Assembleia das(os) Delegadas(os) Regionais confirma Consulta Nacional

Foi realizada no sábado (5), em Brasília/DF, a Assembleia de Delegadas e Delegados para a conclusão do processo eleitoral para o Conselho Federal de Psicologia (CFP). As(os) delegadas(os) regionais, por meio de votação, escolheram como vencedora a chapa 21 “Frente em Defesa da Psicologia Brasileira”, a mais votada pela categoria na consulta realizada no período de 23 a 27 de agosto deste ano.

A Assembleia de Delegadas(os) Regionais foi realizada em observância ao Artigo 21 da Lei Federal nº 5.766/71, segundo a qual compete à Assembleia eleger os membros do Conselho Federal e respectivos suplentes, em sessão que deve ser realizada entre 30 e 45 dias da expiração do atual mandato.

Presidiram a mesa da Assembleia de Delegadas(os) a conselheira presidente do CFP, Ana Sandra Fernandes, e a presidente da Comissão Eleitoral Especial, Iolete Ribeiro da Silva.

Ao dar início aos trabalhos da sessão, a presidente do CFP fez um importante resgate histórico da construção e opção democrática, feita há duas décadas pelo Sistema Conselhos de Psicologia, pela realização da Consulta Nacional, bem como da sua hígida legalidade.

Há 20 anos, o CFP deflagra o processo eleitoral para o pleito federal em período concomitante às eleições dos Conselhos Regionais, pautado nos mesmos princípios da publicidade, transparência e isonomia.

O objetivo é operacionalizar as condições de convocação, elegibilidade, desimpedimentos e campanha, realizando também a consulta à categoria de psicólogas(os). Dessa forma, é possível “estabelecer uma baliza de maior intensidade democrática para a eleição a ser realizada pela Assembleia de Delegadas e Delegados, que é o motivo de estarmos reunidos aqui hoje”, explicou a presidente Ana Sandra.

Em seguida, a presidente do CFP passou a palavra à presidente da Comissão Eleitoral Especial (CEE), Iolete Ribeiro da Silva, que apresentou os resultados da Consulta Nacional 2022, orientou como proceder a votação por meio do sistema de tokens e revelou o resultado final da escolha da maioria das(os) delegadas(os): a Chapa 21 – Frente em Defesa da Psicologia Brasileira.

Para o pleito foi homologada a inscrição de 2 (duas) chapas concorrentes: a Chapa 21 – Frente em Defesa da Psicologia Brasileira (vencedora da consulta à categoria) e a Chapa 22 – Toda Psicologia: Ética, Plural e Democrática.

Nota de pesar: Odette Lourenção Van Kolck

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) manifesta profundo pesar pelo falecimento da psicóloga Odette Lourenção Van Kolck, uma das pioneiras da profissão no país e que integrou a equipe responsável pela elaboração da Lei 4.119/62, que dispõe sobre a formação em Psicologia e sua regulamentação no Brasil.

Odette foi suplente na composição da diretoria do CFP em 1973, quando de seu estabelecimento, e titular efetiva no período de 1976 a 1979. Em 1982 recebeu o diploma de honra ao mérito do Conselho Federal de Psicologia, concedido a personalidades que se destacaram na profissão.

Referência na área, foi professora do Instituto de Psicologia da USP, ocupando o cargo de vice-diretora entre os anos de 1985 a 1989, e também presidente da Coordenadoria de Pós-Graduação em Psicologia Clínica na mesma instituição. Ao longo de sua trajetória, foi também por três vezes presidente da Sociedade de Psicologia de São Paulo e membro fundador da Academia Paulista de Psicologia, com obras como “Interpretação Psicológica de Desenhos” (1968) e “Técnicas de Exame Psicológico e suas aplicações no Brasil” (1974).

Ao manifestar condolências à família e amigas(os), o Conselho Federal de Psicologia reconhece a história e importância do legado de Odette Lourenção Van Kolck para a construção e o fortalecimento da Psicologia no país.

