião entre a Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica do Conselho Federal de Psicologia (CCAP/CFP) e o Centro de Psicologia Aplicada do Exército (CPAEx), realizada na sede da autarquia federal na quarta-feira (31).

No encontro, foram definidas ações estratégicas como o processo de Avaliação Psicológica para ingresso na carreira militar e participação da CPAEx nas discussões para a revisão da Resolução CFP Nº 2/2016, que regulamenta a avaliação psicológica em concursos públicos e em processos seletivos. 

A conselheira federal e coordenadora da CCAP, Katya de Oliveira, destacou que o Sistema Conselhos de Psicologia tem trabalhado na revisão da Resolução CFP Nº 2/2016, mas que o trabalho foi suspenso em razão do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3481.

Segundo os representantes do Exército brasileiro, o trabalho é importante especialmente diante da necessidade do desenvolvimento de testes psicológicos para o ingresso na carreira militar.

A tenente Patrícia Siqueira, integrante da CPAEx e mestre em Psicologia, ressaltou a importância do CFP para apoiar estratégias que buscam ampliar o conhecimento da importância da Avaliação Psicológica em concursos públicos, inclusive nas fases de recursos judiciais.

A integrante da CCAP Caroline Reppold pontuou que, por resolução, a Comissão não atua em casos específicos em processos judiciais. No entanto, o Conselho Federal de Psicologia tem divulgado a importância do tema, especialmente quanto aos prejuízos para  a sociedade da banalização dos testes psicológicos e da avaliação psicológica.

Avaliação Psicológica

A coordenadora da CCAP, Katya Oliveira, destacou que, para publicar a Resolução Nº 1/2022, sobre avaliação psicológica para manuseio de arma de fogo, o Conselho Federal de Psicologia promoveu reuniões com a Polícia Federal e, do mesmo modo, pode estreitar os laços com o Exército para debater a normativa.

Foi o que também ressaltou a psicóloga e consultora ad hoc, Cristiane Faiad: “a qualificação da Avaliação Psicológica é uma discussão central que deve ser feita entre instituições públicas e privadas, para garantirmos a prática psicológica nesses contextos”.

Além de  apresentar a estrutura, o organograma e os projetos de Avaliação Psicológica em implementação pelo Exército brasileiro, o comandante da CPAEx, tenente Coronel Gustavo Torres Fernandes, convidou o CFP para a 1ª Jornada de Avaliação Psicológica do Exército, que acontecerá no Rio de Janeiro, em outubro.

Sobre a CCAP

A Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica (CCAP) foi criada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) em 2003 e tem por função discutir e propor diretrizes, normas e resoluções no âmbito da avaliação psicológica no contexto da atuação profissional da(o) psicóloga(o), além de conduzir o processo de avaliação dos testes psicológicos submetidos ao Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos (SATEPSI).

Sobre a CPAEx

Criado em 2015, o Centro de Psicologia Aplicada do Exército (CPAEx) é uma instituição de pesquisa responsável pelo assessoramento aos órgãos do Exército Brasileiro acerca da Psicologia aplicada aos contextos militares.

A corporação também é responsável pela avaliação, preparo, acompanhamento e desmobilização psicológica e a realização de avaliações psicológicas nos diversos processos seletivos do Exército.

Saiba mais

Em agosto passado, o Conselho Federal lançou uma nova edição da Cartilha de Avaliação Psicológica trazendo às(aos) profissionais da Psicologia informações de natureza ética, teórica e metodológica sobre a avaliação psicológica. O objetivo da edição é aprimorar a qualidade dos serviços psicológicos oferecidos à sociedade brasileira.

A publicação foi elaborada pela Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica (CCAP) do CFP com o objetivo de orientar a categoria e os Conselhos Regionais de Psicologia em questões relativas à avaliação psicológica no exercício profissional da(o) psicóloga(o).

A Cartilha de Avaliação Psicológica 2022 já está disponível de forma gratuita no site do CFP.

 

Eleições 2022: saiba como obter a 2ª via do comprovante de votação

As(os) psicólogas(os) que votaram para as Eleições 2022 dos Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs) e para a Consulta Nacional do Conselho Federal de Psicologia (CFP) já podem acessar a segunda via do comprovante de votação.

Para isso, a(o) profissional precisa entrar no site das eleições eleicoespsicologia.org.br e acessar o ícone “comprovante ”, localizado na parte superior central da página. Após clicar no ícone, é solicitado o CPF e a senha que a(o) psicóloga(o) utilizou para a votação. Depois, clique em “Acessar Comprovante”.

Caso o sistema identifique que tenha votado, será apresentado o seu comprovante de votação na tela, basta imprimi-lo ou salvá-lo em seu seu computador ou dispositivo, ou ainda enviá-lo para o e-mail cadastrado no sistema eleitoral.

Após baixar o arquivo, confira na seção de downloads do computador ou do dispositivo móvel se o arquivo foi enviado. O comprovante apresenta as seguintes informações: site das eleições, nome completo, data e hora exata do registro do voto, identificação, IP e código de autenticidade.

Revista PCP: edição especial destaca os 60 anos da Psicologia no Brasil 

Um convite à reflexão quanto às práticas e saberes da Psicologia brasileira ao longo dos últimos 60 anos, articulando uma análise das produções, reflexões e experiências com as perspectivas futuras da profissão no Brasil. Essa é a abordagem da edição especial da Revista Psicologia: Ciência e Profissão – Psicologia 60 Anos: Trajetórias e Perspectivas. O fascículo completo já pode ser acessado aqui pela plataforma da SciELO.

Esta edição especial reúne 15 artigos, selecionados dentre mais de 80 textos apresentados no edital de chamamento. A Revista PCP sobre os 60 anos da Psicologia é dividida em dois eixos de trabalhos. O primeiro parte de uma análise mais focada na organização do marco histórico e identitário da profissão, com textos que discutem a história, a crítica à própria profissão e formação, além de reflexões sobre campos estratégicos dos fazeres da Psicologia na sociedade brasileira, como a clínica, a avaliação psicológica e as análises institucionais.

O segundo eixo de artigos é dedicado à construção da relação da Psicologia com a sociedade brasileira. Os textos refletem o posicionamento da profissão frente a temas como a defesa dos direitos humanos – com ênfase na análise da implicação nas políticas públicas, notadamente nas da infância e juventude, de assistência social, de gênero, sexualidade e saúde reprodutiva, de educação inclusiva e de direitos dos povos indígenas e outros povos tradicionais. 

“A proposta deste número especial é, sobretudo, fazer uma reflexão sobre as práticas e saberes da Psicologia durante esses 60 anos de regulamentação. Uma reflexão sobre os seus campos temáticos, produções e suas experiências profissionais, mostrando, principalmente, que práticas foram produzidas durante esse período, as trajetórias dentro da profissão e quais desafios há para o futuro”, destaca a conselheira do CFP e editora da PCP, Neuza Guareschi.

Análise e perspectivas

A conselheira Neuza Guareschi ressalta o interesse de pesquisadores e profissionais em refletir sobre a trajetória de transformações e avanços da Psicologia. “Gostaríamos de agradecer às excelentes respostas que tivemos ao nosso editorial para a elaboração deste número especial. Foram mais de 80 submissões, trazendo reflexões e experiências sobre a nossa profissão, sobre os nossos campos profissionais, sobre nosso campo teórico, analisando as nossas experiências e implicações com essa profissão e como construímos a nossa ciência e nossa sociedade”. 

Nesses mais de quarenta anos de existência a Revista PCP tem se dedicado a propiciar aos profissionais da Psicologia uma reflexão contínua sobre suas práticas, com pesquisas, experiências e reflexões teóricas sobre todo o campo da Psicologia. “Queremos cada vez mais contribuir para que sejam publicados textos que reflitam as nossas práticas profissionais, sempre mostrando a pluralidade de conhecimentos dentro da Psicologia”, reforça Neuza Guareschi.