Conselho Federal de Psicologia e Exército Brasileiro reúnem-se para estabelecer parcerias sobre Avaliação Psicológica

Estreitar relações para futuras parcerias no âmbito da Avaliação Psicológica. Este foi o objetivo central da reunião entre a Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica do Conselho Federal de Psicologia (CCAP/CFP) e o Centro de Psicologia Aplicada do Exército (CPAEx), realizada na sede da autarquia federal na quarta-feira (31).

No encontro, foram definidas ações estratégicas como o processo de Avaliação Psicológica para ingresso na carreira militar e participação da CPAEx nas discussões para a revisão da Resolução CFP Nº 2/2016, que regulamenta a avaliação psicológica em concursos públicos e em processos seletivos. 

A conselheira federal e coordenadora da CCAP, Katya de Oliveira, destacou que o Sistema Conselhos de Psicologia tem trabalhado na revisão da Resolução CFP Nº 2/2016, mas que o trabalho foi suspenso em razão do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3481.

Segundo os representantes do Exército brasileiro, o trabalho é importante especialmente diante da necessidade do desenvolvimento de testes psicológicos para o ingresso na carreira militar.

A tenente Patrícia Siqueira, integrante da CPAEx e mestre em Psicologia, ressaltou a importância do CFP para apoiar estratégias que buscam ampliar o conhecimento da importância da Avaliação Psicológica em concursos públicos, inclusive nas fases de recursos judiciais.

A integrante da CCAP Caroline Reppold pontuou que, por resolução, a Comissão não atua em casos específicos em processos judiciais. No entanto, o Conselho Federal de Psicologia tem divulgado a importância do tema, especialmente quanto aos prejuízos para  a sociedade da banalização dos testes psicológicos e da avaliação psicológica.

Avaliação Psicológica

A coordenadora da CCAP, Katya Oliveira, destacou que, para publicar a Resolução Nº 1/2022, sobre avaliação psicológica para manuseio de arma de fogo, o Conselho Federal de Psicologia promoveu reuniões com a Polícia Federal e, do mesmo modo, pode estreitar os laços com o Exército para debater a normativa.

Foi o que também ressaltou a psicóloga e consultora ad hoc, Cristiane Faiad: “a qualificação da Avaliação Psicológica é uma discussão central que deve ser feita entre instituições públicas e privadas, para garantirmos a prática psicológica nesses contextos”.

Além de  apresentar a estrutura, o organograma e os projetos de Avaliação Psicológica em implementação pelo Exército brasileiro, o comandante da CPAEx, tenente Coronel Gustavo Torres Fernandes, convidou o CFP para a 1ª Jornada de Avaliação Psicológica do Exército, que acontecerá no Rio de Janeiro, em outubro.

Sobre a CCAP

A Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica (CCAP) foi criada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) em 2003 e tem por função discutir e propor diretrizes, normas e resoluções no âmbito da avaliação psicológica no contexto da atuação profissional da(o) psicóloga(o), além de conduzir o processo de avaliação dos testes psicológicos submetidos ao Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos (SATEPSI).

Sobre a CPAEx

Criado em 2015, o Centro de Psicologia Aplicada do Exército (CPAEx) é uma instituição de pesquisa responsável pelo assessoramento aos órgãos do Exército Brasileiro acerca da Psicologia aplicada aos contextos militares.

A corporação também é responsável pela avaliação, preparo, acompanhamento e desmobilização psicológica e a realização de avaliações psicológicas nos diversos processos seletivos do Exército.

Saiba mais

Em agosto passado, o Conselho Federal lançou uma nova edição da Cartilha de Avaliação Psicológica trazendo às(aos) profissionais da Psicologia informações de natureza ética, teórica e metodológica sobre a avaliação psicológica. O objetivo da edição é aprimorar a qualidade dos serviços psicológicos oferecidos à sociedade brasileira.