Editada desde 1979, a Revista PCP é uma publicação científica de excelência internacional, classificada com a nota A2 no sistema Qualis de avaliação de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação. Atualmente, a revista está indexada nas bases da SciELO; Lilacs (Bireme); Clase; Latinex; PsycINFO; Redalyc; Psicodoc e Google Scholar.

Saiba mais:

Leia a íntegra da edição especial da Revista Psicologia: Ciência e Profissão – Psicologia 60 Anos: Trajetórias e Perspectivas

Revista PCP abre seleção para edição especial sobre 60 anos da Psicologia no Brasil

Acesse o edital de chamamento público para a Edição Especial de 60 anos da Psicologia.

Confira todas as edições da PCP desde 1979 até os dias atuais.

Acesse a Edição Especial de 50 Anos da Psicologia.

 

XI Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas está com inscrições abertas

O Sistema Conselhos de Psicologia realiza, de 15 a 17 de setembro de 2022, o “XI Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas: Amazônia como espaço de conexões territoriais e a produção de vida nas diversidades”. O evento será realizado em São Luís/MA, na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Centro Pedagógico Paulo Freire.

A atividade é uma realização do Conselho Federal de Psicologia – em parceria com o Conselho Regional de Psicologia da 22ª Região/MA e com os demais CRPs – por meio do Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP) e propõe discutir conexões existentes entre território amazônico, diversidades e subjetividade.

Os diálogos terão participação protagonista de coletivos e movimentos sociais, além de pesquisadores e especialistas de diversas áreas. As mesas serão mediadas(os) por psicólogas(os) com atuação e produção técnico-científica no campo das políticas públicas.

O evento faz parte das atividades do Conselho Federal de Psicologia (CFP) em comemoração aos 60 anos de regulamentação da profissão no Brasil.

As inscrições estão abertas até 15 de setembro e poderão ser feitas pelo seguinte link: https://www2.cfp.org.br/inscricoesonline/politicaspublicas/2022/

Seminário Nacional

O “XI Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas: Amazônia como espaço de conexões territoriais e a produção de vida nas diversidades” contará com 13 mesas temáticas reunindo nomes de referência em temas como povos quilombolas, povos das águas, campesinos; Povos indígenas, a questão da Amazônia e subjetividade; Saúde mental e população em situação de rua; Subjetividade, mulheres e população LGBTI+; Política sobre drogas, mulheres e regiões periféricas; Política pública de meio ambiente: o desmatamento da Região Amazônica e a relação com emergências e desastres; Saúde, gênero e sexualidade; Psicologia e política de saúde mental; Neoliberalismo; Laicidade e subjetividade; Psicologia e Política de Assistência Social; e Serviços, Trabalhadores, Movimento Sociais, Usuários.

Ao final do encontro, será realizada solenidade simbólica de assinatura das resoluções de instituição do CREPOP em Conselhos Regionais de Psicologia de todo o país.

Conheça aqui a programação preliminar:

Saiba mais:

XI Seminário Nacional de Psicologia e Políticas Públicas
Tema: “Amazônia como espaço de conexões territoriais e a produção de vida nas diversidades”
Data: 15 a 17/09/22
Local: Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Centro Pedagógico Paulo Freire, São Luis/MA
Inscrições em: https://www2.cfp.org.br/inscricoesonline/politicaspublicas/2022/

8º Congresso Abrasme: especialistas criticam retrocessos nas políticas de saúde mental e necessário compromisso com a reforma psiquiátrica

Teve início, nesta quinta-feira (21), o 8º Congresso Brasileiro de Saúde Mental, que levou a São Paulo 3 mil participantes de todo o país para discutir a política de saúde mental, a luta antimanicomial e o futuro das políticas de saúde e de proteção social no Brasil.

Na abertura oficial, o centro das narrativas foi o retrocesso nas políticas de saúde mental e o destino da reforma psiquiátrica no país.

Em sua saudação às(aos) participantes do Congresso, a presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Ana Sandra Fernandes, destacou que a política de saúde mental está entre as que mais têm sofrido retrocessos, mas que a Psicologia segue firme na defesa de um cuidado pautado pelo respeito e a garantia de direitos das pessoas com transtorno mental.

“A Psicologia brasileira tem se posicionado firmemente em apoio à reforma psiquiátrica, à luta antimanicomial e ao cuidado em liberdade – e reafirma o compromisso de estar junto nesta luta”, assegurou.

Durante os quatro dias de Congresso, serão apresentados 740 trabalhos com experiências das diferentes partes do país sobre o tema da saúde mental. Serão três grandes debates, 60 rodas de conversa e a participação de mais de 180 conferencistas do Brasil e de outros países.

Congresso da Abrasme

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) está presente ao 8º CBSM, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), com uma série de atividades para contribuir com a troca de experiências no campo da saúde mental.

Conselheiras e conselheiros do CFP participam de conferências, mesas redondas, lançamentos de livros e atos públicos.

Em 23 de julho, das 10h30 às 12h30, participam da mesa sobre a 5ª Conferência da Saúde Mental a presidente do CFP, Ana Sandra Fernandes, e a conselheira Marisa Helena Alves. O diálogo também contará com a componente da mesa diretora do CNS, representando o segmento dos trabalhadores pela Federação Nacional dos Psicólogos (Fenapsi), Fernanda Magano, e do presidente da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), Leonardo Pinho.

Na tarde do dia 23, entre 14h e 16h, participam das discussões da mesa sobre o tema Psicologia e a Construção de Parâmetros Éticos para a atuação em Saúde Mental e Direitos Humanos, as(os) conselheiras(os) do CFP: Losiley Alves Pinheiro (Trânsito e Saúde Mental); Rodrigo Acioli Moura (Psicoterapia: da formação a prática, novos desafios); Neuza Maria de Fátima Guareschi (Assistência e Saúde Mental: Experiências na Intersetorialidade); Marina de Pol Poniwas (Alegações de alienação parental e o sofrimento mental de crianças e adolescentes); e Alessandra Santos de Almeida (Mobilidade Urbana e a Saúde Mental das Mulheres Negras).

Durante o evento, também haverá o lançamento de publicações elaboradas pelo CFP – como a Referência Técnica para atuação de psicólogas junto aos povos indígenas e a Referência Técnica para atuação de psicólogas no CAPS. Além disso, o CFP estará à frente do Espaço Negritude, com uma programação própria durante o congresso, sob a coordenação da conselheira e conselheiro Célia Zenaide e Robenilson Barreto.

Você pode acompanhar a cobertura da participação do CFP no 8º CBSM em https://twitter.com/cfp_psicologia

Resolução orienta criação de Ouvidorias em todo o Sistema Conselhos de Psicologia

Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a Resolução CFP 12/2022 que institui as ouvidorias no âmbito do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Psicologia. A proposta foi aprovada na última Assembleia das Políticas da Administração e das Finanças (APAF), realizada no final de abril deste ano.

Os Conselhos Regionais de Psicologia terão o prazo de 180 dias, a partir da publicação da resolução, para instituírem e implementarem o setor ou o canal de ouvidoria. Este meio de comunicação poderá ser endereço de e-mail, formulário eletrônico e/ou número de telefone exclusivo para receber as demandas de ouvidoria, e deverá estar visível no site do órgão.

A Ouvidoria terá como finalidade estimular a participação e a conscientização da categoria e da sociedade sobre o direito de receber serviços de Psicologia de qualidade. Será o canal responsável por acolher, examinar e encaminhar as demandas referentes a procedimentos e ações de conselheiros, funcionários e colaboradores do Sistema Conselhos de Psicologia.

A presidente do CFP, Ana Sandra Fernandes, destaca que a resolução publicada vai garantir um canal direto de comunicação com a categoria. 

“Os CRPs, em conjunto com o CFP, adotarão medidas para atender as psicólogas e os psicólogos com compromisso resolutivo. As Ouvidorias devem ser mais um modo de participação democrática direta da categoria profissional no Sistema Conselhos”, aponta Ana Sandra.

A responsável pela Ouvidoria no Conselho Federal de Psicologia, conselheira Izabel Hazin, fala da importância do sistema de ouvidorias para um bom fluxo no trabalho do Sistema Conselhos.