A publicação foi elaborada pela Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica (CCAP) do CFP com o objetivo de orientar a categoria e os Conselhos Regionais de Psicologia em questões relativas à avaliação psicológica no exercício profissional da(o) psicóloga(o).

A Cartilha de Avaliação Psicológica 2022 já está disponível de forma gratuita no site do CFP.

 

Eleições 2022: saiba como obter a 2ª via do comprovante de votação

As(os) psicólogas(os) que votaram para as Eleições 2022 dos Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs) e para a Consulta Nacional do Conselho Federal de Psicologia (CFP) já podem acessar a segunda via do comprovante de votação.

Para isso, a(o) profissional precisa entrar no site das eleições eleicoespsicologia.org.br e acessar o ícone “comprovante ”, localizado na parte superior central da página. Após clicar no ícone, é solicitado o CPF e a senha que a(o) psicóloga(o) utilizou para a votação. Depois, clique em “Acessar Comprovante”.

Caso o sistema identifique que tenha votado, será apresentado o seu comprovante de votação na tela, basta imprimi-lo ou salvá-lo em seu seu computador ou dispositivo, ou ainda enviá-lo para o e-mail cadastrado no sistema eleitoral.

Após baixar o arquivo, confira na seção de downloads do computador ou do dispositivo móvel se o arquivo foi enviado. O comprovante apresenta as seguintes informações: site das eleições, nome completo, data e hora exata do registro do voto, identificação, IP e código de autenticidade.

CFP lança pesquisa sobre atuação de psicólogas(os) na política pública de atenção às pessoas com deficiência

O Conselho Federal de Psicologia (CFP), por meio do Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (Crepop), iniciou a pesquisa sobre a atuação de psicólogas(os) na política pública de atenção às pessoas com deficiência. O objetivo é subsidiar a elaboração de referência técnica para atuação na mesma política.

A pesquisa terá início com a etapa qualitativa nos Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs). Profissionais interessadas(os) em participar das entrevistas – de forma presencial ou por videoconferência – devem preencher o formulário até o dia 30 de setembro.

O Crepop ressalta que a participação é voluntária e a realização das entrevistas dependerá da disponibilidade da equipe, de acordo com a agenda do Crepop no Conselho Regional de seu estado.

O questionário on-line será disponibilizado em breve. Fique atenta(o) aos canais oficiais do Conselho Federal de Psicologia.

Acesse as Referências Técnicas do Crepop.

Saiba mais sobre a Metodologia Crepop.

Eleições da Psicologia: saiba como justificar seu voto

As(os) psicólogas(os) que não registraram seus votos na Consulta Nacional ao Conselho Federal de Psicologia (CFP) e nas eleições para os Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs), realizadas no período de 23 a 27 de agosto, terão que preencher formulário de justificativa. O prazo para esse procedimento é de 60 dias a contar do dia 28 de agosto de 2022.

Para justificar o voto, basta entrar no site das eleições em eleicoespsicologia.org.br, selecionar o seu Regional clicar no ícone “Justificar” que aparece no menu e, em seguida, preencher o formulário da página e finalizar registrando a justificativa.

Como o voto é obrigatório, a justificativa se faz necessária e foi estipulada no Regimento Eleitoral, em seu artigo 4º e § 2º, da Resolução CFP 05/2021,  definida pela Assembleia das Políticas, da Administração e das Finanças – APAF: “As psicólogas que não votarem deverão apresentar justificativa, entre os dias 28 de agosto de 2022 e 26 de outubro de 2022, no Site Oficial das Eleições, sob pena de aplicação de multa no valor R$ 3,51”.


Eleições 2022

A votação para escolher os novos plenários dos CRPs e do CFP ocorreu entre 23 a 27 de agosto de 2022, apenas na modalidade online. O total de psicólogas(os) votantes foi de 96.702 em todo o país. 