“Esta é uma resolução importante para que possamos unificar essa via de contato com toda a categoria, de forma homogênea entre todos os Conselhos Regionais e sistematizar esse processo e esse fluxo para o Conselho Federal de Psicologia”, explica a conselheira.

A Resolução é oriunda dos trabalhos do subgrupo de ouvidorias, que faz parte do Grupo de Trabalho de Tecnologia da Informação, composto por CFP, CRP-06/SP e CRP-08/PR. A minuta do texto foi discutida no 1º Encontro Virtual de Secretárias e Secretários do Sistema Conselhos de Psicologia, realizado em outubro passado.

Ouvidorias

As demandas de ouvidoria deverão ser recebidas, encaminhadas, cobradas e devolvidas com a resposta conclusiva ao solicitante externo dentro do prazo de 30 dias, contados de forma contínua.

A norma estabelece ainda que o CFP, mediante portaria, designará um funcionário encarregado e um suplente para serem responsáveis pelas demandas de ouvidoria do órgão. Além disso, a autarquia deverá designar uma conselheira ou um conselheiro para assistir às demandas na área.

A Resolução informa que a Ouvidoria não substitui nem está apta a suprir as atribuições dos demais canais de atendimento do Conselho Federal de Psicologia (CFP). O documento também aponta que, na ausência de outra determinação do CFP, as demandas de pedido de acesso à informação (E-Sic) serão atribuídas ao encarregado pela Ouvidoria, como responsável pelo encaminhamento, acompanhamento e atendimento da resposta.

Serão sete as manifestações de Ouvidoria: pedido de acesso à informação (E-Sic); denúncia; elogio/agradecimento; reclamação/crítica; pedido de simplificação; solicitação de providências; e sugestão.

Padronização nos procedimentos dos CRPs e do CFP

Também será criado um Grupo de Padronização do Atendimento (GPAt) no Sistema Conselhos de Psicologia a ser formado pelos encarregados das áreas de atendimento em cada um dos Conselhos Regionais e no CFP, além dos responsáveis pelo canal de ouvidoria, e as(os) conselheiras(os) designados para assistir às demandas de ouvidoria.

Anualmente, haverá reunião dos membros do GPAt para desenvolvimento, aprimoramento, alinhamento e padronização dos procedimentos de atendimento no Sistema Conselhos de Psicologia. A partir do encontro, será elaborado um manual consultivo de respostas e procedimentos-padrão a ser utilizado como referência por todos os CRPs.

Leia a íntegra da Resolução CFP 12/2022

Conselho Federal de Psicologia lança edição comemorativa do Código de Ética Profissional

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) lançou edição especial do Código de Ética Profissional, em celebração ao aniversário de 60 anos da regulamentação da Psicologia no país. Além de trazer a íntegra do texto do Código de Ética da Profissão, originalmente publicado em 2005, a tiragem especial inclui marcos da história da Psicologia no Brasil, além de normativas de referência para a atuação de psicólogas e psicólogos.

A edição comemorativa será enviada a todas(os) profissionais com registro ativo nos Conselhos Regionais. Psicólogas e psicólogos de todo o Brasil já estão recebendo o exemplar, e a estimativa é que a distribuição esteja finalizada até 11 de junho. Além da versão impressa, o site do CFP traz a publicação em formato digital.

“Sabemos que ainda há muito a ser feito. Mas o olhar sobre os 60 anos da regulamentação da Psicologia no Brasil evidencia a formação de uma base sólida e que nos projeta para uma prática ancorada no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade e da integridade humana – princípios que norteiam o código de ética profissional de nossa categoria e que devem balizar nossa construção de futuro”, pontua a presidente do CFP, Ana Sandra Fernandes.

A edição especial do Código de Ética resgata marcos históricos dos 60 anos da regulamentação da Psicologia no país para compreender os desafios e os avanços alcançados ao longo dessa trajetória, mobilizada pelo engajamento de cientistas, profissionais, coletivos e movimentos sociais de todo o país.

O levantamento foi realizado com apoio da Sociedade Brasileira de História da Psicologia (SBHP) e dos Grupos de Trabalho História da Psicologia e História Social da Psicologia, da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP).