Sessão Solene da Câmara Legislativa do Distrito Federal celebra a Psicologia

Nesta segunda-feira (8), a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) realizou uma Sessão Solene para celebrar os 60 anos da regulamentação da Psicologia no Brasil. A solenidade foi promovida a partir de proposição da deputada distrital Arlete Sampaio (PT) e levou ao plenário da Casa a discussão sobre o contexto atual e o futuro da Psicologia.

A conselheira do Conselho Federal de Psicologia (CFP) Izabel Hazin afirmou que as solenidades que têm sido realizadas pelo país para celebrar os 60 anos da profissão têm revelado o quanto a Psicologia é potente. “Uma Psicologia que cada vez mais é brasileira, e atende ao chamado da sua população em todos os espaços em que se faz necessário o cuidado e o desenvolvimento”, pontuou.

Debates

A deputada distrital Arlete Sampaio destacou que, ao longo destes 60 anos, a Psicologia se afirmou como uma profissão reconhecida da população brasileira e que desempenha um papel relevante na questão da saúde mental, na implantação da reforma psiquiátrica e trabalhando nos serviços substitutivos.

“É fundamental que tenhamos o reconhecimento ao trabalho das psicólogas e dos psicólogos em todos esses sistemas, além das clínicas particulares, do atendimento individual. A Psicologia afirmou seu espaço nas políticas públicas, assim como nos consultórios particulares”, apontou a parlamentar.

A deputada federal Erika Kokay (PT/DF) ressaltou que o país atravessa um momento difícil de um Estado em sua função social e de promoção de direitos. Para ela, a Psicologia tem desempenhado um papel de resistência, compromissada com a vida, a liberdade e com a democracia.

“Os profissionais de Psicologia, por meio das suas entidades, têm resistido a tudo isso. A resistência de psicólogas e de psicólogos que dizem que só se cuida em liberdade e que não se cuida se não for em liberdade”, afirmou.

Falando em nome do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal (CRP-01), o psicólogo Rafael Gonçalves lamentou a desarticulação da reforma psiquiátrica nos últimos anos. “A gente tem visto um trabalho de forças que não estão nem aí para a construção de uma saúde mental e da integração necessária de políticas e serviços que isso exige”, destacou.

A diretora de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Vanessa Soublin de Vasconcelos, ressaltou que o DF trabalha com um déficit de profissionais da Psicologia na atenção primária e que há necessidade de profissionais da Psicologia para compor a rede. “Profissionais que tem ações multiprofissionais, ações de clínica ampliada e que extrapolam em muito o que entendem da psicologia de atendimento clínico individual. É um trabalho diferenciado e que precisa ser feito para a população”, destacou.

A diretora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a psicóloga Fabiana Damásio, avaliou que a Psicologia deve continuar reafirmando o propósito da profissão do cuidado em todas as circunstâncias históricas, políticas e sociais do nosso país. “As diversidades que nos fazem mais fortes e fazem com que o cuidado seja reconhecido em todos os espaços”, afirmou.

A diretora da Federação Nacional dos Psicólogos (Fenapsi), Fernanda Magano, lembrou que a Psicologia tem construído espaços com a sociedade brasileira e com o cuidado da população na defesa dos direitos humanos, das políticas públicas e de uma luta antimanicomial. “Os 60 anos da Psicologia são estes primeiros 60 anos de uma profissão que tem muito a contribuir com a realidade brasileira”.

Para o coordenador de Graduação do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB), Domingos Sávio Coelho, a profissão tem o desafio de atuar nas frentes da inclusão, da diversidade e da equidade e lembrou da importância da presença das comunidades tradicionais. “É fundamental que as comunidades tradicionais tenham seus estudantes na universidade e a Psicologia tem muito a contribuir para este processo”.