Comemorações dos 60 Anos da Psicologia

A edição especial do Código de Ética Profissional integra um conjunto de ações e atividades que o Conselho Federal de Psicologia está promovendo para celebrar as seis décadas de contribuições da Psicologia à sociedade, como ciência e profissão.

Ao longo deste mês, o CFP promoveu uma série de lives para debater temas essenciais da profissão: enfrentamento ao racismo; Psicologia, gênero, raça e interseccionalidade; violência no trânsito; o luto de crianças e adolescentes durante a pandemia da Covid-19; a luta anticapacitista; o teletrabalho no contexto da atual crise sanitária; e o esporte e o lazer como ferramentas para o desenvolvimento pessoal e social.

No último dia 13, uma sessão solene no Congresso Nacional reuniu parlamentares, representantes do Sistema Conselhos de Psicologia de todo o Brasil, além de centenas de profissionais e estudantes da área, para celebrar os 60 anos da Psicologia no Brasil. O Parlamento também recebeu a instalação visual “Psicologia 60 Anos: Uma História para Construir o Futuro”, retratando a trajetória desta ciência e profissão.

A íntegra dos diálogos está disponível nas redes sociais do CFP.

Acesse a íntegra da edição comemorativa do Código de Ética Profissional

Participe: sessão solene celebra 60 anos da Psicologia no Brasil

Os 60 anos da regulamentação da Psicologia no Brasil serão homenageados pela Câmara dos Deputados em sessão solene na sexta-feira (13/5), às 10h, no Plenário Ulysses Guimarães da Câmara dos Deputados. A cerimônia celebra as contribuições da Psicologia à sociedade brasileira ao longo das últimas seis décadas e será transmitida, ao vivo, pela TV Câmara e pelas redes sociais do Conselho Federal de Psicologia (CFP).

“Considerando que a Psicologia presta um inestimável e fundamental trabalho à sociedade, reconhecemos que é mais do que justo e necessário homenagearmos todas as psicólogas e psicólogos do Brasil, como forma de se valorizar esses profissionais”, destaca o requerimento para a realização da homenagem, de autoria da deputada federal Erika Kokay (PT-DF), psicóloga de formação.

A Psicologia chegou ao país no início do século XX. No entanto, foi regulamentada como profissão a partir da publicação da Lei nº 4.119, em 27 de agosto de 1962, pelo presidente João Goulart. Em 1971, por meio da Lei nº 5.766, foram criados o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia – que constituem o Sistema Conselhos de Psicologia.

Atualmente, são mais de 440 mil psicólogas e psicólogos em todo o território nacional, o que faz do Brasil o país com o maior número de profissionais da Psicologia em todo o mundo. A atuação está nas clínicas, nas políticas públicas da saúde, da assistência social, no sistema de justiça, na segurança pública, no trânsito, nos esportes e em todos os contextos de cuidado à saúde mental.

Agenda de atividades

A sessão solene encerra a agenda de atividades que o Conselho Federal de Psicologia promove ao longo desta semana como parte das celebrações aos 60 anos de regulamentação da profissão no país.

Entre os dias 9 a 13 de maio o CFP realiza uma série de lives para debater temas essenciais da Psicologia no Brasil: enfrentamento ao racismo; Psicologia, gênero, raça e interseccionalidade; violência no trânsito; o luto de crianças e adolescentes durante a pandemia da Covid-19; a luta anticapacitista; o teletrabalho no contexto da atual crise sanitária; e o esporte e o lazer como ferramentas para o desenvolvimento pessoal e social. Os diálogos podem ser acompanhados nas redes sociais do CFP.

Também como parte das celebrações em torno das seis décadas de regulamentação da atuação profissional, a Câmara dos Deputados recebe a instalação visual “Psicologia 60 Anos: Uma História para Construir o Futuro”, que retrata a trajetória dessa ciência e profissão. A exibição estará aberta ao público até o próximo dia 13, no Espaço Mário Covas, localizado no Anexo II da Câmara.