A presidente do Sindicato dos Psicólogos do DF (SinPsi/DF), Tamara Levy, ressaltou que as(os) profissionais da Psicologia, que cuidam de pessoas, também precisam de cuidado. “Precisamos ocupar espaços políticos para nos fortalecer enquanto classe trabalhadora, enquanto profissionais da saúde”, defendeu.

Para a representante da Articulação Nacional de Psicólogas(os) Negras(os) e Pesquisadoras(es) (Anpsinep), Joyce Avelar, por estar inserida em um contexto social de desigualdades, a Psicologia tem o desafio de não reproduzir a lógica racista, classista, machista e LGBTfóbica presente na sociedade. “Nós precisamos insistir em criar no meio da Psicologia quilombos vivos. Nós lutamos por uma Psicologia enegrecida e que mantenha viva e saiba a importância das memórias e saberes afro e indígenas brasileiras. Lutamos pelo reconhecimento das nossas contribuições e potencialidades”.

A presidente do Conselho Regional de Serviço Social do DF (CRESS/DF), Karina Aparecida de Figueiredo, afirmou que a Psicologia tem sido grande parceira do Serviço Social ao longo das últimas décadas, ressaltando que pautas e lutas da Psicologia também fazem parte das lutas do Serviço Social. “Tem sido um caminho muito importante essa construção coletiva, principalmente, nesta conjuntura que a gente tem vivido”, reconheceu.

*Celebrações pelo Brasil
Ao longo de todo este ano têm sido realizadas por casas legislativas de todo o país sessões solenes para celebrar o sexagenário da Psicologia. As reuniões nas assembleias e câmaras municipais realçam as contribuições da Psicologia à sociedade e seus desdobramentos históricos nas últimas seis décadas. Até o momento foram realizadas treze solenidades em 12 cidades de 10 estados brasileiros.

CFP promove evento para celebrar os 60 anos da Psicologia. Participe!

Neste mês de agosto a Psicologia completa seis décadas desde que foi regulamentada como ciência e profissão no Brasil. Para celebrar esta importante trajetória, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) promove no próximo dia 12/8, em Brasília (DF), a partir das 18h30, a cerimônia “Psicologia 60 Anos: Uma História para Construir o Futuro”.

Unindo memória e arte, a atividade vai resgatar as transformações e avanços da Psicologia no Brasil a partir de sua regulamentação, em 1962. Desde o contexto da profissão diante da recém instalada ditadura civil-militar, às lutas para fazer da Psicologia uma profissão orientada pelo cuidado integral e a promoção da dignidade humana, cada vez mais presente nas políticas públicas.

“Será uma celebração em que profissionais e artistas usuários da rede de serviços de saúde mental, referenciados em suas práticas e corpos, apresentarão as tessituras que marcam a construção da Psicologia no Brasil. É o olhar da arte – que se mostrou tão essencial diante das dores vivenciadas com a pandemia da Covid-19 – mais uma vez trazido em sua dimensão humanizadora e como potência para conhecer e transformar a realidade”, destaca a presidente do CFP, Ana Sandra Fernandes.

A programação também vai homenagear as presidências de todos os Plenários do Conselho Federal de Psicologia ao longo desses 60 anos, em reconhecimento às contribuições para a constituição desta profissão que hoje conta com mais de 440 mil psicólogas e psicólogos em todo o Brasil.

“É o olhar a uma profissão que se constrói e reconstrói ancorada em um compromisso ético, científico e político. Uma Psicologia em movimento, atenta ao passado para construir o presente e projetar o futuro”, ressalta a presidente do CFP.

Transmissão em tempo real

A programação do evento será transmitida em tempo real pelas redes sociais do Conselho Federal de Psicologia. E você é nossa(o) convidada(o) especial.

Participe desta celebração!

CFP realiza treinamento das comissões eleitorais para as Eleições 2022

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) promoveu, durante os dias 4 e 5 de agosto, o Treinamento Eleitoral para capacitar as(os) representantes das Comissões Regionais Eleitorais (CRE) para o processo de votação on-line que ocorre entre os dias 23 e 27 de agosto.