Assista ao vivo a sessão solene dos 60 anos da Psicologia

Leia mais

CFP promove agenda de atividades em celebração aos 60 anos da Psicologia

Câmara dos Deputados recebe instalação visual com história dos 60 anos da Psicologia no Brasil

 

Câmara dos Deputados recebe instalação visual com história dos 60 anos da Psicologia no Brasil

O ano de 2022 marca as seis décadas de regulamentação da Psicologia no Brasil. Em celebração a essa trajetória, a Câmara dos Deputados recebe a partir desta terça-feira (10) uma instalação visual que retrata a trajetória desta ciência e profissão em seu fazer científico, ético e político.

Aproximadamente 100 imagens, entre arquivos do Conselho Federal de Psicologia e de lutas históricas da profissão, compõem o painel “60 Anos da Psicologia no Brasil: uma história para construir o futuro”. A instalação pode ser visitada até o próximo dia 13 no Espaço Mário Covas, no Anexo II da Câmara dos Deputados.

“A instalação conta um pouco da trajetória da Psicologia como ciência e profissão. Uma trajetória feita também aqui no Parlamento, ao longo de 60 anos de muitas transformações”, destacou a presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Ana Sandra Fernandes.

Para a presidente do CFP é simbólico que a instalação visual esteja ao lado de onde funcionam as Comissões da Câmara dos Deputados, local onde são debatidas tantas proposições de interesse da Psicologia.

“Esta casa é palco de muitos embates políticos e históricos. E também da concretização de grandes conquistas para o nosso povo e para a nossa categoria profissional. Algumas com legislações já aprovadas, como a Lei 13.935, de 2019, que incluiu a Psicologia e o serviço social nas redes públicas de educação básica”.

Parlamento

A abertura da instalação contou com a presença de diversos parlamentares. A deputada Erika Kokay (PT/DF) ressaltou a participação ativa da Psicologia nos grandes debates e desafios colocados à sociedade. “Ao longo desses 60 anos, a Psicologia e o Conselho Federal estiveram em todas as grandes discussões da agenda pública de direitos. Todas as vezes em que avanços sociais foram colocados em riscos, a Psicologia se fez presente”.

O deputado Alexandre Padilha (PT), que foi também ministro da Saúde, agradeceu o trabalho da Psicologia brasileira naquilo que, segundo ele, é a principal reforma que o Sistema Único de Saúde (SUS) construiu. “A principal quebra de paradigmas que o SUS fez ao longo da sua história foi a reforma psiquiátrica, foi a luta antimanicomial. Essa reforma não seria possível sem a atuação firme do Conselho Federal de Psicologia e dos Conselhos Regionais de Psicologia”, pontuou.

Também presente à cerimônia, a deputada Rejane Dias (PT/PI) evidenciou a mobilização da categoria na defesa da inclusão na Lei do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). “Com muita alegria pude participar ativamente na defesa da inclusão de psicólogos e assistentes sociais no Fundeb. É extremamente relevante a presença desses profissionais no ambiente escolar”, reforçou Rejane.

Já a deputada Maria do Rosário (PT/RS), ressaltou o momento que o país vive de ataques à ciência e tentativas de desregulamentar e precarizar as profissões. “Nós estamos aqui para fazer a saudação às psicólogas e psicólogos do Brasil, renovando a nossa confiança numa Psicologia realizada a partir da formação específica, que é o que define a existência de uma profissão regulamentada, como é a Psicologia”.

O fazer social da profissão foi destacado pela deputada Lídice da Mata (PT/BA), ao lembrar que o Brasil é um país onde o sofrimento psíquico é desenvolvido todos os dias por uma sociedade profundamente injusta e desigual “O que faz com que nós tenhamos a necessidade de ter profissionais de Psicologia em todas as áreas”.

60 anos da Psicologia – programação

Os 60 anos de regulamentação da Psicologia no Brasil serão homenageados pela Câmara dos Deputados em sessão solene, na sexta-feira, 13 de maio, às 10h. A atividade será realizada no Plenário Ulysses Guimarães para celebrar as contribuições da Psicologia à sociedade brasileira nesse período.

Ao longo desta semana o CFP também está promovendo uma agenda de lives sobre temas essenciais da Psicologia no Brasil. Os encontros trazem como temas o enfrentamento ao racismo; Psicologia, gênero, raça e interseccionalidade; violência no trânsito; o luto de crianças e adolescentes durante a pandemia da Covid-19; a luta anticapacitista; o teletrabalho no contexto da atual crise sanitária; e o esporte e o lazer como ferramentas para o desenvolvimento pessoal e social (discussão também relacionada à pandemia).

Serviço

Instalação visual “60 Anos da Psicologia no Brasil: uma história para construir o futuro”

Data: de 10 a 13 de maio
Horário: Abertura 14h, 10 de maio
Local: Espaço Mário Covas, Anexo II, Câmara dos Deputados, Brasília (DF).

Sessão solene “60 anos de regulamentação da Psicologia no Brasil

Data: 13 de maio
Horário: 10h
Local: Plenário Ulysses Guimarães, Câmara dos Deputados, Brasília (DF).

Congresso Brasileiro de Psicologia (CBP) inicia o primeiro lote de inscrições 

O 6º Congresso Brasileiro de Psicologia: Ciência e Profissão (CBP) abriu nesta terça-feira (15) o primeiro lote de inscrições. O evento será realizado em São Paulo (SP) entre os dias 11 e 15 de novembro de 2022 e pretende colocar em debate – entre outros temas – os 60 anos da regulamentação da Psicologia (destacando memórias, crise da democracia e desafios para a ciência e para a profissão), além de problematizar o contexto brasileiro dos últimos quatro anos, em especial, a pandemia da Covid-19.

Também já podem ser inscritas as apresentações de trabalhos, que poderão ser realizados nas seguintes modalidades: pôster, comunicação oral, conversando sobre práticas profissionais, conversando sobre pesquisas e práticas profissionais.

As apresentações estão divididas em quatro eixos: História da Psicologia: manutenções e subversões na ciência e na profissão; Psicologia, diversidade e direitos humanos: avanços e desafios para a ciência e profissão; Formação em Psicologia: reflexões e ações para uma formação crítica; O trabalho da psicóloga: práticas profissionais e produção de conhecimento.

As orientações sobre a produção dos trabalhos estão disponíveis neste link: http://www.cienciaeprofissao.com.br/inscricoes-de-trabalhos/

20 anos de CBP

O 6º Congresso Brasileiro de Psicologia: Ciência e Profissão (CBP) pretende reunir psicólogas(os), docentes, estudantes, profissionais de áreas afins e usuárias(os) de serviços de Psicologia, visando compartilhar as experiências realizadas nos vários lugares onde a Psicologia se faz presente e atuante. Objetiva, ainda, dialogar, refletir e produzir coletivamente princípios e caminhos para a profissão.

Embora a atividade aconteça no marco dos 60 anos da Psicologia, 2022 celebra também os 20 anos do 1º CBP. Nesse período, os encontros  têm buscado ampliar horizontes e interlocutores, de modo especial com os demais países latino-americanos e com os países africanos de língua portuguesa. “Se somos distintos em nossa riqueza cultural e histórica, somos também irmãos em nossa condição de países colonizados, que lutam por autonomia financeira e cultural e construção de saberes emancipatórios e descolonizados”, reforça a apresentação do evento.

Criado pelo Fórum Nacional das Entidades da Psicologia Brasileira (FENPB), o CBP cumpre um relevante papel ao reunir os mais diversos setores do fazer psi, convidando a categoria a pensar sobre os problemas que afetam a sociedade, que produzem opressão e sofrimento, assim como as contribuições que a Psicologia pode oferecer na perspectiva de transformações sociais que visem ao bem comum.

Saiba mais:

6º Congresso Brasileiro de Psicologia: Ciência e Profissão (CBP) 60 anos da regulamentação da Psicologia: memórias, crise da democracia e desafios para a ciência e para a profissão

Data: 11 a 15/11/2022

Local: São Paulo – SP

Informações: cbpsi.org.br

Inscrições: https://www2.cfp.org.br/inscricoesonline/cbp/2022