Durante dois dias de atividades, as comissões puderam aprofundar conhecimentos sobre como funcionará o processo de votação on-line e contribuir com melhorias. O grupo também conheceu o regimento eleitoral e as normas do processo para as comissões. Também foi apresentado o sistema de votação, o manual de orientação e de instruções, bem como o detalhamento dos procedimentos administrativos. Também foi oferecido um treinamento na prática sobre como funciona a urna eleitoral.

Participaram da atividade as(os) presidentes das Comissões Eleitorais e pelo menos mais uma(um) funcionária(o) dos Conselhos Regionais. Além de aprender sobre o funcionamento da Consulta Nacional 2022, eles trouxeram  suas contribuições para implementarem melhorias para o próximo pleito eleitoral.

Eleições 2022

As eleições para o Sistema Conselhos de Psicologia ocorrem neste mês de agosto, durante os dias 23 a 27, apenas pela modalidade on-line pelo site eleicoespsicologia.org.br. Na página as(os) psicólogas(os) podem se manter informados sobre os processos, conhecer as chapas e tirar dúvidas sobre a forma de votação.

Para votar, é possível utilizar computador, tablet ou smartphone conectado à internet. Os Conselhos Regionais também disponibilizarão pontos de votação, também de 23 a 27 de agosto, de 8h às 17h, respeitando o fuso de cada região. O voto nos pontos de votação também será na modalidade on-line. 

Para votar, é preciso estar com os dados cadastrais atualizados – principalmente o endereço de e-mail ou número de celular. Também é necessário estar adimplente com a tesouraria em relação aos exercícios anteriores, até o dia 26 de agosto de 2022, ainda que sob a forma de parcelamento do débito, bem como em pleno gozo de seus direitos.

*Matéria atualizada em 16 de agosto de 2022.

Eleições para o CFP e CRPs ocorrem em agosto

Está chegando o momento em que as psicólogas e psicólogos de todo o país escolherão suas(seus) representantes para o Conselho Federal de Psicologia (CFP) e para os Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs). As eleições ocorrem de 23 a 27 de agosto de 2022, na modalidade on-line, por meio do site www.eleicoespsicologia.org.br.

Para votar, é preciso estar com os dados cadastrais atualizados – principalmente o endereço de e-mail ou número de celular. Também é necessário estar adimplente com a tesouraria em relação aos exercícios anteriores, até o dia 26 de agosto de 2022, ainda que sob a forma de parcelamento do débito, bem como em pleno gozo de seus direitos.

As(os) profissionais que ainda não atualizaram seus dados pessoais podem fazer isso até o dia 16 de agosto pela internet (cadastro.cfp.org.br). Após essa data, a atualização deve ser feita nos Pontos de Apoio à Votação do CRP, durante o período de votação.

O CFP incentiva a participação de todas(os) as(os) psicólogas(os) nesse processo democrático que definirá as gestões responsáveis por colocar em prática as ações e políticas relacionadas à profissão para os próximos três anos, em âmbito federal e regional.

O voto é secreto, pessoal, intransferível e obrigatório. O voto passa a ser facultativo apenas para psicólogas(os) com idade a partir de 65 anos.

A(o) eleitora(or) poderá votar utilizando qualquer computador, smartphone ou tablet conectado à internet. Se preferir, poderá comparecer a um ponto de apoio à votação do CRP em que está inscrito, dos dias 23 a 27 de agosto, das 8h às 17h, respeitando o fuso horário de cada região.

Está disponível no site das eleições a opção “Colégio Eleitoral”, por onde é possível conferir se a(o) psicóloga(o) está apta(o) a votar. É importante que a(o) profissional realize essa consulta antecipadamente, para garantir tempo hábil à solução de eventual problema.